1

Você ainda vai ouvir falar muito de DART.

#Programação para Internet #Dart #UI/UX
Vagner Bellacosa
Vagner Bellacosa

Você ainda vai ouvir falar muito de DART.


Um pouco de spoiler é uma Linguagem de programação DART criada pela Google em 2011 e presente em muitas instalações no mundo, usada em Front-end e substituindo o JavaScript em programas, mas calma vamos conhecer esta linguagem não tão nova assim em mais detalhes.


Um pouco de história.


A Google insatisfeita com o JavaScript e querendo inovar, resolve criar uma linguagem de script, proprietária e para uso em seus laboratórios, mais uma, Typescript e Microsoft tem dizem algo? 


Porem apesar das promessas do Google Chrome ter um compilador nativo em Dash, esse era o nome original, o mercado não abraçou a ideia, pois como sabemos a Google tem o péssimo habito de abandonar projetos a meio dos caminhos (saudoso Orkut, Picassa e tantos outros).


Mesmo assim alguns aventureiros iniciaram sua jornada nesta linguagem, que apesar do início pífio, vem crescendo e alguns grandes players abraçaram a linguagem. Fofocas a parte, vamos ver o que ela é e o que oferece. 


Origem e autores


A Dart é uma linguagem desenhada orginalmente para a web, que foi concebida na conferência GOTO na Dinamarca em outubro de 2011, em um projeto fundado pelos desenvolvedores Lars Bark e Kasper Lund, em sua sabatina pelos gurus da ECMA International foi aprovada e funcionava em todos os browsers modernos.


O que é DART?


É uma linguagem da família C, então se programa em C++, Java, Javascprit e outras, não terá grandes problemas com a sintaxe e comandos. Muito utilizada em front-side, client-side, mobile, sendo fortemente tipada, orientada a objetos e multiplataforma, entre outros.


Seu grande sucesso atual deve-se a malandrice da Google que embutiu o DART dentro do Flutter é um kit de desenvolvimento de interface de usuário (UI toolkit), de código aberto e que caiu na graça da comunidade DEV. Com isso vem crescendo em adeptos e codificadores. 


Vale a pena garimpar no Google e dar uma boa lida nos tutoriais e manuais da DART, provavelmente irá codificar nesta linguagem. Os arquivos de código-fonte utilizam a extensão .DART e o VS Code possui plugin desta linguagem.


Vamos ver um programa DART?


Bem vindos ao Hello World em Dart


void main() {
 print('Olá, Mundo!');
}


Bacaninha? 3 linhas simples e fácil, como rodar? Vamos chamar nosso bom e velho camarada chocolatay e instalar o Dart no Windows


choco install dart-sdk


Executando dentro da linha de comandos do VS Code


dart run ola.dart


Parabéns acabou de concluir o primeiro programa DART.


Levantando o capo do veículo e vendo o motor.


Os caras da Google são froids, apesar de perderem a parada no substituto do Javascript construíram uma boa linguagem, maneira e cheia de meandros, malandrinha merece ser olhada com bastante atenção para descobrir seus segredos.


O Dart possui algumas variantes no que diz respeito a seu ambiente de execução. O código Dart pode ser executado em uma máquina virtual (chamada DartVM, máquina virtual está inserida em um conjunto de ferramentas chamado Dart Native).


Esta máquina virtual ainda pode ser executada em dois modos diferentes: JIT (Just-in-Time Compiler) e AOT (Ahead-of-Time Compiler). De maneira mais simplista, a compilação JIT ocorre no momento da execução de um trecho de código, onde o código Dart é convertido para código de máquina à medida em que ele é executado.

Uma vantagem que gostei, quando usamos o Java e C# necessitamos declarar a palavra reservada private, enquanto que no Dart basta colocar um underline (_) no início do nome de um atributo, voila o método ou classe se transformou em privado.


Bonus o segundo programa DART


Algoritmo de Trabb Pardo-Knuth


import 'dart:io';
import 'dart:math';

double f(double t) => sqrt(t.abs()) + 5 * pow(t, 3);

void main() {
 final a = List.generate(11, (_) => double.parse(stdin.readLineSync()));
 for (var i = a.length - 1; i >= 0; i--) {
  final y = f(a[i]);
  print(y > 400 ? "${i} TOO LARGE" : "${i} ${y}");
 }
}


Vale sempre a pena lembrar


Como boa prática de implementação no front-end, estamos importando os arquivos de script da Dart apenas no final, assim ganhamos em performance pois a página já estará carregada quando chegarmos nestes arquivos.

Atenção ao nome das variáveis nada de nomes cabalísticos que ninguém entende.


Em situações que necessite de informação extra, deixe comentário, ajuda para caramba quando se necessita dar manutenção em código nas altas madrugadas da vida.


Caso tenha despertado o interesse publicarei mais sobre o DART e sua sintaxe.


Espero ter ajudado. Te espero no próximo artigo, juntos somos mais fortes até la.



 https://www.linkedin.com/in/vagnerbellacosa/


 https://github.com/VagnerBellacosa/


Pode me dar uma ajudinha no YouTube?


 https://www.youtube.com/user/vagnerbellacosa

2
29

Comentários (2)

0
Vagner Bellacosa

Vagner Bellacosa

11/07/2021 21:57

Obrigado pelo carinho amigo Robson... fico feliz que tenha gostado. Juntos somos mais fortes

0
Robson Garcia

Robson Garcia

11/07/2021 20:16

E ai meu amigo Vagner, ler essas suas postagens, escritas de modo bem instigante, nos ajuda a entender pouco a pouco as aventuras dos Devs no desenvolvimento das linguagens. Valeu meu caro!

Abraços

Analista Programador dinossauro IBM Mainframe

Brasil