0

Visual basic Conceitos

A
Alfredo Neto

VISUAL BASIC Sebenta Teórica (versão 1) Instituto Superior de Engenharia do Porto Janeiro de 2001 ÍNDICE 1 - CONCEITOS GERAIS 1 Programação orientada ao objecto 1 Classes e Objectos 1 A linguagem Visual Basic 1 Forms e Controlos 2 Propriedades 3 Métodos 4 Eventos 5 2 - O PRIMEIRO EXEMPLO 6 Ambiente de desenvolvimento 6 Criar o projecto 7 Desenhar a interface 8 Como desenhar um controlo no form? 8 Ajustar as propriedades 9 Escrever o código 10 Correr e testar a aplicação 11 Gravar o trabalho 11 3 - VARIÁVEIS E CONSTANTES 13 Tipos de dados 13 Conceito de variável 13 Declaração de variável 15 Outros tipos de dados 16 Operação de atribuição 16 Constantes 17 Operadores 17 ii Comentários 18 Convenções a seguir na escolha de nomes de objectos 19 4 - ESTRUTURAS DE CONTROLO CONDICIONAL 20 Estruturas de selecção simples 20 Estruturas de selecção embutidas 22 Estrutura If ... Then ... ElseIf ... 22 Estrutura Select ... Case 24 5 - ESTRUTURAS DE CONTROLO REPETITIVO 26 Ciclo For ... To ... Next 26 Ciclo Do While 29 Ciclo controlado por contador 29 Ciclo Do Until 31 Ciclos controlados por sentinela 32 Ciclos imbricados 33 Ciclos com teste no fim 35 6 - VECTORES E MATRIZES 37 Vectores 37 Declaração de vectores 38 Processamento de vectores 38 Pesquisa em vectores 40 Ordenação de vectores 46 Matrizes – Arrays bidimensionais 49 Declaração de matrizes 49 Processamento de matrizes 50 Vectores de controlos 51 7 - SUB-ROTINAS 52 Procedimentos 52 Passagem de argumentos 52 Funções 54 iii 8 - FUNÇÕES PREDEFINIDAS 55 Funções matemáticas 55 Funções de manipulação de strings 56 Outras funções standard 60 Função InputBox 60 Função MsgBox 61 Formatação da saída de dados - Função Format 63 Formatação de valores numéricos 63 Formatação de cadeias de caracteres (strings) 64 Geração de números aleatórios - Funções Rnd e Randomize 65 9 - CONTROLOS 67 Option Buttons – Botões de Opção 67 Check Boxes – Caixas de Verificação 67 Frames – Quadros 68 List Boxes – Caixas de Listagem 68 1 - Conceitos Gerais Programação orientada ao objecto A programação tradicional baseia-se numa distinção clara entre o programa propriamente dito e os dados que esse programa processa. Nesta óptica, um programa é entendido como uma sequência de instruções que manipulam os dados que lhe são fornecidos. Do ponto de vista da programação orientada para objectos, a forma de encarar um programa é substancialmente diferente. Um programa passa a ser visto como uma simulação de um ou vários aspectos do mundo real, pretendendo-se com ele modelizar um conjunto de objectos que interagem com o propósito de alcançar um dado objectivo. Assim sendo, o próprio programa é estruturado como um conjunto de objectos que interagem entre si e com o mundo real. Cada objecto do programa é uma entidade com características e capacidades próprias, contendo dentro de si quer os dados a processar quer os módulos de programa que processam esses dados. Classes e Objectos Os objectos são normalmente agrupados em classes. Na vida real, um Fiat Punto ou um BMW podem ser classificados como objectos que pertencem à classe “automóvel”. São diferentes, mas não deixam de partilhar as características que os definem como automóveis. Também na programação por objectos são utilizados objectos que pertencem a classes. Cada objecto pertencendo a uma mesma classe possui características comuns a todos os objectos pertencentes a essa classe. Pode-se, assim, definir uma classe como a matriz que descreve quais as características e capacidades de um dado conjunto de objectos. Em programação, uma classe será um conjunto de especificações que regulam a criação de objectos de um dado tipo. A linguagem Visual Basic Esta linguagem incorpora os conceitos de objecto e classe. Nela existe uma vasta gama de classes de objectos predefinidas, com base nas quais o programador pode criar os objectos de que necessita no seu programa. Por outro lado, a linguagem permite também que o programador crie classes com características específicas. A Caixa de Ferramentas (“ToolBox”) VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Conceitos Gerais 2 O exemplo mais comum de objecto utilizado por aplicações desenvolvidas em linguagens orientadas para objectos como o Visual Basic é o “botão de comando” que, nesta linguagem, deriva da classe CommandButton. Sempre que o programador necessita de um botão de comando, limita-se a requerer a criação de um novo objecto dessa classe. A criação de objectos standard ou predefinidos é um processo tão elementar como a escolha numa janela denominada “caixa de ferramentas” (toolbox) da classe a que pertence o novo objecto a criar, seguida do desenho com o rato dos contornos desse objecto na janela que o vai conter. Em Visual Basic, a criação de um programa é um projecto em duas fases: · a definição da interface com o utilizador ou seja da forma como o programa se vai apresentar visualmente ao utilizador · a especificação do código que permite ao programa executar as acções requeridas Nas linguagens tradicionais, a criação da interface era responsabilidade do próprio programa, ou seja, o código que gerava a interface estava contido no programa. Em linguagens como o Visual Basic, a interface pode ser criada recorrendo às classes de objectos preexistentes, como botões, barras de menus ou caixas de texto, sem que para isso o programador tenha tido necessidade de escrever uma linha de código. Forms e Controlos Uma aplicação informática, em ambiente Windows, possui sempre uma ou mais janelas, mediante as quais se estabelece a interacção com o utilizador. Uma form com vários controlos VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Conceitos Gerais 3 Durante a fase de desenvolvimento dessa aplicação em Visual Basic, o nome dado às janelas é “Forms”. Em cada janela, ou “Form”, é possível instalar objectos como botões ou caixas de texto a que chamamos “Controlos” e que permitirão interagir com a interface. É ainda possível alterar as características (dimensionais ou outras) das “Forms” bem como configurar os Controlos de forma a adaptar a interface ao objectivo pretendido com o programa. As forms pertencem à classe “Form”. Por seu lado os controlos que tenham sido inseridos nas forms podem ser oriundos de diversas classes. Assim, um botão de comando (“commandButton”) pertence à classe CommandButton, enquanto uma caixa de texto (textBox) pertence à classe TextBox. Propriedades Como na vida real, cada objecto possui características próprias ou propriedades, que podem ser quantificadas (por exemplo, as dimensões de um botão de comando ou a cor dum rótulo). Cada form ou objecto tem associada uma lista de propriedades às quais é possível atribuir valores que determinam a sua aparência, localização e outros detalhes. Pode-se então dizer que as propriedades de um objecto definem a forma como ele se apresenta. Diversos objectos podem partilhar a mesma propriedade. Essa propriedade, no entanto, pode afectar esses objectos de forma diferente. Algumas das propriedades mais importantes e que são comuns à maior parte dos objectos são as seguintes: Propriedade Efeito Caption Define o texto a afixar na barra de título das forms, da legenda (“caption”) dos botões de comando, ou nos rótulos (“label”) Name Define o nome pelo qual o objecto é identificado Left Define o afastamento entre uma “form” e o limite esquerdo do ecrã ou entre um controlo e o limite esquerdo da “form” Top Define o afastamento entre uma “form” e o topo do ecrã ou entre um controlo e o topo da “form” Height Define a altura do objecto Width Define a largura do objecto Font Especifica qual o tipo de letra a usar nos controlos Visible Permite controlar o aparecimento de um dado objecto VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Conceitos Gerais 4 Os valores que tomam as propriedades de um dado objecto podem ser consultados ou modificados mediante a janela de propriedades. Nessa janela aparece a lista de propriedades do objecto que estiver nesse momento seleccionado. Janela de Propriedades Métodos Um método pode ser visto como uma função associada a um dado objecto. Essa função possibilita efectuar uma determinada acção sobre esse objecto. Tais funções estão disponíveis à partida, bastando, pois, saber como as utilizar para obter o efeito requerido. Dois métodos comuns à maior parte dos objectos e de utilização frequente são os seguintes: Move Este método tem como resultado a deslocação do objecto ou form, bastando para tal, que lhe seja fornecida a informação de qual a localização final. A sua sintaxe é: Objecto.Move Left, Top, Width, Height Objecto representa o objecto ao qual o método Move vai ser aplicado, enquanto Left, Top, Width e Height são os parâmetros a ser fornecidos ao método, ou seja, as informações acerca de como efectuar a deslocação. De entre todos os parâmetros, somente o parâmetro Left é obrigatório. SetFocus Permite definir qual o objecto que está actualmente assinalado. Diz-se, em linguagem típica do ambiente Windows, que esse objecto possui o focus, querendo com isso dizer que será esse o objecto a ser accionado pela próxima acção do utilizador. Neste ambiente, ao mesmo tempo, não pode haver mais do que uma janela a possuir o focus e, dentro dela, só um objecto nas mesmas condições. A sintaxe deste método é: Objecto.SetFocus Para que o método seja executado, basta associá-lo com Objecto. Não há necessidade de qualquer informação (parâmetro) adicional. VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Conceitos Gerais 5 Um objecto pode ser assinalado (receber o focus) através da inclusão do comando acima referido num programa, ou mediante um “clique” do rato sobre o próprio objecto. Eventos Por evento entende-se um acontecimento a que um objecto é capaz de reagir. A lista de eventos que um objecto pode reconhecer é específica desse objecto. Um evento pode resultar de uma acção do utilizador ou decorrer do funcionamento do próprio programa. Dois dos eventos mais vulgares são o Click (pressão simples no objecto com o rato) e o DoubleClick (dupla pressão sobre o objecto). Quando ocorre um evento que o objecto é capaz de reconhecer, uma resposta pode ser produzida. Essa resposta está exclusivamente dependente de código especificamente escrito para o efeito pelo programa78 Essa96 rck 2 - O primeiro exemplo Nesta parte começa-se por apresentar o ambiente de desenvolvimento integrado do Visual Basic (menu bar, toolbars, toolbox, project explorer window, properties window, form designer e code editor window). Depois explica-se como se cria um projecto e detalham-se os passos necessários à construção de uma aplicação em VB. São eles: · Desenhar a interface · Ajustar as propriedades · Escrever o código Por fim mostra-se como se corre uma aplicação e se guarda o trabalho. Tudo isto é complementado com um pequeno exemplo cuja implementação vai sendo explicada e que consiste em desenvolver um pequeno programa que efectue a conversão entre graus Celsius e graus Farenheit. Ambiente de desenvolvimento Ambiente de Desenvolvimento Integrado do Visual Basic VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) O primeiro exemplo 7 O Ambiente de Desenvolvimento do Visual Basic é composto pelos seguintes elementos: Menu Bar Apresenta os comandos que se usam para trabalhar com o Visual Basic. Para além dos habituais menus File, Edit, View, Window e Help, existem outros menus que permitem o acesso a funções específicas da programação tais como Project, Format ou Debug. Toolbars Possibilitam um acesso rápido aos comandos mais frequentemente usados. Basta clicar uma vez num botão da toolbar para executar a acção associada a esse botão. Toolbox Fornece um conjunto de ferramentas usadas para inserir controlos nos forms. Project explorer window Lista os forms e módulos existentes no projecto actual. Um projecto é uma colecção de ficheiros usados para construir uma aplicação. Properties window Permite modificar a aparência ou comportamento do form ou controlo seleccionado. As propriedades são características dos objectos, tais como tamanho, texto ou cor. Form designer É a janela de trabalho que serve para desenhar a interface da aplicação com o utilizador. Inserem-se controlos, gráficos e imagens no form para se obter o resultado e aparência desejados. Cada form da aplicação tem o seu próprio "form designer". Code editor window Editor onde se escrevem as instruções que irão responder às acções do utilizador: botão premido, movimentos do rato, entrada de dados, etc. Existe um editor separado para cada form da aplicação. Criar o projecto No desenvolvimento de qualquer aplicação em VB começa-se por criar um projecto que reunirá todas as partes necessárias ao funcionamento da aplicação (forms, módulos, ...). Para criar um projecto deve-se escolher a opção New Project do menu File e de seguida seleccionar Standard EXE na janela New Project. Nota: Quando se corre o Visual Basic pela primeira vez, a janela New Project surge por defeito. VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) O primeiro exemplo 8 EXEMPLO Crie então um projecto da forma indicada. Desenhar a interface O primeiro passo no desenvolvimento de uma aplicação consiste em criar o form que será a base da interface dessa aplicação. De seguida desenham-se os controlos necessários no form criado. Os controlos são caixas, botões ou texto desenhados no form para receber ou mostrar informação. Como desenhar um controlo no form? 1. Seleccionar o controlo pretendido na toolbox 2. Mover o apontador do rato para o form - o apontador do rato passa a ser uma cruz 3. Colocar a cruz onde se deseja o canto superior esquerdo do controlo 4. Premir o botão esquerdo do rato e sem largar efectuar um movimento de arrastamento até o controlo ter o tamanho desejado 5. Libertar o botão do rato - o controlo aparece no form Para mover um controlo basta clicar com o botão esquerdo do rato sobre o controlo a mover e, sem largar, efectuar um movimento de arrastamento até chegar à posição pretendida. Para alterar as dimensões selecciona-se o controlo e arrastam-se os handles (8 pequenos quadrados) em seu redor para dar o tamanho desejado. EXEMPLO (cont.) Neste pequeno exemplo vamos usar 3 tipos de controlos: Controlo Designação Descrição Label (etiqueta) Contém texto e é normalmente usado para descrever algo Text box (caixa de texto) Permite a visualização e edição de dados Command button (botão de comando) Executa uma acção (previamente associada) quando premido VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) O primeiro exemplo 9 Insira os seguintes controlos no form: v 3 labels (etiquetas) v 1 text box (caixa de texto) v 1 command button (botão de comando) Após ter inserido estes controlos deverá obter algo semelhante ao form a seguir apresentado. O próximo passo será o de ajustar as propriedades dos controlos e do próprio form. Ajustar as propriedades Todos os objectos que constituem a parte visível de um programa em Visual Basic têm propriedades (o próprio form é um objecto e tem propriedades). Janela das propriedades As propriedades de um controlo configuram-se na janela das propriedades - Properties Window. Esta janela mostra sempre as propriedades do controlo (eventualmente um form) VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) O primeiro exemplo 10 seleccionado. Por esta razão, para configurar as propriedades de um objecto é necessário seleccioná-lo previamente. Em alguns casos, o valor da propriedade pode ser escolhido de uma lista de opções predefinidas. EXEMPLO (cont.) Altere então as seguintes propriedades: Objecto Propriedade Valor Form Caption Conversão Celsius – Farenheit Label1 Caption Graus Celsius: Text1 Name txtCelsius Text (vazio) Label2 Caption Graus Farenheit: Label3 Name lblFarenheit Caption (vazio) Command1 Name cmdConverter Caption Converter Escrever o código O editor de código - Code Editor - do Visual Basic é onde se escrevem as instruções de resposta às acções do utilizador. Através deste editor pode-se rapidamente ver ou editar o código da aplicação. Para abrir o editor de código basta fazer duplo-clique no controlo ou form para o qual se pretende escrever o código. Editor de código VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) O primeiro exemplo 11 O código numa aplicação VB está dividido em pequenos blocos a que se dá o nome de procedimentos. Um procedimento de evento - event procedure - contém código que é executado quando o evento ocorre como por exemplo quando se prime um botão. Cada objecto possui um conjunto próprio de eventos aos quais reage. O nome de um procedimento de evento é sempre composto pelos nomes do objecto e do evento separados por um caracter de underscore (_). Por exemplo, se quisermos que o botão Command1 chame um evento quando premido, usamos o procedimento Command1_Click. EXEMPLO (cont.) Faça duplo-clique no botão Converter, escolha o evento Click e no espaço entre as declarações "Private Sub cmdConverter_Click()" e "End Sub" escreva a seguinte instrução: lblFarenheit.Caption = 1.8 * txtCelsius.Text +32 Correr e testar a aplicação EXEMPLO (cont.) Corra a aplicação seleccionando a opção Start que se encontra no menu Run, ou simplesmente premindo a tecla F5. Para testar a aplicação introduza valores na caixa de texto relativa aos graus Celsius, prima o botão Converter e confirme o resultado que aparece na caixa de texto dos graus Farenheit. Gravar o trabalho Para guardar o trabalho usa-se a opção Save Project do menu File. O Visual Basic pede então para indicar os nomes dos forms e do projecto separadamente, bem como o local onde o trabalho ficará guardado. O VB usa as extensões ".frm" para forms e ".vbp" para projectos. Para efectuar alterações a um programa gravado bastará abrir o ficheiro do projecto, usando para o efeito a opção Open Project do menu File. EXEMPLO (cont.) Como o nosso pequeno programa tem um único form, o Visual Basic usará apenas dois ficheiros para o guardar. Por defeito o VB atribuirá os nomes "Form1.frm" e "Project1.vbp" ao form e projecto, respectivamente. Estes nomes podem no entanto ser alterados no momento da gravação. VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) O primeiro exemplo 12 Proceda então à gravação do trabalho. Poderá escolher um nome mais apropriado para o projecto, como por exemplo "ConverteGraus". 3 - Variáveis e Constantes Tipos de dados A informação processada por um programa pode ser de diferente natureza e existir em diferentes formatos. Genericamente um programa pode utilizar informação numérica e informação chamada alfanumérica, ou seja texto. A linguagem Visual Basic suporta diversos tipos de dados, entre os quais: Tipo Descrição Integer (inteiro) usado para representar inteiros entre -32768 e 32767 String (cadeia de caracteres) usado para representar informação alfanumérica como letras, algarismos e símbolos especiais. Boolean (booleano) usado para representar valores lógicos. A partir dos tipos de dados preexistentes é ainda possível criar novos tipos de dados especificamente adaptados às necessidades do programador. Conceito de variável Uma variável é uma localização de memória em que a informação pode ser guardada de modo a ser usada por um programa. Cada variável é caracterizada pelo seu nome e pelo seu tipo, ou seja, o tipo de dados que pode armazenar. O conteúdo de uma variável pode mudar durante a execução do programa. Existem algumas regras governando a escolha do nome duma variável: · Deve obrigatoriamente começar por uma letra · Não pode conter espaços nem caracteres como vírgulas ou pontos · Não pode exceder 255 caracteres VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Variáveis e Constantes 14 O tipo da variável especifica qual o tipo de dados que pode conter. Uma variável de um determinado tipo não está preparada para armazenar dados de um tipo diferente. A razão para este facto é que o espaço necessário para armazenar diferentes tipos de dados não é o mesmo. Enquanto um inteiro simples pode ser guardado em 2 bytes de memória 1 , para guardar um número real pode-se necessitar de 8 bytes (ou mesmo mais, dependendo da precisão requerida). Noção de variável 1 Para armazenar números que podem variar entre -32768 e 32767, ou seja 65536 valores diferentes, há necessidade de dispor de 16 unidades básicas de informação (bits), ou seja dois bytes (1 byte = 8 bits). De facto, se cada bit apenas pode representar um valor binário (0 ou 1), 16 bits poderão representar até 216=65536 valores diferentes. VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Variáveis e Constantes 15 Declaração de variável A declaração de variáveis é o acto pelo qual são criadas. Criar uma variável envolve dar-lhe um nome e reservar em memória o espaço necessário para que ela possa guardar o tipo de dados para o qual está a ser criada. Nenhuma variável deve ser utilizada antes de ser criada. A declaração deve, pois, preceder a utilização. Em Visual Basic, existem duas formas de declaração de variáveis: explícita e implícita. A declaração explícita exige a utilização da instrução específica "Dim ... As" (Dimensionar...Como). Por exemplo, Dim Preço As Integer ...cria (declara) uma variável com o nome Preço e do tipo Integer, ou seja, preparada para receber dados do tipo inteiro simples. Pode-se usar a mesma instrução Dim para declarar mais do que uma variável de uma só vez desde que se especifique para cada variável, individualmente, qual o seu tipo. Por exemplo, Dim Preço As Integer, Desconto As Single, IVA As Single ...cria a variável Preço como sendo do tipo Integer e as variáveis Desconto e IVA como sendo do tipo Single. A declaração implícita resume-se a utilizar pela primeira vez uma variável sem qualquer declaração explícita prévia, dando-lhe um nome e atribuindo-lhe um valor. O Visual Basic cria automaticamente a variável do tipo correcto. Esta segunda forma de declarar variáveis tem, a despeito da sua simplicidade, um problema grave: é possível, por distracção, criar uma variável nova indesejada, quando o que se pretendia era apenas escrever o nome de uma variável já existente. Atente-se no exemplo: Suponha que havia criado uma variável Distancia mediante a instrução Dim Distancia As Integer ...e que adiante no programa, por engano, escrevia Distncia ao referir-se à variável em causa. O Visual Basic não emitirá nenhum alerta, já que aceitou tranquilamente Distncia como uma nova variável. A forma mais prudente de lidar com declarações de variáveis é, pois, utilizar apenas declarações explícitas, e instruir o Visual Basic para não aceitar declarações implícitas, mediante a selecção da opção "Require Variable Declaration" no sub-menu Options do menu Tools. VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Variáveis e Constantes 16 Outros tipos de dados A linguagem Visual Basic inclui, entre outros, os seguintes tipos de dados adicionais: Tipo Descrição Long inteiro longo, ou seja, compreendido entre -2.147.483.648 e 2.147.483.647 Single real representado com precisão simples, com valores negativos compreendidos entre cerca de -3,4E38 e -1,4E-45 e valores positivos entre cerca de 1,4E-45 e 3,4E38 Double real representado com precisão dupla Date uma variável deste tipo pode armazenar datas e horas Operação de atribuição A operação de Atribuição permite guardar um dado numa variável, ou seja, atribuir-lhe um valor. A sintaxe utilizada por esta operação é a seguinte: Variável = Valor O resultado da operação será, portanto, o de guardar Valor em Variável. Valor pode ser um valor constante ou o conteúdo de outra variável. Neste caso, a atribuição consistirá na cópia do conteúdo de uma variável para outra do mesmo tipo. Conforme veremos mais à frente, pode ainda ser atribuído a Variável o resultado de uma expressão ou o valor devolvido por uma função. Trata-se de uma operação destrutiva. Se a variável contiver já um valor, uma operação subsequente de atribuição sobre essa variável, substituirá o valor nela contido pelo novo valor. Há ainda que ter em atenção o facto de que não é normalmente aconselhável atribuir um valor de um dado tipo a uma variável de tipo diferente. Os resultados podem ser a perda de informação ou o mau funcionamento do programa. VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Variáveis e Constantes 17 Constantes Uma constante consiste num nome que é dado a um valor numérico ou a uma cadeia de caracteres, e que pode ser usado dentro do programa na vez desses valores. Funciona como uma espécie de sinónimo. A utilização de constantes em substituição dos valores que representa justifica-se pelo seguinte facto: se um dado valor constante for utilizado muitas vezes ao longo dum programa, caso ocorra a necessidade de o modificar, haverá necessidade de corrigir manualmente todas as ocorrências desse valor, correndo, além disso, o risco de se enganar. Se, ao invés, for definida uma constante com esse valor, bastará modificar essa definição inicial para que tal mudança automaticamente se repercuta em todas as ocorrências dessa constante no decurso do programa. A sintaxe da definição de constantes é a seguinte: Const nome As tipo = expressão Por expressão entende-se um valor numérico, uma cadeia de caracteres, ou uma expressão cujo resultado seja um destes tipos de valores. Aqui ficam alguns exemplos de declarações de constantes: Const Pi As Double = 3.14159265358979 Const Raio As Single = 12.5 Const Perímetro As Double = 2 * Pi * Raio Operadores A linguagem Visual Basic prevê os seguintes operadores, utilizáveis em expressões: Operadores Aritméticos + adição - subtracção * multiplicação \ divisão inteira / divisão real MOD resto da divisão inteira ^ exponenciação Operadores Relacionais = igualdade VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Variáveis e Constantes 18 <> desigualdade < menor que > maior que <= menor ou igual a >= maior ou igual a Operadores Lógicos AND conjunção (e) OR disjunção (ou) NOT negação (não) Aqui ficam as tabelas de verdade dos operadores lógicos apresentados. A B A AND B A B A OR B A NOT A 0 0 0 0 0 0 0 1 0 1 0 0 1 1 1 0 1 0 0 1 0 1 1 1 1 1 1 1 Existe ainda um operador usado para concatenação de strings. Esse operador é o &. Comentários Comentários ao código do programa podem ser inseridos mediante a utilização da "plica". Assim, todo o texto escrito a seguir a uma plica, será considerado como um comentário e não como pertencendo a uma instrução. Exemplo: ' isto é um comentário É de toda a conveniência a utilização de comentários para documentar o programa, o seu objectivo, as funcionalidades dos seus módulos, as técnicas particulares utilizadas, o significado de algumas variáveis mais importantes, e outros detalhes cujo significado não seja óbvio. Tal informação será preciosa quando futuramente se pretender corrigir ou modificar o programa. VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Variáveis e Constantes 19 Convenções a seguir na escolha de nomes de objectos Se bem que não seja obrigatório, o seu uso é, no entanto, conveniente, para permitir identificar com facilidade o tipo de objecto a que um dado nome se refere. Classe de Objecto Nome começa por Form Frm CommandButton Cmd Frame Fra Horizontal ScrollBar Hsb Image Img Label Lbl List Box Lst Menu Mnu Option Button Opt Picture Box Pic Text Box Txt Vertical SrcrollBar Vsb 4 - Estruturas de controlo condicional Muitos problemas requerem que diferentes cursos de acção sejam escolhidos em função do estado de uma determinada condição. As estruturas de controlo permitem condicionar o fluxo do programa, ou seja, a sequência pela qual as instruções são executadas. Estruturas de selecção simples Uma estrutura de controlo fundamental é a estrutura condicional, ou de selecção. Usando esta estrutura, as instruções podem ser executadas condicionalmente. Se uma dada condição for verdadeira, será executada uma dada sequência de instruções. Se for falsa, uma sequência diferente será escolhida. A estrutura If ... Then efectua o teste de uma condição. Se tal condição for verdadeira, desencadeará a execução das instruções representadas por Acção1. Em caso contrário, será executada a Acção2. Sintaxe: If condição Then Acção1 Else Acção2 End If A condição pode consistir numa comparação, ou em qualquer expressão de que resulte um valor numérico: um valor não nulo será interpretado como Verdadeiro, enquanto um valor nulo será considerado como Falso. A condição é, portanto, uma expressão booleana (lógica). Uma expressão booleana representa um valor booleano, TRUE (verdadeiro) ou FALSE (falso) e pode ser constituída por uma variável, uma função ou uma combinação destas entidades através de operações. Exemplos de condições: X >= 100 TESTE da Condição ACÇÃO_2 ACÇÃO_1 IF condição THEN acção_1 ELSE acção_2 NÃO SIM VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Estruturas de controlo condicional 21 Saldo > limite_credito (Nota > 0) And (Nota < 20) (X >= 100) And ((Y=20) Or (Y=40)) sqr(X) <= 1000 Not encontrado Há casos em que é desejável executar uma sequência de instruções caso uma dada condição se verificar, e nada no caso contrário. Nessa situação deve ser utilizada a seguinte variante da estrutura de controlo condicional: Sintaxe: If condição Then Acção End If Nota: Caso a instrução If...Then seja escrita numa só linha, é dispensado o uso do delimitador “End If”. Exemplos de utilização: 1) If nota > 10 Then Positivas = Positivas + 1 End If 2) If NotaTeste >= 10 Then lblResultado.Caption = “Passado” Else lblResultado.Caption = “Reprovado” End If É possível combinar vários operadores lógicos na mesma condição TESTE da Condição ACÇÃO IF condição THEN acção SIM NÃO VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Estruturas de controlo condicional 22 Estruturas de selecção embutidas Estrutura If ... Then ... ElseIf ... É possível imbricar estruturas condicionais dentro de outras estruturas condicionais, permitindo, assim, a construção de estruturas de controlo mais complexas. Para inserir uma estrutura condicional dentro de outra, é utilizada a palavra reservada ElseIf. A sintaxe é a seguinte: If condição1 Then Acção1 ElseIf condição2 Then Acção2 ElseIf condição3 Then ... Else AcçãoN End If Esta estrutura condicional permite a selecção de uma entre várias alternativas mutuamente exclusivas. As instruções que se seguem à palavra reservada Else (aqui representadas por "AcçãoN") serão executadas apenas se nenhuma das condições se tiver verificado. instrucção 1 Condição_1 Verdadeira (V) Falsa (F) instrucção 2A Condição_2 instrucção 2B V Condição_3 instrucção 2C V F F instrucção 2D instrucção 3 IF’s VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Estruturas de controlo condicional 23 É possível imbricar um qualquer número de blocos ElseIf dentro de uma dada estrutura condicional. Exemplo: Private Sub cmdGo_Click() Dim nota As Single nota = txtNotas.Text If (nota < 0) Or (nota > 20) Then lblSaida.Caption = "Nota Inválida!" ElseIf nota < 6 Then lblSaida.Caption = "Mau" ElseIf nota < 10 Then lblSaida.Caption = "Medíocre" ElseIf nota < 14 Then lblSaida.Caption = "Suficiente" ElseIf nota < 17 Then lblSaida.Caption = "Bom" Else lblSaida.Caption = "Muito Bom" End If End Sub VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Estruturas de controlo condicional 24 Estrutura Select ... Case A estrutura de selecção Select ... Case é muito semelhante à estrutura If ... Then ... ElseIf, no entanto, a sua utilização apenas pode ser feita nas situações em que a condição a testar depende do valor de uma única variável. Sintaxe da estrutura Select ... Case: Select Case variável Case valor1 Acção1 Case valor2 Acção2 Case valor3 … Case Else AcçãoN End Select Pode ser incluído um número qualquer de cláusulas Case numa estrutura Select ... Case e pode-se indicar mais do que um valor numa cláusula Case, desde que separados por vírgulas. É também possível utilizar operadores de comparação (operadores relacionais) para indicar gamas de valores nas cláusulas Case. Para utilizar esses operadores temos que recorrer às palavras reservadas Is ou To de forma a identificar o tipo de comparação. Exemplos de cláusulas Case: Case 3.5 ...se a variável tiver o valor 3.5 Case 1, 2 ...se a variável tiver o valor 1 ou 2 Case Is <= 500 ...se a variável tiver um valor menor ou igual a 500 Case 10 To 20 ...se a variável tiver um valor entre 10 e 20, inclusive Tal como na estrutura If … Then … ElseIf, a selecção da acção a tomar é feita de entre várias alternativas mutuamente exclusivas. A acção relativa à cláusula Case Else será executada apenas se o valor da variável a testar não “encaixar” em nenhuma cláusula anterior. VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Estruturas de controlo condicional 25 Exemplo: A substituição da estrutura If ... Then ... ElseIf, usada no exemplo atrás apresentado, pela estrutura Select ... Case poderia ser feita da seguinte forma: Private Sub cmdGo_Click() Dim nota As Single nota = txtNotas.Text Select Case nota Case Is < 0 lblSaida.Caption = "Nota Inválida!" Case Is < 6 lblSaida.Caption = "Mau" Case Is < 10 lblSaida.Caption = "Medíocre" Case Is < 14 lblSaida.Caption = "Suficiente" Case Is < 17 lblSaida.Caption = "Bom" Case 17 To 20 lblSaida.Caption = "Muito Bom" Case Else lblSaida.Caption = "Nota Inválida!" End Select End Sub 5 - Estruturas de controlo repetitivo Enquanto as estruturas de controlo condicional permitem alterar o fluxo do programa mas sem deixar de executar de forma linear uma dada sequência de instruções, as estruturas de controlo repetitiva (também conhecidas por ciclos) permitem repetir um dado conjunto de instruções o número de vezes que for necessário. Existem diversas variantes de ciclos, diferindo umas das outras pela forma como é controlada a execução das instruções contidas no corpo do ciclo. Genericamente, pode-se dizer que uma estrutura de controlo repetitiva (ou ciclo) assegura a execução repetida de um dado conjunto de instruções dependendo do resultado do teste de uma determinada condição de funcionamento. Diagrama de fluxo possível de um ciclo Ciclo For ... To ... Next Este ciclo permite repetir um dado conjunto de instruções um número predeterminado de vezes. Nem sempre é possível saber à partida quantas vezes as instruções contidas no corpo do ciclo devem ser repetidas. Nesse caso, deverão ser utilizadas outras estruturas de controlo repetitivo que não o ciclo ”For ... To ... Next”. VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Estruturas de controlo repetitivo 27 A sintaxe desta estrutura de controlo repetitiva é: For variável = início To fim Step passo Instrução1 Instrução2 … InstruçãoN Next variável Funcionamento do ciclo For … To … Next Esta estrutura baseia-se na existência dum contador que incrementa automaticamente o conteúdo de variável, chamada variável de controlo do ciclo, cada vez que o ciclo funciona, isto é, cada vez que as instruções contidas no corpo do ciclo são executadas. O valor inicial dessa variável é início. VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Estruturas de controlo repetitivo 28 A inicialização da variável contadora, o seu incremento/decremento e a verificação da condição de funcionamento do ciclo (variável <= fim) é da responsabilidade da própria estrutura de controlo. O programador deve, apenas, especificar qual o valor de início e de fim (ou, por outras palavras, o número de vezes que o ciclo vai funcionar) e quais as instruções que o ciclo vai repetir (o corpo do ciclo). O conteúdo da variável de controlo do ciclo pode ser utilizado por instruções contidas no corpo do ciclo, mas não deve, sob pretexto algum, ser modificado por estas instruções, sob pena de se perder o controlo do funcionamento do ciclo. A estrutura de controlo verifica no início de cada iteração (repetição) do ciclo se a condição de funcionamento do ciclo é ainda verdadeira. Caso seja falsa, o ciclo terminará, e o programa passará a executar as instruções que se seguem. A inclusão de Step é opcional: caso se pretenda que o conteúdo da variável contadora seja incrementada uma unidade de cada vez, é desnecessário especificar passo, caso contrário, passo permitirá incrementar o valor de variável de um valor diferente da unidade (positivo ou negativo). Caso o valor de passo seja positivo a variável contadora será incrementada. Se pretendermos, no entanto, efectuar um decremento, deverá ser utilizado um valor negativo para passo. Obviamente, nesse caso, a condição de funcionamento do ciclo passará a ser variável >= fim. Exemplos: 1) ‘ o ciclo abaixo calcula o factorial de Numero Factorial = 1 For num = 1 To Numero Factorial = Factorial * num Next num 2) ‘ versão utilizando decremento da variável de controlo (num) Factorial = 1 For num = Numero To 1 Step -1 Factorial = Factorial * num Next num 3) ‘ determinação do maior divisor de um dado número inteiro (sem ser o próprio número) MaxDivisor = 1 For CandidatoADivisor = 2 To Numero \ 2 If Numero Mod CandidatoADivisor = 0 Then MaxDivisor = CandidatoADivisor Next CandidatoADivisor VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Estruturas de controlo repetitivo 29 If MaxDivisor = 1 Then MaxDivisor = Numero lblSaida.Caption = Str(Numero) & " é número primo" Else lblSaida.Caption = MaxDivisor End If Ciclo Do While A estrutura For ... To ... Next permite realizar um ciclo controlado por um variável contadora que é incrementada ou decrementada até atingir um valor final pré-fixado. É possível obter este efeito usando estruturas de controlo alternativas, como seja a estrutura Do While. Sintaxe: Do While condição [Corpo do Ciclo] Loop Ciclo controlado por contador Um ciclo controlado por contador baseado na estrutura Do While pode assumir a seguinte forma genérica: contador = valor_inicial Do While contador <= valor_final ' Corpo do Ciclo contador = contador + 1 Loop VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Estruturas de controlo repetitivo 30 Ciclo controlado por contador Exemplo: Factorial = 1 contador = 1 Do While contador <= Numero Factorial = Factorial * contador contador = contador + 1 Loop VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Estruturas de controlo repetitivo 31 Questões a ter em conta na construção de um ciclo Do While controlado por contador: · Especificar a condição de funcionamento do ciclo · Inicializar a variável contadora · Incluir no corpo do ciclo uma instrução que incremente ou decremente a variável contadora Estas acções encontram-se asseguradas de forma automática no caso da estrutura For ... To ... Next. Em todas as outras formas de ciclos, como seja o ciclo Do While, é da responsabilidade do utilizador assegurar-se de que tais acções são correctamente executadas. Ciclo Do Until Sintaxe: Do Until condição [Corpo do Ciclo] Loop Neste caso a condição especificada é a condição de termo do ciclo. O ciclo será executado até que ("until") a condição de termo seja verdadeira. É possível, assim, transformar um ciclo Do While em Do Until negando a condição de funcionamento. Exemplo: Factorial = 1 contador = 1 Do Until contador > Numero Factorial = Factorial * contador contador = contador + 1 Loop VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Estruturas de controlo repetitivo 32 Ciclos controlados por sentinela Nem sempre é possível conhecer à partida o número de vezes que o ciclo vai ser executado, ou seja, quantas vezes as instruções contidas no corpo do ciclo vão ser repetidas. Nesses casos, não é viável a utilização de ciclos controlados por contador, devendo-se usar uma técnica diferente: ciclos controlados por sentinela. Por sentinela deve entender-se um valor limite que assinala o fim de uma dada sequência de valores, mas que não esteja incluído nesse conjunto de valores. Por exemplo, se o utilizador estiver a introduzir os dados referentes a um conjunto de alunos identificados pelos seus números de matrícula, a introdução de um número com menos de 6 dígitos (no caso do ISEP) como por exemplo o valor 1, permitirá indicar ao programa que a presente sequência de introdução de dados deve terminar. A selecção do valor sentinela é da responsabilidade do programador, devendo ser escolhido fora do intervalo possível de valores a introduzir, podendo ainda, ter-se em atenção a possível ocorrência de valores fora desse intervalo que possam resultar de algum eventual erro de digitação. O valor sentinela escolhido não deve pois ser passível de facilmente ocorrer por mero acidente. Exemplos: 1) Dim Numero As Long Do While Numero <> 1 Numero = InputBox ("Digite o numero de identificação", "ISEP - Entrada de dados de alunos") If Numero <> 1 Then lstbox1.AddItem Numero Loop Nota: Neste exemplo, a variável numero não foi inicializada pelo programador. Quando esta tarefa não é realizada antes da utilização da variável, o próprio Visual Basic se encarrega de a inicializar a zero. 2) num = InputBox("Introduza um número positivo não nulo.", "Cálculo de factoriais") Do Until num < 0 ' calculo e apresentação do factorial de num num = InputBox("Introduza um numero positivo não nulo.", "Cálculo de factoriais") Loop VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Estruturas de controlo repetitivo 33 Ciclos imbricados Foi dito anteriormente que o corpo de um ciclo era constituído pelo conjunto de instruções que o ciclo irá executar repetidamente. Foi também dito que nesse conjunto de instruções se poderiam incluir qualquer tipo de instruções, mesmo constituindo outras estruturas de controlo repetitivo. Prosseguindo com os exemplos apresentados na secção anterior, abaixo se pode ver um exemplo de uma utilização de um ciclo dentro de outro. Destes ciclos se diz que se encontram imbricados um dentro do outro. Ilustração gráfica dos dois ciclos imbricados do exemplo seguinte VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Estruturas de controlo repetitivo 34 Exemplos: 1) ‘Leitura do 1º número cujo factorial vai ser calculado num = InputBox("Introduza um numero positivo não nulo", "Calculo de factoriais") Do Until num < 0 'calculo do factorial de num factorial = 1 contador = 1 Do Until contador > num factorial = factorial * contador contador = contador +1 Loop ‘Leitura do número seguinte num = InputBox("Introduza um número positivo não nulo", "Cálculo de factoriais") Loop Este exemplo utiliza apenas ciclos controlados por sentinela. Quando se usa um ciclo controlado por contador imbricado num outro ciclo controlado por contador, há que ter o cuidado de criar e utilizar diferentes variáveis de controlo para cada ciclo. 2) ... For i = 1 To Njornadas For j = 1 To Nequipas ‘Corpo do ciclo interior Next j Next i ... Neste exemplo, para cada valor da variável de controlo i (do ciclo exterior), o ciclo interior é executado Nequipas vezes. As instruções contidas no corpo do ciclo interior serão assim efectuadas um total de Njornadas x Nequipas vezes. VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Estruturas de controlo repetitivo 35 Ciclos com teste no fim Nas estruturas Do While e Do Until, o teste da condição de funcionamento (ou de termo) é efectuada no início, isto é, antes da execução das instruções contidas no corpo do ciclo. Estão disponíveis, no entanto, variantes das estruturas referidas, em que esse teste é efectuado após a execução do corpo do ciclo. O resultado óbvio desta particularidade é o facto de as instruções constantes do corpo do ciclo serem obrigatoriamente executadas pelo menos uma vez. Efectivamente, mesmo que a condição de funcionamento seja à partida falsa (ou a condição de termo seja à partida verdadeira) o corpo do ciclo será executado, pois a verificação dessas condições será efectuada num momento posterior. Essas variantes são as estruturas de controlo repetitivo Do ... Loop While e Do … Loop Until. Sintaxe Do … Loop While: Do [Corpo do Ciclo] Loop While condição Exemplo: Do ref = Val(InputBox(“Nova referência:”, ”Programa de Stock”)) If ref > 0 Then lstLista.AddItem ref End If Loop While ref > 0 O ciclo do exemplo anterior é controlado por sentinela (qualquer valor negativo). Mesmo que um valor negativo seja introduzido em primeiro lugar, o corpo do ciclo será executado, pelo que VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Estruturas de controlo repetitivo 36 será necessário prever um teste adicional do valor ref lido para evitar que um valor sentinela seja adicionado à lista. Sintaxe Do … Loop Until: Do [Corpo do Ciclo] Loop Until condição Exemplo: Num = Val(InputBox(“Digite um nº positivo ou 0 p/ acabar”, “Entrada de dados”)) Do Soma = soma + num Num = Val(InputBox(“Digite um nº positivo ou 0 p/ acabar”, “Entrada de dados”)) Loop Until num < 0 Caso o primeiro número a ser lido seja um número negativo, a condição de termo será de imediato verdadeira, mas como o seu teste só será feito após a execução do corpo do ciclo, a instrução soma = soma + num será executada uma vez. Nesse caso, seria talvez mais aconselhável utilizar uma estrutura com teste no início, ou adicionar um teste suplementar ao corpo do ciclo, como no primeiro exemplo. 6 - Vectores e Matrizes Vectores Até agora, temos trabalhado essencialmente com variáveis que podemos classificar como individuais, isto é, cada variável podendo conter ao mesmo tempo apenas um só valor. Como essas variáveis não podem conter simultaneamente mais que um dado, a atribuição de um novo valor a essa variável implica a destruição do valor anteriormente nela contido. Mediante a utilização de um novo tipo de variáveis, as variáveis do tipo Array (Vector), passa a ser possível armazenar na mesma variável múltiplos valores desde que sejam do mesmo tipo. Estamos, portanto, a utilizar agora variáveis que se podem classificar como variáveis múltiplas. var_Simples 12 var_Multipla 13 5 37 132 90 19 286 44 índice 0 1 2 3 4 5 6 7 Uma variável simples var_Simples e um vector var_Múltipla com 8 elementos Um vector é uma lista ordenada de variáveis simples do mesmo tipo. Pode também ser visto como um conjunto de variáveis simples agrupadas. Todos as variáveis membros desse vector partilham o mesmo nome (o nome do vector). São identificadas individualmente mediante o valor dum índice, que determina qual a sua posição dentro do vector. Os valores do índice devem obrigatoriamente ser do tipo Integer. O primeiro valor do índice é zero. Um elemento de um vector é identificado utilizando o nome do vector seguido do valor do índice dentro de parêntesis: nome_vector ( índice ) Exemplos: var_Multipla(3) ‘ 4º elemento do vector ‘var_Multipla’ var_Multipla(7) ‘ 8º e último elemento do vector ‘var_Multipla’ notas(14) ‘ 15º elemento do vector ‘notas’ nomes(0) ‘ 1º elemento do vector ‘nomes’ VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Vectores e Matrizes 38 Declaração de vectores Como qualquer outra variável, uma variável do tipo Array deve também ser declarada (criada) antes de poder ser usada. Para tal, deve ser usada a instrução Dim, que reserva espaço em memória suficiente para armazenar o número previsto de elementos do vector2 . Uma das formas de utilizar a instrução Dim para declarar vectores é a seguinte: Dim nome_vector(num_elementos) As Tipo Exemplos: Dim var_Multipla(8) As Integer Dim notas(30) As Single Dim nomes(100) As String Nota: num_elementos não se refere ao valor máximo que a variável índice pode assumir (7, no caso do vector var_Multipla) mas sim ao número de elementos do vector (8, neste caso). Usando esta forma na declaração de vectores, o processo de indicar o limite inferior faz-se de forma implícita: por defeito assume-se como limite inferior do índice o valor zero (ou 1 se tal for especificado mediante a instrução Option Base 1). Uma forma alternativa de utilizar a instrução Dim para declarar vectores implica a utilização da palavra reservada To, permitindo especificar o menor e o maior valor que o índice pode assumir: Dim nome_vector(menorÍndice To maiorÍndice) As Tipo Exemplos: Dim numeros(100 To 200) As Integer Dim valores(-100 To 100) As Single Processamento de vectores Sendo um vector uma variável múltipla composta por elementos do mesmo tipo agrupados na mesma estrutura, a forma mais adequada de executar uma mesma acção sobre parte ou a totalidade dos seus elementos é utilizando uma estrutura de controlo repetitivo ou ciclo. 2 Adicionalmente, a instrução Dim atribui valores iniciais a todos os elementos do vector (zeros no caso de vectores numéricos e strings nulas no caso de vectores alfa-numéricos) VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Vectores e Matrizes 39 Exemplos: 1) Private Sub cmdGo_Click() Dim vectorSqr(100) As Double Dim Maior as Integer Dim i As Integer ‘ variável índice Dim res As Single lstTabela.Clear Maior = Val(txtMaior.Text) For i = 0 To Maior res = Sqr(i) vectorSqr(i) = res lstTabela.AddItem Format(res, "0.000") Next i End Sub Este programa permite calcular e apresentar sob a forma de uma tabela as raízes quadradas de todos os números inteiros compreendidos entre 0 e um dado limite superior a especificar pelo utilizador na TextBox txtMaior (a largura do intervalo não deve exceder 100). Os valores calculados são armazenados num vector para eventual futura utilização. 2) Private Sub cmdGo_Click() Dim vector(100) As Double Dim Menor As Integer Dim Maior As Integer Dim i As Integer Dim indice As Integer Dim res As Single Dim linha As String lstTabela.Clear Menor = Val(txtMenor.Text) Maior = Val(txtMaior.Text) indice = 0 VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Vectores e Matrizes 40 For i = Menor To Maior res = Sqr(i) vector(indice) = res linha = Format(Str(i), "##0") & " - " & Format(vector(indice), "000.000") lstTabela.AddItem linha indice = indice + 1 Next i End Sub Nesta variante é possível especificar também o limite inferior do intervalo, para além de se demonstrar algumas técnicas de formatação da saída de dados. De notar que na primeira versão do programa (exemplo 1) se usou a mesma variável i para controlar o ciclo For e para armazenar os valores nos índices do vector. Tal aconteceu porque foi possível estabelecer naquele caso uma correspondência directa entre os valores da variável de controlo do ciclo i e os valores do índice que controla as posições dos elementos do vector. Nesta segunda versão tal não era possível, visto que a variável de controlo do ciclo iria conter valores (desde o limite inferior ao limite superior do intervalo) que poderiam não corresponder às posições do vector em que os resultados iriam ser armazenados. Em qualquer das variantes apresentadas, o processamento dos elementos do vector consistiu em operações de escrita (de atribuição) que modificaram o seu conteúdo. É igualmente possível efectuar operações de leitura sobre todos ou parte dos elementos dum vector. Nesse caso, como é óbvio, a variável do tipo Array deverá encontra-se do lado direito da operação de atribuição: var = vector(índice) Pesquisa em vectores Vários métodos podem ser seguidos para procurar informação armazenada em vectores. O método mais simples é o da pesquisa linear (ou sequencial). Tal método consiste em posicionarmo-nos no primeiro elemento do vector e comparar o conteúdo desse elemento com o valor a procurar. Caso sejam iguais a busca termina e no caso de não serem iguais, efectua-se a mesma comparação em relação ao conteúdo do elemento seguinte e assim sucessivamente até que a busca obtenha sucesso, ou até que o último elemento do vector seja alcançado. VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Vectores e Matrizes 41 vec 49 13 5 37 132 90 19 286 44 índice 0 1 2 3 4 5 6 7 8 num 19 Exemplo: Para verificar se o valor contido na variável num se encontra armazenado no vector vec, podemos usar o programa que a seguir se apresenta. Este programa encontra-se dividido em dois procedimentos, um associado ao botão de comando “Go” e o outro ao botão “Pesquisa”. O primeiro serve para encher o vector vec com valores que possam posteriormente ser pesquisados. O segundo destina-se a pesquisar dentro de vec a existência de um dado número inteiro a indicar pelo utilizador. Repare-se nas duas declarações iniciais colocadas fora de qualquer procedimento. Diz-se que estas declarações são globais já que, pelo facto de se encontrarem na secção “General” do programa em vez de inseridas num dado procedimento, são reconhecidas por todos os procedimentos do programa, e portanto, acessíveis de dentro de qualquer deles. VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Vectores e Matrizes 42 Const N As Integer = 9 Dim vec(N) As Integer Private Sub cmdGo_Click() Dim i As Integer Dim texto As String lstVector.Clear For i = 0 To N - 1 texto = "Vec(" + str(i) + "):" vec(i) = Val(InputBox(texto, "Entrada de Dados")) lstVector.AddItem vec(i) Next i End Sub Private Sub cmdPesquisa_Click() Dim i As Integer Dim num As Integer num = Val(InputBox("Valor a pesquisar:", "Pesquisa em Vector")) i = 0 Do Until (num = vec(i)) Or (i > N - 1) i = i + 1 Loop If i < N Then lblBusca.Caption = "Encontrado na posição" + str(i + 1) Else lblBusca.Caption = "Não encontrado" End If End Sub VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Vectores e Matrizes 43 Outro método bastante usado para procurar informação armazenada em vectores é o método da pesquisa binária. Trata-se de uma alternativa mais rápida à procura sequencial mas exige que os elementos do vector estejam ordenados (por ordem ascendente ou descendente). Este método consiste em pesquisar sucessivamente os elementos a meio de subintervalos do vector, subintervalos esses que vão sendo reduzidos a metade. Começa-se então por verificar o elemento a meio do vector. Se não for o valor procurado, então este só pode estar na metade inferior ou superior do vector, uma vez que é suposto o vector estar ordenado. Assim, a segunda pesquisa incide apenas sobre metade do vector. Este processo repete-se até se encontrar o elemento desejado (sucesso) ou determinar que não se encontra no vector (insucesso). Repare-se que o número de elementos a pesquisar vai sendo reduzido sucessivamente a metade. Daí a designação de pesquisa binária e a razão pela qual é mais rápida que a sequencial. Exemplo 1: Para verificar se o valor contido na variável num se encontra armazenado no vector vec (considerando que este vector se encontra ordenado de forma ascendente) podemos usar o procedimento seguinte: Private Sub cmdPesquisa_Click() Dim num As Integer, inf As Integer, sup As Integer, med As Integer Dim encontrado As Boolean num = Val(InputBox("Valor a pesquisar:", "Pesquisa em Vector")) encontrado = False inf = 0 sup = N - 1 Do While inf <= sup And Not encontrado med = (inf + sup) \ 2 If num > vec(med) Then inf = med + 1 ElseIf num < vec(med) Then sup = med – 1 Else encontrado = True End If Loop VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Vectores e Matrizes 44 If encontrado = True Then lblBusca.Caption = "Encontrado na posição" + str(i + 1) Else lblBusca.Caption = "Não encontrado" End If End Sub Exemplo 2: Sucesso na pesquisa do valor 6 Passo 3: pesquisar subintervalo inferior Passo 2: pesquisar subintervalo superior Ponto médio = ( inf + sup ) \ 2 Limite superior do subintervalo Limite inferior do subintervalo inf sup med Passo 1: 1 inf med sup 10 6 = ? 6 > med -3 -1 2 6 1 2 3 4 5 6 13 25 7 8 -3 -1 1 2 6 10 6 < med inf med sup 1 2 3 4 5 6 6 = ? 13 25 7 8 6 6 = med -3 -1 1 2 10 inf sup med 1 2 3 4 5 6 = ? 13 25 7 8 6 SUCESSO Passo 4: pesquisar subintervalo inferior Passo 1: Passo 2: pesquisar subintervalo superior Passo 3: pesquisar subintervalo inferior 6 4 < med -3 -1 1 2 10 1 -3 -1 1 2 10 inf sup med 1 2 3 4 5 6 = ? 13 25 7 8 4 6 INSUCESSO inf sup 4 < med med 10 4 = ? 4 > med -3 -1 2 6 1 2 3 4 5 6 inf med sup 1 2 3 4 5 6 4 = ? 13 25 7 8 13 25 7 8 1 sup inf -3 -1 6 10 1 2 3 4 5 6 13 25 7 8 Limite inferior > Limite superior ß VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Vectores e Matrizes 46 Ordenação de vectores Existem vários métodos para ordenar vectores e essa ordenação pode sempre ser feita de forma ascendente (do menor valor para o maior) ou descendente (do maior para o menor valor). Um dos métodos mais simples é o da ordenação por selecção. Este método consiste em posicionarmo-nos no primeiro elemento do vector e comparar o seu conteúdo com todos os outros elementos. Sempre que se encontrar um elemento cujo valor seja menor que o da primeira posição então os valores são trocados entre si. Quando a comparação do primeiro elemento do vector com todos os outros termina temos a garantia de que o valor do primeiro elemento é já o menor de todos. Nesta altura avança-se para o segundo elemento e compara-se o seu conteúdo com todos os elementos que lhe seguem no vector (terceiro, quarto, ...) trocando os valores sempre que se encontre um elemento de menor valor. Este processo repete-se até se chegar ao fim do vector, altura em que se conclui a ordenação do vector. Vector desordenado: vec 49 13 5 37 132 90 19 286 44 índice 0 1 2 3 4 5 6 7 8 Vector ordenado de forma ascendente: vec 5 13 19 37 44 49 90 132 286 índice 0 1 2 3 4 5 6 7 8 Exemplo1: O programa que a seguir se apresenta faz a ordenação do vector de forma ascendente, tal como se mostrou na figura anterior. O programa encontra-se dividido em dois procedimentos, o primeiro associado ao botão de comando “Go” que serve para encher o vector e o segundo ao botão “Ordenar” que efectua a ordenação ascendente dos valores introduzidos e que ficaram guardados no vector vec. VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Vectores e Matrizes 47 Const N As Integer = 9 Dim vec(N) As Integer Private Sub cmdGo_Click() Dim i As Integer Dim texto As String lstVector.Clear lstVectorOrdenado.Clear For i = 0 To N - 1 texto = "Vec(" + str(i) + "):" vec(i) = Val(InputBox(texto, "Entrada de Dados")) lstVector.AddItem vec(i) Next i End Sub Private Sub cmdOrdenar_Click() Dim i As Integer Dim j As Integer Dim temp As Integer For i = 0 To N - 2 For j = i + 1 To N - 1 If vec(j) < vec(i) Then temp = vec(i) vec(i) = vec(j) vec(j) = temp End If Next j Next i For i = 0 To N - 1 lstVectorOrdenado.AddItem vec(i) Next End Sub VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Vectores e Matrizes 48 Exemplo 2: Ordenação do vector de forma crescente Passo 1: ordenar 1º elemento Passo 2: ordenar 2º elemento Passo 3: ordenar 3º elemento 10 5 1 7 1 2 3 4 5 Menor que 10 ? Troca Sim 5 10 1 7 1 2 3 4 5 Troca Sim 10 1 7 1 2 3 4 1 Menor que 5 ? 1 10 5 7 1 2 3 4 1 10 5 7 1 2 3 4 7 Menor que 1 ? 1 Troca Sim 10 5 7 1 2 3 4 5 Menor que 10 ? 1 5 10 7 1 2 3 4 1 5 10 7 1 2 3 4 7 Menor que 5 ? 1 5 10 7 1 2 3 4 7 Menor que 10 ? Troca Sim 1 5 7 10 1 2 3 4 VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Vectores e Matrizes 49 Matrizes – Arrays bidimensionais Por vezes torna-se necessário guardar informação que de alguma forma se encontra relacionada entre si. Por exemplo, quando estamos a trabalhar com sistemas de coordenadas a três dimensões, cada ponto é referenciado através das suas coordenadas X, Y e Z. Se pretendêssemos guardar 10 pontos desse sistema de coordenadas poderíamos usar um array bidimensional, tal como se mostra a seguir. X Y Z 0 1 2 índice_coluna 0 1 2 3 Pontos 4 índice_linha Exemplo de uma matriz 5 x 3 (5 linhas e 3 colunas) Os elementos de uma matriz são identificados utilizando o nome da matriz seguido dos índices, linha e coluna, entre parêntesis: nome_matriz (índice_linha, índice_coluna) Exemplos: Coord(2, 0) ‘ coordenada X do 3º ponto notas(1, 3) ‘ elemento que se encontra na 2ª linha e 4ª coluna da matriz ‘notas’ nomes(0, 0) ‘ 1º elemento da matriz ‘nomes’ – encontra-se na 1ª linha e 1ª coluna Declaração de matrizes Tal como na declaração de vectores, a declaração de matrizes pode ser feita indicando apenas o número de elementos de cada dimensão (número de linhas e colunas), ou usando a palavra reservada To, permitindo especificar o menor e o maior valor que os índices de cada dimensão poderão assumir. VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Vectores e Matrizes 50 Exemplos: Dim Coord(5, 3) As Single Dim Coord(1 To 5, 1 To 3) As Single Processamento de matrizes Nas matrizes, tal como nos vectores, a forma mais adequada de executar uma mesma acção sobre parte ou a totalidade dos seus elementos é utilizando duas estruturas de controlo repetitivo: uma para processar as linhas e outra para as colunas da matriz. Exemplo: Private Sub cmdCriarMatriz_Click() Dim Matriz(100, 100) As Integer Dim Linhas As Integer Dim Colunas As Integer Dim i As Integer Dim j As Integer Dim Texto As String lstTabela.Clear Linhas = Val(txtLinhas.Text) Colunas = Val(txtColunas.Text) For i = 0 To Linhas - 1 Texto = "" For j = 0 To Colunas - 1 Matriz(i, j) = i + j Texto = Texto & Format(Matriz(i, j), "@@ ") Next j lstTabela.AddItem Texto Next i End Sub Este programa apresenta uma matriz em que cada elemento é achado somando os índices que o identificam. As dimensões da matriz a ser criada são especificadas pelo utilizador e os valores calculados são armazenados numa matriz para eventual futura utilização. VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Vectores e Matrizes 51 De notar que neste programa se usaram duas variáveis: i e j, para controlar os ciclos de repetição e armazenar os valores achados na respectiva matriz. A variável i percorre todas as linhas e para cada linha é usada a variável j para percorrer as colunas. Vectores de controlos É possível criar Arrays de Controlos, isto é, conjuntos de objectos de controlo do mesmo tipo, agrupados sob o mesmo nome e identificáveis através do valor de um índice (contido na propriedade Index de cada elemento do vector de controlos). Usando estes vectores, torna-se possível dar a um programa a capacidade de criar de forma dinâmica um dado conjunto de objectos do mesmo tipo, sem ter que especificar previamente o seu número, ou de modificar em bloco propriedades desses controlos durante a execução do programa. Os elementos desses Arrays de Controlo podem ser introduzidos manualmente, por exemplo, duplicando um controlo preexistente, mediante a sequência de cópia e inserção (Ctrl-C + Ctrl-V), ou usando a instrução Load durante a execução do programa. No exemplo seguinte, o objecto txtBox original foi criado manualmente e foi dado o valor de zero à sua propriedade Index. O programa encarregou-se de criar os restantes elementos do vector de controlos, no número especificado pelo utilizador. Exemplo: Private Sub cmdGo_Click() Dim n As Integer Dim i As Integer n = Val(txtInput.Text) txtBox(0).Visible = True txtBox(0).Text = "TxtBox 0" For i = 1 To n - 1 Load txtBox(i) txtBox(i).Top = 1000 + i * 500 txtBox(i).Visible = True txtBox(i).Text = "TxtBox" & Str(i) Next i End Sub 7 - Sub-rotinas Procedimentos No Visual Basic existem procedimentos que são executados em resposta às acções do utilizador, como por exemplo quando o utilizador prime um botão (Click). Esses procedimentos são conhecidos por "event procedures" - procedimentos de evento. No entanto, existem outros procedimentos que não estão directamente associados a qualquer evento e que para serem executados têm que ser explicitamente invocados. Estes são procedimentos mais gerais - “general procedures”. A principal razão para se usar este tipo de procedimentos tem a ver com o facto de, por vezes, diferentes procedimentos de evento necessitarem de executar o mesmo conjunto de acções (instruções). Nestas situações o ideal é colocar esse conjunto de acções num procedimento para evitar a duplicação de código e tornar a aplicação mais fácil de manter. A sintaxe para declarar um procedimento é a seguinte: Sub NomeProcedimento (ListaArgumentos) ‘ Instruções End Sub A lista de argumentos é o conjunto de variáveis às quais são passados valores no momento da chamada do procedimento, valores esses que serão usados pelo procedimento durante as suas operações. Para cada argumento deve ser indicado o seu tipo e no caso de haver mais do que um argumento devem ser separados por vírgulas. De cada vez que o procedimento é chamado, as instruções entre Sub e End Sub são executadas. Passagem de argumentos Nos procedimentos, os argumentos podem ser passados de duas maneiras: por referência ou por valor. Quando uma variável é passada por referência quaisquer alterações feitas ao conteúdo dessa variável dentro do procedimento far-se-ão reflectir na variável usada na chamada ao procedimento. Quando não se pretende que uma determinada variável seja devolvida alterada esta terá de ser passada ao procedimento por valor. Para isso é necessário usar a palavra ByVal na lista de argumentos quando o procedimento for declarado. VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Sub-rotinas 53 Exemplos: 1) Private Sub Command1_Click() Dim Custo As Integer Dim Desconto As Single Custo = 1000 Desconto = 0.2 CalcularDesconto Custo, Desconto Print Custo End Sub Sub CalcularDescontos(C As Integer, D As Single) C = C * (1 - D) Print C End Sub Produz o resultado: 800 800 2) Private Sub Command1_Click() Dim Custo As Integer Dim Desconto As Single Custo = 1000 Desconto = 0.2 CalcularDesconto Custo, Desconto Print Custo End Sub Sub CalcularDescontos(ByVal C As Integer, D As Single) C = C * (1 - D) Print C End Sub Produz o resultado: 800 1000 VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Sub-rotinas 54 Funções O Visual Basic tal como qualquer outra linguagem de programação inclui um vasto conjunto de funções predefinidas. Para além destas funções o VB permite definir outras funções usando para o efeito a sintaxe seguinte: Function NomeFunção (ListaArgumentos) As Tipo ‘ Instruções End Function As funções distinguem-se dos procedimentos porque devolvem um valor. Sendo assim, e tal como nas variáveis, as funções também têm um tipo de dados que será o tipo do valor a retornar. O valor, normalmente resultante de algumas operações e/ou cálculos, é devolvido por atribuição a uma "variável" com o mesmo nome da função. Exemplo: Function Par(Valor As Integer) As Boolean If Valor Mod 2 = 0 Then Par = True Else Par = False End If End Function 8 - Funções predefinidas Funções matemáticas Abs() Retorna o valor absoluto de um número. Num1 = Abs(13.5) Num2 = Abs(-13.5) ‘ Num1 e Num2 contêm o mesmo valor, 13.5 Exp() Retorna um valor do tipo Double representando a potência de base e elevada ao expoente passado como parâmetro. Num = Exp(1) ‘ Num contém o valor 2.71828 (e) Log() Retorna um valor do tipo Double representando o logaritmo natural do número passado como parâmetro. Sqr() Retorna um valor do tipo Double representando a raiz quadrada do valor passado como parâmetro. Num = Sqr(25) ‘ Num contém o valor 5 Int() Retorna a parte inteira de um dado número real; Se o número for negativo, Int retorna o primeiro negativo inteiro menor ou igual ao número passado por parâmetro. Num = Int(12.565) ‘ Num contém o valor 12 VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Funções predefinidas 56 Fix() Retorna a parte inteira de um dado número real; Se o número for negativo, Int retorna o primeiro negativo inteiro maior ou igual ao número passado por parâmetro. Num1 = Int(-9.5) Num2 = Fix(-9.5) ‘ Num1 contém o valor –10 enquanto Num2 contém -9. Cos() Retorna um valor do tipo Double representando o coseno do número passado como parâmetro. Sin() Retorna um valor do tipo Double representando o coseno do número passado como parâmetro. Tan() Retorna um valor do tipo Double representando o coseno do número passado como parâmetro. Funções de manipulação de strings Val() Retorna como valor numérico um número contido dentro duma string. Num1 = Val(“123”) Num2 = Val(“12 3”) Num3 = Val(“12 e 3”) ‘ Num1 e Num2 contêm o mesmo valor, 123 ‘ Num3 contém o valor 12 Str() Retorna uma string representando um número. Num1 = Str(123) Num2 = Str(-123) ‘ Num1 contém a string “ 123” e Num2 contém a string “-123” VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Funções predefinidas 57 Len() Retorna um valor do tipo Long representando o número de caracteres contido numa string. Nome = “ISEP” Comp = Len(Nome) ‘ Comp contém o valor 4 InStr() Retorna um valor do tipo Long representando a posição da primeira ocorrência de uma string dentro de outra. Sintaxe: InStr ( InícioPesquisa, String1, String2, Opção ) Em que: InícioPesquisa é a posição na String1 em que se inicia a pesquisa. String1 é a string onde a pesquisa se efectuará. String2 é a string a ser procurada em String1. Opção é um valor numérico que especifica se a busca é sensível à distinção entre maiúsculas e minúsculas: 0 - faz distinção entre maiúsculas e minúsculas (valor por defeito); 1 - não faz distinção. Nota: InícioPesquisa e Opção são parâmetros opcionais, no entanto, InícioPesquisa é obrigatório se Opção tiver sido especificado. Texto = “Visual Basic 6.0” StringAProcurar = “basic” Pos1 = InStr(1, Texto, StringAProcurar, 1) Pos2 = InStr(Texto, StringAProcurar) ‘ Pos1 contém o valor 8 (foi encontrada na posição 8) ‘ Pos2 contém o valor 0 (não foi encontrada) VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Funções predefinidas 58 UCase() Converte os caracteres de uma string para maiúsculas. Texto = UCase(“Visual Basic 6.0”) ‘ Texto contém a string “VISUAL BASIC 6.0” LCase() Converte os caracteres de uma string para minúsculas. Texto = LCase(“Visual Basic 6.0”) ‘ Texto contém a string “visual basic 6.0” Left() Retorna uma string com um número especificado de caracteres mais à esquerda da string passada como parâmetro. Texto1 = “Visual Basic 6.0” Texto2 = Left(Texto1, 6) ‘ Texto2 contém a string “Visual” Right() Retorna uma string com um número especificado de caracteres mais à direita da string passada como parâmetro. Texto1 = “Visual Basic 6.0” Texto2 = Right(Texto1, 9) ‘ Texto2 contém a string “Basic 6.0” Mid() Retorna uma string com um número especificado de caracteres da string passada como parâmetro. Sintaxe: Mid ( String, Início, Comprimento ) Em que: String representa a string a ser tratada. Início é a posição do primeiro caracter a ser retornado. VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Funções predefinidas 59 Comprimento é o número de caracteres a retornar. Nota: Comprimento é um parâmetro opcional. Se não for especificado são retornados todos os caracteres desde a posição Início até ao fim da string. Texto1 = “Visual Basic 6.0” Texto2 = Mid(Texto1, 8, 5) ‘ Texto2 contém a string “Basic” LTrim() Remove todos os espaços existentes no início da string. Texto = LTrim(“ Visual Basic 6.0 ”) ‘ Texto contém a string “Visual Basic 6.0 ” RTrim() Remove todos os espaços existentes no fim da string. Texto = RTrim(“ Visual Basic 6.0 ”) ‘ Texto contém a string “ Visual Basic 6.0” Trim() Remove todos os espaços existentes quer no início quer no fim da string. Texto = Trim(“ Visual Basic 6.0 ”) ‘ Texto contém a string “Visual Basic 6.0” Chr() Retorna uma string com o caracter associado ao código passado como parâmetro. Texto = Chr(65) ‘ Texto contém a string “A” VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Funções predefinidas 60 Asc() Retorna um Integer representando o código do primeiro caracter da string passada como parâmetro. Num1 = Asc(“A”) Num2 = Asc(“Amarelo”) ‘ Num1 e Num2 contêm o valor, 65 Outras funções standard IsNumeric() Retorna um valor booleano traduzindo o facto de uma dada expressão ter ou não um resultado numérico. Verif1 = IsNumeric(“4475”) Verif2 = IsNumeric(“4479 Codex”) ‘ Verif1 contém o valor True ‘ Verif2 contém o valor False Date Retorna um valor representando a data do sistema. Time Retorna um valor representando a hora do sistema. Timer Retorna um valor do tipo Single representando o número de segundos que já passaram desde a meia-noite. Função InputBox Esta função permite apresentar uma mensagem ao utilizador, recolhendo ao mesmo tempo uma string contendo a sua resposta. Assim, ao contrário da função MsgBox (ver a seguir), esta função produz um resultado do tipo String e não do tipo Integer. Exemplo de uma Input Box VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Funções predefinidas 61 Esta função cria um objecto composto, uma Input Box, que consiste numa caixa de texto e num label dentro de uma pequena janela. A sintaxe da função InputBox é a seguinte: Variável = InputBox ( Mensagem, Título, String_de_Defeito, xpos, ypos ) ...em que: Mensagem É o texto da mensagem a mostrar na janela. Título É o texto a apresentar na barra de títulos da janela. String_de_Defeito Este parâmetro é opcional e representa a string que aparece por defeito na caixa de texto da Input Box. xpos e ypos São parâmetros opcionais que indicam a localização horizontal e vertical, respectivamente, da Input Box no ecrã. Se não forem indicados a janela aparece no centro do ecrã. Função MsgBox A função MsgBox permite criar caixas de diálogo temporário vulgarmente designadas por Caixas de Mensagem, contendo um pedaço de texto, um ou mais botões de comando e, opcionalmente, um ícone ilustrativo da finalidade da caixa de mensagem. Como o próprio nome indica, a utilidade destas caixas de mensagem consiste em permitir que o programa transmita alguma informação ao utilizador de forma sucinta. Exemplos de Message Boxes A sintaxe da função MsgBox é a seguinte: Variável = MsgBox ( Mensagem, Características, Título ) ...em que: Mensagem É o texto da mensagem a mostrar na janela. Características Valor numérico que especifica quais os botões, qual o ícone e qual o botão por defeito (botão com focus) devem aparecer na janela. Título É o texto a apresentar na barra de títulos da janela. VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Funções predefinidas 62 O valor para o parâmetro Características obtém-se pela soma de cada um dos seguintes componentes: Botões Ícone Botão com focus 0 OK 0 Nenhum 0 1º Botão 1 OK, Cancel 16 Mensagem Crítica 256 2º Botão 2 Abort, Retry, Ignore 32 Pergunta 512 3º Botão 3 Yes, No, Cancel 48 Aviso 4 Yes, No 64 Informação 5 Retry, Cancel Exemplo: Para obter as caixas de mensagem apresentadas atrás, os valores a utilizar para o parâmetro Características seriam os seguintes: · Caixa de mensagem da esquerda: 1 + 16 + 0 = 17 · Caixa de mensagem da direita: 0 + 64 + 0 = 64 A função MsgBox devolve um valor que será guardado em Variável, indicando qual o botão premido, segundo a tabela: Valor Botão Premido 1 OK 2 Cancel 3 Abort 4 Retry 5 Ignore 6 Yes 7 No Nota: O valor 2 será devolvido caso o botão Cancel seja premido ou caso a tecla Escape seja carregada VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Funções predefinidas 63 Formatação da saída de dados - Função Format A função Format permite formatar o resultado de uma expressão de acordo com as instruções contidas numa “string de formatação”, de modo a poder ser convenientemente visualizadas. A sintaxe desta função é a seguinte: Format ( Expressão, String_De_Formatação ) Formatação de valores numéricos A string de formatação pode ser constituída por símbolos ou nomes de formatos padrão. Os formatos padrão produzem saídas que são baseadas nas definições regionais do sistema operativo do utilizador. Os símbolos mais utilizados são: 0 Localizador de dígitos – Permite mostrar um dígito ou zero. Caso o valor a afixar tenha um dígito na posição em que (0) aparece na string de formatação, esse dígito será mostrado; caso contrário, será mostrado um zero. Se o número contiver menos dígitos (para um ou outro lado do separador decimal) do que o número de zeros na string de formatação, os zeros a que não correspondam dígitos serão mostrados. Se o número tiver mais casas decimais que zeros na string de formatação à direita do separador decimal, ocorrerá então um arredondamento. Quando tal se passa à esquerda do separador decimal, não ocorre qualquer modificação. # Localizador de dígitos – Permite mostrar um dígito ou não mostrar nada. Se o valor numérico a afixar tiver um dígito na posição em que (#) aparece na string de formatação, esse dígito será mostrado; caso contrário, nada será apresentado nessa posição. Funciona como o caracter (0) exceptuando o facto de que zeros em excesso à esquerda e à direita não são mostrados caso o número tenha tantos ou menos dígitos que a string de formatação. . Separador decimal (há a possibilidade de configurar o sistema para usar o caracter vírgula - ”,”) , Separador dos milhares (há a possibilidade de configurar o sistema para usar o caracter ponto - ”.”) % Localizador de percentagem – O resultado da expressão será multiplicado por 100, sendo o caracter (%) inserido na posição especificada na string de formatação. VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Funções predefinidas 64 Os formatos padrão são especificados através dos seus nomes sempre dentro de aspas. Os formatos padrão que podem ser utilizados são: Nome do Formato Descrição General Number Número sem separador dos milhares. Fixed Número com pelo menos um dígito à esquerda e dois dígitos à direita do ponto decimal. Standard Número com separador dos milhares, pelo menos um dígito à esquerda e dois dígitos à direita do ponto decimal. Percent Multiplica o valor por 100 e acrescenta o sinal de percentagem. Scientific Usa notação científica padrão. Currency É utilizado para formato monetário. A formatação depende das definições regionais do sistema operativo. Formatação de cadeias de caracteres (strings) A string de formatação poderá incluir os seguintes caracteres: @ Localizador de caracteres – Permite mostrar um caracter ou um espaço. Caso a string a tratar tenha um caracter na posição em que (@) aparece na string de formatação, esse caracter será mostrado; caso contrário, será mostrado um espaço. & Localizador de caracteres – Permite mostrar um caracter ou não mostrar nada. Se a string a tratar tiver um caracter na posição em que (@) aparece na string de formatação, esse caracter será mostrado; caso contrário, nada será mostrado nessa posição. < Passa todos os caracteres para minúsculas. > Passa todos os caracteres para maiúsculas. ! Força o tratamento da string inicial da esquerda para a direita. Por defeito as strings são tratadas da direita para a esquerda. VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Funções predefinidas 65 Exemplos: O que é pedido O que é mostrado AMinhaString = Format(3256.3, “###0.00”) 3256.30 AMinhaString = Format(3256.3, “fixed”) 3256.30 AMinhaString = Format(3256.3, “#,##0.00”) 3,256.30 AMinhaString = Format(3256.3, “standard”) 3,256.30 AMinhaString = Format(0.125, ”0.00”) 0.13 AMinhaString = Format(0.125, ”#.0000”) .1250 AMinhaString = Format(14.312587, ”000.0”) 014.3 AMinhaString = Format(“Olá”, “>”) OLÁ Geração de números aleatórios - Funções Rnd e Randomize Em Visual Basic é possível gerar números aleatórios mediante a utilização da função Rnd e da instrução Randomize. A função Rnd utiliza uma sequência pseudo-aleatória para gerar números entre 0 e 1. Essa sequência deve ser previamente inicializada mediante a instrução Randomize. Esta instrução deve ser executada apenas uma vez, enquanto que a função Rnd pode ser chamada quantas vezes forem necessárias no decorrer dum programa. Como a função Rnd produz números aleatórios entre 0 e 1, caso se pretenda obter valores dentro de um intervalo mais alargado, haverá que introduzir um factor de escala: Rnd * (LarguraDoIntervalo) + LimiteInferior A instrução Randomize deverá receber um parâmetro numérico que determinará o ponto de inicialização da sequência pseudo-aleatória. Para reforçar o caracter aleatório deste processo é conveniente utilizar valores imprevisíveis como, por exemplo, os resultantes da chamada da função Timer (que devolve o número de segundos passados desde a meia-noite): Randomize Timer Os números produzidos pela função Rnd são valores reais. Caso se pretenda obter valores inteiros, haverá que usar uma das seguintes técnicas: · Atribuir o resultado da expressão contendo Rnd a uma variável do tipo Integer, provocando a truncagem do valor real produzido; · Usar a função Int para converter o valor real obtido no seu equivalente inteiro, eliminando a parte decimal. VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Funções predefinidas 66 Exemplo: Private Sub cmdDado_Click() Dim al As Single Randomize Timer al = Rnd * 6 + 1 Label6.Caption = Int(al) End Sub 9 - Controlos Option Buttons – Botões de Opção Estes objectos permitem ao utilizador efectuar escolhas entre diversas alternativas. São compostos pelo botão propriamente dito (de forma circular) e um pequeno texto que o acompanha, especificado pela propriedade Caption do objecto. Objectos da classe OptionButton reunidos numa frame Os botões de opção são geralmente agrupados em conjuntos de dois ou mais, estando relacionados entre si. São normalmente inseridos em “frames” (quadros), objectos que servem para agrupar controlos. Para além da propriedade Caption, outra propriedade importante dos botões de opção é a propriedade Value, que pode assumir o valor “True” ou “False”, conforme o botão se encontrar ou não seleccionado. Ao mesmo tempo, só é possível existir um botão seleccionado dentro do mesmo grupo de botões de opção. Check Boxes – Caixas de Verificação Estes objectos comportam-se de forma semelhante à dos botões de opção mas, neste caso, é possível encontrar vários controlos deste tipo activados simultaneamente, já que tais objectos funcionam de forma independente (isto é, não se encontram relacionados entre si). Objectos da classe CheckBox reunidos numa frame VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Controlos 68 Possuem também uma propriedade Value que, neste caso, pode apresentar os seguintes valores: 0 - não activada 1 - activada 2 - não disponível O texto a inserir junto de cada caixa de verificação deve ser especificado mediante a propriedade Caption. Frames – Quadros Tais objectos destinam-se a agrupar outros objectos (controlos). São usados muitas vezes para organizar um dado conjunto de botões de opção (Option Buttons), tornandoos independentes de outros botões de opção eventualmente existentes na mesma form. Sem as Frames isto não era possível porque se os Option Buttons fossem todos colocados sobre o Form então só teríamos um grupo de opções de exclusão mútua. É importante criar o quadro antes de aí inserir os controlos. Se o controlo for criado antes do quadro, não é possível apenas deslocá-lo para dentro do quadro uma vez este criado. Quando se insere um objecto dentro do quadro, esse quadro passa a constituir o “contentor” do objecto. Quer isto dizer que a sua localização passa a ser definida não em relação à form mas em relação ao quadro que o contem. Uma Frame agrupando três botões de comando Outra utilidade dos quadros é servir de “moldura” a um dado conjunto de controlos, de modo a melhorar a aparência e a organização da form em que estão inseridos, agrupando os diversos controlos de acordo com as suas funcionalidades. List Boxes – Caixas de Listagem Este controlo mostra uma lista de opções passíveis de escolha, indicando com uma barra escura a selecção actual. Por defeito, as opções são apresentadas numa única coluna vertical, podendo-se no entanto definir várias colunas. Se o número de opções exceder a quantidade de elementos que pode ser visto ao mesmo tempo na List Box surgem barras de deslocamento verticais e/ou horizontais. VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Controlos 69 Uma List Box com várias opções A introdução dos elementos na lista pode ser feita enquanto se desenham os controlos na form, usando para o efeito a propriedade List, ou durante a execução do programa. Os elementos da lista estão guardados numa estrutura de dados acessível através da propriedade List(n) que simula um array de strings. Assim, o primeiro elemento encontra-se em List(0), o segundo elemento em List(1) e assim sucessivamente. Inserir um elemento na lista A inserção de elementos na lista durante a execução do programa deve ser feita usando o método AddItem, cuja sintaxe é: listbox.AddItem elemento, posição O parâmetro elemento representa a nova opção (novo elemento) a acrescentar à lista. O parâmetro posição é opcional. Se for especificado, o elemento é inserido no local indicado, senão é inserido no fim da lista. A primeira posição da lista é a posição 0. Remover um elemento da lista O método usado na eliminação de um item da lista é o RemoveItem e a sintaxe é a seguinte: listbox.RemoveItem posição Aqui, posição representa o índice do elemento a eliminar. A posição do elemento seleccionado é dada pela propriedade ListIndex que apenas se encontra disponível durante a execução do programa. O valor desta propriedade é 0 se estiver seleccionado o primeiro elemento da lista, 1 se o elemento seleccionado for o seguinte, e assim por diante. ListIndex tem o valor -1 se nenhum elemento está seleccionado. Para remover todos os elementos da lista pode-se fazer: listbox.Clear VISUAL BASIC – Sebenta Teórica (versão 1) Controlos 70 Para além das já referidas, as propriedades mais usadas são as seguintes: Propriedade Descrição Text Permite obter o elemento actualmente seleccionado. ListCount Permite conhecer a qualquer momento o número de elementos contidos na lista. Sorted Permite especificar se os elementos da lista devem aparecer por ordem alfabética. Columns Permite indicar se a lista de elementos deve aparecer numa única coluna (Columns = 0) ou em duas (Columns = 2), três (Columns = 3), ... colunas. MultiSelect Permite controlar a forma de selecção de elementos dentro da lista. Pode ter um dos seguintes valores: 0 - só é possível seleccionar um elemento 1 - é possível seleccionar vários elementos simultaneamente, pressionando cada elemento 2 - é possível seleccionar vários elementos simultaneamente, usando as tecla Shift e Control Selected Se a propriedade MultiSelect tiver o valor 1 ou o valor 2, a selecção múltipla está autorizada. Nesse caso, as propriedades Text e ListIndex referem-se apenas ao último elemento seleccionado. Assim, para conhecer quais os elementos seleccionados haverá que utilizar a propriedade Selected da forma: Selected (índice) avaliando para cada elemento (índice) o valor da propriedade Selected. Esta propriedade apresenta o valor True caso o elemento esteja seleccionado e False caso contrário. SelCount Permite conhecer a qualquer momento o número de elementos seleccionados. Esta propriedade é particularmente útil nas situações em que a listbox permite múltiplas selecções.

0
0

Comentários (0)

alfredo gelk neto

Brasil