1

Uma pausa para o café sabor Linux - Daily bootcamp { }

#Linux
L
Lívia Silva

Uma pausa para o café sabor Linux - Daily bootcamp { }


Algum lugar, 25 de Fevereiro de 2021


Polêmica até os dias atuais a rixa entre Linux e Windows ou entre suas distros não pode morrer.


O que é o Linux?


Segundo o nosso amigo wikipédia (https://pt.wikipedia.org/wiki/Linux) Linux se refere a sistemas operacionais baseados no Kernel Linux (do alemão-pt kernel significa núcleo ou seja, Núcleo Linux)* desenvolvido pelo famoso (se não conhece irá conhecer agora) Linus Torvalds e inspirado no sistema operacional Minix (Minix? Sim!) que na verdade também é inspirado no sistema operacional Unix, ou seja tudo farinha do mesmo sistema mas na dúvida coloca Unix. Ademais, o Linux foi o nome dado ao núcleo de sistema operacional*, criado por Linus Torvalds mas os sistemas operacionais que usam o núcleo Linux são chamados genericamente de Linux logo cabe saber o contexto em que a palavra está inserida e ver a qual das opções se refere.


 Esse início aposto que foi bem confuso, mas resumindo a ideia geral faça uma analogia ao Windows que também é um sistema operacional e como já vem instalado na maioria das máquinas que compramos obviamente muitas pessoas não querem ter o trabalho de trocar (no uso doméstico não se tem a “real necessidade” e se sentir confortável usando não tem problema algum) mas na programação há vantagens em usar diversas Distros Linux. 


Uma Distro Linux/ Distribuição Linux


Visto anteriormente, pode ocorrer que o Windows não te agrade, falte alguma coisa e para nossa sorte ele não é único.


Uma distribuição Linux (abreviada como distro) é um sistema operacional feito de uma parte a qual o software baseia-se no kernel Linux e, frequentemente, um sistema de gerenciamento de pacotes. Os usuários do Linux geralmente obtêm seu sistema operacional baixando uma das distribuições do Linux (Geralmente a ISO), que estão disponíveis para uma ampla variedade de sistemas

 segundo o site Olhar digital acesso em: 25/02/2021 (https://olhardigital.com.br/2020/12/30/dicas-e-tutoriais/as-5-distribuicoes-linux-mais-populares-de-2020/) as 3 distribuições Linux mais populares em 2020 são:


1.MX Linux

2.Manjaro

3.Mint

4.Ubuntu (a usada no curso em que tive na plataforma)


Mas as clássicas acho que num contexto geral e que muita gente conhece é Ubuntu, Debian e Mint





Cursos e Comandos Linux


É bem difícil memorizar e usar todos os comandos no terminal linux com perfeição ainda mais se for aprender em apenas um dia (se você consegue parabéns! pois eu não). Então, mexendo pelo fórum achei a proposta do Lucas Abad (que baseado nas aulas do Bootcamp Inter na parte de Linux nós fez esse resumo bastante útil, obrigada!) que está a seguir:


CD- É um acrônimo para mudar diretório

cd/ abre diretório raiz

cd~ abre diretório corrente usuário logado

cd... Voltar ao diretório

Lista de arquivos

Ls- i coluna detalhada

Ls - a arquivos ocultos

Ls - s conteúdo com tamanho alocado de cada arquivo

Ls - x classifica por ordem alfabética

Ls --Help - ajuda

Touch - Cria arquivos vazios além de mudar a data e a hora

Touch - a acesso a hora

Touch - m modificação da hora atual

Cat- ( concatenar) novo arquivo sendo um dos mais úteis para aprender. Permite criar e unir arquivos.

Criar aquivos

unir arquivos

Exibir arquivos

Mv- ( Mover Arquivos)

Mv-b : gera cópia de segurança se o arquivo de destino já existir.(backup)

-f : move o arquivo sem pedir confirmação (mesmo que já exista um arquivo no destino com o mesmo nome).

-i : move o arquivo, mas pede confirmação caso já exista um arquivo no destino com o mesmo nome.

-v : exibe os nomes dos arquivos afetados pelo comando.

−−help : exibe as opções do comando.

−−version : exibe informações sobre o comando

mv- u -- Substitui o arquivo de destino

Cp ( Copias arquivo)

-b : gera cópia de segurança se o arquivo de destino já existir.

-f : substitui arquivos existentes sem pedir confirmação.

-i : pede permissão antes de substituir arquivos existentes.

-l : cria um link para o arquivo de origem ao invés de copiar o arquivo.

-r : copia arquivos e subdiretórios (recursivo).

-u : copia apenas quando o arquivo de origem é mais novo que o arquivo de destino ou quando o arquivo de destino não existe.

-v : lista os arquivos copiados.

−−help : lista as opções disponíveis com o comando.

−−version : exibe informação sobre o comando.

Mkdir - (Cria diretórios)

-m ou −−mode : define as permissões do diretório.

-p ou −−parents : cria hierarquia de diretórios.

−−help : lista as opções disponíveis com o comando.

−−version : exibe informação sobre o comando.

 

Find - (procurar por arquivos e pesquisa arquivos em uma hierarquia de diretórios.)

-type: procura diretórios de um determinado tipo.

-name : permite especificar o nome do arquivo

 

Rmdir - Remove diretorios especificos nas linhas de comando.

 

Env - Executa um comando em um ambiente modificado.

 

Pwd - Imprime o nome.

 

Dir - Exibe arquivos.


São muitos comandos acima, mas há muito mais. Logo, tratei de pesquisar lugares que poderiam me servir de base assim como o resumo do Lucas e achei esse link que me direciona ao pdf com um “Guia com mais de 500 comandos do Linux (Explicados)” (https://www.linuxpro.com.br/dl/guia_500_comandos_Linux.pdf) do site LinuxPro que tem muitas outras coisas sobre Linux bastante interessantes.


 Além disso, se você não for muito dos livros não tem problema recomendo esse cara que é uma fera em Linux e tem um canal no YouTube o nome é Diolinux, tem também vídeos ótimos de outra fera mas essa eu particularmente já fui ajudada em muitos outros assuntos, Fábio dos Reis a cara do canal Bóson Treinamentos (Nele terá não só vídeos de linux mas de linguagens de programação, entre outros).


Instalação Linux


No início do curso, você é direcionado a instalação de um VM (máquina virtual) e uma ISO da distribuição Ubuntu. Bem, se você não sabia nem da existência de uma VM e depois achou a ideia incrível (eu também achei no início) não se preocupa mas o professor salvou seu computador de uma possível catástrofe (experiência própria) pois alguns se aventuram no dual boot (a mágica possibilidade ter dois sistemas operacionais em um mesmo computador lutando entre si pela sua memória) onde as chances de acontecer algo que você não faz menor ideia que poderia acontecer é bem grande. Então aqui vai um lembrete, talvez, de como instalar dual boot de qualquer distribuição Linux (mas pf, faça isso com total responsabilidade e com algum backup em mãos pra caso aconteça uma grande besteira).


1.Prepare o disco rígido para instalar sua distro escolhida (se não sabe qual olha o link das distros lá em cima, pode te ajudar);


O planejamento de como será feita a instalação da sua distro é muito importante para facilitar as etapas futuras(como eu falei antes, eles querendo ou não vão disputar sua memória ein). Planejar? O quê? Você deseja manter o Windows ao instalar a nova distro? Então reserve um espaço para os dados e procure sobre partições de memória (se eu for ensinar isso, será gigante esse artigo)

Uma possibilidade é a instalação do GParted para gerenciar o disco rígido. Com o GParted aberto, crie uma partição onde a distro será instalada com espaço de pelo menos 25 GB e, se for o caso, outra partição dedicada ao armazenamento de dados.



2. Faça o download da ISO da sua distro


Várias distribuições Linux tem seus próprios sites onde disponibilizam o que chamam de ISO (https://www.linuxlookup.com/linux_isop):


“uma "imagem", seja uma ISO ou outra imagem de mídia, é simplesmente um arquivo que pode ser usado como uma cópia idêntica da mídia original. Este arquivo não contém apenas arquivos de dados individuais, mas também contém informações de trilha e setor e organiza todas essas informações em um sistema de arquivos, como uma mídia de disco. Os arquivos de imagem, ao contrário dos arquivos normais, geralmente não são abertos; em vez disso, eles são montados.


Uma imagem ISO (.iso) é simplesmente uma imagem de CD-ROM salva no formato ISO-9660. As imagens ISO são usadas principalmente como arquivos de origem “para criar CDs. Como exemplo, a maioria das distribuições de Linux libera imagens ISO dos CDs de instalação. Essas imagens geralmente estão disponíveis gratuitamente online. Depois de baixar a imagem, você pode usar o software para recriar a mídia de instalação física.”


Sites oficiais:

Debian - https://www.debian.org/

Ubuntu - https://ubuntu.com/ (grande desenvolvedora canonical)

Mint - https://linuxmint.com/


3. Crie um pendrive bootável


O que é um pendrive bootável? primeiro de tudo antes de saber o que é, esteja ciente que o pendrive pode ser corrompido(meus preciosos 64gb perdidos) ou seja não sou tanto dessa época mas quem lembra quando os sistemas operacionais vinham em cd’s é meio que essa ideia em um pendrive (seu pendrive é seu cd) e vai precisar dele para instalar o novo sistema op.


Uma boa sugestão é o LinuxLive USB Creator, o LiLi, mas tem-se outras alternativas , como: Etcher, UNetbootin e Rufus. Supondo que venha a optar pelo Etcher, acesse a página de download e instale-o — caso tenha escolhido a versão portable, basta abrir o arquivo.


4. Configure seu computador 


Após criar o pendrive bootável, configure o seu computador para iniciar o boot corretamente. Faça isso acessando o menu da BIOS*(é o firmware usado para executar a inicialização do hardware durante o processo de inicialização e para fornecer serviços de tempo de execução para sistemas operacionais e programas. [varia em cada placa-mãe e geralmente ninguém sabe como acessar sua própria BIOS, eu mesmo não lembro como acessar a minha, logo google.com e o modelo da placa mãe e bingo! ] )tecle o atalho específico para seleção de boot — ela varia de um computador para outro; na dúvida, consulte o manual da placa-mãe.


Tentando desconfundir algo novo, todo computador quando liga tem uma “ordem” pré-instalada de “ah nossa fui ligado e agora devo seguir o caminho do hardware (geralmente a memória que está instalado com o sistema que já é usado) e entrar na sala sistema operacional”. Quando você mexe na BIOS isso muda ou seja você em vez de ir ao hd por exemplo, coloca para seu computador para seguir o caminho do pendrive (e lembra que nele está instalado a ISO da distro? pois bem acho que entenderam o que ocorre depois…).


5. Inicie a instalação

Tudo certo para sua grande experiência do dual boot agora é hora de começar.

Não tem segredo quando instala, só complicações mesmo; é como instalar qualquer outro programa no Windows. Você passa por uma tela de boas-vindas, escolhe o idioma mas em seguida, começa a vir as complicações, por exemplo como particionar a memória.

Assumo que essa parte infelizmente eu não sei explicar mas tem vídeos de como fazer isso (inclusive achei essa playlist aqui (https://www.youtube.com/watch?v=AweBIsFhxs8&list=PLvM6p31bEfkk_W8svnOOFnteYOMfCQHrP)

6. Terminou ?


Bem depois de ajustado e passado alguns sufocos (ou não, você é fera eu sei) faça as configurações de usuário tudo certinho e aproveite sua nova distro linux!


Se ficou preso em alguma parte tem esse tutorial aqui bem mais detalhado que o meu (https://e-tinet.com/linux/instalar-ubuntu/)




Curiosidade

Mito ou verdade, sabe-se que o símbolo do software foi escolhido pelo seu criador (Linus Torvalds) que um belo dia estava em um zoológico na Austrália quando foi surpreendido pela mordida de um pinguim que não teve só seus 15 minutos de fama e hoje deve ser um dos pinguins mais famosos do mundo (Tirando os de madagascar). 

Acabou o café

Foi muita coisa que aprendi nesse tempo, com certeza falta bastante coisa de verdade, mas o básico acho que deu né ? É isso, não sou uma expert na área mas alguém que talvez tirou alguma dúvida (?). Espero poder ter acrescentado algo, nem que seja apenas essa incrível curiosidade.


O próximo módulo que farei será de Java básico / intermediário, como minhas aulas começarão vou ter meu tempo muito apertado então até o dia 11/02/2021 apareço com algo por aqui, um café e um linux pra cês!


(*) - Quando ver esse símbolo significa que aquela palavra ou parte do assunto dá abertura para outros assuntos mais complexos que podem ou não ser explicados no artigo.

Cheater (?) - Talvez algumas ênfases nas palavras podem ser respostas ou algo muito similar sobre as questões dadas.

ps - Uma coisa que eu percebi e que achei um modelo um tanto interessante no padrão de respostas de todos os cursos que fiz até agora, é que as respostas se pautam muito em exatamente no o professor do curso falou em vídeo ou seja uma palavra pode ter dois conceitos aceitos e vai de ti perceber qual conceito pra palavra o professor do curso usou (Talvez seja a forma de pegar espertinhos que tentem fazer tudo sem para 1 minuto e assistir algum vídeo, tipo eu ? )

1
45

Comentários (1)

1
Leone Machado

Leone Machado

25/02/2021 19:13

Parabéns pelo artigo, muito bom. Como todo usuário orgulhoso de Linux não poderia deixar de comentar que estou bem satisfeito em utilizar já há alguns anos openSUSE Tumbleweed com KDE, me ajudou bastante a me amadurecer profissionalmente. Não tenho essa rixa com Windows, que realmente é bem comum aos usuários do pinguim, que não entendem que por amar A não necessariamente é uma regra odiar B, reconheço seus muitos aspectos louváveis.

None

Brasil