0

Python

A
Alfredo Neto

Diversas interfaces de sistema operacional

Código-fonte: Lib/os.py


Este módulo fornece uma maneira simples de usar funcionalidades que são dependentes de sistema operacional. Se você quiser ler ou escrever um arquivo, veja open(); se o que quer é manipular estruturas de diretórios, veja o módulo os.path; e se quiser ler todas as linhas, de todos os arquivos, na linha de comando, veja o módulo fileinput. Para criar arquivos e diretórios temporários, veja o módulo tempfile; e, para manipulação em alto nível de arquivos e diretórios, veja o módulo shutil.

Notas sobre a disponibilidade dessas funções:

  • O modelo dos módulos embutidos dependentes do sistema operacional no Python é tal que, desde que a mesma funcionalidade esteja disponível, a mesma interface é usada; por exemplo, a função os.stat(path) retorna informações estatísticas sobre path no mesmo formato (que é originado com a interface POSIX).
  • Extensões específicas a um sistema operacional também estão disponíveis através do módulo os, mas usá-las é, naturalmente, uma ameaça à portabilidade.
  • Todas as funções que aceitam nomes de caminhos ou arquivos, aceitam objetos bytes e string, e resultam em um objeto do mesmo tipo, se um caminho ou nome de arquivo for retornado.
  • Em VxWorks, os.popen, os.fork, os.execv e os.spawn*p* não são suportados.

Nota Todas as funções neste módulo trazem OSError (ou suas subclasses) no caso de nomes e caminhos de arquivos inválidos ou inacessíveis, ou outros argumentos que possuem o tipo correto, mas não são aceitos pelo sistema operacional.

exception os.error

Um apelido para a exceção embutida OSError.

os.name

O nome do módulo importado, dependente do sistema operacional. Atualmente, os seguintes nomes foram registrados: 'posix''nt''java'.

Ver também sys.platform tem uma granularidade mais fina. os.uname() fornece informação dependentes de versão do sistema.

O módulo platform fornece verificações detalhadas sobre a identificação do sistema.

Nomes de arquivos, argumentos de linha de comando e variáveis de ambiente

In Python, file names, command line arguments, and environment variables are represented using the string type. On some systems, decoding these strings to and from bytes is necessary before passing them to the operating system. Python uses the filesystem encoding and error handler to perform this conversion (see sys.getfilesystemencoding()).

tratador de erros e codificação do sistema de arquivos são configurados na inicialização do Python pela função PyConfig_Read(): veja os membros filesystem_encoding e filesystem_errors do PyConfig.

Alterado na versão 3.1: Em alguns sistemas a conversão, usando a codificação do sistema de arquivos, pode falhar. Neste caso, o Python usa o manipulador de erro de codificação surrogateescape, o que significa que bytes não decodificados são substituídos por um caractere Unicode U+DCxx na decodificação, e estes são novamente traduzidos para o byte original na codificação.

The file system encoding must guarantee to successfully decode all bytes below 128. If the file system encoding fails to provide this guarantee, API functions can raise UnicodeError.

Veja também a codificação da localidade.

Python UTF-8 Mode

Novo na versão 3.7: Veja PEP 540 para mais detalhes.

The Python UTF-8 Mode ignores the locale encoding and forces the usage of the UTF-8 encoding:

Observe que as configurações de fluxo padrão no modo UTF-8 podem ser substituídas por PYTHONIOENCODING (assim como podem estar no modo com reconhecimento de localidade padrão).

Como consequência das mudanças nessas APIs de baixo nível, outras APIs de alto nível também exibem comportamentos padrão diferentes:

  • Argumentos de linha de comando, variáveis de ambiente e nomes de arquivos são decodificados em texto usando a codificação UTF-8.
  • os.fsdecode() e os.fsencode() usam a codificação UTF-8.
  • open()io.open() e codecs.open() usam a codificação UTF-8 por padrão. No entanto, elas ainda usam o tratador de erros estrito por padrão, de modo que a tentativa de abrir um arquivo binário no modo de texto provavelmente levantará uma exceção em vez de produzir dados sem sentido.

The Python UTF-8 Mode is enabled if the LC_CTYPE locale is C or POSIX at Python startup (see the PyConfig_Read() function).

It can be enabled or disabled using the -X utf8 command line option and the PYTHONUTF8 environment variable.

If the PYTHONUTF8 environment variable is not set at all, then the interpreter defaults to using the current locale settings, unless the current locale is identified as a legacy ASCII-based locale (as described for PYTHONCOERCECLOCALE), and locale coercion is either disabled or fails. In such legacy locales, the interpreter will default to enabling UTF-8 mode unless explicitly instructed not to do so.

The Python UTF-8 Mode can only be enabled at the Python startup. Its value can be read from sys.flags.utf8_mode.

See also the UTF-8 mode on Windows and the filesystem encoding and error handler.

Parâmetros de processo

Essas funções e itens de dados fornecem informações e operam no processo e usuário atuais.

os.ctermid()

Retorna o nome do arquivo correspondente ao terminal de controle do processo.

Disponibilidade: Unix.

os.environ

Um objeto de mapeamento representando uma string do ambiente. Por exemplo, environ['HOME'] é o nome do caminho do seu diretório pessoal (em algumas plataformas), e é equivalente a getenv("HOME") em C.

Este mapeamento é capturado na primeira vez que o módulo os é importado, normalmente durante a inicialização do Python, como parte do processamento do arquivo site.py. Mudanças no ambiente feitas após esse momento não são refletidas em os.environ, exceto pelas mudanças feitas modificando os.environ diretamente.

Este mapeamento pode ser usado para modificar o ambiente, além de consultá-lo. putenv() será chamado automaticamente quando o mapeamento for modificado.

No Unix, chaves e valores usam sys.getfilesystemencoding() e o tratador de erros 'surrogateescape'. Use environb se quiser usar uma codificação diferente.

Nota Chamar a função putenv() diretamente não muda os.environ, por isso é melhor modificar os.environ.

Nota On some platforms, including FreeBSD and macOS, setting environ may cause memory leaks. Refer to the system documentation for putenv().

Você pode excluir itens neste mapeamento para remover definição de variáveis de ambiente. unsetenv() será chamado automaticamente quando um item é excluído de os.environ, e quando um dos métodos pop() ou clear() é chamado.

Alterado na versão 3.9: Atualizado para ter suporte os operadores de mesclagem (|) e de atualização (|=) da PEP 584.

os.environb

Versão bytes environ: um objeto de mapeamento representando o ambiente como byte strings. environ e environb são sincronizados (modificar environb atualiza environ, e vice versa).

environb está disponível somente se supports_bytes_environ for True.

Novo na versão 3.2.

Alterado na versão 3.9: Atualizado para ter suporte os operadores de mesclagem (|) e de atualização (|=) da PEP 584.

os.chdir(path)

os.fchdir(fd)

os.getcwd()

Essas funções são descritas em: Arquivos e diretórios.

os.fsencode(filename)

Encode path-like filename to the filesystem encoding and error handler; return bytes unchanged.

fsdecode() é a função reversa.

Novo na versão 3.2.

Alterado na versão 3.6: Suporte adicionado para aceitar objetos que implementam a interface os.PathLike

os.fsdecode(filename)

Decode the path-like filename from the filesystem encoding and error handler; return str unchanged.

fsencode() é a função reversa.

Novo na versão 3.2.

Alterado na versão 3.6: Suporte adicionado para aceitar objetos que implementam a interface os.PathLike

os.fspath(path)

Retorna a representação do sistema de arquivos do caminho.

Se um objeto str ou bytes é passado, é retornado inalterado. Caso contrário, o método __fspath__() é chamado, e seu valor é retornado, desde que seja um objeto str ou bytes. Em todos os outros casos, TypeError é levantada.

Novo na versão 3.6.

class os.PathLike

Uma classe base abstrata para objetos representando um caminho do sistema de arquivos, como, por exemplo, pathlib.PurePath.

Novo na versão 3.6.

abstractmethod __fspath__()

Retorna a representação do caminho do sistema de arquivos do objeto.

O método deverá retornar somente objetos str ou bytes, preferencialmente str.

os.getenv(keydefault=None)

Retorna o valor da variável de ambiente key se existir, ou default, se não. keydefault e o resultado são str.

No Unix, chaves e valores são decodificados com a função sys.getfilesystemencoding() e o o manipulador de erros 'surrogateescape'. Use os.getenvb() se quiser usar uma codificação diferente.

Disponibilidade: várias versões de Unix, Windows.

os.getenvb(keydefault=None)

Retorna o valor da variável de ambiente key, se existir, ou default, se não existir. keydefault e o resultado são bytes.

getenvb() está disponível somente se supports_bytes_environ for True.

Disponibilidade: várias versões de Unix.

Novo na versão 3.2.

os.get_exec_path(env=None)

Retorna a lista de diretórios que serão buscados por um executável nomeado, semelhante a um shell, ao iniciar um processo. env, quando especificado, deve ser um dicionário de variáveis de ambiente para procurar o PATH. Por padrão, quando env é Noneenviron é usado.

Novo na versão 3.2.

os.getegid()

Retorna o efetivo ID do grupo do processo atual. Isso corresponde ao bit “set id” no arquivo que está sendo executado no processo atual.

Disponibilidade: Unix.

os.geteuid()

Retorna o efetivo ID de usuário do processo atual.

Disponibilidade: Unix.

os.getgid()

Retorna o ID real do grupo do processo atual.

Disponibilidade: Unix.

os.getgrouplist(usergroup)

Retorna a lista de IDs de grupos aos quais user pertence. Se group não estiver na lista, será incluído; normalmente, group é especificado como o campo de ID do grupo, a partir do registro de senha para user.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.getgroups()

Retorna a lista de IDs de grupos suplementares associados ao processo atual.

Disponibilidade: Unix.

Nota On macOS, getgroups() behavior differs somewhat from other Unix platforms. If the Python interpreter was built with a deployment target of 10.5 or earlier, getgroups() returns the list of effective group ids associated with the current user process; this list is limited to a system-defined number of entries, typically 16, and may be modified by calls to setgroups() if suitably privileged. If built with a deployment target greater than 10.5getgroups() returns the current group access list for the user associated with the effective user id of the process; the group access list may change over the lifetime of the process, it is not affected by calls to setgroups(), and its length is not limited to 16. The deployment target value, MACOSX_DEPLOYMENT_TARGET, can be obtained with sysconfig.get_config_var().

os.getlogin()

Retorna o nome do usuário conectado no terminal de controle do processo. Para a maioria dos propósitos, é mais útil usar getpass.getuser(), já que esse último verifica as variáveis de ambiente LOGNAME ou USERNAME para descobrir quem é o usuário, e retorna para pwd.getpwuid(os.getuid())[0] para obter o nome de login do ID do usuário real atual.

Disponibilidade: Unix, Windows.

os.getpgid(pid)

Retorna o ID do grupo de processo com pid. Se pid for 0, o ID do grupo do processos do processo atual é retornado.

Disponibilidade: Unix.

os.getpgrp()

Retorna o ID do grupo de processos atual.

Disponibilidade: Unix.

os.getpid()

Retorna o id do processo atual.

os.getppid()

Retorna o ID do processo pai. Quando o processo pai é encerrado, no Unix, o ID retornado é o do processo init(1); no Windows, ainda é o mesmo ID, que já pode ser reutilizado por outro processo.

Disponibilidade: Unix, Windows.

Alterado na versão 3.2: Adicionado suporte para Windows.

os.getpriority(whichwho)

Obtém prioridade de agendamento de programa. O valor which é um entre PRIO_PROCESSPRIO_PGRP ou PRIO_USER, e who é interpretado em relação a which (um identificador de processo para PRIO_PROCESS, identificador do grupo de processos para PRIO_PGRP e um ID de usuário para PRIO_USER). Um valor zero para who indica (respectivamente) o processo de chamada, o grupo de processos do processo de chamada ou o ID do usuário real do processo de chamada.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.PRIO_PROCESS

os.PRIO_PGRP

os.PRIO_USER

Parâmetros para as funções getpriority() e setpriority().

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.getresuid()

Retorna uma tupla (ruid, euid, suid) indicando os IDs de usuário reais, efetivos e salvos do processo atual.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.2.

os.getresgid()

Retorna uma tupla (rgid, egid, sgid) indicando os IDs de grupo reais, efetivos e salvos do processo atual.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.2.

os.getuid()

Retorna o ID de usuário real do processo atual.

Disponibilidade: Unix.

os.initgroups(usernamegid)

Chama o initgroups() do sistema para inicializar a lista de acesso ao grupo com todos os grupos dos quais o nome de usuário especificado é membro, mais o ID do grupo especificado.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.2.

os.putenv(keyvalue)

Define a variável de ambiente denominada key como a string value. Tais mudanças no ambiente afetam os subprocessos iniciados com os.system()popen() ou fork() e execv().

As atribuições para itens em os.environ são automaticamente convertidas em chamadas correspondentes para putenv(); no entanto, chamadas para putenv() não atualizam os.environ, então é realmente preferível atribuir itens a os.environ.

Nota On some platforms, including FreeBSD and macOS, setting environ may cause memory leaks. Refer to the system documentation for putenv().

Levanta um evento de auditoria os.putenv com os argumentos keyvalue.

Alterado na versão 3.9: A função está agora sempre disponível.

os.setegid(egid)

Define o ID do grupo efetivo do processo atual.

Disponibilidade: Unix.

os.seteuid(euid)

Define o ID de usuário efetivo do processo atual.

Disponibilidade: Unix.

os.setgid(gid)

Define o ID de grupo do processo atual.

Disponibilidade: Unix.

os.setgroups(groups)

Define a lista de IDs de grupo suplementares associados ao processo atual como groupsgroups deve ser uma sequência e cada elemento deve ser um número inteiro identificando um grupo. Esta operação normalmente está disponível apenas para o superusuário.

Disponibilidade: Unix.

Nota On macOS, the length of groups may not exceed the system-defined maximum number of effective group ids, typically 16. See the documentation for getgroups() for cases where it may not return the same group list set by calling setgroups().

os.setpgrp()

Executa a chamada de sistema setpgrp() ou setpgrp (0, 0) dependendo da versão implementada (se houver). Veja o manual do Unix para a semântica.

Disponibilidade: Unix.

os.setpgid(pidpgrp)

Faz a chamada de sistema setpgid() para definir o ID do grupo do processo com pid para o grupo de processos com o id pgrp. Veja o manual do Unix para a semântica.

Disponibilidade: Unix.

os.setpriority(whichwhopriority)

Define a prioridade de agendamento de programa. O valor which é um entre PRIO_PROCESSPRIO_PGRP ou PRIO_USER, e who é interpretado em relação a which (um identificador de processo para PRIO_PROCESS, identificador do grupo de processos para PRIO_PGRP e um ID de usuário para PRIO_USER). Um valor zero para who indica (respectivamente) o processo de chamada, o grupo de processos do processo de chamada ou o ID do usuário real do processo de chamada. priority é um valor na faixa de -20 a 19. A prioridade padrão é 0; prioridades menores resultam em agendamento um mais favorável.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.setregid(rgidegid)

Define os IDs de grupo real e efetivo do processo atual

Disponibilidade: Unix.

os.setresgid(rgidegidsgid)

Define os IDs de grupo real, efetivo e salvo do processo atual

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.2.

os.setresuid(ruideuidsuid)

Define os IDs de usuário real, efetivo e salvo do processo atual

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.2.

os.setreuid(ruideuid)

Define os IDs de usuário real e efetivo do processo atual.

Disponibilidade: Unix.

os.getsid(pid)

Executa a chamada de sistema getsid(). Veja o manual do Unix para semântica.

Disponibilidade: Unix.

os.setsid()

Executa a chamada de sistema setsid(). Veja o manual do Unix para semântica.

Disponibilidade: Unix.

os.setuid(uid)

Define o ID de usuário do processo atual.

Disponibilidade: Unix.

os.strerror(code)

Retorna a mensagem de erro correspondente ao código de erro em code. Nas plataformas em que strerror() retorna NULL quando recebe um número de erro desconhecido, ValueError é levantada.

os.supports_bytes_environ

True se o tipo de sistema operacional nativo do ambiente estiver em bytes (por exemplo, False no Windows).

Novo na versão 3.2.

os.umask(mask)

Define o umask numérico atual e retorna o umask anterior.

os.uname()

Retorna informações identificando o sistema operacional atual. O valor retornado é um objeto com cinco atributos.

  • sysname - nome do sistema operacional
  • nodename - nome da máquina na rede (definido pela implementação)
  • release - lançamento do sistema operacional
  • version - versão do sistema operacional
  • machine - identificador de hardware

Para compatibilidade com versões anteriores, esse objeto também é iterável, comportando-se como uma tupla de 5 elementos contendo sysnamenodenamereleaseversion e machine nessa ordem.

Alguns sistemas truncam nodename para 8 caracteres ou para o componente principal; uma maneira melhor de obter o nome do host é socket.gethostname() ou até mesmo socket.gethostbyaddr(socket.gethostname()).

Disponibilidade: sabores recentes de Unix.

Alterado na versão 3.3: Retorna tupla alterada de uma tupla para um objeto tipo tupla com atributos nomeados.

os.unsetenv(key)

Cancela (exclui) a variável de ambiente denominada key. Tais mudanças no ambiente afetam subprocessos iniciados com os.system()popen() ou fork() e execv().

A exclusão de itens em os.environ é automaticamente traduzida para uma chamada correspondente a unsetenv(); no entanto, chamadas a unsetenv() não atualizam os.environ, por isso, na verdade é preferível excluir itens de os.environ.

Levanta um evento de auditoria os.unsetenv com o argumento key.

Alterado na versão 3.9: A função está agora sempre disponível e também está disponível no Windows.

Criação de objetos arquivos

Estas funções criam novos objetos arquivos. (Veja também open() para abrir os descritores de arquivos.)

os.fdopen(fd*args**kwargs)

Retorna um objeto arquivo aberto conectado ao descritor de arquivo fd. Este é um apelido para a função embutida open() e aceita os mesmos argumentos. A única diferença é que o primeiro argumento de fdopen() deve ser sempre um inteiro.

Operações dos descritores de arquivos

Estas funções operam em fluxos de E/S referenciados usando descritores de arquivos.

Descritores de arquivos são pequenos números inteiros correspondentes a um arquivo que foi aberto pelo processo atual. Por exemplo, a entrada padrão geralmente é o descritor de arquivo 0, a saída padrão 1 e erro padrão 2. Outros arquivos abertos por um processo serão então atribuídos 3, 4, 5, e assim por diante. O nome “descritor de arquivo” é um pouco enganoso; em plataformas UNIX, sockets e pipes também são referenciados como descritores de arquivos.

O método fileno() pode ser usado para obter o descritor de arquivo associado a um objeto arquivo quando solicitado. Note-se que usar o descritor de arquivo diretamente ignorará os métodos do objeto arquivo, ignorando aspectos como buffer interno de dados.

os.close(fd)

Fecha o descritor de arquivo fd.

Nota Esta função destina-se a E/S de baixo nível e deve ser aplicada a um descritor de arquivo retornado por os.open() ou pipe(). Para fechar um “objeto arquivo” retornado pela função embutida open() ou por popen() ou fdopen(), use seu método close().

os.closerange(fd_lowfd_high)

Fecha todos os descritores de arquivos de fd_low (inclusivo) a fd_high (exclusivo), ignorando erros. Equivalente a (mas muito mais rápido do que):


for fd in range(fd_low, fd_high):
    try:
        os.close(fd)
    except OSError:
        pass

os.copy_file_range(srcdstcountoffset_src=Noneoffset_dst=None)

Copia bytes count do descritor de arquivo src, partindo do deslocamento offset_src, ao descritor de arquivo dst, partindo do deslocamento offset_dst. Se offset_src for None, então src é lido a partir da posição atual; respectivamente, para offset_dst. Os arquivos apontados por src e dst devem residir no mesmo sistema de arquivos, caso contrário, uma OSError é levantada com errno definido como errno.EXDEV.

Essa cópia é feita sem o custo adicional de transferência de dados do kernel para o espaço do usuário e, em seguida, volta para o kernel. Além disso, alguns sistemas de arquivos poderiam implementar otimizações extras. A cópia é feita como se ambos os arquivos estivessem abertos como binários.

O valor de retorno é a quantidade de bytes copiados. Ele pode ser inferior à quantidade solicitada.

Availability: Linux kernel >= 4.5 ou glibc >= 2.27.

Novo na versão 3.8.

os.device_encoding(fd)

Retorna uma string descrevendo a codificação do dispositivo associado a fd se estiver conectado a um terminal; senão retorna None.

On Unix, if the Python UTF-8 Mode is enabled, return 'UTF-8' rather than the device encoding.

Alterado na versão 3.10: On Unix, the function now implements the Python UTF-8 Mode.

os.dup(fd)

Retorna uma cópia do descritor de arquivo fd. O novo descritor de arquivo é non-inheritable.

No Windows, ao duplicar um fluxo padrão (0: stdin, 1: stdout, 2: stderr), o novo descritor de arquivo é inheritable.

Alterado na versão 3.4: O novo descritor de arquivo agora é não-hereditário.

os.dup2(fdfd2inheritable=True)

Duplica o descritor de arquivo fd como fd2, fechando o último em primeiro lugar, se necessário. Retorna fd2. O novo descritor de arquivo é inheritable por padrão ou não-hereditário se inheritable for False.

Alterado na versão 3.4: Adicionar o parâmetro opcional inheritable.

Alterado na versão 3.7: Retorna fd2 em caso de sucesso. Anteriormente, retornava sempre None.

os.fchmod(fdmode)

Altera o modo do arquivo dado por fd ao mode numérico. Veja a documentação de chmod() para valores possíveis de mode. A partir do Python 3.3, isto é equivalente a os.chmod(fd, mode).

Levanta um evento de auditoria os.chmod com os argumentos pathmodedir_fd.

Disponibilidade: Unix.

os.fchown(fduidgid)

Altera o o ID do proprietário e do grupo do arquivo dado por fd para o uid e gid numérico. Para deixar um dos ids inalteradas, defina-o como -1. Veja chown(). A partir do Python 3.3, isto é equivalente a os.chown(fd, uid, gid).

Levanta um evento de auditoria os.chown com os argumentos pathuidgiddir_fd.

Disponibilidade: Unix.

os.fdatasync(fd)

Força de gravação de arquivo com descritor de arquivo fd no disco. Não força a atualização de metadados.

Disponibilidade: Unix.

Nota Esta função não está disponível no MacOS.

os.fpathconf(fdname)

Retorna informações de configuração de sistema relevantes para um arquivo aberto. name especifica o valor de configuração para recuperar; pode ser uma string que é o nome de um valor do sistema definido; estes nomes são especificados em uma série de padrões (POSIX.1, Unix 95, Unix 98 e outros). Algumas plataformas definem nomes adicionais também. Os nomes conhecidos do sistema operacional hospedeiro são dadas no dicionário pathconf_names. Para variáveis ​​de configuração não incluídas neste mapeamento, também é aceito passar um número inteiro para name.

Se name for uma string e não for conhecida, ValueError é levantada. Se um valor específico para name não for compatível com o sistema de host, mesmo que seja incluído no pathconf_names, uma OSError é levantada com errno.EINVAL como número do erro.

Assim como no Python 3.3, é equivalente a os.pathconf(fd, name).

Disponibilidade: Unix.

os.fstat(fd)

Captura o status do descritor de arquivo fd. Retorna um objeto stat_result.

Assim como no Python 3.3, é equivalente a os.stat(fd).

Ver também A função stat().

os.fstatvfs(fd)

Retorna informações sobre o sistema de arquivos que contém o arquivo associado com descritor de arquivo fd, como statvfs(). A partir do Python 3.3, isso equivale a os.statvfs(fd).

Disponibilidade: Unix.

os.fsync(fd)

Gravação à força no disco de arquivo com descritor de arquivo fd. No Unix, isto chama a função nativa fsync(); no Windows, a função de MS _commit().

Se você estiver começando com um objeto arquivo f em buffer do Python, primeiro use f.flush(), e depois use os.fsync(f.fileno()), para garantir que todos os buffers internos associados com f sejam gravados no disco.

Disponibilidade: Unix, Windows.

os.ftruncate(fdlength)

Trunca o arquivo correspondente ao descritor de arquivo fd, de modo que tenha no máximo length bytes de tamanho. A partir do Python 3.3, isto é equivalente a os.truncate(fd, length).

Levanta evento de auditoria os.truncate com os argumentos fdlength.

Disponibilidade: Unix, Windows.

Alterado na versão 3.5: Adicionado suporte para o Windows.

os.get_blocking(fd)

Obtém o modo de bloqueio do descritor de arquivo: False se o flag O_NONBLOCK estiver marcado, True se o flag estiver desmarcado.

Veja também set_blocking() e socket.socket.setblocking().

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.5.

os.isatty(fd)

Retorna True se o descritor de arquivo fd estiver aberto e conectado a um dispositivo do tipo tty, senão False.

os.lockf(fdcmdlen)

Aplica, testa ou remove um bloqueio POSIX em um descritor de arquivo aberto. fd é um descritor de arquivo aberto. cmd especifica o comando a ser usado - um dentre F_LOCKF_TLOCKF_ULOCK ou F_TESTlen especifica a seção do arquivo a ser bloqueada.

Levanta um evento de auditoria os.lockf com os argumentos fdcmdlen.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.F_LOCK

os.F_TLOCK

os.F_ULOCK

os.F_TEST

Flags que especificam qual ação lockf() vai realizar.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.lseek(fdposhow)

Define a posição atual do descritor de arquivo fd para a posição pos, modificada por howSEEK_SET ou 0 para definir a posição em relação ao início do arquivo; SEEK_CUR ou 1 para defini-la em relação à posição atual; SEEK_END ou 2 para defini-la em relação ao final do arquivo. Retorna a nova posição do cursor em bytes, a partir do início.

os.SEEK_SET

os.SEEK_CUR

os.SEEK_END

Parâmetros para a function lseek(). Seus valores são respectivamente 0, 1, e 2.

Novo na versão 3.3: Alguns sistemas operacionais podem suportar valores adicionais, como os.SEEK_HOLE ou os.SEEK_DATA.

os.open(pathflagsmode=511*dir_fd=None)

Abre o arquivo path e define várias flags de acordo com flags e, possivelmente, seu modo, de acordo com mode. Ao computar mode, o valor atual de umask é iniciar com máscara. Retorna o descritor de arquivo para o arquivo recém-aberto. O novo descritor de arquivo é non-inheritable.

Para ler uma descrição dos valores de flags e modos, veja a documentação de tempo de execução C; constantes de flag (como O_RDONLY e O_WRONLY) são definidas no módulo os. Em particular, no Windows é necessário adicionar O_BINARY para abrir arquivos em modo binário.

Esta função pode suportar paths relative to directory descriptors com o parâmetro dir_fd.

Levanta um evento de auditoria open com os argumentos pathmodeflags.

Alterado na versão 3.4: O novo descritor de arquivo agora é não-hereditário.

Nota Esta função é destinada a E/S de baixo nível. Para uso normal, use a função embutida open(), que retorna um arquivo objeto com os métodos read() e write() (e muitos mais). Para envolver um descritor de arquivo em um objeto arquivo, use fdopen().

Novo na versão 3.3: O argumento dir_fd.

Alterado na versão 3.5: Se a chamada de sistema é interrompida e o tratador de sinal não levanta uma exceção, a função agora tenta novamente a chamada de sistema em vez de levantar uma exceção InterruptedError (consulte PEP 475 para entender a lógica).

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

As seguintes constantes são opções para o parâmetro flags da função open(). Elas podem ser combinadas usando o operador bitwise OR |. Algumas delas não estão disponíveis em todas as plataformas. Para obter descrições de sua disponibilidade e uso, consulte a página do manual open(2) no Unix ou the MSDN no Windows.

os.O_RDONLY

os.O_WRONLY

os.O_RDWR

os.O_APPEND

os.O_CREAT

os.O_EXCL

os.O_TRUNC

As constantes acima estão disponíveis no Unix e Windows.

os.O_DSYNC

os.O_RSYNC

os.O_SYNC

os.O_NDELAY

os.O_NONBLOCK

os.O_NOCTTY

os.O_CLOEXEC

As constantes acima estão disponíveis apenas no Unix.

Alterado na versão 3.3: adiciona a constante O_CLOEXEC.

os.O_BINARY

os.O_NOINHERIT

os.O_SHORT_LIVED

os.O_TEMPORARY

os.O_RANDOM

os.O_SEQUENTIAL

os.O_TEXT

As constantes acima estão disponíveis apenas no Windows.

os.O_EVTONLY

os.O_FSYNC

os.O_SYMLINK

os.O_NOFOLLOW_ANY

The above constants are only available on macOS.

Alterado na versão 3.10: Add O_EVTONLYO_FSYNCO_SYMLINK and O_NOFOLLOW_ANY constants.

os.O_ASYNC

os.O_DIRECT

os.O_DIRECTORY

os.O_NOFOLLOW

os.O_NOATIME

os.O_PATH

os.O_TMPFILE

os.O_SHLOCK

os.O_EXLOCK

As constantes acima são extensões e não estarão presentes, se não forem definidos pela biblioteca C.

Alterado na versão 3.4: Adiciona O_PATH em sistemas que suportam. Adiciona O_TMPFILE, só está disponível em Linux Kernel 3.11 ou mais recente.

os.openpty()

Abrir um novo par de pseudo-terminal. Retorna um par de descritores de arquivos (master, slave) para o pty e o tty, respectivamente. Os novos descritores de arquivos são non-inheritable. Para uma abordagem (ligeiramente) mais portátil, use o módulo pty.

Availability: alguns tipos de Unix.

Alterado na versão 3.4: Os novos descritores de arquivos agora são não-herdáveis.

os.pipe()

Cria um encadeamento (pipe). Retorna um par de descritores de arquivos (r, w) usáveis para leitura e escrita, respectivamente. O novo descritor de arquivo é non-inheritable.

Disponibilidade: Unix, Windows.

Alterado na versão 3.4: Os novos descritores de arquivos agora são não-herdáveis.

os.pipe2(flags)

Cria um canal com flags definidos atomicamente. flags podem ser construídos por ORing junto a um ou mais destes valores: O_NONBLOCKO_CLOEXEC. Retorna um par de descritores de arquivos (r, w) utilizáveis para leitura e gravação, respectivamente.

Availability: alguns tipos de Unix.

Novo na versão 3.3.

os.posix_fallocate(fdoffsetlen)

Garante que espaço em disco suficiente seja alocado para o arquivo especificado por fd iniciando em offset e continuando por len bytes.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.posix_fadvise(fdoffsetlenadvice)

Anuncia a intenção de acessar dados em um padrão específico, permitindo assim que o kernel faça otimizações. O conteúdo em advice se aplica à região do arquivo especificado por fd, iniciando em offset e continuando por len bytes. advice é um entre POSIX_FADV_NORMALPOSIX_FADV_SEQUENTIALPOSIX_FADV_RANDOMPOSIX_FADV_NOREUSEPOSIX_FADV_WILLNEED ou POSIX_FADV_DONTNEED.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.POSIX_FADV_NORMAL

os.POSIX_FADV_SEQUENTIAL

os.POSIX_FADV_RANDOM

os.POSIX_FADV_NOREUSE

os.POSIX_FADV_WILLNEED

os.POSIX_FADV_DONTNEED

Sinalizadores que podem ser usados em advice em posix_fadvise() que especificam o padrão de acesso que provavelmente será usado.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.pread(fdnoffset)

Lê no máximo n bytes do descritor de arquivo fd na posição offset, mantendo o deslocamento do arquivo inalterado.

Retorna uma bytestring contendo os bytes lidos. Se o final do arquivo referido por fd for atingido, um objeto de bytes vazio será retornado.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.preadv(fdbuffersoffsetflags=0)

Lê de um descritor de arquivo fd na posição de offset em buffers mutáveis de objetos byte ou similar, deixando o deslocamento do arquivo inalterado. Transfere os dados para cada buffer até ficar cheio e depois passa para o próximo buffer na sequência para armazenar o restante dos dados.

O argumento flags contém um OR bit a bit de zero ou mais dos seguintes sinalizadores:

Retorna o número total de bytes realmente lidos, que pode ser menor que a capacidade total de todos os objetos.

O sistema operacional pode definir um limite (sysconf() valor 'SC_IOV_MAX') no número de buffers que podem ser usados.

Combina a funcionalidade de os.readv() e os.pread().

Disponibilidade: Linux 2.6.30 e posterior, FreeBSD 6.0 e posterior, OpenBSD 2.7 e posterior, AIX 7.1 ou posterior. O uso de sinalizadores requer Linux 4.6 ou posterior.

Novo na versão 3.7.

os.RWF_NOWAIT

Não aguarda por dados que não estão disponíveis imediatamente. Se esse sinalizador for especificado, a chamada do sistema retorna instantaneamente se for necessário ler dados do armazenamento de backup ou aguarda um bloqueio.

Se alguns dados foram lidos com sucesso, ele retorna o número de bytes lidos. Se nenhum bytes foi lido, ele retornará -1 e definirá errno como errno.EAGAIN.

Availability: Linux 4.14 e mais novos.

Novo na versão 3.7.

os.RWF_HIPRI

Alta prioridade de leitura/gravação. Permite sistemas de arquivos baseados em blocos para usar a consulta do dispositivo, que fornece latência inferior, mas pode usar recursos adicionais.

Atualmente, no Linux, esse recurso é usável apenas em um descritor de arquivo aberto usando o sinalizador O_DIRECT.

Availability: Linux 4.6 e mais novos.

Novo na versão 3.7.

os.pwrite(fdstroffset)

Lê no máximo n bytes do descritor de arquivo fd na posição offset, mantendo o deslocamento do arquivo inalterado.

Retorna o número de bytes realmente escritos.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.pwritev(fdbuffersoffsetflags=0)

Escreve o conteúdo de buffers no descritor de arquivo fd em um deslocamento offset, deixando o deslocamento do arquivo inalterado. buffers deve ser uma sequência de objetos byte ou similar. Os buffers são processados em ordem de vetor. Todo o conteúdo do primeiro buffer é gravado antes de prosseguir para o segundo, e assim por diante.

O argumento flags contém um OR bit a bit de zero ou mais dos seguintes sinalizadores:

Retorna o número total de bytes realmente escritos.

O sistema operacional pode definir um limite (sysconf() valor 'SC_IOV_MAX') no número de buffers que podem ser usados.

Combina a funcionalidade de os.writev() e os.pwrite().

Disponibilidade: Linux 2.6.30 e posterior, FreeBSD 6.0 e posterior, OpenBSD 2.7 e posterior, AIX 7.1 ou posterior. O uso de sinalizadores requer Linux 4.7 ou posterior.

Novo na versão 3.7.

os.RWF_DSYNC

Provide a per-write equivalent of the O_DSYNC os.open() flag. This flag effect applies only to the data range written by the system call.

Disponibilidade: Linux 4.7 e mais novos.

Novo na versão 3.7.

os.RWF_SYNC

Provide a per-write equivalent of the O_SYNC os.open() flag. This flag effect applies only to the data range written by the system call.

Disponibilidade: Linux 4.7 e mais novos.

Novo na versão 3.7.

os.RWF_APPEND

Provide a per-write equivalent of the O_APPEND os.open() flag. This flag is meaningful only for os.pwritev(), and its effect applies only to the data range written by the system call. The offset argument does not affect the write operation; the data is always appended to the end of the file. However, if the offset argument is -1, the current file offset is updated.

Availability: Linux 4.16 and newer.

Novo na versão 3.10.

os.read(fdn)

Lê no máximo n bytes do descritor de arquivos fd.

Retorna uma bytestring contendo os bytes lidos. Se o final do arquivo referido por fd for atingido, um objeto de bytes vazio será retornado.

Nota Esta função destina-se a E/S de baixo nível e deve ser aplicada a um descritor de arquivo retornado por os.open() ou pipe(). Para ler um “objeto arquivo” retornado pela função embutida open() ou por popen() ou fdopen(), ou sys.stdin, use seus métodos read() ou readline().

Alterado na versão 3.5: Se a chamada de sistema é interrompida e o tratador de sinal não levanta uma exceção, a função agora tenta novamente a chamada de sistema em vez de levantar uma exceção InterruptedError (consulte PEP 475 para entender a lógica).

os.sendfile(out_fdin_fdoffsetcount)

os.sendfile(out_fdin_fdoffsetcountheaders=()trailers=()flags=0)

Copia count bytes do descritor de arquivo in_fd para o descritor de arquivo out_fd começando em offset. Retorna o número de bytes enviados. Quando o EOF é alcançado, retorna 0.

A primeira notação de função é suportada por todas as plataformas que definem sendfile().

No Linux, se offset for fornecido como None, os bytes são lidos da posição atual de in_fd e a posição de in_fd é atualizada.

The second case may be used on macOS and FreeBSD where headers and trailers are arbitrary sequences of buffers that are written before and after the data from in_fd is written. It returns the same as the first case.

On macOS and FreeBSD, a value of 0 for count specifies to send until the end of in_fd is reached.

Todas as plataformas tem suporte a soquetes como descritor de arquivo out_fd, e algumas plataformas permitem outros tipos (por exemplo, arquivo regular, encadeamento) também.

Os aplicativos de plataforma cruzada não devem usar os argumentos headerstrailers e flags.

Disponibilidade: Unix.

Nota Para um wrapper de nível superior de sendfile(), consulte socket.socket.sendfile().

Novo na versão 3.3.

Alterado na versão 3.9: Os parâmetros out e in foram renomeados para out_fd e in_fd.

os.set_blocking(fdblocking)

Define o modo de bloqueio do descritor de arquivo especificado. Define o sinalizador O_NONBLOCK se bloqueio for False; do contrário, limpa o sinalizador.

Veja também get_blocking() e socket.socket.setblocking().

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.5.

os.SF_NODISKIO

os.SF_MNOWAIT

os.SF_SYNC

Parâmetros para a função sendfile(), se a implementação tiver suporte a eles.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.splice(srcdstcountoffset_src=Noneoffset_dst=None)

Transfer count bytes from file descriptor src, starting from offset offset_src, to file descriptor dst, starting from offset offset_dst. At least one of the file descriptors must refer to a pipe. If offset_src is None, then src is read from the current position; respectively for offset_dst. The offset associated to the file descriptor that refers to a pipe must be None. The files pointed by src and dst must reside in the same filesystem, otherwise an OSError is raised with errno set to errno.EXDEV.

Essa cópia é feita sem o custo adicional de transferência de dados do kernel para o espaço do usuário e, em seguida, volta para o kernel. Além disso, alguns sistemas de arquivos poderiam implementar otimizações extras. A cópia é feita como se ambos os arquivos estivessem abertos como binários.

Upon successful completion, returns the number of bytes spliced to or from the pipe. A return value of 0 means end of input. If src refers to a pipe, then this means that there was no data to transfer, and it would not make sense to block because there are no writers connected to the write end of the pipe.

Availability: Linux kernel >= 2.6.17 and glibc >= 2.5

Novo na versão 3.10.

os.SPLICE_F_MOVE

os.SPLICE_F_NONBLOCK

os.SPLICE_F_MORE

Novo na versão 3.10.

os.readv(fdbuffers)

Lê de um descritor de arquivo fd em um número de buffers mutáveis objetos byte ou similar. Transfere os dados para cada buffer até que esteja cheio e, a seguir, vai para o próximo buffer na sequência para armazenar o restante dos dados.

Retorna o número total de bytes realmente lidos, que pode ser menor que a capacidade total de todos os objetos.

O sistema operacional pode definir um limite (sysconf() valor 'SC_IOV_MAX') no número de buffers que podem ser usados.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.tcgetpgrp(fd)

Retorna o grupo de processos associado ao terminal fornecido por fd (um descritor de arquivo aberto conforme retornado por os.open()).

Disponibilidade: Unix.

os.tcsetpgrp(fdpg)

Define o grupo de processos associado ao terminal fornecido por fd (um descritor de arquivo aberto conforme retornado por os.open()) para pg.

Disponibilidade: Unix.

os.ttyname(fd)

Retorna uma string que especifica o dispositivo de terminal associado ao descritor de arquivo fd. Se fd não estiver associado a um dispositivo de terminal, uma exceção é levantada.

Disponibilidade: Unix.

os.write(fdstr)

Escreve o bytestring em str no descritor de arquivo fd.

Retorna o número de bytes realmente escritos.

Nota Esta função destina-se a E/S de baixo nível e deve ser aplicada a um descritor de arquivo retornado por os.open() ou pipe(). Para escrever um “objeto arquivo” retornado pela função embutida open() ou por popen() ou fdopen(), ou sys.stdout ou sys.stderr, use seu método write().

Alterado na versão 3.5: Se a chamada de sistema é interrompida e o tratador de sinal não levanta uma exceção, a função agora tenta novamente a chamada de sistema em vez de levantar uma exceção InterruptedError (consulte PEP 475 para entender a lógica).

os.writev(fdbuffers)

Escreve o conteúdo de buffers no descritor de arquivo fdbuffers deve ser uma sequência de objetos byte ou similar. Os buffers são processados em ordem de vetor. Todo o conteúdo do primeiro buffer é gravado antes de prosseguir para o segundo, e assim por diante.

Retorna o número total de bytes realmente escritos.

O sistema operacional pode definir um limite (sysconf() valor 'SC_IOV_MAX') no número de buffers que podem ser usados.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

Consultando o tamanho de um terminal

Novo na versão 3.3.

os.get_terminal_size(fd=STDOUT_FILENO)

Retorna o tamanho da janela do terminal como (columns, lines), tupla do tipo terminal_size.

O argumento opcional fd (padrão STDOUT_FILENO, ou saída padrão) especifica qual descritor de arquivo deve ser consultado.

Se o descritor de arquivo não estiver conectado a um terminal, uma OSError é levantada.

shutil.get_terminal_size() é a função de alto nível que normalmente deve ser usada, os.get_terminal_size é a implementação de baixo nível.

Disponibilidade: Unix, Windows.

class os.terminal_size

Uma subclasse de tupla, contendo (columns, lines) do tamanho da janela do terminal.

columns

Largura da janela do terminal em caracteres.

lines

Altura da janela do terminal em caracteres.

Herança de descritores de arquivos

Novo na versão 3.4.

Um descritor de arquivo tem um sinalizador “herdável” que indica se o descritor de arquivo pode ser herdado por processos filho. Desde o Python 3.4, os descritores de arquivo criados pelo Python não são herdáveis por padrão.

No UNIX, os descritores de arquivo não herdáveis são fechados em processos filho na execução de um novo programa, outros descritores de arquivo são herdados.

No Windows, identificadores não herdáveis e descritores de arquivo são fechados em processos filho, exceto para fluxos padrão (descritores de arquivo 0, 1 e 2: stdin, stdout e stderr), que são sempre herdados. Usando as funções spawn*, todos os identificadores herdáveis e todos os descritores de arquivo herdáveis são herdados. Usando o módulo subprocess, todos os descritores de arquivo, exceto fluxos padrão, são fechados, e os manipuladores herdáveis são herdados apenas se o parâmetro close_fds for False.

os.get_inheritable(fd)

Obtém o sinalizador “herdável” do descritor de arquivo especificado (um booleano).

os.set_inheritable(fdinheritable)

Define o sinalizador “herdável” do descritor de arquivo especificado.

os.get_handle_inheritable(handle)

Obtém o sinalizador “herdável” do manipulador especificado (um booleano).

Disponibilidade: Windows.

os.set_handle_inheritable(handleinheritable)

Define o sinalizador “herdável” do manipulador especificado.

Disponibilidade: Windows.

Arquivos e diretórios

Em algumas plataformas Unix, muitas dessas funções suportam um ou mais destes recursos:

  • especificar um descritor de arquivo: Normalmente o argumento path fornecido para funções no módulo os deve ser uma string especificando um caminho de arquivo. No entanto, algumas funções agora aceitam alternativamente um descritor de arquivo aberto para seu argumento path. A função então operará no arquivo referido pelo descritor. (Para sistemas POSIX, Python irá chamar a variante da função prefixada com f (por exemplo, chamar fchdir em vez de chdir).)
  • Você pode verificar se path pode ser especificado ou não como um descritor de arquivo para uma função particular em sua plataforma usando os.supports_fd. Se esta funcionalidade não estiver disponível, usá-la levantará uma NotImplementedError.
  • Se a função também suportar os argumentos dir_fd ou follow_symlinks, é um erro especificar um deles ao fornecer path como um descritor de arquivo.
  • caminhos relativos aos descritores de diretório: Se dir_fd não for None, deve ser um descritor de arquivo referindo-se a um diretório, e o caminho para operar deve ser relativo; o caminho será relativo a esse diretório. Se o caminho for absoluto, dir_fd será ignorado. (Para sistemas POSIX, Python irá chamar a variante da função com um sufixo at e possivelmente prefixado com f (por exemplo, chame faccessat ao invés de access).
  • Você pode verificar se dir_fd é suportado ou não para uma função particular em sua plataforma usando os.supports_dir_fd. Se não estiver disponível, usá-lo levantará uma NotImplementedError.
  • não seguir links simbólicos: Se follow_symlinks for False, e o último elemento do caminho para operar for um link simbólico, a função irá operar no próprio link simbólico ao invés do arquivo apontado pelo link. (Para sistemas POSIX, Python irá chamar a variante l... da função.)
  • Você pode verificar se follow_symlinks é suportado ou não para uma função particular em sua plataforma usando os.supports_follow_symlinks. Se não estiver disponível, usá-lo levantará uma NotImplementedError.

os.access(pathmode*dir_fd=Noneeffective_ids=Falsefollow_symlinks=True)

Usa o uid/gid real para testar o acesso ao path. Observe que a maioria das operações usará o uid/gid efetivo, portanto, essa rotina pode ser usada em um ambiente suid/sgid para testar se o usuário de chamada tem o acesso especificado ao pathmode deve ser F_OK para testar a existência de path, ou pode ser o OU inclusivo de um ou mais dos R_OKW_OK, e X_OK para testar as permissões. Retorna True se o acesso for permitido, False se não for. Veja a página man do Unix access(2) para mais informações.

Esta função pode suportar a especificação de caminhos relativos aos descritores de diretório e não seguir os links simbólicos.

Se effective_ids for Trueaccess() irá realizar suas verificações de acesso usando o uid/gid efetivo ao invés do uid/gid real. effective_ids pode não ser compatível com sua plataforma; você pode verificar se está ou não disponível usando os.supports_effective_ids. Se não estiver disponível, usá-lo levantará uma NotImplementedError.

Nota Usar access() para verificar se um usuário está autorizado a, por exemplo, abrir um arquivo antes de realmente fazer isso usando open() cria uma brecha de segurança, porque o usuário pode explorar o curto intervalo de tempo entre a verificação e a abertura do arquivo para manipulá-lo. É preferível usar as técnicas EAFP. Por exemplo:

if os.access("myfile", os.R_OK):
    with open("myfile") as fp:
        return fp.read()
return "some default data"

é melhor escrito como:

try:
    fp = open("myfile")
except PermissionError:
    return "some default data"
else:
    with fp:
        return fp.read()

Nota As operações de E/S podem falhar mesmo quando access() indica que elas teriam sucesso, particularmente para operações em sistemas de arquivos de rede que podem ter semântica de permissões além do modelo de bits de permissão POSIX usual.

Alterado na versão 3.3: Adicionados os parâmetros dir_fdeffective_ids e follow_symlinks.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.F_OK

os.R_OK

os.W_OK

os.X_OK

Valores a serem passados como o parâmetro mode de access() para testar a existência, legibilidade, capacidade de escrita e executabilidade de path, respectivamente.

os.chdir(path)

Altera o diretório de trabalho atual para path.

Esta função pode ter suporte a especificar um descritor de arquivo. O descritor deve fazer referência a um diretório aberto, não a um arquivo aberto.

Esta função pode levantar OSError e subclasses como FileNotFoundErrorPermissionError e NotADirectoryError.

Levanta um evento de auditoria os.chdir com o argumento path.

Novo na versão 3.3: Adicionado suporte para especificar path como um descritor de arquivo em algumas plataformas.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.chflags(pathflags*follow_symlinks=True)

Define os sinalizadores de path para os flags numéricos. flags podem assumir uma combinação (OU bit a bit) dos seguintes valores (conforme definido no módulo stat):

Esta função pode ter suporte a não seguir links simbólicos.

Levanta um evento de auditoria os.chflags com os argumentos pathflags.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3: O argumento follow_symlinks.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.chmod(pathmode*dir_fd=Nonefollow_symlinks=True)

Altera o modo de path para o mode numérico. mode pode assumir um dos seguintes valores (conforme definido no módulo stat) ou combinações de OU bit a bit deles:

Esta função pode ter suporte a especificar um descritor de arquivocaminhos relativos aos descritores de diretório e não seguir os links simbólicos.

Nota Embora o Windows tenha suporte ao chmod(), você só pode definir o sinalizador de somente leitura do arquivo com ele (através das constantes stat.S_IWRITE e stat.S_IREAD ou um valor inteiro correspondente). Todos os outros bits são ignorados.

Levanta um evento de auditoria os.chmod com os argumentos pathmodedir_fd.

Novo na versão 3.3: Adicionado suporte para especificar path como um descritor de arquivo aberto e os argumentos dir_fd e follow_symlinks.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.chown(pathuidgid*dir_fd=Nonefollow_symlinks=True)

Altera o proprietário e o id de grupo de path para uid e gid numéricos. Para deixar um dos ids inalterado, defina-o como -1.

Esta função pode ter suporte a especificar um descritor de arquivocaminhos relativos aos descritores de diretório e não seguir os links simbólicos.

Consulte shutil.chown() para uma função de alto nível que aceita nomes além de ids numéricos.

Levanta um evento de auditoria os.chown com os argumentos pathuidgiddir_fd.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3: Adicionado suporte para especificar path como um descritor de arquivo aberto e os argumentos dir_fd e follow_symlinks.

Alterado na versão 3.6: Suporta um objeto caminho ou similar.

os.chroot(path)

Altera o diretório raiz do processo atual para path

Disponibilidade: Unix.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.fchdir(fd)

Altera o diretório de trabalho atual para o diretório representado pelo descritor de arquivo fd. O descritor deve se referir a um diretório aberto, não a um arquivo aberto. No Python 3.3, isso é equivalente a os.chdir(fd).

Levanta um evento de auditoria os.chdir com o argumento path.

Disponibilidade: Unix.

os.getcwd()

Retorna uma string representando o diretório de trabalho atual.

os.getcwdb()

Retorna uma bytestring representando o diretório de trabalho atual.

Alterado na versão 3.8: A função agora usa a codificação UTF-8 no Windows, em vez da página de código ANSI: consulte a PEP 529 para a justificativa. A função não está mais descontinuada no Windows.

os.lchflags(pathflags)

Define os sinalizadores de path para os flags numéricos, como chflags(), mas não segue links simbólicos. No Python 3.3, isso é equivalente a os.chflags(path, flags, follow_symlinks=False).

Levanta um evento de auditoria os.chflags com os argumentos pathflags.

Disponibilidade: Unix.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.lchmod(pathmode)

Altera o modo de path para o mode numérico. Se o caminho for um link simbólico, isso afetará o link simbólico em vez do destino. Veja a documentação de chmod() para valores possíveis de mode. No Python 3.3, isso é equivalente a os.chmod(path, mode, follow_symlinks=False).

Levanta um evento de auditoria os.chmod com os argumentos pathmodedir_fd.

Disponibilidade: Unix.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.lchown(pathuidgid)

Altera o proprietário e o id de grupo de path para uid e gid numéricos. Esta função não seguirá links simbólicos. No Python 3.3, isso é equivalente a os.chown(path, uid, gid, follow_symlinks=False).

Levanta um evento de auditoria os.chown com os argumentos pathuidgiddir_fd.

Disponibilidade: Unix.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.link(srcdst*src_dir_fd=Nonedst_dir_fd=Nonefollow_symlinks=True)

Cria um link físico apontando para src chamado dst.

Esta função pode suportar a especificação de src_dir_fd e/ou dst_dir_fd para fornecer caminhos relativos a descritores de diretório e não seguir links simbólicos.

Levanta um evento de auditoria os.link com argumentos srcdstsrc_dir_fddst_dir_fd.

Disponibilidade: Unix, Windows.

Alterado na versão 3.2: Adicionado suporte ao Windows.

Novo na versão 3.3: Adiciona os argumentos src_dir_fddst_dir_fd e follow_symlinks.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar para src e dst.

os.listdir(path='.')

Retorna uma lista contendo os nomes das entradas no diretório fornecido por path. A lista está em ordem arbitrária e não inclui as entradas especiais '.' e '..' mesmo se estiverem presentes no diretório. Se um arquivo for removido ou adicionado ao diretório durante a chamada desta função, não é especificado se um nome para esse arquivo deve ser incluído.

path pode ser um objeto caminho ou similar. Se path for do tipo bytes (direta ou indiretamente por meio da interface PathLike), os nomes de arquivo retornados também serão do tipo bytes; em todas as outras circunstâncias, eles serão do tipo str.

Esta função também pode ter suporte a especificar um descritor de arquivo; o descritor de arquivo deve fazer referência a um diretório.

Levanta um evento de auditoria os.listdir com o argumento path.

Nota Para codificar nomes de arquivos str para bytes, use fsencode().

Ver também A função scandir() retorna entradas de diretório junto com informações de atributo de arquivo, dando melhor desempenho para muitos casos de uso comuns.

Alterado na versão 3.2: O parâmetro path tornou-se opcional.

Novo na versão 3.3: Adicionado suporte para especificar path como um descritor de arquivo aberto.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.lstat(path*dir_fd=None)

Executa o equivalente a uma chamada de sistema lstat() no caminho fornecido. Semelhante a stat(), mas não segue links simbólicos. Retorna um objeto stat_result.

Em plataformas que não têm suporte a links simbólicos, este é um alias para stat().

No Python 3.3, isso é equivalente a os.stat(path, dir_fd=dir_fd, follow_symlinks=False).

Esta função também pode ter suporte a caminhos relativos a descritores de diretório.

Ver também A função stat().

Alterado na versão 3.2: Adicionado suporte para links simbólicos do Windows 6.0 (Vista).

Alterado na versão 3.3: Adicionado o parâmetro dir_fd.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

Alterado na versão 3.8: No Windows, agora abre pontos de nova análise que representam outro caminho (substitutos de nome), incluindo links simbólicos e junções de diretório. Outros tipos de pontos de nova análise são resolvidos pelo sistema operacional como para stat().

os.mkdir(pathmode=511*dir_fd=None)

Cria um diretório chamado path com o modo numérico mode.

Se o diretório já existe, FileExistsError é levantada.

Em alguns sistemas, mode é ignorado. Onde ele é usado, o valor atual do umask é primeiro mascarado. Se bits diferentes dos últimos 9 (ou seja, os últimos 3 dígitos da representação octal do mode) são definidos, seu significado depende da plataforma. Em algumas plataformas, eles são ignorados e você deve chamar chmod() explicitamente para defini-los.

Esta função também pode ter suporte a caminhos relativos a descritores de diretório.

Também é possível criar diretórios temporários; veja a função tempfile.mkdtemp() do módulo tempfile.

Levanta um evento de auditoria os.mkdir com os argumentos pathmodedir_fd.

Novo na versão 3.3: O argumento dir_fd.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.makedirs(namemode=511exist_ok=False)

Função de criação recursiva de diretório. Como mkdir(), mas torna todos os diretórios de nível intermediário necessários para conter o diretório folha.

O parâmetro mode é passado para mkdir() para criar o diretório folha; veja a descrição do mkdir() para como é interpretado. Para definir os bits de permissão de arquivo de qualquer diretório pai recém-criado, você pode definir o umask antes de invocar makedirs(). Os bits de permissão de arquivo dos diretórios pais existentes não são alterados.

Se exist_ok for False (o padrão), uma FileExistsError é levantada se o diretório alvo já existir.

Nota makedirs() ficará confuso se os elementos do caminho a serem criados incluírem pardir (por exemplo, “..” em sistemas UNIX).

Esta função trata os caminhos UNC corretamente.

Levanta um evento de auditoria os.mkdir com os argumentos pathmodedir_fd.

Novo na versão 3.2: O parâmetro exist_ok.

Alterado na versão 3.4.1: Antes do Python 3.4.1, se exist_ok fosse True e o diretório existisse, makedirs() ainda levantaria um erro se mode não correspondesse ao modo do diretório existente. Como esse comportamento era impossível de implementar com segurança, ele foi removido no Python 3.4.1. Consulte bpo-21082.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

Alterado na versão 3.7: O argumento mode não afeta mais os bits de permissão de arquivo de diretórios de nível intermediário recém-criados.

os.mkfifo(pathmode=438*dir_fd=None)

Cria um FIFO (um encadeamento nomeado) chamado path com o modo numérico mode. O valor atual de umask é primeiro mascarado do modo.

Esta função também pode ter suporte a caminhos relativos a descritores de diretório.

FIFOs são canais que podem ser acessados como arquivos regulares. FIFOs existem até que sejam excluídos (por exemplo, com os.unlink()). Geralmente, os FIFOs são usados como ponto de encontro entre os processos do tipo “cliente” e “servidor”: o servidor abre o FIFO para leitura e o cliente para escrita. Observe que mkfifo() não abre o FIFO – apenas cria o ponto de encontro.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3: O argumento dir_fd.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.mknod(pathmode=384device=0*dir_fd=None)

Cria um nó de sistema de arquivos (arquivo, arquivo especial de dispositivo ou canal nomeado) chamado pathmode especifica as permissões de uso e o tipo de nó a ser criado, sendo combinado (OU bit a bit) com um de stat.S_IFREGstat.S_IFCHRstat.S_IFBLK , e stat.S_IFIFO (essas constantes estão disponíveis em stat). Para stat.S_IFCHR e stat.S_IFBLKdevice define o arquivo especial do dispositivo recém-criado (provavelmente usando os.makedev()), caso contrário, ele será ignorado.

Esta função também pode ter suporte a caminhos relativos a descritores de diretório.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3: O argumento dir_fd.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.major(device)

Extrai o número principal de dispositivo de um número bruto de dispositivo (normalmente o campo st_dev ou st_rdev de stat).

os.minor(device)

Extrai o número secundário de dispositivo de um número bruto de dispositivo (geralmente o campo st_dev ou st_rdev de stat).

os.makedev(majorminor)

Compõe um número de dispositivo bruto a partir dos números de dispositivo principais e secundários.

os.pathconf(pathname)

Retorna informações de configuração do sistema relevantes para um arquivo nomeado. name especifica o valor de configuração a ser recuperado; pode ser uma string que é o nome de um valor de sistema definido; esses nomes são especificados em vários padrões (POSIX.1, Unix 95, Unix 98 e outros). Algumas plataformas também definem nomes adicionais. Os nomes conhecidos do sistema operacional do host são fornecidos no dicionário pathconf_names. Para variáveis de configuração não incluídas nesse mapeamento, passar um número inteiro para name também é aceito.

Se name for uma string e não for conhecida, ValueError é levantada. Se um valor específico para name não for compatível com o sistema de host, mesmo que seja incluído no pathconf_names, uma OSError é levantada com errno.EINVAL como número do erro.

Esta função tem suporte a especificar um descritor de arquivo.

Disponibilidade: Unix.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.pathconf_names

Nomes de mapeamento de dicionário aceitos por pathconf() e fpathconf() para os valores inteiros definidos para esses nomes pelo sistema operacional do host. Isso pode ser usado para determinar o conjunto de nomes conhecidos pelo sistema.

Disponibilidade: Unix.

os.readlink(path*dir_fd=None)

Retorna uma string representando o caminho para o qual o link simbólico aponta. O resultado pode ser um nome de caminho absoluto ou relativo; se for relativo, pode ser convertido para um caminho absoluto usando os.path.join(os.path.dirname(path), result).

Se o path for um objeto string (direta ou indiretamente por meio de uma interface PathLike), o resultado também será um objeto string e a chamada pode levantará um UnicodeDecodeError. Se o path for um objeto de bytes (direto ou indireto), o resultado será um objeto de bytes.

Esta função também pode ter suporte a caminhos relativos a descritores de diretório.

Ao tentar resolver um caminho que pode conter links, use realpath() para lidar corretamente com a recursão e as diferenças de plataforma.

Disponibilidade: Unix, Windows.

Alterado na versão 3.2: Adicionado suporte para links simbólicos do Windows 6.0 (Vista).

Novo na versão 3.3: O argumento dir_fd.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar no Unix.

Alterado na versão 3.8: Aceita um objeto caminho ou similar e um objeto bytes no Windows.

Alterado na versão 3.8: Adicionado suporte para junções de diretório e alterado para retornar o caminho de substituição (que normalmente inclui o prefixo \\?\) ao invés do campo opcional “print name” que era retornado anteriormente.

os.remove(path*dir_fd=None)

Remove (exclui) o arquivo path. Se path for um diretório, uma IsADirectoryError é levantada. Use rmdir() para remover diretórios. Se o arquivo não existir, uma FileNotFoundError é levantada.

Esta função tem suporte a caminhos relativos para descritores de diretório.

No Windows, a tentativa de remover um arquivo que está em uso causa o surgimento de uma exceção; no Unix, a entrada do diretório é removida, mas o armazenamento alocado para o arquivo não é disponibilizado até que o arquivo original não esteja mais em uso.

Esta função é semanticamente idêntica a unlink().

Levanta um evento de auditoria os.remove com argumentos pathdir_fd.

Novo na versão 3.3: O argumento dir_fd.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.removedirs(name)

Remove os diretórios recursivamente. Funciona como rmdir(), exceto que, se o diretório folha for removido com sucesso, removedirs() tenta remover sucessivamente todos os diretórios pai mencionados em path até que um erro seja levantado (que é ignorado, porque geralmente significa que um diretório pai não está vazio). Por exemplo, os.removedirs('foo/bar/baz') primeiro removerá o diretório 'foo/bar/baz', e então removerá 'foo/bar' e 'foo' se estiverem vazios. Levanta OSError se o diretório folha não pôde ser removido com sucesso.

Levanta um evento de auditoria os.remove com argumentos pathdir_fd.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.rename(srcdst*src_dir_fd=Nonedst_dir_fd=None)

Renomeia o arquivo ou diretório src para dst. Se dst existir, a operação falhará com uma subclasse OSError em vários casos:

No Windows, se dst existir, uma FileExistsError é sempre levantada.

No Unix, se src é um arquivo e dst é um diretório ou vice-versa, uma IsADirectoryError ou uma NotADirectoryError será levantada respectivamente. Se ambos forem diretórios e dst estiver vazio, dst será substituído silenciosamente. Se dst for um diretório não vazio, uma OSError é levantada. Se ambos forem arquivos, dst será substituído silenciosamente se o usuário tiver permissão. A operação pode falhar em alguns tipos de Unix se src e dst estiverem em sistemas de arquivos diferentes. Se for bem-sucedido, a renomeação será uma operação atômica (este é um requisito POSIX).

Esta função pode suportar a especificação de src_dir_fd e/ou dst_dir_fd para fornecer caminhos relativos a descritores de diretório.

Se você quiser sobrescrita multiplataforma do destino, use replace().

Levanta um evento de auditoria os.rename com argumentos srcdstsrc_dir_fddst_dir_fd.

Novo na versão 3.3: Os argumentos src_dir_fd e dst_dir_fd.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar para src e dst.

os.renames(oldnew)

Diretório recursivo ou função de renomeação de arquivo. Funciona como rename(), exceto que a criação de qualquer diretório intermediário necessário para tornar o novo nome de caminho bom é tentada primeiro. Após a renomeação, os diretórios correspondentes aos segmentos de caminho mais à direita do nome antigo serão removidos usando removedirs().

Nota Esta função pode falhar com a nova estrutura de diretório criada se você não tiver as permissões necessárias para remover o arquivo ou diretório folha.

Levanta um evento de auditoria os.rename com argumentos srcdstsrc_dir_fddst_dir_fd.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar para old e new.

os.replace(srcdst*src_dir_fd=Nonedst_dir_fd=None)

Renomeia o arquivo ou diretório src para dst. Se dst for um diretório, OSError será levantada. Se dst existir e for um arquivo, ele será substituído silenciosamente se o usuário tiver permissão. A operação pode falhar se src e dst estiverem em sistemas de arquivos diferentes. Se for bem-sucedido, a renomeação será uma operação atômica (este é um requisito POSIX).

Esta função pode suportar a especificação de src_dir_fd e/ou dst_dir_fd para fornecer caminhos relativos a descritores de diretório.

Levanta um evento de auditoria os.rename com argumentos srcdstsrc_dir_fddst_dir_fd.

Novo na versão 3.3.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar para src e dst.

os.rmdir(path*dir_fd=None)

Remove (exclui) o diretório path. Se o diretório não existe ou não está vazio, uma FileNotFoundError ou uma OSError é levantada respectivamente. Para remover árvores de diretório inteiras, pode ser usada shutil.rmtree().

Esta função tem suporte a caminhos relativos para descritores de diretório.

Levanta um evento de auditoria os.rmdir com argumentos pathdir_fd.

Novo na versão 3.3: O parâmetro dir_fd.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.scandir(path='.')

Retorna um iterador de objetos os.DirEntry correspondentes às entradas no diretório fornecido por path. As entradas são produzidas em ordem arbitrária, e as entradas especiais '.' e '..' não são incluídas. Se um arquivo for removido ou adicionado ao diretório após a criação do iterador, não é especificado se uma entrada para esse arquivo deve ser incluída.

Usar scandir() em vez de listdir() pode aumentar significativamente o desempenho do código que também precisa de tipo de arquivo ou informações de atributo de arquivo, porque os objetos os.DirEntry expõem essas informações se o sistema operacional fornecer ao digitalizar um diretório. Todos os métodos de os.DirEntry podem realizar uma chamada de sistema, mas is_dir() e is_file() normalmente requerem apenas uma chamada de sistema para links simbólicos; os.DirEntry.stat() sempre requer uma chamada de sistema no Unix, mas requer apenas uma para links simbólicos no Windows.

path pode ser um objeto caminho ou similar. Se path for do tipo bytes (direta ou indiretamente por meio da interface PathLike), o tipo do atributo name e path de cada os.DirEntry serão bytes; em todas as outras circunstâncias, eles serão do tipo str.

Esta função também pode ter suporte a especificar um descritor de arquivo; o descritor de arquivo deve fazer referência a um diretório.

Levanta um evento de auditoria os.scandir com o argumento path.

O iterador scandir() suporta o protocolo gerenciador de contexto e tem o seguinte método:

scandir.close()

Fecha o iterador e libera os recursos adquiridos.

Isso é chamado automaticamente quando o iterador se esgota ou é coletado como lixo, ou quando ocorre um erro durante a iteração. No entanto, é aconselhável chamá-lo explicitamente ou usar a instrução with.

Novo na versão 3.6.

O exemplo a seguir mostra um uso simples de scandir() para exibir todos os arquivos (excluindo diretórios) no path fornecido que não começa com '.'. A chamada entry.is_file() geralmente não fará uma chamada de sistema adicional:


with os.scandir(path) as it:
    for entry in it:
        if not entry.name.startswith('.') and entry.is_file():
            print(entry.name)

Nota Em sistemas baseados no Unix, scandir() usa o sistema opendir() e as funções readdir(). No Windows, ela usa os funções FindFirstFileW e FindNextFileW do Win32.

Novo na versão 3.5.

Novo na versão 3.6: Adicionado suporte para o protocolo gerenciador de contexto e o método close(). Se um iterador scandir() não estiver esgotado nem explicitamente fechado, uma ResourceWarning será emitida em seu destruidor.

A função aceita um objeto caminho ou similar.

Alterado na versão 3.7: Adicionado suporte para descritores de arquivo no Unix.

class os.DirEntry

Objeto produzido por scandir() para expor o caminho do arquivo e outros atributos de arquivo de uma entrada de diretório.

scandir() fornecerá o máximo possível dessas informações sem fazer chamadas de sistema adicionais. Quando uma chamada de sistema stat() ou lstat() é feita, o objeto os.DirEntry irá armazenar o resultado em cache.

As instâncias de os.DirEntry não devem ser armazenadas em estruturas de dados de longa duração; se você sabe que os metadados do arquivo foram alterados ou se passou muito tempo desde a chamada de scandir(), chame os.stat(entry.path) para obter informações atualizadas.

Como os métodos os.DirEntry podem fazer chamadas ao sistema operacional, eles também podem levantar OSError. Se você precisa de um controle muito refinado sobre os erros, você pode pegar OSError ao chamar um dos métodos os.DirEntry e manipular conforme apropriado.

Para ser diretamente utilizável como um objeto caminho ou similaros.DirEntry implementa a interface PathLike.

Atributos e métodos em uma instância de os.DirEntry são os seguintes:

name

O nome do arquivo base da entrada, relativo ao argumento path de scandir().

O atributo name será bytes se o argumento path de scandir() for do tipo bytes e, caso contrário, str. Usa fsdecode() para decodificar nomes de arquivos de bytes.

path

O nome do caminho completo da entrada: equivalente a os.path.join(scandir_path, entry.name) onde scandir_path é o argumento path de scandir(). O caminho só é absoluto se o argumento path de scandir() for absoluto. Se o argumento path de scandir() era um descritor de arquivo, o atributo path é o mesmo que o atributo name.

O atributo path será bytes se o argumento path de scandir() for do tipo bytes e, caso contrário, str. Usa fsdecode() para decodificar nomes de arquivos de bytes.

inode()

Retorna o número de nó-i da entrada.

O resultado é armazenado em cache no objeto os.DirEntry. Use os.stat(entry.path, follow_symlinks=False).st_ino para obter informações atualizadas.

Na primeira chamada sem cache, uma chamada de sistema é necessária no Windows, mas não no Unix.

is_dir(*follow_symlinks=True)

Retorna True se esta entrada for um diretório ou um link simbólico apontando para um diretório; retorna False se a entrada é ou aponta para qualquer outro tipo de arquivo, ou se ele não existe mais.

Se follow_symlinks for False, retorna True apenas se esta entrada for um diretório (sem seguir os links simbólicos); retorna False se a entrada for qualquer outro tipo de arquivo ou se ele não existe mais.

O resultado é armazenado em cache no objeto os.DirEntry, com um cache separado para follow_symlinks True e False. Chama os.stat() junto com stat.S_ISDIR() para buscar informações atualizadas.

Na primeira chamada sem cache, nenhuma chamada do sistema é necessária na maioria dos casos. Especificamente, para links não simbólicos, nem o Windows nem o Unix requerem uma chamada de sistema, exceto em certos sistemas de arquivos Unix, como sistemas de arquivos de rede, que retornam dirent.d_type == DT_UNKNOWN. Se a entrada for um link simbólico, uma chamada de sistema será necessária para seguir o link simbólico, a menos que follow_symlinks seja False.

Este método pode levantar OSError, tal como PermissionError, mas FileNotFoundError é capturada e não levantada.

is_file(*follow_symlinks=True)

Retorna True se esta entrada for um arquivo ou um link simbólico apontando para um arquivo; retorna False se a entrada é ou aponta para um diretório ou outra entrada que não seja de arquivo, ou se ela não existe mais.

Se follow_symlinks for False, retorna True apenas se esta entrada for um arquivo (sem seguir os links simbólicos); retorna False se a entrada for um diretório ou outra entrada que não seja um arquivo, ou se ela não existir mais.

O resultado é armazenado em cache no objeto os.DirEntry. Chamadas de sistema em cache feitas e exceções levantadas são conforme is_dir().

is_symlink()

Retorna True se esta entrada for um link simbólico (mesmo se quebrado); retorna False se a entrada apontar para um diretório ou qualquer tipo de arquivo, ou se ele não existir mais.

O resultado é armazenado em cache no objeto os.DirEntry. Chama os.path.islink() para buscar informações atualizadas.

Na primeira chamada sem cache, nenhuma chamada do sistema é necessária na maioria dos casos. Especificamente, nem o Windows nem o Unix exigem uma chamada de sistema, exceto em certos sistemas de arquivos Unix, como sistemas de arquivos de rede, que retornam dirent.d_type == DT_UNKNOWN.

Este método pode levantar OSError, tal como PermissionError, mas FileNotFoundError é capturada e não levantada.

stat(*follow_symlinks=True)

Retorna um objeto stat_result para esta entrada. Este método segue links simbólicos por padrão; para estabelecer um link simbólico, adicione o argumento follow_symlinks=False.

No Unix, esse método sempre requer uma chamada de sistema. No Windows, ele só requer uma chamada de sistema se follow_symlinks for True e a entrada for um ponto de nova análise (por exemplo, um link simbólico ou junção de diretório).

No Windows, os atributos st_inost_dev e st_nlink da stat_result são sempre definidos como zero. Chame os.stat() para obter esses atributos.

O resultado é armazenado em cache no objeto os.DirEntry, com um cache separado para follow_symlinks True e False. Chama os.stat() para buscar informações atualizadas.

Note que há uma boa correspondência entre vários atributos e métodos de os.DirEntry e de pathlib.Path. Em particular, o atributo name tem o mesmo significado, assim como os métodos is_dir()is_file()is_symlink() e stat().

Novo na versão 3.5.

Alterado na versão 3.6: Adicionado suporte para a interface PathLike. Adicionado suporte para caminhos bytes no Windows.

os.stat(path*dir_fd=Nonefollow_symlinks=True)

Obtém o status de um arquivo ou um descritor de arquivo. Executa o equivalente a uma chamada de sistema stat() no caminho fornecido. path pode ser especificado como uma string ou bytes – direta ou indiretamente através da interface PathLike – ou como um descritor de arquivo aberto. Retorna um objeto stat_result.

Esta função normalmente segue links simbólicos; para efetuar stat em um link simbólico, adicione o argumento follow_symlinks=False, ou use lstat().

Esta função tem suporte a especificar um descritor de arquivo e não seguir links simbólicos.

No Windows, passar follow_symlinks=False irá desabilitar o seguimento de todos os pontos de nova análise substitutos de nomes, que incluem links simbólicos e junções de diretório. Outros tipos de pontos de nova análise que não se parecem com links ou que o sistema operacional não pode seguir serão abertos diretamente. Ao seguir uma cadeia de vários links, isso pode resultar no retorno do link original em vez do não-link que impediu o percurso completo. Para obter resultados estatísticos para o caminho final neste caso, use a função os.path.realpath() para resolver o nome do caminho tanto quanto possível e chame lstat() no resultado. Isso não se aplica a links simbólicos pendentes ou pontos de junção, que levantam as exceções usuais.

Exemplo:


>>>

>>> import os
>>> statinfo = os.stat('somefile.txt')
>>> statinfo
os.stat_result(st_mode=33188, st_ino=7876932, st_dev=234881026,
st_nlink=1, st_uid=501, st_gid=501, st_size=264, st_atime=1297230295,
st_mtime=1297230027, st_ctime=1297230027)
>>> statinfo.st_size
264

Ver também As funções fstat() e lstat().

Novo na versão 3.3: Adicionados os argumentos dir_fd e follow_symlinks, especificando um descritor de arquivo em vez de um caminho.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

Alterado na versão 3.8: No Windows, todos os pontos de nova análise que podem ser resolvidos pelo sistema operacional agora são seguidos, e passar follow_symlinks=False desativa após todos os pontos de nova análise substitutos de nome. Se o sistema operacional atingir um ponto de nova análise que não é capaz de seguir, stat agora retorna as informações do caminho original como se follow_symlinks=False tivesse sido especificado em vez de levantar um erro.

class os.stat_result

Objeto cujos atributos correspondem aproximadamente aos membros da estrutura stat. É usado para o resultado de os.stat()os.fstat() e os.lstat().

Atributos:

st_mode

Modo de arquivo: tipo de arquivo e bits de modo de arquivo (permissões).

st_ino

Dependente da plataforma, mas se diferente de zero, identifica exclusivamente o arquivo para um determinado valor de st_dev. Tipicamente:

st_dev

Identificador do dispositivo no qual este arquivo reside.

st_nlink

Número de links físicos.

st_uid

Identificador de usuário do proprietário do arquivo.

st_gid

Identificador de grupo do proprietário do arquivo.

st_size

Tamanho do arquivo em bytes, se for um arquivo normal ou um link simbólico. O tamanho de um link simbólico é o comprimento do nome do caminho que ele contém, sem um byte nulo final.

Timestamps:

st_atime

Tempo do acesso mais recente expresso em segundos.

st_mtime

Tempo da modificação de conteúdo mais recente expresso em segundos.

st_ctime

Dependente da plataforma:

  • a hora da mudança de metadados mais recente no Unix,
  • a hora de criação no Windows, expresso em segundos.

st_atime_ns

Hora do acesso mais recente expresso em nanossegundos como um número inteiro.

st_mtime_ns

Hora da modificação de conteúdo mais recente expressa em nanossegundos como um número inteiro.

st_ctime_ns

Dependente da plataforma:

  • a hora da mudança de metadados mais recente no Unix,
  • a hora de criação no Windows, expresso em nanossegundos como um número inteiro.

Nota O significado e resolução exatos dos atributos st_atimest_mtime, and st_ctime dependem do sistema operacional e do sistema de arquivos. Por exemplo, em sistemas Windows que usam os sistemas de arquivos FAT ou FAT32, st_mtime tem resolução de 2 segundos, e st_atime tem resolução de apenas 1 dia. Consulte a documentação do sistema operacional para obter detalhes.

Da mesma forma, embora st_atime_nsst_mtime_ns e st_ctime_ns sejam sempre expressos em nanossegundos, muitos sistemas não fornecem precisão de nanossegundos. Em sistemas que fornecem precisão de nanossegundos, o objeto de ponto flutuante usado para armazenar st_atimest_mtime e st_ctime não pode preservar tudo, e como tal será ligeiramente inexato . Se você precisa dos carimbos de data/hora exatos, sempre deve usar st_atime_nsst_mtime_ns e st_ctime_ns.

Em alguns sistemas Unix (como Linux), os seguintes atributos também podem estar disponíveis:

st_blocks

Número de blocos de 512 bytes alocados para o arquivo. Isso pode ser menor que st_size/512 quando o arquivo possuir lacunas.

st_blksize

Tamanho de bloco “preferido” para E/S eficiente do sistema de arquivos. Gravar em um arquivo em partes menores pode causar uma leitura-modificação-reescrita ineficiente.

st_rdev

Tipo de dispositivo, se for um dispositivo nó-i.

st_flags

Sinalizadores definidos pelo usuário para arquivo.

Em outros sistemas Unix (como o FreeBSD), os seguintes atributos podem estar disponíveis (mas só podem ser preenchidos se o root tentar usá-los):

st_gen

Número de geração do arquivo.

st_birthtime

Horário da criação do arquivo.

No Solaris e derivados, os seguintes atributos também podem estar disponíveis:

st_fstype

String que identifica exclusivamente o tipo de sistema de arquivos que contém o arquivo.

On macOS systems, the following attributes may also be available:

st_rsize

Tamanho real do arquivo.

st_creator

Criador do arquivo.

st_type

Tipo de arquivo.

Em sistemas Windows, os seguintes atributos também estão disponíveis:

st_file_attributes

Atributos de arquivos no Windows: membro dwFileAttributes da estrutura BY_HANDLE_FILE_INFORMATION retornada por GetFileInformationByHandle(). Veja as constantes FILE_ATTRIBUTE_* no módulo stat.

st_reparse_tag

Quando st_file_attributes tem FILE_ATTRIBUTE_REPARSE_POINT definido, este campo contém uma tag identificando o tipo do ponto de reanálise. Veja as constantes IO_REPARSE_TAG_* no módulo stat.

O módulo padrão stat define funções e constantes que são úteis para extrair informações de uma estrutura stat. (No Windows, alguns itens são preenchidos com valores fictícios.)

Para compatibilidade com versões anteriores, uma instância de stat_result também é acessível como uma tupla de pelo menos 10 inteiros, fornecendo os membros mais importantes (e portáveis) da estrutura stat, na ordem st_modest_inost_devst_nlinkst_uidst_gidst_sizest_atimest_mtimest_ctime. Mais itens podem ser adicionados no final por algumas implementações. Para compatibilidade com versões mais antigas do Python, acessar stat_result como uma tupla sempre retorna inteiros.

Novo na versão 3.3: Adicionados os membros st_atime_nsst_mtime_ns e st_ctime_ns.

Novo na versão 3.5: Adicionado o membro st_file_attributes no Windows.

Alterado na versão 3.5: Windows agora retorna o arquivo de índice como st_ino quando disponível.

Novo na versão 3.7: Adicionado o membro st_fstype ao Solaris/derivados.

Novo na versão 3.8: Adicionado o membro st_reparse_tag no Windows.

Alterado na versão 3.8: No Windows, o membro st_mode agora identifica arquivos especiais como S_IFCHRS_IFIFO ou S_IFBLK conforme apropriado.

os.statvfs(path)

Executa uma chamada de sistema statvfs() no caminho fornecido. O valor de retorno é um objeto cujos atributos descrevem o sistema de arquivos no caminho fornecido e correspondem aos membros da estrutura statvfs, a saber: f_bsizef_frsizef_blocksf_bfreef_bavailf_filesf_ffreef_favailf_flagf_namemaxf_fsid.

Duas constantes de nível de módulo são definidas para os sinalizadores de bit do atributo f_flag: se ST_RDONLY for definido, o sistema de arquivos é montado somente leitura, e se ST_NOSUID estiver definido, a semântica dos bits setuid/setgid é desabilitada ou não é suportada.

Constantes de nível de módulo adicionais são definidas para sistemas baseados em GNU/glibc. São elas ST_NODEV (impede o acesso aos arquivos especiais do dispositivo), ST_NOEXEC (não permite a execução do programa), ST_SYNCHRONOUS (as escritas são sincronizadas de uma vez), ST_MANDLOCK (permitir bloqueios obrigatórios em um sistema de arquivos), ST_WRITE (escrever no arquivo/diretório/symlink), ST_APPEND (arquivo somente anexado), ST_IMMUTABLE (arquivo imutável), ST_NOATIME (não atualiza os tempos de acesso), ST_NODIRATIME (não atualiza os tempos de acesso ao diretório), ST_RELATIME (atualiza o atime relativo ao mtime/ctime).

Esta função tem suporte a especificar um descritor de arquivo.

Disponibilidade: Unix.

Alterado na versão 3.2: As constantes ST_RDONLY e ST_NOSUID foram adicionadas.

Novo na versão 3.3: Adicionado suporte para especificar path como um descritor de arquivo aberto.

Alterado na versão 3.4: As constantes ST_NODEVST_NOEXECST_SYNCHRONOUSST_MANDLOCKST_WRITEST_APPENDST_IMMUTABLEST_NOATIMEST_NODIRATIME e ST_RELATIME foram adicionadas.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

Novo na versão 3.7: Adicionado f_fsid.

os.supports_dir_fd

Um objeto set indicando quais funções no módulo os aceitam um descritor de arquivo aberto para seu parâmetro dir_fd. Plataformas diferentes fornecem recursos diferentes, e a funcionalidade subjacente que o Python usa para implementar o parâmetro dir_fd não está disponível em todas as plataformas que o Python suporta. Para fins de consistência, as funções que podem suportar dir_fd sempre permitem especificar o parâmetro, mas lançarão uma exceção se a funcionalidade for usada quando não estiver disponível localmente. (Especificar None para dir_fd é sempre suportado em todas as plataformas.)

Para verificar se uma função particular aceita um descritor de arquivo aberto para seu parâmetro dir_fd, use o operador in em supports_dir_fd. Como exemplo, esta expressão é avaliada como True se os.stat() aceita descritores de arquivo abertos para dir_fd na plataforma local:


os.stat in os.supports_dir_fd

Atualmente os parâmetros dir_fd funcionam apenas em plataformas Unix; nenhum deles funciona no Windows.

Novo na versão 3.3.

os.supports_effective_ids

Um objeto set que indica se os.access() permite especificar True para seu parâmetro effective_ids na plataforma local. (Especificar False para effective_ids é sempre suportado em todas as plataformas.) Se a plataforma local suportar, a coleção conterá os.access(); caso contrário, ficará vazio.

Esta expressão é avaliada como True se os.access() tiver suporte a effective_ids=True na plataforma local:


os.access in os.supports_effective_ids

Atualmente, effective_ids é suportado apenas em plataformas Unix; não funciona no Windows.

Novo na versão 3.3.

os.supports_fd

Um objeto set que indica quais funções no módulo os permitem especificar seu parâmetro path como um descritor de arquivo aberto na plataforma local. Plataformas diferentes fornecem recursos diferentes, e a funcionalidade subjacente que o Python usa para aceitar descritores de arquivos abertos como argumentos path não está disponível em todas as plataformas que o Python suporta.

Para determinar se uma função particular permite especificar um descritor de arquivo aberto para seu parâmetro path, use o operador in em supports_fd. Como exemplo, esta expressão é avaliada como True se os.chdir() aceita descritores de arquivo abertos para path em sua plataforma local:


os.chdir in os.supports_fd

Novo na versão 3.3.

os.supports_follow_symlinks

Um objeto set que indica quais funções no módulo os aceitam False para seu parâmetro follow_symlinks na plataforma local. Plataformas diferentes fornecem recursos diferentes, e a funcionalidade subjacente que o Python usa para implementar follow_symlinks não está disponível em todas as plataformas às quais o Python tem suporte. Para fins de consistência, as funções que podem ter suporte a follow_symlinks sempre permitem especificar o parâmetro, mas irão lançar uma exceção se a funcionalidade for usada quando não estiver disponível localmente. (Especificar True para follow_symlinks é sempre aceito em todas as plataformas.)

Para verificar se uma função em particular aceita False para seu parâmetro follow_symlinks, use o operador in em supports_follow_symlinks. Como exemplo, esta expressão é avaliada como True se você pode especificar follow_symlinks=False ao chamar os.stat() na plataforma local:


os.stat in os.supports_follow_symlinks

Novo na versão 3.3.

os.symlink(srcdsttarget_is_directory=False*dir_fd=None)

Cria um link simbólico apontando para src chamado dst.

No Windows, um link simbólico representa um arquivo ou um diretório e não se transforma no destino dinamicamente. Se o alvo estiver presente, o tipo de link simbólico será criado para corresponder. Caso contrário, o link simbólico será criado como um diretório se target_is_directory for True ou um link simbólico de arquivo (o padrão) caso contrário. Em plataformas não Windows, target_is_directory é ignorado.

Esta função tem suporte a caminhos relativos para descritores de diretório.

Nota Em versões mais recentes do Windows 10, contas sem privilégios podem criar links simbólicos se o Modo de Desenvolvedor estiver habilitado. Quando o modo de desenvolvedor não está disponível/ativado, o privilégio SeCreateSymbolicLinkPrivilege é necessário ou o processo deve ser executado como um administrador.

A exceção OSError é levantada quando a função é chamada por um usuário sem privilégios.

Levanta um evento de auditoria os.symlink com argumentos srcdstdir_fd.

Disponibilidade: Unix, Windows.

Alterado na versão 3.2: Adicionado suporte para links simbólicos do Windows 6.0 (Vista).

Novo na versão 3.3: Adicionado o argumento dir_fd e agora permite target_is_directory em plataformas não Windows.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar para src e dst.

Alterado na versão 3.8: Adicionado suporte para links simbólicos não elevados no Windows com Modo de Desenvolvedor.

os.sync()

Força a escrita de tudo para o disco.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.truncate(pathlength)

Trunca o arquivo correspondente ao path, de modo que tenha no máximo length bytes.

Esta função tem suporte a especificar um descritor de arquivo.

Levanta evento de auditoria os.truncate com os argumentos pathlength.

Disponibilidade: Unix, Windows.

Novo na versão 3.3.

Alterado na versão 3.5: Adicionado suporte para o Windows.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.unlink(path*dir_fd=None)

Remove (exclui) o arquivo path. Esta função é semanticamente idêntica à remove(); o nome unlink é seu nome Unix tradicional. Por favor, veja a documentação de remove() para mais informações.

Levanta um evento de auditoria os.remove com argumentos pathdir_fd.

Novo na versão 3.3: O parâmetro dir_fd.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.utime(pathtimes=None*, [ns, ]dir_fd=Nonefollow_symlinks=True)

Define os tempos de acesso e modificação do arquivo especificado por path.

utime() aceita dois parâmetros opcionais, times e ns. Eles especificam os horários definidos no path e são usados da seguinte forma:

  • Se ns for especificado, deve ser uma tupla de 2 elementos na forma (atime_ns, mtime_ns) onde cada membro é um int expressando nanossegundos.
  • Se times não for None, deve ser uma tupla de 2 elementos na forma (atime, mtime) onde cada membro é um int ou ponto flutuante expressando segundos.
  • Se times for None e ns não for especificado, isso é equivalente a especificar ns=(atime_ns, mtime_ns) onde ambos os tempos são a hora atual.

É um erro especificar tuplas para ambos times e ns.

Observe que os tempos exatos que você definiu aqui podem não ser retornados por uma chamada subsequente de stat(), dependendo da resolução com a qual seu sistema operacional registra os tempos de acesso e modificação; veja stat(). A melhor maneira de preservar os tempos exatos é usar os campos st_atime_ns e st_mtime_ns do objeto de resultado os.stat() com o parâmetro ns para utime.

Esta função pode ter suporte a especificar um descritor de arquivocaminhos relativos aos descritores de diretório e não seguir os links simbólicos.

Levanta um evento de auditoria os.utime com os argumentos pathtimesnsdir_fd.

Novo na versão 3.3: Adicionado suporte para especificar path como um descritor de arquivo aberto e os parâmetros dir_fdfollow_symlinks e ns.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.walk(toptopdown=Trueonerror=Nonefollowlinks=False)

Gera os nomes dos arquivos em uma árvore de diretório percorrendo a árvore de cima para baixo ou de baixo para cima. Para cada diretório na árvore com raiz no diretório top (incluindo o próprio top), ele produz uma tupla de 3 elementos (dirpath, dirnames, filenames).

dirpath é uma string, o caminho para o diretório. dirnames é uma lista dos nomes dos subdiretórios em dirpath (excluindo '.' e '..'). filenames é uma lista dos nomes dos arquivos não pertencentes ao diretório em dirpath. Observe que os nomes nas listas não contêm componentes de caminho. Para obter um caminho completo (que começa com top) para um arquivo ou diretório em dirpath, faça os.path.join(dirpath, name). Se as listas são ou não classificadas depende do sistema de arquivos. Se um arquivo for removido ou adicionado ao diretório dirpath durante a geração das listas, não é especificado se um nome para esse arquivo deve ser incluído.

Se o argumento opcional topdown for True ou não especificado, o triplo para um diretório é gerado antes dos triplos para qualquer um de seus subdiretórios (os diretórios são gerados de cima para baixo). Se topdown for False, o triplo para um diretório é gerado após os triplos para todos os seus subdiretórios (os diretórios são gerados de baixo para cima). Não importa o valor de topdown, a lista de subdiretórios é recuperada antes que as tuplas para o diretório e seus subdiretórios sejam geradas.

Quando topdown é True, o chamador pode modificar a lista de dirnames internamente (talvez usando del ou atribuição de fatia), e walk() só recursará nos subdiretórios cujos nomes permanecem em dirnames; isso pode ser usado para podar a busca, impor uma ordem específica de visita, ou mesmo informar à função walk() sobre os diretórios que o chamador cria ou renomeia antes de retomar walk() novamente. Modificar dirnames quando topdown for False não tem efeito no comportamento da caminhada, porque no modo de baixo para cima os diretórios em dirnames são gerados antes do próprio dirpath ser gerado.

Por padrão, os erros da chamada de scandir() são ignorados. Se o argumento opcional onerror for especificado, deve ser uma função; ela será chamado com um argumento, uma instância da exceção OSError. Ele pode relatar o erro para continuar com a caminhada ou levantar a exceção para abortar a caminhada. Observe que o nome do arquivo está disponível como o atributo filename do objeto de exceção.

Por padrão, a função walk() não vai seguir links simbólicos que resolvem para diretórios. Defina followlinks como True para visitar diretórios apontados por links simbólicos, em sistemas que oferecem suporte a eles.

Nota Esteja ciente de que definir followlinks para True pode levar a recursão infinita se um link apontar para um diretório pai de si mesmo. walk() não mantém registro dos diretórios que já visitou.

Nota Se você passar um nome de caminho relativo, não mude o diretório de trabalho atual entre as continuações de walk()walk() nunca muda o diretório atual, e presume que seu chamador também não.

Este exemplo exibe o número de bytes obtidos por arquivos não pertencentes ao diretório em cada diretório no diretório inicial, exceto que ele não olha em nenhum subdiretório CVS:


import os
from os.path import join, getsize
for root, dirs, files in os.walk('python/Lib/email'):
    print(root, "consumes", end=" ")
    print(sum(getsize(join(root, name)) for name in files), end=" ")
    print("bytes in", len(files), "non-directory files")
    if 'CVS' in dirs:
        dirs.remove('CVS')  # don't visit CVS directories

No próximo exemplo (implementação simples de shutil.rmtree()), andar na árvore de baixo para cima é essencial, rmdir() não permite excluir um diretório antes que o diretório esteja vazio:


# Delete everything reachable from the directory named in "top",
# assuming there are no symbolic links.
# CAUTION:  This is dangerous!  For example, if top == '/', it
# could delete all your disk files.
import os
for root, dirs, files in os.walk(top, topdown=False):
    for name in files:
        os.remove(os.path.join(root, name))
    for name in dirs:
        os.rmdir(os.path.join(root, name))

Levanta um evento de auditoria os.walk com argumentos toptopdownonerrorfollowlinks.

Alterado na versão 3.5: Esta função agora chama os.scandir() em vez de os.listdir(), tornando-a mais rápida reduzindo o número de chamadas a os.stat().

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.fwalk(top='.'topdown=Trueonerror=None*follow_symlinks=Falsedir_fd=None)

Se comporta exatamente como walk(), exceto que produz um tupla de 4 elementos (dirpath, dirnames, filenames, dirfd), e tem suporte a dir_fd.

dirpathdirnames e filenames são idênticos à saída de walk() e dirfd é um descritor de arquivo que faz referência ao diretório dirpath.

Esta função sempre tem suporte a caminhos relativos aos descritores de diretório e não seguir links simbólicos. Observe, entretanto, que, ao contrário de outras funções, o valor padrão fwalk() para follow_symlinks é False.

Nota Uma vez que fwalk() produz descritores de arquivo, eles só são válidos até a próxima etapa de iteração, então você deve duplicá-los (por exemplo, com dup()) se quiser mantê-los por mais tempo.

Este exemplo exibe o número de bytes obtidos por arquivos não pertencentes ao diretório em cada diretório no diretório inicial, exceto que ele não olha em nenhum subdiretório CVS:


import os
for root, dirs, files, rootfd in os.fwalk('python/Lib/email'):
    print(root, "consumes", end="")
    print(sum([os.stat(name, dir_fd=rootfd).st_size for name in files]),
          end="")
    print("bytes in", len(files), "non-directory files")
    if 'CVS' in dirs:
        dirs.remove('CVS')  # don't visit CVS directories

No próximo exemplo, percorrer a árvore de baixo para cima é essencial: rmdir() não permite excluir um diretório antes que o diretório esteja vazio:


# Delete everything reachable from the directory named in "top",
# assuming there are no symbolic links.
# CAUTION:  This is dangerous!  For example, if top == '/', it
# could delete all your disk files.
import os
for root, dirs, files, rootfd in os.fwalk(top, topdown=False):
    for name in files:
        os.unlink(name, dir_fd=rootfd)
    for name in dirs:
        os.rmdir(name, dir_fd=rootfd)

Levanta um evento de auditoria os.fwalk com argumentos toptopdownonerrorfollow_symlinksdir_fd.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

Alterado na versão 3.7: Adicionado suporte para caminhos em bytes.

os.memfd_create(name[, flags=os.MFD_CLOEXEC])

Cria um arquivo anônimo e retorna um descritor de arquivo que faça referência a ele. flags deve ser uma das constantes os.MFD_* disponíveis no sistema (ou uma combinação ORed bit a bit delas). Por padrão, o novo descritor de arquivo é não herdável.

O nome fornecido em name é usado como um nome de arquivo e será exibido como o destino do link simbólico correspondente no diretório /proc/self/fd/. O nome exibido é sempre prefixado com memfd: e serve apenas para fins de depuração. Os nomes não afetam o comportamento do descritor de arquivo e, como tal, vários arquivos podem ter o mesmo nome sem quaisquer efeitos colaterais.

Disponibilidade: Linux 3.17 ou mais novos com glibc 2.27 ou mais novo.

Novo na versão 3.8.

os.MFD_CLOEXEC

os.MFD_ALLOW_SEALING

os.MFD_HUGETLB

os.MFD_HUGE_SHIFT

os.MFD_HUGE_MASK

os.MFD_HUGE_64KB

os.MFD_HUGE_512KB

os.MFD_HUGE_1MB

os.MFD_HUGE_2MB

os.MFD_HUGE_8MB

os.MFD_HUGE_16MB

os.MFD_HUGE_32MB

os.MFD_HUGE_256MB

os.MFD_HUGE_512MB

os.MFD_HUGE_1GB

os.MFD_HUGE_2GB

os.MFD_HUGE_16GB

Essss sinalizadores podem ser passados para memfd_create().

Disponibilidade: Linux 3.17 ou mais novos com glibc 2.27 ou mais novos. Os sinalizadores MFD_HUGE* estão disponíveis desde o Linux 4.14.

Novo na versão 3.8.

os.eventfd(initval[, flags=os.EFD_CLOEXEC])

Create and return an event file descriptor. The file descriptors supports raw read() and write() with a buffer size of 8, select()poll() and similar. See man page eventfd(2) for more information. By default, the new file descriptor is non-inheritable.

initval is the initial value of the event counter. The initial value must be an 32 bit unsigned integer. Please note that the initial value is limited to a 32 bit unsigned int although the event counter is an unsigned 64 bit integer with a maximum value of 264-2.

flags can be constructed from EFD_CLOEXECEFD_NONBLOCK, and EFD_SEMAPHORE.

If EFD_SEMAPHORE is specified and the event counter is non-zero, eventfd_read() returns 1 and decrements the counter by one.

If EFD_SEMAPHORE is not specified and the event counter is non-zero, eventfd_read() returns the current event counter value and resets the counter to zero.

If the event counter is zero and EFD_NONBLOCK is not specified, eventfd_read() blocks.

eventfd_write() increments the event counter. Write blocks if the write operation would increment the counter to a value larger than 264-2.

Exemplo:


import os

# semaphore with start value '1'
fd = os.eventfd(1, os.EFD_SEMAPHORE | os.EFC_CLOEXEC)
try:
    # acquire semaphore
    v = os.eventfd_read(fd)
    try:
        do_work()
    finally:
        # release semaphore
        os.eventfd_write(fd, v)
finally:
    os.close(fd)

Availability: Linux 2.6.27 or newer with glibc 2.8 or newer.

Novo na versão 3.10.

os.eventfd_read(fd)

Read value from an eventfd() file descriptor and return a 64 bit unsigned int. The function does not verify that fd is an eventfd().

Availability: See eventfd()

Novo na versão 3.10.

os.eventfd_write(fdvalue)

Add value to an eventfd() file descriptor. value must be a 64 bit unsigned int. The function does not verify that fd is an eventfd().

Availability: See eventfd()

Novo na versão 3.10.

os.EFD_CLOEXEC

Set close-on-exec flag for new eventfd() file descriptor.

Availability: See eventfd()

Novo na versão 3.10.

os.EFD_NONBLOCK

Set O_NONBLOCK status flag for new eventfd() file descriptor.

Availability: See eventfd()

Novo na versão 3.10.

os.EFD_SEMAPHORE

Provide semaphore-like semantics for reads from a eventfd() file descriptor. On read the internal counter is decremented by one.

Availability: Linux 2.6.30 or newer with glibc 2.8 or newer.

Novo na versão 3.10.

Atributos estendidos do Linux

Novo na versão 3.3.

Estas funções estão todas disponíveis apenas no Linux.

os.getxattr(pathattribute*follow_symlinks=True)

Retorna o valor do atributo estendido do sistema de arquivos attribute para pathattribute pode ser bytes ou str (direta ou indiretamente por meio da interface PathLike). Se for str, ele é codificado com a codificação do sistema de arquivos.

Esta função tem suporte a especificar um descritor de arquivo e não seguir links simbólicos.

Levanta um evento de auditoria os.getxattr com os argumentos pathattribute.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar para path e attribute.

os.listxattr(path=None*follow_symlinks=True)

Retorna uma lista dos atributos estendidos do sistema de arquivos em path. Os atributos na lista são representados como strings decodificadas com a codificação do sistema de arquivos. Se path for Nonelistxattr() irá examinar o diretório atual.

Esta função tem suporte a especificar um descritor de arquivo e não seguir links simbólicos.

Levanta um evento de auditoria os.listxattr com o argumento path.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.removexattr(pathattribute*follow_symlinks=True)

Removes the extended filesystem attribute attribute from pathattribute should be bytes or str (directly or indirectly through the PathLike interface). If it is a string, it is encoded with the filesystem encoding and error handler.

Esta função tem suporte a especificar um descritor de arquivo e não seguir links simbólicos.

Levanta um evento de auditoria os.removexattr com o argumento pathattribute.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar para path e attribute.

os.setxattr(pathattributevalueflags=0*follow_symlinks=True)

Set the extended filesystem attribute attribute on path to valueattribute must be a bytes or str with no embedded NULs (directly or indirectly through the PathLike interface). If it is a str, it is encoded with the filesystem encoding and error handlerflags may be XATTR_REPLACE or XATTR_CREATE. If XATTR_REPLACE is given and the attribute does not exist, ENODATA will be raised. If XATTR_CREATE is given and the attribute already exists, the attribute will not be created and EEXISTS will be raised.

Esta função tem suporte a especificar um descritor de arquivo e não seguir links simbólicos.

Nota Um bug nas versões do kernel Linux inferiores a 2.6.39 fez com que o argumento flags fosse ignorado em alguns sistemas de arquivos.

Levanta um evento de auditoria os.setxattr com os argumentos pathattributevalueflags.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar para path e attribute.

os.XATTR_SIZE_MAX

O tamanho máximo que o valor de um atributo estendido pode ter. Atualmente, são 64 KiB no Linux.

os.XATTR_CREATE

Este é um valor possível para o argumento flags em setxattr(). Indica que a operação deve criar um atributo.

os.XATTR_REPLACE

Este é um valor possível para o argumento flags em setxattr(). Indica que a operação deve substituir um atributo existente.

Gerenciamento de processo

Estas funções podem ser usadas para criar e gerenciar processos.

As várias funções exec* pegam uma lista de argumentos para o novo programa carregado no processo. Em cada caso, o primeiro desses argumentos é passado para o novo programa como seu próprio nome, e não como um argumento que um usuário pode ter digitado em uma linha de comando. Para o programador C, este é o argv[0] passado para um programa main(). Por exemplo, os.execv('/bin/echo', ['foo', 'bar']) exibirá apenas bar na saída padrão; foo parecerá ser ignorado.

os.abort()

Gera um sinal SIGABRT para o processo atual. No Unix, o comportamento padrão é produzir um despejo de memória; no Windows, o processo retorna imediatamente um código de saída 3. Esteja ciente de que chamar esta função não chamará o manipulador de sinal Python registrado para SIGABRT com signal.signal().

os.add_dll_directory(path)

Adiciona um caminho ao caminho de pesquisa de DLL.

Este caminho de pesquisa é usado ao resolver dependências para módulos de extensão importados (o próprio módulo é resolvido por meio de sys.path), e também por ctypes.

Remove o diretório chamando close() no objeto retornado ou usando-o em uma instrução with.

Consulte a documentação da Microsoft para obter mais informações sobre como as DLLs são carregadas.

Levanta um evento de auditoria os.add_dll_directory com argumento path.

Disponibilidade: Windows.

Novo na versão 3.8: As versões anteriores do CPython resolveriam DLLs usando o comportamento padrão para o processo atual. Isso levou a inconsistências, como apenas às vezes pesquisar PATH ou o diretório de trabalho atual, e funções do sistema operacional como AddDllDirectory sem efeito.

No 3.8, as duas maneiras principais de carregar as DLLs agora substituem explicitamente o comportamento de todo o processo para garantir a consistência. Veja as notas de portabilidade para informações sobre atualização de bibliotecas.

os.execl(patharg0arg1...)

os.execle(patharg0arg1...env)

os.execlp(filearg0arg1...)

os.execlpe(filearg0arg1...env)

os.execv(pathargs)

os.execve(pathargsenv)

os.execvp(fileargs)

os.execvpe(fileargsenv)

Todas essas funções executam um novo programa, substituindo o processo atual; eles não voltam. No Unix, o novo executável é carregado no processo atual e terá a mesma identificação de processo do chamador. Os erros serão relatados como exceções de OSError.

O processo atual é substituído imediatamente. Objetos de arquivos abertos e descritores não são descarregados, então se houver dados em buffer nesses arquivos abertos, você deve descarregá-los usando sys.stdout.flush() ou os.fsync() antes de chamar uma função exec*.

As variantes “l” e “v” das funções exec* diferem em como os argumentos da linha de comando são passados. As variantes “l” são talvez as mais fáceis de trabalhar se o número de parâmetros for fixo quando o código for escrito; os parâmetros individuais simplesmente se tornam parâmetros adicionais para as funções execl*(). As variantes “v” são boas quando o número de parâmetros é variável, com os argumentos sendo passados em uma lista ou tupla como o parâmetro args. Em qualquer caso, os argumentos para o processo filho devem começar com o nome do comando que está sendo executado, mas isso não é obrigatório.

As variantes que incluem um “p” próximo ao final (execlp()execlpe()execvp() e execvpe()) usarão a variável de ambiente PATH para localizar o programa file. Quando o ambiente está sendo substituído (usando uma das variantes exec*e, discutidas no próximo parágrafo), o novo ambiente é usado como fonte da variável PATH As outras variantes, execl()execle()execv() e execve(), não usarão a variável PATH para localizar o executável; path deve conter um caminho absoluto ou relativo apropriado.

Para execle()execlpe()execve() e execvpe() (observe que todos eles terminam em “e”), o parâmetro env deve ser um mapeamento que é usado para definir as variáveis de ambiente para o novo processo (elas são usadas no lugar do ambiente do processo atual); as funções execl()execlp()execv() e execvp() fazem com que o novo processo herde o ambiente do processo atual.

Para execve() em algumas plataformas, path também pode ser especificado como um descritor de arquivo aberto. Esta funcionalidade pode não ser compatível com sua plataforma; você pode verificar se está ou não disponível usando os.supports_fd. Se não estiver disponível, usá-lo vai levantar uma NotImplementedError.

Levanta um evento de auditoria os.exec com argumentos pathargsenv.

Disponibilidade: Unix, Windows.

Novo na versão 3.3: Adicionado suporte para especificar path como um descritor de arquivo aberto para execve().

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os._exit(n)

Sai do processo com status n, sem chamar manipuladores de limpeza, liberando buffers de stdio etc.

Nota A forma padrão de sair é sys.exit(n)_exit() normalmente só deve ser usado no processo filho após uma função fork().

Os seguintes códigos de saída são definidos e podem ser usados com _exit(), embora não sejam obrigatórios. Eles são normalmente usados para programas de sistema escritos em Python, como um programa de entrega de comando externo de servidor de e-mail.

Nota Alguns deles podem não estar disponíveis em todas as plataformas Unix, pois há algumas variações. Essas constantes são definidas onde são definidas pela plataforma subjacente.

os.EX_OK

Código de saída que significa que ocorreu nenhum erro.

Disponibilidade: Unix.

os.EX_USAGE

Código de saída que significa que o comando foi usado incorretamente, como quando o número errado de argumentos é fornecido.

Disponibilidade: Unix.

os.EX_DATAERR

Código de saída que significa que os dados inseridos estavam incorretos.

Disponibilidade: Unix.

os.EX_NOINPUT

Código de saída que significa que um arquivo de entrada não existe ou não pôde ser lido.

Disponibilidade: Unix.

os.EX_NOUSER

Código de saída que significa que um usuário especificado não existe.

Disponibilidade: Unix.

os.EX_NOHOST

Código de saída que significa que um host especificado não existe.

Disponibilidade: Unix.

os.EX_UNAVAILABLE

Código de saída que significa que um serviço necessário está indisponível.

Disponibilidade: Unix.

os.EX_SOFTWARE

Código de saída que significa que um erro interno do software foi detectado.

Disponibilidade: Unix.

os.EX_OSERR

Código de saída que significa que um erro do sistema operacional foi detectado, como a incapacidade de fazer fork ou criar um encadeamento.

Disponibilidade: Unix.

os.EX_OSFILE

Código de saída que significa que algum arquivo do sistema não existia, não pôde ser aberto ou teve algum outro tipo de erro.

Disponibilidade: Unix.

os.EX_CANTCREAT

Código de saída que significa que um arquivo de saída especificado pelo usuário não pôde ser criado.

Disponibilidade: Unix.

os.EX_IOERR

Código de saída que significa que ocorreu um erro ao fazer E/S em algum arquivo.

Disponibilidade: Unix.

os.EX_TEMPFAIL

Código de saída que significa que ocorreu uma falha temporária. Isso indica algo que pode não ser realmente um erro, como uma conexão de rede que não pôde ser feita durante uma operação de nova tentativa.

Disponibilidade: Unix.

os.EX_PROTOCOL

Código de saída que significa que uma troca de protocolo foi ilegal, inválida ou não compreendida.

Disponibilidade: Unix.

os.EX_NOPERM

Código de saída que significa que não havia permissões suficientes para executar a operação (mas sem intenção de causar problemas do sistema de arquivos).

Disponibilidade: Unix.

os.EX_CONFIG

Código de saída que significa que ocorreu algum tipo de erro de configuração.

Disponibilidade: Unix.

os.EX_NOTFOUND

Código de saída que significa algo como “uma entrada não foi encontrada”.

Disponibilidade: Unix.

os.fork()

Faz um fork de um processo filho. Retorna 0 no filho e o ID de processo do filho no pai. Se ocorrer um erro, uma OSError é levantada.

Note que algumas plataformas incluindo FreeBSD <= 6.3 e Cygwin têm problemas conhecidos ao usar fork() a partir de um thread.

Levanta um evento de auditoria os.fork com nenhum argumento.

Alterado na versão 3.8: Chamar fork() em um subinterpretador não é mais suportado (RuntimeError é levantada).

Aviso Veja ssl para aplicações que usam o módulo SSL com fork().

Disponibilidade: Unix.

os.forkpty()

Faz um fork de um processo filho, usando um novo pseudoterminal como o terminal de controle do filho. Retorna um par de (pid, fd), onde pid é 0 no filho, o novo ID de processo do filho no pai e fd é o descritor de arquivo do lado mestre do pseudoterminal. Para uma abordagem mais portátil, use o módulo pty. Se ocorrer um erro, OSError é levantada.

Levanta um evento de auditoria os.forkpty com nenhum argumento.

Alterado na versão 3.8: Chamar forkpty() em um subinterpretador não é mais suportado (RuntimeError é levantada).

Availability: alguns tipos de Unix.

os.kill(pidsig)

Envia o sinal sig para o processo pid. Constantes dos sinais específicos disponíveis na plataforma host são definidas no módulo signal.

Windows: Os sinais signal.CTRL_C_EVENT e signal.CTRL_BREAK_EVENT são sinais especiais que só podem ser enviados para processos de console que compartilham uma janela de console comum, por exemplo, alguns subprocessos. Qualquer outro valor para sig fará com que o processo seja encerrado incondicionalmente pela API TerminateProcess e o código de saída será definido como sig. A versão Windows de kill() adicionalmente leva identificadores de processo para ser morto.

Veja também signal.pthread_kill().

Levanta um evento de auditoria os.kill com argumentos pidsig.

Novo na versão 3.2: Suporte ao Windows.

os.killpg(pgidsig)

Envia o sinal sig para o grupo de processos pgid.

Levanta um evento de auditoria os.killpg com argumentos pgidsig.

Disponibilidade: Unix.

os.nice(increment)

Adiciona increment ao nível de “nice” do processo. Retorna um novo nível de “nice”.

Disponibilidade: Unix.

os.pidfd_open(pidflags=0)

Retorna um descritor de arquivo fazendo referência ao processo pid. Este descritor pode ser usado para realizar o gerenciamento de processos sem corridas e sinais. O argumento flags é fornecido para extensões futuras; nenhum valor de sinalizador está definido atualmente.

Veja a página man pidfd_open(2) para mais detalhes.

Disponibilidade: Linux 5.3+

Novo na versão 3.9.

os.plock(op)

Bloqueia os segmentos do programa na memória. O valor de op (definido em <sys/lock.h>) determina quais segmentos estão bloqueados.

Disponibilidade: Unix.

os.popen(cmdmode='r'buffering=- 1)

Abre um encadeamento, também conhecido como “pipe”, de ou para o comando cmd. O valor de retorno é um objeto arquivo aberto conectado ao encadeamento, que pode ser lido ou escrito dependendo se mode é 'r' (padrão) ou 'w'. O argumento buffering tem o mesmo significado que o argumento correspondente para a função embutida open(). O objeto arquivo retornado lê ou escreve strings de texto em vez de bytes.

O método close retorna None se o subprocesso foi encerrado com sucesso, ou o código de retorno do subprocesso se houve um erro. Em sistemas POSIX, se o código de retorno for positivo, ele representa o valor de retorno do processo deslocado para a esquerda em um byte. Se o código de retorno for negativo, o processo foi encerrado pelo sinal dado pelo valor negado do código de retorno. (Por exemplo, o valor de retorno pode ser - signal.SIGKILL se o subprocesso foi eliminado.) Em sistemas Windows, o valor de retorno contém o código de retorno inteiro com sinal do processo filho.

No Unix, waitstatus_to_exitcode() pode ser usado para converter o resultado do método close (status de saída) em um código de saída se não for None. No Windows, o resultado do método close é diretamente o código de saída (ou None).

Isso é implementado usando subprocess.Popen; consulte a documentação desta classe para maneiras mais poderosas de gerenciar e se comunicar com subprocessos.

os.posix_spawn(pathargvenv*file_actions=Nonesetpgroup=Noneresetids=Falsesetsid=Falsesetsigmask=()setsigdef=()scheduler=None)

Envolve a API da biblioteca C posix_spawn() para uso em Python.

A maioria dos usuários deveria usar subprocess.run() em vez de posix_spawn().

Os argumentos somente-posicional pathargs e env são similares a execve().

O parâmetro path é o caminho para o arquivo executável. O path deve conter um diretório. Use posix_spawnp() para passar um arquivo executável sem diretório.

O argumento file_actions pode ser uma sequência de tuplas descrevendo ações a serem tomadas em descritores de arquivo específicos no processo filho entre as etapas fork() e exec() de implementação da biblioteca C. O primeiro item em cada tupla deve ser um dos três indicadores de tipo listados abaixo, descrevendo os elementos restantes da tupla:

os.POSIX_SPAWN_OPEN

(os.POSIX_SPAWN_OPENfdpathflagsmode)

Efetua os.dup2(os.open(path, flags, mode), fd).

os.POSIX_SPAWN_CLOSE

(os.POSIX_SPAWN_CLOSEfd)

Efetua os.close(fd).

os.POSIX_SPAWN_DUP2

(os.POSIX_SPAWN_DUP2fdnew_fd)

Efetua os.dup2(fd, new_fd).

Estas tuplas correspondem a chamadas de API da biblioteca C de posix_spawn_file_actions_addopen()posix_spawn_file_actions_addclose() e posix_spawn_file_actions_adddup2() usadas para preparar para a chamada de posix_spawn() em si.

O argumento setpgroup definirá o grupo de processos do filho para o valor especificado. Se o valor especificado for 0, o ID do grupo de processo da criança será igual ao seu ID de processo. Se o valor de setpgroup não for definido, o filho herdará o ID do grupo de processos do pai. Este argumento corresponde ao sinalizador POSIX_SPAWN_SETPGROUP da biblioteca C.

Se o argumento resetids for True, ele irá reconfigurar o UID e GID efetivos do filho para o UID e GID reais do processo pai. Se o argumento for False, então o filho retém o UID e GID efetivos do pai. Em ambos os casos, se os bits de permissão set-user-ID e set-group-ID estiverem habilitados no arquivo executável, seu efeito vai substituir a configuração do UID e GID efetivos. Este argumento corresponde ao sinalizador POSIX_SPAWN_RESETIDS da biblioteca C.

Se o argumento setsid for True, ele criará um novo ID de sessão para posix_spawn. setsid requer POSIX_SPAWN_SETSID ou POSIX_SPAWN_SETSID_NP. Caso contrário, NotImplementedError é levantada.

O argumento setsigmask definirá a máscara de sinal para o conjunto de sinais especificado. Se o parâmetro não for usado, o filho herda a máscara de sinal do pai. Este argumento corresponde ao sinalizador POSIX_SPAWN_SETSIGMASK da biblioteca C.

O argumento sigdef redefinirá a disposição de todos os sinais no conjunto especificado. Este argumento corresponde ao sinalizador POSIX_SPAWN_SETSIGDEF da biblioteca C.

O argumento scheduler deve ser uma tupla contendo a política do agendador (opcional) e uma instância de sched_param com os parâmetros do agendador. Um valor None no lugar da política do planejador indica que não está sendo fornecido. Este argumento é uma combinação dos sinalizadores POSIX_SPAWN_SETSCHEDPARAM e POSIX_SPAWN_SETSCHEDULER da biblioteca C.

Levanta um evento de auditoria os.posix_spawn com argumentos pathargvenv.

Novo na versão 3.8.

Disponibilidade: Unix.

os.posix_spawnp(pathargvenv*file_actions=Nonesetpgroup=Noneresetids=Falsesetsid=Falsesetsigmask=()setsigdef=()scheduler=None)

Envolve a API da biblioteca C posix_spawnp() para uso em Python.

Semelhante a posix_spawn() exceto que o sistema procura o arquivo executable na lista de diretórios especificados pela variável de ambiente PATH (da mesma forma que para execvp(3)).

Levanta um evento de auditoria os.posix_spawn com argumentos pathargvenv.

Novo na versão 3.8.

Disponibilidade: Veja a documentação do posix_spawn().

os.register_at_fork(*before=Noneafter_in_parent=Noneafter_in_child=None)

Registra chamáveis a serem executados quando um novo processo filho é criado usando os.fork() ou APIs de clonagem de processos semelhantes. Os parâmetros são opcionais e somente-nomeados. Cada um especifica um ponto de chamada diferente.

  • before é uma função chamada antes de fazer um fork para um processo filho.
  • after_in_parent é uma função chamada a partir do processo pai após fazer um fork para um processo filho.
  • after_in_child é uma função chamada a partir do processo filho.

Essas chamadas são feitas apenas se o controle deve retornar ao interpretador Python. Um lançamento típico de subprocess não irá acioná-los, pois o filho não entrará novamente no interpretador.

As funções registradas para execução antes de fazer o fork são chamadas na ordem de registro reversa. As funções registradas para execução após o fork ser feito (no pai ou no filho) são chamadas na ordem de registro.

Note que chamadas a fork() feitas por código C de terceiros pode não chamar estas funções, a menos que ele explicitamente chame PyOS_BeforeFork()PyOS_AfterFork_Parent() e PyOS_AfterFork_Child().

Não há uma forma de desfazer o registro de uma função.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.7.

os.spawnl(modepath...)

os.spawnle(modepath...env)

os.spawnlp(modefile...)

os.spawnlpe(modefile...env)

os.spawnv(modepathargs)

os.spawnve(modepathargsenv)

os.spawnvp(modefileargs)

os.spawnvpe(modefileargsenv)

Executa o programa path em um novo processo.

(Observe que o módulo subprocess fornece recursos mais poderosos para gerar novos processos e recuperar seus resultados; usar esse módulo é preferível a usar essas funções. Verifique especialmente a seção Replacing Older Functions with the subprocess Module.)

Se mode for P_NOWAIT, esta função retorna o id do processo do novo processo; se mode for P_WAIT, retorna o código de saída do processo se ele sair normalmente, ou -signal, onde signal é o sinal que matou o processo. No Windows, o id de processo será na verdade o identificador do processo, portanto, pode ser usado com a função waitpid().

Nota sobre VxWorks: esta função não retorna -signal quando o novo processo é encerrado. Em vez disso, ele levanta a exceção OSError.

As variantes “l” e “v” das funções spawn* diferem em como os argumentos de linha de comando são passados. As variantes “l” são talvez as mais fáceis de trabalhar se o número de parâmetros for fixo quando o código for escrito; os parâmetros individuais simplesmente se tornam parâmetros adicionais para as funções spawnl*(). As variantes “v” são boas quando o número de parâmetros é variável, com os argumentos sendo passados em uma lista ou tupla como o parâmetro args. Em ambos os casos, os argumentos para o processo filho devem começar com o nome do comando que está sendo executado.

As variantes que incluem um segundo “p” próximo ao final (spawnlp()spawnlpe()spawnvp() e spawnvpe()) usarão a variável de ambiente PATH para localizar o programa file. Quando o ambiente está sendo substituído (usando uma das variantes spawn*e, discutidas no próximo parágrafo), o novo ambiente é usado como fonte da variável PATH As outras variantes, spawnl()spawnle()spawnv() e spawnve(), não usarão a variável PATH para localizar o executável; path deve conter um caminho absoluto ou relativo apropriado.

Para spawnle()spawnlpe()spawnve() e spawnvpe() (observe que todos eles terminam em “e”), o parâmetro env deve ser um mapeamento que é usado para definir as variáveis de ambiente para o novo processo (elas são usadas no lugar do ambiente do processo atual); as funções spawnl()spawnlp()spawnv() e spawnvp() fazem com que o novo processo herde o ambiente do processo atual. Note que as chaves e os valores no dicionário env devem ser strings; chaves ou valores inválidos farão com que a função falhe, com um valor de retorno de 127.

Como exemplo, as seguintes chamadas a spawnlp() e spawnvpe() são equivalentes:


import os
os.spawnlp(os.P_WAIT, 'cp', 'cp', 'index.html', '/dev/null')

L = ['cp', 'index.html', '/dev/null']
os.spawnvpe(os.P_WAIT, 'cp', L, os.environ)

Levanta um evento de auditoria os.spawn com argumentos modepathargsenv.

Disponibilidade: Unix, Windows. spawnlp()spawnlpe()spawnvp() e spawnvpe() não estão disponíveis no Windows. spawnle() e spawnve() não são seguros para thread no Windows; recomendamos que você use o módulo subprocess.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.P_NOWAIT

os.P_NOWAITO

Valores possíveis para o parâmetro mode para a família de funções spawn*. Se qualquer um desses valores for fornecido, as funções spawn*() retornarão assim que o novo processo for criado, com o id do processo como o valor de retorno.

Disponibilidade: Unix, Windows.

os.P_WAIT

Valor possível para o parâmetro mode para a família de funções spawn*. Se for fornecido como mode, as funções spawn*() não retornarão até que o novo processo seja executado até a conclusão e retornará o código de saída do processo em que a execução foi bem-sucedida, ou -signal se um sinal interromper o processo.

Disponibilidade: Unix, Windows.

os.P_DETACH

os.P_OVERLAY

Valores possíveis do o parâmetro mode para a família de funções spawn*. Eles são menos portáteis do que os listados acima. P_DETACH é semelhante a P_NOWAIT, mas o novo processo é separado do console do processo de chamada. Se P_OVERLAY for usado, o processo atual será substituído; a função spawn* não retornará.

Disponibilidade: Windows.

os.startfile(path[, operation][, arguments][, cwd][, show_cmd])

Inicia um arquivo com sua aplicação associada.

Quando operation não é especificado ou não está 'open', isso atua como um clique duplo no arquivo no Windows Explorer, ou como fornecer o nome do arquivo como um argumento para o comando start do console interativo de comandos: o arquivo é aberto com qualquer aplicação (se houver) com a extensão associada.

Quando outra operation é fornecida, ela deve ser um “verbo de comando” que especifica o que deve ser feito com o arquivo. Verbos comuns documentados pela Microsoft são 'print' e 'edit' (para serem usados em arquivos), bem como 'explore' e 'find' (para serem usados em diretórios).

When launching an application, specify arguments to be passed as a single string. This argument may have no effect when using this function to launch a document.

The default working directory is inherited, but may be overridden by the cwd argument. This should be an absolute path. A relative path will be resolved against this argument.

Use show_cmd to override the default window style. Whether this has any effect will depend on the application being launched. Values are integers as supported by the Win32 ShellExecute() function.

startfile() returns as soon as the associated application is launched. There is no option to wait for the application to close, and no way to retrieve the application’s exit status. The path parameter is relative to the current directory or cwd. If you want to use an absolute path, make sure the first character is not a slash ('/') Use pathlib or the os.path.normpath() function to ensure that paths are properly encoded for Win32.

Para reduzir a sobrecarga de inicialização do interpretador, a função Win32 ShellExecute() não é resolvida até que esta função seja chamada pela primeira vez. Se a função não puder ser resolvida, NotImplementedError será levantada.

Levanta um evento de auditoria os.startfile coms argumentos pathoperation.

Raises an auditing event os.startfile/2 with arguments pathoperationargumentscwdshow_cmd.

Disponibilidade: Windows.

Alterado na versão 3.10: Added the argumentscwd and show_cmd arguments, and the os.startfile/2 audit event.

os.system(command)

Executa o comando (uma string) em um subshell. Isso é implementado chamando a função C padrão system(), e tem as mesmas limitações. Alterações em sys.stdin etc. não são refletidas no ambiente do comando executado. Se command gerar qualquer saída, ela será enviada ao fluxo de saída padrão do interpretador. O padrão C não especifica o significado do valor de retorno da função C, então o valor de retorno da função Python depende do sistema.

No Unix, o valor de retorno é o status de saída do processo codificado no formato especificado para wait().

No Windows, o valor de retorno é aquele retornado pelo shell do sistema após a execução de command. O shell é fornecido pela variável de ambiente Windows COMSPEC: normalmente é cmd.exe, que retorna o status de saída da execução do comando; em sistemas que usam um shell não nativo, consulte a documentação do shell.

O módulo subprocess fornece recursos mais poderosos para gerar novos processos e recuperar seus resultados; usar esse módulo é preferível a usar esta função. Veja a seção Replacing Older Functions with the subprocess Module na documentação do subprocess para algumas receitas úteis.

No Unix, waitstatus_to_exitcode() pode ser usada para converter o resultado (status de saída) em um código de saída. No Windows, o resultado é diretamente o código de saída.

Levanta um evento de auditoria os.system com o argumento command.

Disponibilidade: Unix, Windows.

os.times()

Retorna os tempos atuais de processo globais. O valor de retorno é um objeto com cinco atributos:

  • user - tempo do usuário
  • system - tempo do sistema
  • children_user - tempo do usuário de todos os processo filhos
  • children_system - tempo do sistema de todos os processo filhos
  • elapsed - tempo real decorrido desde um ponto fixo no passado

Para compatibilidade com versões anteriores, esse objeto também se comporta como uma tupla de 5 elementos contendo usersystemchildren_userchildren_system e elapsed` nessa ordem.

Consulte as páginas de manual times (2) e times (3) no Unix ou o GetProcessTimes MSDN no Windows. No Windows, apenas user e system são conhecidos; os outros atributos são zero.

Disponibilidade: Unix, Windows.

Alterado na versão 3.3: Retorna tupla alterada de uma tupla para um objeto tipo tupla com atributos nomeados.

os.wait()

Aguarda a conclusão de um processo filho e retorna uma tupla contendo seu pid e indicação de status de saída: um número de 16 bits, cujo byte baixo é o número do sinal que matou o processo e cujo byte alto é o status de saída (se o sinal número é zero); o bit alto do byte baixo é definido se um arquivo principal foi produzido.

waitstatus_to_exitcode() pode ser usado para converter o status de saída em um código de saída.

Disponibilidade: Unix.

Ver também waitpid() pode ser usado para aguardar a conclusão de um processo filho específico e tem mais opções.

os.waitid(idtypeidoptions)

Aguarda a conclusão de um ou mais processos filhos. idtype pode ser P_PIDP_PGIDP_ALL ou P_PIDFD no Linux. id especifica o pid a ser aguardado. options é construído a partir da aplicação lógica de OU em um ou mais dos seguintes WEXITEDWSTOPPED ou WCONTINUED e, adicionalmente, pode ser aplicado OU com WNOHANG ou WNOWAIT. O valor de retorno é um objeto que representa os dados contidos na estrutura siginfo_t, a saber: si_pidsi_uidsi_signosi_statussi_code ou None se WNOHANG for especificado e não houver filhos em um estado de espera.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.P_PID

os.P_PGID

os.P_ALL

Estes são os valores possíveis para idtype em waitid(). Eles afetam como id é interpretado.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.P_PIDFD

Este é um idtype específico do Linux que indica que id é um descritor de arquivo que se refere a um processo.

Disponibilidade: Linux 5.4+

Novo na versão 3.9.

os.WEXITED

os.WSTOPPED

os.WNOWAIT

Sinalizadores que podem ser usados em options em waitid() que especificam por qual sinal filho esperar.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.CLD_EXITED

os.CLD_KILLED

os.CLD_DUMPED

os.CLD_TRAPPED

os.CLD_STOPPED

os.CLD_CONTINUED

Estes são os valores possíveis para si_code no resultado retornado por waitid().

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

Alterado na versão 3.9: Adicionados os valores CLD_KILLED e CLD_STOPPED.

os.waitpid(pidoptions)

Os detalhes desta função diferem no Unix e no Windows.

No Unix: Aguarda a conclusão de um processo filho dado pelo id de processo pid e retorna uma tupla contendo seu id de processo e indicação de status de saída (codificado como para wait()). A semântica da chamada é afetada pelo valor do inteiro options, que deve ser 0 para operação normal.

Se pid for maior que 0waitpid() solicita informações de status para aquele processo específico. Se pid for 0, a solicitação é para o status de qualquer filho no grupo de processos do processo atual. Se pid for -1, a solicitação pertence a qualquer filho do processo atual. Se pid for menor que -1, o status é solicitado para qualquer processo no grupo de processos -pid (o valor absoluto de pid).

Uma OSError é levantada com o valor de errno quando a chamada de sistema retorna -1.

No Windows: Aguarda a conclusão de um processo fornecido pelo identificador de processo pid e retorna uma tupla contendo pid, e seu status de saída deslocado 8 bits para a esquerda (o deslocamento torna o uso da função em várias plataformas mais fácil). Um pid menor ou igual a 0 não tem nenhum significado especial no Windows e levanta uma exceção. O valor de inteiros options não tem efeito. pid pode se referir a qualquer processo cujo id é conhecido, não necessariamente um processo filho. As funções spawn* chamadas com P_NOWAIT retornam manipuladores de processo adequados.

waitstatus_to_exitcode() pode ser usado para converter o status de saída em um código de saída.

Alterado na versão 3.5: Se a chamada de sistema é interrompida e o tratador de sinal não levanta uma exceção, a função agora tenta novamente a chamada de sistema em vez de levantar uma exceção InterruptedError (consulte PEP 475 para entender a lógica).

os.wait3(options)

Semelhante a waitpid(), exceto que nenhum argumento de id de processo é fornecido e uma tupla de 3 elementos contendo a id do processo da criança, indicação de status de saída e informações de uso de recursos é retornada. Consulte resource.getrusage() para obter detalhes sobre as informações de uso de recursos. O argumento da opção é o mesmo fornecido para waitpid() e wait4().

waitstatus_to_exitcode() pode ser usado para converter o status de saída em um código de saída.

Disponibilidade: Unix.

os.wait4(pidoptions)

Semelhante a waitpid(), exceto uma tupla de 3 elementos, contendo a id do processo da filho, indicação de status de saída e informações de uso de recursos é retornada. Consulte resource.getrusage() para obter detalhes sobre as informações de uso de recursos. Os argumentos para wait4() são os mesmos que aqueles fornecidos a waitpid().

waitstatus_to_exitcode() pode ser usado para converter o status de saída em um código de saída.

Disponibilidade: Unix.

os.waitstatus_to_exitcode(status)

Converte um status de espera em um código de saída.

No Unix:

  • Se o processo saiu normalmente (se WIFEXITED(status) for verdadeiro), retorna o status de saída do processo (retorna WEXITSTATUS(status)): resultado maior ou igual a 0.
  • Se o processo foi encerrado por um sinal (se WIFSIGNALED(status) for verdadeiro), retorna -signum onde signum é o número do sinal que causou o encerramento do processo (retorna -WTERMSIG(status)): resultado menor que 0.
  • Do contrário, levanta uma ValueError.

No Windows, retorna status deslocado para a direita em 8 bits.

No Unix, se o processo está sendo rastreado ou se waitpid() foi chamado com a opção WUNTRACED, o chamador deve primeiro verificar se WIFSTOPPED(status) é verdadeiro. Esta função não deve ser chamada se WIFSTOPPED(status) for verdadeiro.

Ver também As funções WIFEXITED()WEXITSTATUS()WIFSIGNALED()WTERMSIG()WIFSTOPPED()WSTOPSIG().

Novo na versão 3.9.

os.WNOHANG

A opção para waitpid() retornar imediatamente se nenhum status de processo filho estiver disponível imediatamente. A função retorna (0, 0) neste caso.

Disponibilidade: Unix.

os.WCONTINUED

Esta opção faz com que os processos filhos sejam relatados se eles foram continuados a partir de uma parada de controle de tarefa desde que seu status foi relatado pela última vez.

Disponibilidade: alguns sistemas Unix.

os.WUNTRACED

Esta opção faz com que os processos filhos sejam relatados se eles tiverem sido interrompidos, mas seu estado atual não foi relatado desde que foram interrompidos.

Disponibilidade: Unix.

As funções a seguir recebem um código de status do processo conforme retornado por system()wait() ou waitpid() como parâmetro. Eles podem ser usados ​​para determinar a disposição de um processo.

os.WCOREDUMP(status)

Retorna True se um despejo de núcleo (core dump) foi gerado para o processo; caso contrário, retorna False.

Esta função deve ser empregada apenas se WIFSIGNALED() for verdadeira.

Disponibilidade: Unix.

os.WIFCONTINUED(status)

Retorna True se um filho interrompido foi retomado pela entrega de SIGCONT (se o processo foi continuado de uma parada de controle de trabalho); caso contrário, retorna False.

Veja a opção WCONTINUED.

Disponibilidade: Unix.

os.WIFSTOPPED(status)

Retorna True se o processo foi interrompido pela entrega de um sinal; caso contrário, retorna False.

WIFSTOPPED() só retorna True se a chamada de waitpid() foi feita usando a opção WUNTRACED ou quando o processo está sendo rastreado (veja ptrace(2)).

Disponibilidade: Unix.

os.WIFSIGNALED(status)

Retorna True se o processo foi encerrado por um sinal; caso contrário, retorna False.

Disponibilidade: Unix.

os.WIFEXITED(status)

Retorna True se o processo foi encerrado normalmente, isto é, chamando exit() ou _exit(), ou retornando de main(); caso contrário, retorna False.

Disponibilidade: Unix.

os.WEXITSTATUS(status)

Retorna o status de saída do processo.

Esta função deve ser empregada apenas se WIFEXITED() for verdadeira.

Disponibilidade: Unix.

os.WSTOPSIG(status)

Retorna o sinal que causou a interrupção do processo.

Esta função deve ser empregada apenas se WIFSTOPPED() for verdadeira.

Disponibilidade: Unix.

os.WTERMSIG(status)

Retorna o número do sinal que causou o encerramento do processo.

Esta função deve ser empregada apenas se WIFSIGNALED() for verdadeira.

Disponibilidade: Unix.

Interface do agendador

Essas funções controlam como o tempo de CPU de um processo é alocado pelo sistema operacional. Eles estão disponíveis apenas em algumas plataformas Unix. Para informações mais detalhadas, consulte suas páginas man do Unix.

Novo na versão 3.3.

As políticas de agendamento a seguir serão expostas se houver suporte pelo sistema operacional.

os.SCHED_OTHER

A política de agendamento padrão.

os.SCHED_BATCH

Política de agendamento para processos com uso intensivo de CPU que tenta preservar a interatividade no resto do computador.

os.SCHED_IDLE

Política de agendamento para tarefas em segundo plano de prioridade extremamente baixa.

os.SCHED_SPORADIC

Política de agendamento para programas de servidor esporádicos.

os.SCHED_FIFO

Uma política de agendamento Primeiro a Entrar, Primeiro a Sair (FIFO).

os.SCHED_RR

Uma política de agendamento round-robin.

os.SCHED_RESET_ON_FORK

Este sinalizador pode ser operado em OU com qualquer outra política de agendamento. Quando um processo com este sinalizador definido bifurca, a política de agendamento e a prioridade de seu filho são redefinidas para o padrão.

class os.sched_param(sched_priority)

Esta classe representa parâmetros de agendamento ajustáveis ​​usados ​​em sched_setparam()sched_setscheduler() e sched_getparam(). É imutável.

Neste momento, há somente um único parâmetro possível:

sched_priority

A prioridade de agendamento para uma política de agendamento.

os.sched_get_priority_min(policy)

Obtém o valor mínimo de prioridade para policypolicy é uma das constantes de política de agendamento acima.

os.sched_get_priority_max(policy)

Obtém o valor máximo de prioridade para policypolicy é uma das constantes de política de agendamento acima.

os.sched_setscheduler(pidpolicyparam)

Define a política de agendamento para o processo com PID pid. Um pid de 0 significa o processo de chamada. policy é uma das constantes de política de agendamento acima. param é uma instância de sched_param.

os.sched_getscheduler(pid)

Retorna a política de agendamento para o processo com PID pid. Um pid de 0 significa o processo de chamada. O resultado é uma das constantes de política de agendamento acima.

os.sched_setparam(pidparam)

Define os parâmetros de agendamento para o processo com PID pid. Um pid de 0 significa o processo de chamada. param é uma instância de sched_param.

os.sched_getparam(pid)

Retorna os parâmetros de agendamento como uma instância de sched_param para o processo com PID pid. Um pid de 0 significa o processo de chamada.

os.sched_rr_get_interval(pid)

Retorna o quantum round-robin em segundos para o processo com PID pid. Um pid de 0 significa o processo de chamada.

os.sched_yield()

Libera a CPU voluntariamente.

os.sched_setaffinity(pidmask)

Restringe o processo com PID pid (ou o processo atual se zero) para um conjunto de CPUs. mask é um iterável de inteiros que representam o conjunto de CPUs às quais o processo deve ser restrito.

os.sched_getaffinity(pid)

Retorna o conjunto de CPUs ao qual o processo com PID pid (ou o processo atual se zero) está restrito.

Diversas informações de sistema

os.confstr(name)

Retorna valores de configuração do sistema com valor de string. name especifica o valor de configuração a ser recuperado; pode ser uma string que é o nome de um valor de sistema definido; esses nomes são especificados em vários padrões (POSIX, Unix 95, Unix 98 e outros). Algumas plataformas também definem nomes adicionais. Os nomes conhecidos pelo sistema operacional host são fornecidos como as chaves do dicionário confstr_names. Para variáveis ​​de configuração não incluídas nesse mapeamento, passar um número inteiro para name também é aceito.

Se o valor de configuração especificado por name não for definido, retorna None.

Se name for uma string e não for conhecida, ValueError é levantada. Se um valor específico para name não for compatível com o sistema de host, mesmo que seja incluído em confstr_names, uma OSError é levantada com errno.EINVAL como número do erro.

Disponibilidade: Unix.

os.confstr_names

Nomes de mapeamento de dicionário aceitos por confstr() para os valores inteiros definidos para esses nomes pelo sistema operacional do host. Isso pode ser usado para determinar o conjunto de nomes conhecidos pelo sistema.

Disponibilidade: Unix.

os.cpu_count()

Retorna o número de CPUs do sistema. Retorna None se não determinado.

Este número não é equivalente ao número de CPUs que o processo atual pode usar. O número de CPUs utilizáveis ​​pode ser obtido com len(os.sched_getaffinity(0))

Novo na versão 3.4.

os.getloadavg()

Retorna o número de processos na fila de execução do sistema em média nos últimos 1, 5 e 15 minutos ou levanta OSError se a média de carga não foi obtida.

Disponibilidade: Unix.

os.sysconf(name)

Retorna valores de configuração do sistema com valor inteiro. Se o valor de configuração especificado por name não estiver definido, -1 é retornado. Os comentários sobre o parâmetro name para confstr() se aplicam aqui também; o dicionário que fornece informações sobre os nomes conhecidos é fornecido por sysconf_names.

Disponibilidade: Unix.

os.sysconf_names

Nomes de mapeamento de dicionário aceitos por sysconf() para os valores inteiros definidos para esses nomes pelo sistema operacional do host. Isso pode ser usado para determinar o conjunto de nomes conhecidos pelo sistema.

Disponibilidade: Unix.

Os dados a seguir são usados para suportar operações de manipulação de path. Estão definidos e disponíveis para todas as plataformas.

Operações de nível mais alto em nomes de caminho são definidos no módulo os.path.

os.curdir

A string constante usada pelo sistema operacional para se referir ao diretório atual. Isso é '.' para Windows e POSIX. Também disponível via os.path.

os.pardir

A string constante usada pelo sistema operacional para se referir ao diretório pai. Isso é '..' para Windows e POSIX. Também disponível via os.path.

os.sep

O caractere usado pelo sistema operacional para separar os componentes do nome do caminho. Este é '/' para POSIX e '\\' para Windows. Observe que saber disso não é suficiente para ser capaz de analisar ou concatenar nomes de caminho – use os.path.split() e os.path.join() – mas ocasionalmente é útil. Também disponível via os.path.

os.altsep

Um caractere alternativo usado pelo sistema operacional para separar os componentes do nome de caminho, ou None se apenas um caractere separador existir. Isso é definido como '/' em sistemas Windows onde sep é uma contrabarra. Também disponível via os.path.

os.extsep

O caractere que separa o nome do arquivo base da extensão; por exemplo, o '.' em os.py. Também disponível via os.path.

os.pathsep

O caractere convencionalmente usado pelo sistema operacional para separar os componentes do caminho de pesquisa (como em PATH), como ':' para POSIX ou ';' para Windows. Também disponível via os.path.

os.defpath

O caminho de pesquisa padrão usado por exec*p* e spawn*p* se o ambiente não tiver uma chave 'PATH'. Também disponível via os.path.

os.linesep

A string usada para separar (ou melhor, encerrar) linhas na plataforma atual. Pode ser um único caractere, como '\n' para POSIX, ou múltiplos caracteres, por exemplo, '\r\n' para Windows. Não use os.linesep como terminador de linha ao escrever arquivos abertos em modo de texto (o padrão); use um único '\n' ao invés, em todas as plataformas.

os.devnull

O caminho do arquivo do dispositivo nulo. Por exemplo: '/dev/null' para POSIX, 'nul' para Windows. Também disponível via os.path.

os.RTLD_LAZY

os.RTLD_NOW

os.RTLD_GLOBAL

os.RTLD_LOCAL

os.RTLD_NODELETE

os.RTLD_NOLOAD

os.RTLD_DEEPBIND

Sinalizadores para uso com as funções setdlopenflags() e getdlopenflags(). Veja a página man do Unix dlopen(3) para saber o que significam os diferentes sinalizadores.

Novo na versão 3.3.

Números aleatórios

os.getrandom(sizeflags=0)

Obtém até size bytes aleatórios. Esta função pode retornar menos bytes que a quantia requisitada.

Esses bytes podem ser usados ​​para propagar geradores de número aleatório no espaço do usuário ou para fins criptográficos.

getrandom() depende da entropia obtida de drivers de dispositivos e outras fontes de ruído ambiental. A leitura desnecessária de grandes quantidades de dados terá um impacto negativo sobre outros usuários dos dispositivos /dev/random e /dev/urandom.

O argumento sinalizadores é uma máscara de bits que pode conter zero ou mais dos seguintes valores operados com OU juntos: os.GRND_RANDOM e GRND_NONBLOCK.

Veja também A página do manual do Linux sobre getrandom().

Disponibilidade: Linux 3.17 e mais novos.

Novo na versão 3.6.

os.urandom(size)

Retorna uma string de size bytes aleatórios próprios para uso criptográfico.

Esta função retorna bytes aleatórios de uma fonte de aleatoriedade específica do sistema operacional. Os dados retornados devem ser imprevisíveis o suficiente para aplicações criptográficos, embora sua qualidade exata dependa da implementação do sistema operacional.

No Linux, se a chamada de sistema getrandom() estiver disponível, ela é usada no modo bloqueante: bloqueia até que o pool de entropia urandom do sistema seja inicializado (128 bits de entropia são coletados pelo kernel). Veja a PEP 524 para a justificativa. No Linux, a função getrandom() pode ser usada para obter bytes aleatórios no modo não bloqueante (usando a sinalização GRND_NONBLOCK) ou para pesquisar até que o pool de entropia urandom do sistema seja inicializado.

Em um sistema semelhante ao Unix, bytes aleatórios são lidos do dispositivo /dev/urandom. Se o dispositivo /dev/urandom não estiver disponível ou não for legível, a exceção NotImplementedError é levantada.

No Windows, será usado CryptGenRandom().

Ver também O módulo secrets fornece funções de nível mais alto. Para uma interface fácil de usar para o gerador de números aleatórios fornecido por sua plataforma, consulte random.SystemRandom.

Alterado na versão 3.6.0: No Linux, getrandom() é usado agora no modo de bloqueio para aumentar a segurança.

Alterado na versão 3.5.2: No Linux, se a chamada de sistema getrandom() bloqueia (o pool de entropia urandom ainda não foi inicializado), recorre à leitura /dev/urandom.

Alterado na versão 3.5: No Linux 3.17 e mais recente, a chamada de sistema getrandom() agora é usada quando disponível. No OpenBSD 5.6 e mais recentes, a função C getentropy() agora é usada. Essas funções evitam o uso de um descritor de arquivo interno.

os.GRND_NONBLOCK

Por padrão, ao ler de /dev/randomgetrandom() bloqueia se nenhum byte aleatório estiver disponível, e ao ler de /dev/urandom, ele bloqueia se o pool de entropia não ainda foi inicializado.

Se o sinalizador GRND_NONBLOCK estiver definido, então getrandom() não bloqueia nesses casos, mas, em vez disso, levanta BlockingIOError imediatamente.

Novo na versão 3.6.

os.GRND_RANDOM

Se este bit é definido bytes aleatórios são pegos a partir de /dev/random ao invés de /dev/urandom.

Novo na versão 3.6.Diversas interfaces de sistema operacional

Código-fonte: Lib/os.py


Este módulo fornece uma maneira simples de usar funcionalidades que são dependentes de sistema operacional. Se você quiser ler ou escrever um arquivo, veja open(); se o que quer é manipular estruturas de diretórios, veja o módulo os.path; e se quiser ler todas as linhas, de todos os arquivos, na linha de comando, veja o módulo fileinput. Para criar arquivos e diretórios temporários, veja o módulo tempfile; e, para manipulação em alto nível de arquivos e diretórios, veja o módulo shutil.

Notas sobre a disponibilidade dessas funções:

  • O modelo dos módulos embutidos dependentes do sistema operacional no Python é tal que, desde que a mesma funcionalidade esteja disponível, a mesma interface é usada; por exemplo, a função os.stat(path) retorna informações estatísticas sobre path no mesmo formato (que é originado com a interface POSIX).
  • Extensões específicas a um sistema operacional também estão disponíveis através do módulo os, mas usá-las é, naturalmente, uma ameaça à portabilidade.
  • Todas as funções que aceitam nomes de caminhos ou arquivos, aceitam objetos bytes e string, e resultam em um objeto do mesmo tipo, se um caminho ou nome de arquivo for retornado.
  • Em VxWorks, os.popen, os.fork, os.execv e os.spawn*p* não são suportados.

Nota Todas as funções neste módulo trazem OSError (ou suas subclasses) no caso de nomes e caminhos de arquivos inválidos ou inacessíveis, ou outros argumentos que possuem o tipo correto, mas não são aceitos pelo sistema operacional.

exception os.error

Um apelido para a exceção embutida OSError.

os.name

O nome do módulo importado, dependente do sistema operacional. Atualmente, os seguintes nomes foram registrados: 'posix''nt''java'.

Ver também sys.platform tem uma granularidade mais fina. os.uname() fornece informação dependentes de versão do sistema.

O módulo platform fornece verificações detalhadas sobre a identificação do sistema.

Nomes de arquivos, argumentos de linha de comando e variáveis de ambiente

In Python, file names, command line arguments, and environment variables are represented using the string type. On some systems, decoding these strings to and from bytes is necessary before passing them to the operating system. Python uses the filesystem encoding and error handler to perform this conversion (see sys.getfilesystemencoding()).

tratador de erros e codificação do sistema de arquivos são configurados na inicialização do Python pela função PyConfig_Read(): veja os membros filesystem_encoding e filesystem_errors do PyConfig.

Alterado na versão 3.1: Em alguns sistemas a conversão, usando a codificação do sistema de arquivos, pode falhar. Neste caso, o Python usa o manipulador de erro de codificação surrogateescape, o que significa que bytes não decodificados são substituídos por um caractere Unicode U+DCxx na decodificação, e estes são novamente traduzidos para o byte original na codificação.

The file system encoding must guarantee to successfully decode all bytes below 128. If the file system encoding fails to provide this guarantee, API functions can raise UnicodeError.

Veja também a codificação da localidade.

Python UTF-8 Mode

Novo na versão 3.7: Veja PEP 540 para mais detalhes.

The Python UTF-8 Mode ignores the locale encoding and forces the usage of the UTF-8 encoding:

Observe que as configurações de fluxo padrão no modo UTF-8 podem ser substituídas por PYTHONIOENCODING (assim como podem estar no modo com reconhecimento de localidade padrão).

Como consequência das mudanças nessas APIs de baixo nível, outras APIs de alto nível também exibem comportamentos padrão diferentes:

  • Argumentos de linha de comando, variáveis de ambiente e nomes de arquivos são decodificados em texto usando a codificação UTF-8.
  • os.fsdecode() e os.fsencode() usam a codificação UTF-8.
  • open()io.open() e codecs.open() usam a codificação UTF-8 por padrão. No entanto, elas ainda usam o tratador de erros estrito por padrão, de modo que a tentativa de abrir um arquivo binário no modo de texto provavelmente levantará uma exceção em vez de produzir dados sem sentido.

The Python UTF-8 Mode is enabled if the LC_CTYPE locale is C or POSIX at Python startup (see the PyConfig_Read() function).

It can be enabled or disabled using the -X utf8 command line option and the PYTHONUTF8 environment variable.

If the PYTHONUTF8 environment variable is not set at all, then the interpreter defaults to using the current locale settings, unless the current locale is identified as a legacy ASCII-based locale (as described for PYTHONCOERCECLOCALE), and locale coercion is either disabled or fails. In such legacy locales, the interpreter will default to enabling UTF-8 mode unless explicitly instructed not to do so.

The Python UTF-8 Mode can only be enabled at the Python startup. Its value can be read from sys.flags.utf8_mode.

See also the UTF-8 mode on Windows and the filesystem encoding and error handler.

Parâmetros de processo

Essas funções e itens de dados fornecem informações e operam no processo e usuário atuais.

os.ctermid()

Retorna o nome do arquivo correspondente ao terminal de controle do processo.

Disponibilidade: Unix.

os.environ

Um objeto de mapeamento representando uma string do ambiente. Por exemplo, environ['HOME'] é o nome do caminho do seu diretório pessoal (em algumas plataformas), e é equivalente a getenv("HOME") em C.

Este mapeamento é capturado na primeira vez que o módulo os é importado, normalmente durante a inicialização do Python, como parte do processamento do arquivo site.py. Mudanças no ambiente feitas após esse momento não são refletidas em os.environ, exceto pelas mudanças feitas modificando os.environ diretamente.

Este mapeamento pode ser usado para modificar o ambiente, além de consultá-lo. putenv() será chamado automaticamente quando o mapeamento for modificado.

No Unix, chaves e valores usam sys.getfilesystemencoding() e o tratador de erros 'surrogateescape'. Use environb se quiser usar uma codificação diferente.

Nota Chamar a função putenv() diretamente não muda os.environ, por isso é melhor modificar os.environ.

Nota On some platforms, including FreeBSD and macOS, setting environ may cause memory leaks. Refer to the system documentation for putenv().

Você pode excluir itens neste mapeamento para remover definição de variáveis de ambiente. unsetenv() será chamado automaticamente quando um item é excluído de os.environ, e quando um dos métodos pop() ou clear() é chamado.

Alterado na versão 3.9: Atualizado para ter suporte os operadores de mesclagem (|) e de atualização (|=) da PEP 584.

os.environb

Versão bytes environ: um objeto de mapeamento representando o ambiente como byte strings. environ e environb são sincronizados (modificar environb atualiza environ, e vice versa).

environb está disponível somente se supports_bytes_environ for True.

Novo na versão 3.2.

Alterado na versão 3.9: Atualizado para ter suporte os operadores de mesclagem (|) e de atualização (|=) da PEP 584.

os.chdir(path)

os.fchdir(fd)

os.getcwd()

Essas funções são descritas em: Arquivos e diretórios.

os.fsencode(filename)

Encode path-like filename to the filesystem encoding and error handler; return bytes unchanged.

fsdecode() é a função reversa.

Novo na versão 3.2.

Alterado na versão 3.6: Suporte adicionado para aceitar objetos que implementam a interface os.PathLike

os.fsdecode(filename)

Decode the path-like filename from the filesystem encoding and error handler; return str unchanged.

fsencode() é a função reversa.

Novo na versão 3.2.

Alterado na versão 3.6: Suporte adicionado para aceitar objetos que implementam a interface os.PathLike

os.fspath(path)

Retorna a representação do sistema de arquivos do caminho.

Se um objeto str ou bytes é passado, é retornado inalterado. Caso contrário, o método __fspath__() é chamado, e seu valor é retornado, desde que seja um objeto str ou bytes. Em todos os outros casos, TypeError é levantada.

Novo na versão 3.6.

class os.PathLike

Uma classe base abstrata para objetos representando um caminho do sistema de arquivos, como, por exemplo, pathlib.PurePath.

Novo na versão 3.6.

abstractmethod __fspath__()

Retorna a representação do caminho do sistema de arquivos do objeto.

O método deverá retornar somente objetos str ou bytes, preferencialmente str.

os.getenv(keydefault=None)

Retorna o valor da variável de ambiente key se existir, ou default, se não. keydefault e o resultado são str.

No Unix, chaves e valores são decodificados com a função sys.getfilesystemencoding() e o o manipulador de erros 'surrogateescape'. Use os.getenvb() se quiser usar uma codificação diferente.

Disponibilidade: várias versões de Unix, Windows.

os.getenvb(keydefault=None)

Retorna o valor da variável de ambiente key, se existir, ou default, se não existir. keydefault e o resultado são bytes.

getenvb() está disponível somente se supports_bytes_environ for True.

Disponibilidade: várias versões de Unix.

Novo na versão 3.2.

os.get_exec_path(env=None)

Retorna a lista de diretórios que serão buscados por um executável nomeado, semelhante a um shell, ao iniciar um processo. env, quando especificado, deve ser um dicionário de variáveis de ambiente para procurar o PATH. Por padrão, quando env é Noneenviron é usado.

Novo na versão 3.2.

os.getegid()

Retorna o efetivo ID do grupo do processo atual. Isso corresponde ao bit “set id” no arquivo que está sendo executado no processo atual.

Disponibilidade: Unix.

os.geteuid()

Retorna o efetivo ID de usuário do processo atual.

Disponibilidade: Unix.

os.getgid()

Retorna o ID real do grupo do processo atual.

Disponibilidade: Unix.

os.getgrouplist(usergroup)

Retorna a lista de IDs de grupos aos quais user pertence. Se group não estiver na lista, será incluído; normalmente, group é especificado como o campo de ID do grupo, a partir do registro de senha para user.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.getgroups()

Retorna a lista de IDs de grupos suplementares associados ao processo atual.

Disponibilidade: Unix.

Nota On macOS, getgroups() behavior differs somewhat from other Unix platforms. If the Python interpreter was built with a deployment target of 10.5 or earlier, getgroups() returns the list of effective group ids associated with the current user process; this list is limited to a system-defined number of entries, typically 16, and may be modified by calls to setgroups() if suitably privileged. If built with a deployment target greater than 10.5getgroups() returns the current group access list for the user associated with the effective user id of the process; the group access list may change over the lifetime of the process, it is not affected by calls to setgroups(), and its length is not limited to 16. The deployment target value, MACOSX_DEPLOYMENT_TARGET, can be obtained with sysconfig.get_config_var().

os.getlogin()

Retorna o nome do usuário conectado no terminal de controle do processo. Para a maioria dos propósitos, é mais útil usar getpass.getuser(), já que esse último verifica as variáveis de ambiente LOGNAME ou USERNAME para descobrir quem é o usuário, e retorna para pwd.getpwuid(os.getuid())[0] para obter o nome de login do ID do usuário real atual.

Disponibilidade: Unix, Windows.

os.getpgid(pid)

Retorna o ID do grupo de processo com pid. Se pid for 0, o ID do grupo do processos do processo atual é retornado.

Disponibilidade: Unix.

os.getpgrp()

Retorna o ID do grupo de processos atual.

Disponibilidade: Unix.

os.getpid()

Retorna o id do processo atual.

os.getppid()

Retorna o ID do processo pai. Quando o processo pai é encerrado, no Unix, o ID retornado é o do processo init(1); no Windows, ainda é o mesmo ID, que já pode ser reutilizado por outro processo.

Disponibilidade: Unix, Windows.

Alterado na versão 3.2: Adicionado suporte para Windows.

os.getpriority(whichwho)

Obtém prioridade de agendamento de programa. O valor which é um entre PRIO_PROCESSPRIO_PGRP ou PRIO_USER, e who é interpretado em relação a which (um identificador de processo para PRIO_PROCESS, identificador do grupo de processos para PRIO_PGRP e um ID de usuário para PRIO_USER). Um valor zero para who indica (respectivamente) o processo de chamada, o grupo de processos do processo de chamada ou o ID do usuário real do processo de chamada.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.PRIO_PROCESS

os.PRIO_PGRP

os.PRIO_USER

Parâmetros para as funções getpriority() e setpriority().

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.getresuid()

Retorna uma tupla (ruid, euid, suid) indicando os IDs de usuário reais, efetivos e salvos do processo atual.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.2.

os.getresgid()

Retorna uma tupla (rgid, egid, sgid) indicando os IDs de grupo reais, efetivos e salvos do processo atual.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.2.

os.getuid()

Retorna o ID de usuário real do processo atual.

Disponibilidade: Unix.

os.initgroups(usernamegid)

Chama o initgroups() do sistema para inicializar a lista de acesso ao grupo com todos os grupos dos quais o nome de usuário especificado é membro, mais o ID do grupo especificado.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.2.

os.putenv(keyvalue)

Define a variável de ambiente denominada key como a string value. Tais mudanças no ambiente afetam os subprocessos iniciados com os.system()popen() ou fork() e execv().

As atribuições para itens em os.environ são automaticamente convertidas em chamadas correspondentes para putenv(); no entanto, chamadas para putenv() não atualizam os.environ, então é realmente preferível atribuir itens a os.environ.

Nota On some platforms, including FreeBSD and macOS, setting environ may cause memory leaks. Refer to the system documentation for putenv().

Levanta um evento de auditoria os.putenv com os argumentos keyvalue.

Alterado na versão 3.9: A função está agora sempre disponível.

os.setegid(egid)

Define o ID do grupo efetivo do processo atual.

Disponibilidade: Unix.

os.seteuid(euid)

Define o ID de usuário efetivo do processo atual.

Disponibilidade: Unix.

os.setgid(gid)

Define o ID de grupo do processo atual.

Disponibilidade: Unix.

os.setgroups(groups)

Define a lista de IDs de grupo suplementares associados ao processo atual como groupsgroups deve ser uma sequência e cada elemento deve ser um número inteiro identificando um grupo. Esta operação normalmente está disponível apenas para o superusuário.

Disponibilidade: Unix.

Nota On macOS, the length of groups may not exceed the system-defined maximum number of effective group ids, typically 16. See the documentation for getgroups() for cases where it may not return the same group list set by calling setgroups().

os.setpgrp()

Executa a chamada de sistema setpgrp() ou setpgrp (0, 0) dependendo da versão implementada (se houver). Veja o manual do Unix para a semântica.

Disponibilidade: Unix.

os.setpgid(pidpgrp)

Faz a chamada de sistema setpgid() para definir o ID do grupo do processo com pid para o grupo de processos com o id pgrp. Veja o manual do Unix para a semântica.

Disponibilidade: Unix.

os.setpriority(whichwhopriority)

Define a prioridade de agendamento de programa. O valor which é um entre PRIO_PROCESSPRIO_PGRP ou PRIO_USER, e who é interpretado em relação a which (um identificador de processo para PRIO_PROCESS, identificador do grupo de processos para PRIO_PGRP e um ID de usuário para PRIO_USER). Um valor zero para who indica (respectivamente) o processo de chamada, o grupo de processos do processo de chamada ou o ID do usuário real do processo de chamada. priority é um valor na faixa de -20 a 19. A prioridade padrão é 0; prioridades menores resultam em agendamento um mais favorável.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.setregid(rgidegid)

Define os IDs de grupo real e efetivo do processo atual

Disponibilidade: Unix.

os.setresgid(rgidegidsgid)

Define os IDs de grupo real, efetivo e salvo do processo atual

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.2.

os.setresuid(ruideuidsuid)

Define os IDs de usuário real, efetivo e salvo do processo atual

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.2.

os.setreuid(ruideuid)

Define os IDs de usuário real e efetivo do processo atual.

Disponibilidade: Unix.

os.getsid(pid)

Executa a chamada de sistema getsid(). Veja o manual do Unix para semântica.

Disponibilidade: Unix.

os.setsid()

Executa a chamada de sistema setsid(). Veja o manual do Unix para semântica.

Disponibilidade: Unix.

os.setuid(uid)

Define o ID de usuário do processo atual.

Disponibilidade: Unix.

os.strerror(code)

Retorna a mensagem de erro correspondente ao código de erro em code. Nas plataformas em que strerror() retorna NULL quando recebe um número de erro desconhecido, ValueError é levantada.

os.supports_bytes_environ

True se o tipo de sistema operacional nativo do ambiente estiver em bytes (por exemplo, False no Windows).

Novo na versão 3.2.

os.umask(mask)

Define o umask numérico atual e retorna o umask anterior.

os.uname()

Retorna informações identificando o sistema operacional atual. O valor retornado é um objeto com cinco atributos.

  • sysname - nome do sistema operacional
  • nodename - nome da máquina na rede (definido pela implementação)
  • release - lançamento do sistema operacional
  • version - versão do sistema operacional
  • machine - identificador de hardware

Para compatibilidade com versões anteriores, esse objeto também é iterável, comportando-se como uma tupla de 5 elementos contendo sysnamenodenamereleaseversion e machine nessa ordem.

Alguns sistemas truncam nodename para 8 caracteres ou para o componente principal; uma maneira melhor de obter o nome do host é socket.gethostname() ou até mesmo socket.gethostbyaddr(socket.gethostname()).

Disponibilidade: sabores recentes de Unix.

Alterado na versão 3.3: Retorna tupla alterada de uma tupla para um objeto tipo tupla com atributos nomeados.

os.unsetenv(key)

Cancela (exclui) a variável de ambiente denominada key. Tais mudanças no ambiente afetam subprocessos iniciados com os.system()popen() ou fork() e execv().

A exclusão de itens em os.environ é automaticamente traduzida para uma chamada correspondente a unsetenv(); no entanto, chamadas a unsetenv() não atualizam os.environ, por isso, na verdade é preferível excluir itens de os.environ.

Levanta um evento de auditoria os.unsetenv com o argumento key.

Alterado na versão 3.9: A função está agora sempre disponível e também está disponível no Windows.

Criação de objetos arquivos

Estas funções criam novos objetos arquivos. (Veja também open() para abrir os descritores de arquivos.)

os.fdopen(fd*args**kwargs)

Retorna um objeto arquivo aberto conectado ao descritor de arquivo fd. Este é um apelido para a função embutida open() e aceita os mesmos argumentos. A única diferença é que o primeiro argumento de fdopen() deve ser sempre um inteiro.

Operações dos descritores de arquivos

Estas funções operam em fluxos de E/S referenciados usando descritores de arquivos.

Descritores de arquivos são pequenos números inteiros correspondentes a um arquivo que foi aberto pelo processo atual. Por exemplo, a entrada padrão geralmente é o descritor de arquivo 0, a saída padrão 1 e erro padrão 2. Outros arquivos abertos por um processo serão então atribuídos 3, 4, 5, e assim por diante. O nome “descritor de arquivo” é um pouco enganoso; em plataformas UNIX, sockets e pipes também são referenciados como descritores de arquivos.

O método fileno() pode ser usado para obter o descritor de arquivo associado a um objeto arquivo quando solicitado. Note-se que usar o descritor de arquivo diretamente ignorará os métodos do objeto arquivo, ignorando aspectos como buffer interno de dados.

os.close(fd)

Fecha o descritor de arquivo fd.

Nota Esta função destina-se a E/S de baixo nível e deve ser aplicada a um descritor de arquivo retornado por os.open() ou pipe(). Para fechar um “objeto arquivo” retornado pela função embutida open() ou por popen() ou fdopen(), use seu método close().

os.closerange(fd_lowfd_high)

Fecha todos os descritores de arquivos de fd_low (inclusivo) a fd_high (exclusivo), ignorando erros. Equivalente a (mas muito mais rápido do que):


for fd in range(fd_low, fd_high):
    try:
        os.close(fd)
    except OSError:
        pass

os.copy_file_range(srcdstcountoffset_src=Noneoffset_dst=None)

Copia bytes count do descritor de arquivo src, partindo do deslocamento offset_src, ao descritor de arquivo dst, partindo do deslocamento offset_dst. Se offset_src for None, então src é lido a partir da posição atual; respectivamente, para offset_dst. Os arquivos apontados por src e dst devem residir no mesmo sistema de arquivos, caso contrário, uma OSError é levantada com errno definido como errno.EXDEV.

Essa cópia é feita sem o custo adicional de transferência de dados do kernel para o espaço do usuário e, em seguida, volta para o kernel. Além disso, alguns sistemas de arquivos poderiam implementar otimizações extras. A cópia é feita como se ambos os arquivos estivessem abertos como binários.

O valor de retorno é a quantidade de bytes copiados. Ele pode ser inferior à quantidade solicitada.

Availability: Linux kernel >= 4.5 ou glibc >= 2.27.

Novo na versão 3.8.

os.device_encoding(fd)

Retorna uma string descrevendo a codificação do dispositivo associado a fd se estiver conectado a um terminal; senão retorna None.

On Unix, if the Python UTF-8 Mode is enabled, return 'UTF-8' rather than the device encoding.

Alterado na versão 3.10: On Unix, the function now implements the Python UTF-8 Mode.

os.dup(fd)

Retorna uma cópia do descritor de arquivo fd. O novo descritor de arquivo é non-inheritable.

No Windows, ao duplicar um fluxo padrão (0: stdin, 1: stdout, 2: stderr), o novo descritor de arquivo é inheritable.

Alterado na versão 3.4: O novo descritor de arquivo agora é não-hereditário.

os.dup2(fdfd2inheritable=True)

Duplica o descritor de arquivo fd como fd2, fechando o último em primeiro lugar, se necessário. Retorna fd2. O novo descritor de arquivo é inheritable por padrão ou não-hereditário se inheritable for False.

Alterado na versão 3.4: Adicionar o parâmetro opcional inheritable.

Alterado na versão 3.7: Retorna fd2 em caso de sucesso. Anteriormente, retornava sempre None.

os.fchmod(fdmode)

Altera o modo do arquivo dado por fd ao mode numérico. Veja a documentação de chmod() para valores possíveis de mode. A partir do Python 3.3, isto é equivalente a os.chmod(fd, mode).

Levanta um evento de auditoria os.chmod com os argumentos pathmodedir_fd.

Disponibilidade: Unix.

os.fchown(fduidgid)

Altera o o ID do proprietário e do grupo do arquivo dado por fd para o uid e gid numérico. Para deixar um dos ids inalteradas, defina-o como -1. Veja chown(). A partir do Python 3.3, isto é equivalente a os.chown(fd, uid, gid).

Levanta um evento de auditoria os.chown com os argumentos pathuidgiddir_fd.

Disponibilidade: Unix.

os.fdatasync(fd)

Força de gravação de arquivo com descritor de arquivo fd no disco. Não força a atualização de metadados.

Disponibilidade: Unix.

Nota Esta função não está disponível no MacOS.

os.fpathconf(fdname)

Retorna informações de configuração de sistema relevantes para um arquivo aberto. name especifica o valor de configuração para recuperar; pode ser uma string que é o nome de um valor do sistema definido; estes nomes são especificados em uma série de padrões (POSIX.1, Unix 95, Unix 98 e outros). Algumas plataformas definem nomes adicionais também. Os nomes conhecidos do sistema operacional hospedeiro são dadas no dicionário pathconf_names. Para variáveis ​​de configuração não incluídas neste mapeamento, também é aceito passar um número inteiro para name.

Se name for uma string e não for conhecida, ValueError é levantada. Se um valor específico para name não for compatível com o sistema de host, mesmo que seja incluído no pathconf_names, uma OSError é levantada com errno.EINVAL como número do erro.

Assim como no Python 3.3, é equivalente a os.pathconf(fd, name).

Disponibilidade: Unix.

os.fstat(fd)

Captura o status do descritor de arquivo fd. Retorna um objeto stat_result.

Assim como no Python 3.3, é equivalente a os.stat(fd).

Ver também A função stat().

os.fstatvfs(fd)

Retorna informações sobre o sistema de arquivos que contém o arquivo associado com descritor de arquivo fd, como statvfs(). A partir do Python 3.3, isso equivale a os.statvfs(fd).

Disponibilidade: Unix.

os.fsync(fd)

Gravação à força no disco de arquivo com descritor de arquivo fd. No Unix, isto chama a função nativa fsync(); no Windows, a função de MS _commit().

Se você estiver começando com um objeto arquivo f em buffer do Python, primeiro use f.flush(), e depois use os.fsync(f.fileno()), para garantir que todos os buffers internos associados com f sejam gravados no disco.

Disponibilidade: Unix, Windows.

os.ftruncate(fdlength)

Trunca o arquivo correspondente ao descritor de arquivo fd, de modo que tenha no máximo length bytes de tamanho. A partir do Python 3.3, isto é equivalente a os.truncate(fd, length).

Levanta evento de auditoria os.truncate com os argumentos fdlength.

Disponibilidade: Unix, Windows.

Alterado na versão 3.5: Adicionado suporte para o Windows.

os.get_blocking(fd)

Obtém o modo de bloqueio do descritor de arquivo: False se o flag O_NONBLOCK estiver marcado, True se o flag estiver desmarcado.

Veja também set_blocking() e socket.socket.setblocking().

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.5.

os.isatty(fd)

Retorna True se o descritor de arquivo fd estiver aberto e conectado a um dispositivo do tipo tty, senão False.

os.lockf(fdcmdlen)

Aplica, testa ou remove um bloqueio POSIX em um descritor de arquivo aberto. fd é um descritor de arquivo aberto. cmd especifica o comando a ser usado - um dentre F_LOCKF_TLOCKF_ULOCK ou F_TESTlen especifica a seção do arquivo a ser bloqueada.

Levanta um evento de auditoria os.lockf com os argumentos fdcmdlen.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.F_LOCK

os.F_TLOCK

os.F_ULOCK

os.F_TEST

Flags que especificam qual ação lockf() vai realizar.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.lseek(fdposhow)

Define a posição atual do descritor de arquivo fd para a posição pos, modificada por howSEEK_SET ou 0 para definir a posição em relação ao início do arquivo; SEEK_CUR ou 1 para defini-la em relação à posição atual; SEEK_END ou 2 para defini-la em relação ao final do arquivo. Retorna a nova posição do cursor em bytes, a partir do início.

os.SEEK_SET

os.SEEK_CUR

os.SEEK_END

Parâmetros para a function lseek(). Seus valores são respectivamente 0, 1, e 2.

Novo na versão 3.3: Alguns sistemas operacionais podem suportar valores adicionais, como os.SEEK_HOLE ou os.SEEK_DATA.

os.open(pathflagsmode=511*dir_fd=None)

Abre o arquivo path e define várias flags de acordo com flags e, possivelmente, seu modo, de acordo com mode. Ao computar mode, o valor atual de umask é iniciar com máscara. Retorna o descritor de arquivo para o arquivo recém-aberto. O novo descritor de arquivo é non-inheritable.

Para ler uma descrição dos valores de flags e modos, veja a documentação de tempo de execução C; constantes de flag (como O_RDONLY e O_WRONLY) são definidas no módulo os. Em particular, no Windows é necessário adicionar O_BINARY para abrir arquivos em modo binário.

Esta função pode suportar paths relative to directory descriptors com o parâmetro dir_fd.

Levanta um evento de auditoria open com os argumentos pathmodeflags.

Alterado na versão 3.4: O novo descritor de arquivo agora é não-hereditário.

Nota Esta função é destinada a E/S de baixo nível. Para uso normal, use a função embutida open(), que retorna um arquivo objeto com os métodos read() e write() (e muitos mais). Para envolver um descritor de arquivo em um objeto arquivo, use fdopen().

Novo na versão 3.3: O argumento dir_fd.

Alterado na versão 3.5: Se a chamada de sistema é interrompida e o tratador de sinal não levanta uma exceção, a função agora tenta novamente a chamada de sistema em vez de levantar uma exceção InterruptedError (consulte PEP 475 para entender a lógica).

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

As seguintes constantes são opções para o parâmetro flags da função open(). Elas podem ser combinadas usando o operador bitwise OR |. Algumas delas não estão disponíveis em todas as plataformas. Para obter descrições de sua disponibilidade e uso, consulte a página do manual open(2) no Unix ou the MSDN no Windows.

os.O_RDONLY

os.O_WRONLY

os.O_RDWR

os.O_APPEND

os.O_CREAT

os.O_EXCL

os.O_TRUNC

As constantes acima estão disponíveis no Unix e Windows.

os.O_DSYNC

os.O_RSYNC

os.O_SYNC

os.O_NDELAY

os.O_NONBLOCK

os.O_NOCTTY

os.O_CLOEXEC

As constantes acima estão disponíveis apenas no Unix.

Alterado na versão 3.3: adiciona a constante O_CLOEXEC.

os.O_BINARY

os.O_NOINHERIT

os.O_SHORT_LIVED

os.O_TEMPORARY

os.O_RANDOM

os.O_SEQUENTIAL

os.O_TEXT

As constantes acima estão disponíveis apenas no Windows.

os.O_EVTONLY

os.O_FSYNC

os.O_SYMLINK

os.O_NOFOLLOW_ANY

The above constants are only available on macOS.

Alterado na versão 3.10: Add O_EVTONLYO_FSYNCO_SYMLINK and O_NOFOLLOW_ANY constants.

os.O_ASYNC

os.O_DIRECT

os.O_DIRECTORY

os.O_NOFOLLOW

os.O_NOATIME

os.O_PATH

os.O_TMPFILE

os.O_SHLOCK

os.O_EXLOCK

As constantes acima são extensões e não estarão presentes, se não forem definidos pela biblioteca C.

Alterado na versão 3.4: Adiciona O_PATH em sistemas que suportam. Adiciona O_TMPFILE, só está disponível em Linux Kernel 3.11 ou mais recente.

os.openpty()

Abrir um novo par de pseudo-terminal. Retorna um par de descritores de arquivos (master, slave) para o pty e o tty, respectivamente. Os novos descritores de arquivos são non-inheritable. Para uma abordagem (ligeiramente) mais portátil, use o módulo pty.

Availability: alguns tipos de Unix.

Alterado na versão 3.4: Os novos descritores de arquivos agora são não-herdáveis.

os.pipe()

Cria um encadeamento (pipe). Retorna um par de descritores de arquivos (r, w) usáveis para leitura e escrita, respectivamente. O novo descritor de arquivo é non-inheritable.

Disponibilidade: Unix, Windows.

Alterado na versão 3.4: Os novos descritores de arquivos agora são não-herdáveis.

os.pipe2(flags)

Cria um canal com flags definidos atomicamente. flags podem ser construídos por ORing junto a um ou mais destes valores: O_NONBLOCKO_CLOEXEC. Retorna um par de descritores de arquivos (r, w) utilizáveis para leitura e gravação, respectivamente.

Availability: alguns tipos de Unix.

Novo na versão 3.3.

os.posix_fallocate(fdoffsetlen)

Garante que espaço em disco suficiente seja alocado para o arquivo especificado por fd iniciando em offset e continuando por len bytes.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.posix_fadvise(fdoffsetlenadvice)

Anuncia a intenção de acessar dados em um padrão específico, permitindo assim que o kernel faça otimizações. O conteúdo em advice se aplica à região do arquivo especificado por fd, iniciando em offset e continuando por len bytes. advice é um entre POSIX_FADV_NORMALPOSIX_FADV_SEQUENTIALPOSIX_FADV_RANDOMPOSIX_FADV_NOREUSEPOSIX_FADV_WILLNEED ou POSIX_FADV_DONTNEED.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.POSIX_FADV_NORMAL

os.POSIX_FADV_SEQUENTIAL

os.POSIX_FADV_RANDOM

os.POSIX_FADV_NOREUSE

os.POSIX_FADV_WILLNEED

os.POSIX_FADV_DONTNEED

Sinalizadores que podem ser usados em advice em posix_fadvise() que especificam o padrão de acesso que provavelmente será usado.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.pread(fdnoffset)

Lê no máximo n bytes do descritor de arquivo fd na posição offset, mantendo o deslocamento do arquivo inalterado.

Retorna uma bytestring contendo os bytes lidos. Se o final do arquivo referido por fd for atingido, um objeto de bytes vazio será retornado.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.preadv(fdbuffersoffsetflags=0)

Lê de um descritor de arquivo fd na posição de offset em buffers mutáveis de objetos byte ou similar, deixando o deslocamento do arquivo inalterado. Transfere os dados para cada buffer até ficar cheio e depois passa para o próximo buffer na sequência para armazenar o restante dos dados.

O argumento flags contém um OR bit a bit de zero ou mais dos seguintes sinalizadores:

Retorna o número total de bytes realmente lidos, que pode ser menor que a capacidade total de todos os objetos.

O sistema operacional pode definir um limite (sysconf() valor 'SC_IOV_MAX') no número de buffers que podem ser usados.

Combina a funcionalidade de os.readv() e os.pread().

Disponibilidade: Linux 2.6.30 e posterior, FreeBSD 6.0 e posterior, OpenBSD 2.7 e posterior, AIX 7.1 ou posterior. O uso de sinalizadores requer Linux 4.6 ou posterior.

Novo na versão 3.7.

os.RWF_NOWAIT

Não aguarda por dados que não estão disponíveis imediatamente. Se esse sinalizador for especificado, a chamada do sistema retorna instantaneamente se for necessário ler dados do armazenamento de backup ou aguarda um bloqueio.

Se alguns dados foram lidos com sucesso, ele retorna o número de bytes lidos. Se nenhum bytes foi lido, ele retornará -1 e definirá errno como errno.EAGAIN.

Availability: Linux 4.14 e mais novos.

Novo na versão 3.7.

os.RWF_HIPRI

Alta prioridade de leitura/gravação. Permite sistemas de arquivos baseados em blocos para usar a consulta do dispositivo, que fornece latência inferior, mas pode usar recursos adicionais.

Atualmente, no Linux, esse recurso é usável apenas em um descritor de arquivo aberto usando o sinalizador O_DIRECT.

Availability: Linux 4.6 e mais novos.

Novo na versão 3.7.

os.pwrite(fdstroffset)

Lê no máximo n bytes do descritor de arquivo fd na posição offset, mantendo o deslocamento do arquivo inalterado.

Retorna o número de bytes realmente escritos.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.pwritev(fdbuffersoffsetflags=0)

Escreve o conteúdo de buffers no descritor de arquivo fd em um deslocamento offset, deixando o deslocamento do arquivo inalterado. buffers deve ser uma sequência de objetos byte ou similar. Os buffers são processados em ordem de vetor. Todo o conteúdo do primeiro buffer é gravado antes de prosseguir para o segundo, e assim por diante.

O argumento flags contém um OR bit a bit de zero ou mais dos seguintes sinalizadores:

Retorna o número total de bytes realmente escritos.

O sistema operacional pode definir um limite (sysconf() valor 'SC_IOV_MAX') no número de buffers que podem ser usados.

Combina a funcionalidade de os.writev() e os.pwrite().

Disponibilidade: Linux 2.6.30 e posterior, FreeBSD 6.0 e posterior, OpenBSD 2.7 e posterior, AIX 7.1 ou posterior. O uso de sinalizadores requer Linux 4.7 ou posterior.

Novo na versão 3.7.

os.RWF_DSYNC

Provide a per-write equivalent of the O_DSYNC os.open() flag. This flag effect applies only to the data range written by the system call.

Disponibilidade: Linux 4.7 e mais novos.

Novo na versão 3.7.

os.RWF_SYNC

Provide a per-write equivalent of the O_SYNC os.open() flag. This flag effect applies only to the data range written by the system call.

Disponibilidade: Linux 4.7 e mais novos.

Novo na versão 3.7.

os.RWF_APPEND

Provide a per-write equivalent of the O_APPEND os.open() flag. This flag is meaningful only for os.pwritev(), and its effect applies only to the data range written by the system call. The offset argument does not affect the write operation; the data is always appended to the end of the file. However, if the offset argument is -1, the current file offset is updated.

Availability: Linux 4.16 and newer.

Novo na versão 3.10.

os.read(fdn)

Lê no máximo n bytes do descritor de arquivos fd.

Retorna uma bytestring contendo os bytes lidos. Se o final do arquivo referido por fd for atingido, um objeto de bytes vazio será retornado.

Nota Esta função destina-se a E/S de baixo nível e deve ser aplicada a um descritor de arquivo retornado por os.open() ou pipe(). Para ler um “objeto arquivo” retornado pela função embutida open() ou por popen() ou fdopen(), ou sys.stdin, use seus métodos read() ou readline().

Alterado na versão 3.5: Se a chamada de sistema é interrompida e o tratador de sinal não levanta uma exceção, a função agora tenta novamente a chamada de sistema em vez de levantar uma exceção InterruptedError (consulte PEP 475 para entender a lógica).

os.sendfile(out_fdin_fdoffsetcount)

os.sendfile(out_fdin_fdoffsetcountheaders=()trailers=()flags=0)

Copia count bytes do descritor de arquivo in_fd para o descritor de arquivo out_fd começando em offset. Retorna o número de bytes enviados. Quando o EOF é alcançado, retorna 0.

A primeira notação de função é suportada por todas as plataformas que definem sendfile().

No Linux, se offset for fornecido como None, os bytes são lidos da posição atual de in_fd e a posição de in_fd é atualizada.

The second case may be used on macOS and FreeBSD where headers and trailers are arbitrary sequences of buffers that are written before and after the data from in_fd is written. It returns the same as the first case.

On macOS and FreeBSD, a value of 0 for count specifies to send until the end of in_fd is reached.

Todas as plataformas tem suporte a soquetes como descritor de arquivo out_fd, e algumas plataformas permitem outros tipos (por exemplo, arquivo regular, encadeamento) também.

Os aplicativos de plataforma cruzada não devem usar os argumentos headerstrailers e flags.

Disponibilidade: Unix.

Nota Para um wrapper de nível superior de sendfile(), consulte socket.socket.sendfile().

Novo na versão 3.3.

Alterado na versão 3.9: Os parâmetros out e in foram renomeados para out_fd e in_fd.

os.set_blocking(fdblocking)

Define o modo de bloqueio do descritor de arquivo especificado. Define o sinalizador O_NONBLOCK se bloqueio for False; do contrário, limpa o sinalizador.

Veja também get_blocking() e socket.socket.setblocking().

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.5.

os.SF_NODISKIO

os.SF_MNOWAIT

os.SF_SYNC

Parâmetros para a função sendfile(), se a implementação tiver suporte a eles.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.splice(srcdstcountoffset_src=Noneoffset_dst=None)

Transfer count bytes from file descriptor src, starting from offset offset_src, to file descriptor dst, starting from offset offset_dst. At least one of the file descriptors must refer to a pipe. If offset_src is None, then src is read from the current position; respectively for offset_dst. The offset associated to the file descriptor that refers to a pipe must be None. The files pointed by src and dst must reside in the same filesystem, otherwise an OSError is raised with errno set to errno.EXDEV.

Essa cópia é feita sem o custo adicional de transferência de dados do kernel para o espaço do usuário e, em seguida, volta para o kernel. Além disso, alguns sistemas de arquivos poderiam implementar otimizações extras. A cópia é feita como se ambos os arquivos estivessem abertos como binários.

Upon successful completion, returns the number of bytes spliced to or from the pipe. A return value of 0 means end of input. If src refers to a pipe, then this means that there was no data to transfer, and it would not make sense to block because there are no writers connected to the write end of the pipe.

Availability: Linux kernel >= 2.6.17 and glibc >= 2.5

Novo na versão 3.10.

os.SPLICE_F_MOVE

os.SPLICE_F_NONBLOCK

os.SPLICE_F_MORE

Novo na versão 3.10.

os.readv(fdbuffers)

Lê de um descritor de arquivo fd em um número de buffers mutáveis objetos byte ou similar. Transfere os dados para cada buffer até que esteja cheio e, a seguir, vai para o próximo buffer na sequência para armazenar o restante dos dados.

Retorna o número total de bytes realmente lidos, que pode ser menor que a capacidade total de todos os objetos.

O sistema operacional pode definir um limite (sysconf() valor 'SC_IOV_MAX') no número de buffers que podem ser usados.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.tcgetpgrp(fd)

Retorna o grupo de processos associado ao terminal fornecido por fd (um descritor de arquivo aberto conforme retornado por os.open()).

Disponibilidade: Unix.

os.tcsetpgrp(fdpg)

Define o grupo de processos associado ao terminal fornecido por fd (um descritor de arquivo aberto conforme retornado por os.open()) para pg.

Disponibilidade: Unix.

os.ttyname(fd)

Retorna uma string que especifica o dispositivo de terminal associado ao descritor de arquivo fd. Se fd não estiver associado a um dispositivo de terminal, uma exceção é levantada.

Disponibilidade: Unix.

os.write(fdstr)

Escreve o bytestring em str no descritor de arquivo fd.

Retorna o número de bytes realmente escritos.

Nota Esta função destina-se a E/S de baixo nível e deve ser aplicada a um descritor de arquivo retornado por os.open() ou pipe(). Para escrever um “objeto arquivo” retornado pela função embutida open() ou por popen() ou fdopen(), ou sys.stdout ou sys.stderr, use seu método write().

Alterado na versão 3.5: Se a chamada de sistema é interrompida e o tratador de sinal não levanta uma exceção, a função agora tenta novamente a chamada de sistema em vez de levantar uma exceção InterruptedError (consulte PEP 475 para entender a lógica).

os.writev(fdbuffers)

Escreve o conteúdo de buffers no descritor de arquivo fdbuffers deve ser uma sequência de objetos byte ou similar. Os buffers são processados em ordem de vetor. Todo o conteúdo do primeiro buffer é gravado antes de prosseguir para o segundo, e assim por diante.

Retorna o número total de bytes realmente escritos.

O sistema operacional pode definir um limite (sysconf() valor 'SC_IOV_MAX') no número de buffers que podem ser usados.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

Consultando o tamanho de um terminal

Novo na versão 3.3.

os.get_terminal_size(fd=STDOUT_FILENO)

Retorna o tamanho da janela do terminal como (columns, lines), tupla do tipo terminal_size.

O argumento opcional fd (padrão STDOUT_FILENO, ou saída padrão) especifica qual descritor de arquivo deve ser consultado.

Se o descritor de arquivo não estiver conectado a um terminal, uma OSError é levantada.

shutil.get_terminal_size() é a função de alto nível que normalmente deve ser usada, os.get_terminal_size é a implementação de baixo nível.

Disponibilidade: Unix, Windows.

class os.terminal_size

Uma subclasse de tupla, contendo (columns, lines) do tamanho da janela do terminal.

columns

Largura da janela do terminal em caracteres.

lines

Altura da janela do terminal em caracteres.

Herança de descritores de arquivos

Novo na versão 3.4.

Um descritor de arquivo tem um sinalizador “herdável” que indica se o descritor de arquivo pode ser herdado por processos filho. Desde o Python 3.4, os descritores de arquivo criados pelo Python não são herdáveis por padrão.

No UNIX, os descritores de arquivo não herdáveis são fechados em processos filho na execução de um novo programa, outros descritores de arquivo são herdados.

No Windows, identificadores não herdáveis e descritores de arquivo são fechados em processos filho, exceto para fluxos padrão (descritores de arquivo 0, 1 e 2: stdin, stdout e stderr), que são sempre herdados. Usando as funções spawn*, todos os identificadores herdáveis e todos os descritores de arquivo herdáveis são herdados. Usando o módulo subprocess, todos os descritores de arquivo, exceto fluxos padrão, são fechados, e os manipuladores herdáveis são herdados apenas se o parâmetro close_fds for False.

os.get_inheritable(fd)

Obtém o sinalizador “herdável” do descritor de arquivo especificado (um booleano).

os.set_inheritable(fdinheritable)

Define o sinalizador “herdável” do descritor de arquivo especificado.

os.get_handle_inheritable(handle)

Obtém o sinalizador “herdável” do manipulador especificado (um booleano).

Disponibilidade: Windows.

os.set_handle_inheritable(handleinheritable)

Define o sinalizador “herdável” do manipulador especificado.

Disponibilidade: Windows.

Arquivos e diretórios

Em algumas plataformas Unix, muitas dessas funções suportam um ou mais destes recursos:

  • especificar um descritor de arquivo: Normalmente o argumento path fornecido para funções no módulo os deve ser uma string especificando um caminho de arquivo. No entanto, algumas funções agora aceitam alternativamente um descritor de arquivo aberto para seu argumento path. A função então operará no arquivo referido pelo descritor. (Para sistemas POSIX, Python irá chamar a variante da função prefixada com f (por exemplo, chamar fchdir em vez de chdir).)
  • Você pode verificar se path pode ser especificado ou não como um descritor de arquivo para uma função particular em sua plataforma usando os.supports_fd. Se esta funcionalidade não estiver disponível, usá-la levantará uma NotImplementedError.
  • Se a função também suportar os argumentos dir_fd ou follow_symlinks, é um erro especificar um deles ao fornecer path como um descritor de arquivo.
  • caminhos relativos aos descritores de diretório: Se dir_fd não for None, deve ser um descritor de arquivo referindo-se a um diretório, e o caminho para operar deve ser relativo; o caminho será relativo a esse diretório. Se o caminho for absoluto, dir_fd será ignorado. (Para sistemas POSIX, Python irá chamar a variante da função com um sufixo at e possivelmente prefixado com f (por exemplo, chame faccessat ao invés de access).
  • Você pode verificar se dir_fd é suportado ou não para uma função particular em sua plataforma usando os.supports_dir_fd. Se não estiver disponível, usá-lo levantará uma NotImplementedError.
  • não seguir links simbólicos: Se follow_symlinks for False, e o último elemento do caminho para operar for um link simbólico, a função irá operar no próprio link simbólico ao invés do arquivo apontado pelo link. (Para sistemas POSIX, Python irá chamar a variante l... da função.)
  • Você pode verificar se follow_symlinks é suportado ou não para uma função particular em sua plataforma usando os.supports_follow_symlinks. Se não estiver disponível, usá-lo levantará uma NotImplementedError.

os.access(pathmode*dir_fd=Noneeffective_ids=Falsefollow_symlinks=True)

Usa o uid/gid real para testar o acesso ao path. Observe que a maioria das operações usará o uid/gid efetivo, portanto, essa rotina pode ser usada em um ambiente suid/sgid para testar se o usuário de chamada tem o acesso especificado ao pathmode deve ser F_OK para testar a existência de path, ou pode ser o OU inclusivo de um ou mais dos R_OKW_OK, e X_OK para testar as permissões. Retorna True se o acesso for permitido, False se não for. Veja a página man do Unix access(2) para mais informações.

Esta função pode suportar a especificação de caminhos relativos aos descritores de diretório e não seguir os links simbólicos.

Se effective_ids for Trueaccess() irá realizar suas verificações de acesso usando o uid/gid efetivo ao invés do uid/gid real. effective_ids pode não ser compatível com sua plataforma; você pode verificar se está ou não disponível usando os.supports_effective_ids. Se não estiver disponível, usá-lo levantará uma NotImplementedError.

Nota Usar access() para verificar se um usuário está autorizado a, por exemplo, abrir um arquivo antes de realmente fazer isso usando open() cria uma brecha de segurança, porque o usuário pode explorar o curto intervalo de tempo entre a verificação e a abertura do arquivo para manipulá-lo. É preferível usar as técnicas EAFP. Por exemplo:

if os.access("myfile", os.R_OK):
    with open("myfile") as fp:
        return fp.read()
return "some default data"

é melhor escrito como:

try:
    fp = open("myfile")
except PermissionError:
    return "some default data"
else:
    with fp:
        return fp.read()

Nota As operações de E/S podem falhar mesmo quando access() indica que elas teriam sucesso, particularmente para operações em sistemas de arquivos de rede que podem ter semântica de permissões além do modelo de bits de permissão POSIX usual.

Alterado na versão 3.3: Adicionados os parâmetros dir_fdeffective_ids e follow_symlinks.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.F_OK

os.R_OK

os.W_OK

os.X_OK

Valores a serem passados como o parâmetro mode de access() para testar a existência, legibilidade, capacidade de escrita e executabilidade de path, respectivamente.

os.chdir(path)

Altera o diretório de trabalho atual para path.

Esta função pode ter suporte a especificar um descritor de arquivo. O descritor deve fazer referência a um diretório aberto, não a um arquivo aberto.

Esta função pode levantar OSError e subclasses como FileNotFoundErrorPermissionError e NotADirectoryError.

Levanta um evento de auditoria os.chdir com o argumento path.

Novo na versão 3.3: Adicionado suporte para especificar path como um descritor de arquivo em algumas plataformas.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.chflags(pathflags*follow_symlinks=True)

Define os sinalizadores de path para os flags numéricos. flags podem assumir uma combinação (OU bit a bit) dos seguintes valores (conforme definido no módulo stat):

Esta função pode ter suporte a não seguir links simbólicos.

Levanta um evento de auditoria os.chflags com os argumentos pathflags.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3: O argumento follow_symlinks.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.chmod(pathmode*dir_fd=Nonefollow_symlinks=True)

Altera o modo de path para o mode numérico. mode pode assumir um dos seguintes valores (conforme definido no módulo stat) ou combinações de OU bit a bit deles:

Esta função pode ter suporte a especificar um descritor de arquivocaminhos relativos aos descritores de diretório e não seguir os links simbólicos.

Nota Embora o Windows tenha suporte ao chmod(), você só pode definir o sinalizador de somente leitura do arquivo com ele (através das constantes stat.S_IWRITE e stat.S_IREAD ou um valor inteiro correspondente). Todos os outros bits são ignorados.

Levanta um evento de auditoria os.chmod com os argumentos pathmodedir_fd.

Novo na versão 3.3: Adicionado suporte para especificar path como um descritor de arquivo aberto e os argumentos dir_fd e follow_symlinks.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.chown(pathuidgid*dir_fd=Nonefollow_symlinks=True)

Altera o proprietário e o id de grupo de path para uid e gid numéricos. Para deixar um dos ids inalterado, defina-o como -1.

Esta função pode ter suporte a especificar um descritor de arquivocaminhos relativos aos descritores de diretório e não seguir os links simbólicos.

Consulte shutil.chown() para uma função de alto nível que aceita nomes além de ids numéricos.

Levanta um evento de auditoria os.chown com os argumentos pathuidgiddir_fd.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3: Adicionado suporte para especificar path como um descritor de arquivo aberto e os argumentos dir_fd e follow_symlinks.

Alterado na versão 3.6: Suporta um objeto caminho ou similar.

os.chroot(path)

Altera o diretório raiz do processo atual para path

Disponibilidade: Unix.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.fchdir(fd)

Altera o diretório de trabalho atual para o diretório representado pelo descritor de arquivo fd. O descritor deve se referir a um diretório aberto, não a um arquivo aberto. No Python 3.3, isso é equivalente a os.chdir(fd).

Levanta um evento de auditoria os.chdir com o argumento path.

Disponibilidade: Unix.

os.getcwd()

Retorna uma string representando o diretório de trabalho atual.

os.getcwdb()

Retorna uma bytestring representando o diretório de trabalho atual.

Alterado na versão 3.8: A função agora usa a codificação UTF-8 no Windows, em vez da página de código ANSI: consulte a PEP 529 para a justificativa. A função não está mais descontinuada no Windows.

os.lchflags(pathflags)

Define os sinalizadores de path para os flags numéricos, como chflags(), mas não segue links simbólicos. No Python 3.3, isso é equivalente a os.chflags(path, flags, follow_symlinks=False).

Levanta um evento de auditoria os.chflags com os argumentos pathflags.

Disponibilidade: Unix.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.lchmod(pathmode)

Altera o modo de path para o mode numérico. Se o caminho for um link simbólico, isso afetará o link simbólico em vez do destino. Veja a documentação de chmod() para valores possíveis de mode. No Python 3.3, isso é equivalente a os.chmod(path, mode, follow_symlinks=False).

Levanta um evento de auditoria os.chmod com os argumentos pathmodedir_fd.

Disponibilidade: Unix.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.lchown(pathuidgid)

Altera o proprietário e o id de grupo de path para uid e gid numéricos. Esta função não seguirá links simbólicos. No Python 3.3, isso é equivalente a os.chown(path, uid, gid, follow_symlinks=False).

Levanta um evento de auditoria os.chown com os argumentos pathuidgiddir_fd.

Disponibilidade: Unix.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.link(srcdst*src_dir_fd=Nonedst_dir_fd=Nonefollow_symlinks=True)

Cria um link físico apontando para src chamado dst.

Esta função pode suportar a especificação de src_dir_fd e/ou dst_dir_fd para fornecer caminhos relativos a descritores de diretório e não seguir links simbólicos.

Levanta um evento de auditoria os.link com argumentos srcdstsrc_dir_fddst_dir_fd.

Disponibilidade: Unix, Windows.

Alterado na versão 3.2: Adicionado suporte ao Windows.

Novo na versão 3.3: Adiciona os argumentos src_dir_fddst_dir_fd e follow_symlinks.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar para src e dst.

os.listdir(path='.')

Retorna uma lista contendo os nomes das entradas no diretório fornecido por path. A lista está em ordem arbitrária e não inclui as entradas especiais '.' e '..' mesmo se estiverem presentes no diretório. Se um arquivo for removido ou adicionado ao diretório durante a chamada desta função, não é especificado se um nome para esse arquivo deve ser incluído.

path pode ser um objeto caminho ou similar. Se path for do tipo bytes (direta ou indiretamente por meio da interface PathLike), os nomes de arquivo retornados também serão do tipo bytes; em todas as outras circunstâncias, eles serão do tipo str.

Esta função também pode ter suporte a especificar um descritor de arquivo; o descritor de arquivo deve fazer referência a um diretório.

Levanta um evento de auditoria os.listdir com o argumento path.

Nota Para codificar nomes de arquivos str para bytes, use fsencode().

Ver também A função scandir() retorna entradas de diretório junto com informações de atributo de arquivo, dando melhor desempenho para muitos casos de uso comuns.

Alterado na versão 3.2: O parâmetro path tornou-se opcional.

Novo na versão 3.3: Adicionado suporte para especificar path como um descritor de arquivo aberto.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.lstat(path*dir_fd=None)

Executa o equivalente a uma chamada de sistema lstat() no caminho fornecido. Semelhante a stat(), mas não segue links simbólicos. Retorna um objeto stat_result.

Em plataformas que não têm suporte a links simbólicos, este é um alias para stat().

No Python 3.3, isso é equivalente a os.stat(path, dir_fd=dir_fd, follow_symlinks=False).

Esta função também pode ter suporte a caminhos relativos a descritores de diretório.

Ver também A função stat().

Alterado na versão 3.2: Adicionado suporte para links simbólicos do Windows 6.0 (Vista).

Alterado na versão 3.3: Adicionado o parâmetro dir_fd.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

Alterado na versão 3.8: No Windows, agora abre pontos de nova análise que representam outro caminho (substitutos de nome), incluindo links simbólicos e junções de diretório. Outros tipos de pontos de nova análise são resolvidos pelo sistema operacional como para stat().

os.mkdir(pathmode=511*dir_fd=None)

Cria um diretório chamado path com o modo numérico mode.

Se o diretório já existe, FileExistsError é levantada.

Em alguns sistemas, mode é ignorado. Onde ele é usado, o valor atual do umask é primeiro mascarado. Se bits diferentes dos últimos 9 (ou seja, os últimos 3 dígitos da representação octal do mode) são definidos, seu significado depende da plataforma. Em algumas plataformas, eles são ignorados e você deve chamar chmod() explicitamente para defini-los.

Esta função também pode ter suporte a caminhos relativos a descritores de diretório.

Também é possível criar diretórios temporários; veja a função tempfile.mkdtemp() do módulo tempfile.

Levanta um evento de auditoria os.mkdir com os argumentos pathmodedir_fd.

Novo na versão 3.3: O argumento dir_fd.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.makedirs(namemode=511exist_ok=False)

Função de criação recursiva de diretório. Como mkdir(), mas torna todos os diretórios de nível intermediário necessários para conter o diretório folha.

O parâmetro mode é passado para mkdir() para criar o diretório folha; veja a descrição do mkdir() para como é interpretado. Para definir os bits de permissão de arquivo de qualquer diretório pai recém-criado, você pode definir o umask antes de invocar makedirs(). Os bits de permissão de arquivo dos diretórios pais existentes não são alterados.

Se exist_ok for False (o padrão), uma FileExistsError é levantada se o diretório alvo já existir.

Nota makedirs() ficará confuso se os elementos do caminho a serem criados incluírem pardir (por exemplo, “..” em sistemas UNIX).

Esta função trata os caminhos UNC corretamente.

Levanta um evento de auditoria os.mkdir com os argumentos pathmodedir_fd.

Novo na versão 3.2: O parâmetro exist_ok.

Alterado na versão 3.4.1: Antes do Python 3.4.1, se exist_ok fosse True e o diretório existisse, makedirs() ainda levantaria um erro se mode não correspondesse ao modo do diretório existente. Como esse comportamento era impossível de implementar com segurança, ele foi removido no Python 3.4.1. Consulte bpo-21082.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

Alterado na versão 3.7: O argumento mode não afeta mais os bits de permissão de arquivo de diretórios de nível intermediário recém-criados.

os.mkfifo(pathmode=438*dir_fd=None)

Cria um FIFO (um encadeamento nomeado) chamado path com o modo numérico mode. O valor atual de umask é primeiro mascarado do modo.

Esta função também pode ter suporte a caminhos relativos a descritores de diretório.

FIFOs são canais que podem ser acessados como arquivos regulares. FIFOs existem até que sejam excluídos (por exemplo, com os.unlink()). Geralmente, os FIFOs são usados como ponto de encontro entre os processos do tipo “cliente” e “servidor”: o servidor abre o FIFO para leitura e o cliente para escrita. Observe que mkfifo() não abre o FIFO – apenas cria o ponto de encontro.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3: O argumento dir_fd.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.mknod(pathmode=384device=0*dir_fd=None)

Cria um nó de sistema de arquivos (arquivo, arquivo especial de dispositivo ou canal nomeado) chamado pathmode especifica as permissões de uso e o tipo de nó a ser criado, sendo combinado (OU bit a bit) com um de stat.S_IFREGstat.S_IFCHRstat.S_IFBLK , e stat.S_IFIFO (essas constantes estão disponíveis em stat). Para stat.S_IFCHR e stat.S_IFBLKdevice define o arquivo especial do dispositivo recém-criado (provavelmente usando os.makedev()), caso contrário, ele será ignorado.

Esta função também pode ter suporte a caminhos relativos a descritores de diretório.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3: O argumento dir_fd.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.major(device)

Extrai o número principal de dispositivo de um número bruto de dispositivo (normalmente o campo st_dev ou st_rdev de stat).

os.minor(device)

Extrai o número secundário de dispositivo de um número bruto de dispositivo (geralmente o campo st_dev ou st_rdev de stat).

os.makedev(majorminor)

Compõe um número de dispositivo bruto a partir dos números de dispositivo principais e secundários.

os.pathconf(pathname)

Retorna informações de configuração do sistema relevantes para um arquivo nomeado. name especifica o valor de configuração a ser recuperado; pode ser uma string que é o nome de um valor de sistema definido; esses nomes são especificados em vários padrões (POSIX.1, Unix 95, Unix 98 e outros). Algumas plataformas também definem nomes adicionais. Os nomes conhecidos do sistema operacional do host são fornecidos no dicionário pathconf_names. Para variáveis de configuração não incluídas nesse mapeamento, passar um número inteiro para name também é aceito.

Se name for uma string e não for conhecida, ValueError é levantada. Se um valor específico para name não for compatível com o sistema de host, mesmo que seja incluído no pathconf_names, uma OSError é levantada com errno.EINVAL como número do erro.

Esta função tem suporte a especificar um descritor de arquivo.

Disponibilidade: Unix.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.pathconf_names

Nomes de mapeamento de dicionário aceitos por pathconf() e fpathconf() para os valores inteiros definidos para esses nomes pelo sistema operacional do host. Isso pode ser usado para determinar o conjunto de nomes conhecidos pelo sistema.

Disponibilidade: Unix.

os.readlink(path*dir_fd=None)

Retorna uma string representando o caminho para o qual o link simbólico aponta. O resultado pode ser um nome de caminho absoluto ou relativo; se for relativo, pode ser convertido para um caminho absoluto usando os.path.join(os.path.dirname(path), result).

Se o path for um objeto string (direta ou indiretamente por meio de uma interface PathLike), o resultado também será um objeto string e a chamada pode levantará um UnicodeDecodeError. Se o path for um objeto de bytes (direto ou indireto), o resultado será um objeto de bytes.

Esta função também pode ter suporte a caminhos relativos a descritores de diretório.

Ao tentar resolver um caminho que pode conter links, use realpath() para lidar corretamente com a recursão e as diferenças de plataforma.

Disponibilidade: Unix, Windows.

Alterado na versão 3.2: Adicionado suporte para links simbólicos do Windows 6.0 (Vista).

Novo na versão 3.3: O argumento dir_fd.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar no Unix.

Alterado na versão 3.8: Aceita um objeto caminho ou similar e um objeto bytes no Windows.

Alterado na versão 3.8: Adicionado suporte para junções de diretório e alterado para retornar o caminho de substituição (que normalmente inclui o prefixo \\?\) ao invés do campo opcional “print name” que era retornado anteriormente.

os.remove(path*dir_fd=None)

Remove (exclui) o arquivo path. Se path for um diretório, uma IsADirectoryError é levantada. Use rmdir() para remover diretórios. Se o arquivo não existir, uma FileNotFoundError é levantada.

Esta função tem suporte a caminhos relativos para descritores de diretório.

No Windows, a tentativa de remover um arquivo que está em uso causa o surgimento de uma exceção; no Unix, a entrada do diretório é removida, mas o armazenamento alocado para o arquivo não é disponibilizado até que o arquivo original não esteja mais em uso.

Esta função é semanticamente idêntica a unlink().

Levanta um evento de auditoria os.remove com argumentos pathdir_fd.

Novo na versão 3.3: O argumento dir_fd.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.removedirs(name)

Remove os diretórios recursivamente. Funciona como rmdir(), exceto que, se o diretório folha for removido com sucesso, removedirs() tenta remover sucessivamente todos os diretórios pai mencionados em path até que um erro seja levantado (que é ignorado, porque geralmente significa que um diretório pai não está vazio). Por exemplo, os.removedirs('foo/bar/baz') primeiro removerá o diretório 'foo/bar/baz', e então removerá 'foo/bar' e 'foo' se estiverem vazios. Levanta OSError se o diretório folha não pôde ser removido com sucesso.

Levanta um evento de auditoria os.remove com argumentos pathdir_fd.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.rename(srcdst*src_dir_fd=Nonedst_dir_fd=None)

Renomeia o arquivo ou diretório src para dst. Se dst existir, a operação falhará com uma subclasse OSError em vários casos:

No Windows, se dst existir, uma FileExistsError é sempre levantada.

No Unix, se src é um arquivo e dst é um diretório ou vice-versa, uma IsADirectoryError ou uma NotADirectoryError será levantada respectivamente. Se ambos forem diretórios e dst estiver vazio, dst será substituído silenciosamente. Se dst for um diretório não vazio, uma OSError é levantada. Se ambos forem arquivos, dst será substituído silenciosamente se o usuário tiver permissão. A operação pode falhar em alguns tipos de Unix se src e dst estiverem em sistemas de arquivos diferentes. Se for bem-sucedido, a renomeação será uma operação atômica (este é um requisito POSIX).

Esta função pode suportar a especificação de src_dir_fd e/ou dst_dir_fd para fornecer caminhos relativos a descritores de diretório.

Se você quiser sobrescrita multiplataforma do destino, use replace().

Levanta um evento de auditoria os.rename com argumentos srcdstsrc_dir_fddst_dir_fd.

Novo na versão 3.3: Os argumentos src_dir_fd e dst_dir_fd.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar para src e dst.

os.renames(oldnew)

Diretório recursivo ou função de renomeação de arquivo. Funciona como rename(), exceto que a criação de qualquer diretório intermediário necessário para tornar o novo nome de caminho bom é tentada primeiro. Após a renomeação, os diretórios correspondentes aos segmentos de caminho mais à direita do nome antigo serão removidos usando removedirs().

Nota Esta função pode falhar com a nova estrutura de diretório criada se você não tiver as permissões necessárias para remover o arquivo ou diretório folha.

Levanta um evento de auditoria os.rename com argumentos srcdstsrc_dir_fddst_dir_fd.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar para old e new.

os.replace(srcdst*src_dir_fd=Nonedst_dir_fd=None)

Renomeia o arquivo ou diretório src para dst. Se dst for um diretório, OSError será levantada. Se dst existir e for um arquivo, ele será substituído silenciosamente se o usuário tiver permissão. A operação pode falhar se src e dst estiverem em sistemas de arquivos diferentes. Se for bem-sucedido, a renomeação será uma operação atômica (este é um requisito POSIX).

Esta função pode suportar a especificação de src_dir_fd e/ou dst_dir_fd para fornecer caminhos relativos a descritores de diretório.

Levanta um evento de auditoria os.rename com argumentos srcdstsrc_dir_fddst_dir_fd.

Novo na versão 3.3.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar para src e dst.

os.rmdir(path*dir_fd=None)

Remove (exclui) o diretório path. Se o diretório não existe ou não está vazio, uma FileNotFoundError ou uma OSError é levantada respectivamente. Para remover árvores de diretório inteiras, pode ser usada shutil.rmtree().

Esta função tem suporte a caminhos relativos para descritores de diretório.

Levanta um evento de auditoria os.rmdir com argumentos pathdir_fd.

Novo na versão 3.3: O parâmetro dir_fd.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.scandir(path='.')

Retorna um iterador de objetos os.DirEntry correspondentes às entradas no diretório fornecido por path. As entradas são produzidas em ordem arbitrária, e as entradas especiais '.' e '..' não são incluídas. Se um arquivo for removido ou adicionado ao diretório após a criação do iterador, não é especificado se uma entrada para esse arquivo deve ser incluída.

Usar scandir() em vez de listdir() pode aumentar significativamente o desempenho do código que também precisa de tipo de arquivo ou informações de atributo de arquivo, porque os objetos os.DirEntry expõem essas informações se o sistema operacional fornecer ao digitalizar um diretório. Todos os métodos de os.DirEntry podem realizar uma chamada de sistema, mas is_dir() e is_file() normalmente requerem apenas uma chamada de sistema para links simbólicos; os.DirEntry.stat() sempre requer uma chamada de sistema no Unix, mas requer apenas uma para links simbólicos no Windows.

path pode ser um objeto caminho ou similar. Se path for do tipo bytes (direta ou indiretamente por meio da interface PathLike), o tipo do atributo name e path de cada os.DirEntry serão bytes; em todas as outras circunstâncias, eles serão do tipo str.

Esta função também pode ter suporte a especificar um descritor de arquivo; o descritor de arquivo deve fazer referência a um diretório.

Levanta um evento de auditoria os.scandir com o argumento path.

O iterador scandir() suporta o protocolo gerenciador de contexto e tem o seguinte método:

scandir.close()

Fecha o iterador e libera os recursos adquiridos.

Isso é chamado automaticamente quando o iterador se esgota ou é coletado como lixo, ou quando ocorre um erro durante a iteração. No entanto, é aconselhável chamá-lo explicitamente ou usar a instrução with.

Novo na versão 3.6.

O exemplo a seguir mostra um uso simples de scandir() para exibir todos os arquivos (excluindo diretórios) no path fornecido que não começa com '.'. A chamada entry.is_file() geralmente não fará uma chamada de sistema adicional:


with os.scandir(path) as it:
    for entry in it:
        if not entry.name.startswith('.') and entry.is_file():
            print(entry.name)

Nota Em sistemas baseados no Unix, scandir() usa o sistema opendir() e as funções readdir(). No Windows, ela usa os funções FindFirstFileW e FindNextFileW do Win32.

Novo na versão 3.5.

Novo na versão 3.6: Adicionado suporte para o protocolo gerenciador de contexto e o método close(). Se um iterador scandir() não estiver esgotado nem explicitamente fechado, uma ResourceWarning será emitida em seu destruidor.

A função aceita um objeto caminho ou similar.

Alterado na versão 3.7: Adicionado suporte para descritores de arquivo no Unix.

class os.DirEntry

Objeto produzido por scandir() para expor o caminho do arquivo e outros atributos de arquivo de uma entrada de diretório.

scandir() fornecerá o máximo possível dessas informações sem fazer chamadas de sistema adicionais. Quando uma chamada de sistema stat() ou lstat() é feita, o objeto os.DirEntry irá armazenar o resultado em cache.

As instâncias de os.DirEntry não devem ser armazenadas em estruturas de dados de longa duração; se você sabe que os metadados do arquivo foram alterados ou se passou muito tempo desde a chamada de scandir(), chame os.stat(entry.path) para obter informações atualizadas.

Como os métodos os.DirEntry podem fazer chamadas ao sistema operacional, eles também podem levantar OSError. Se você precisa de um controle muito refinado sobre os erros, você pode pegar OSError ao chamar um dos métodos os.DirEntry e manipular conforme apropriado.

Para ser diretamente utilizável como um objeto caminho ou similaros.DirEntry implementa a interface PathLike.

Atributos e métodos em uma instância de os.DirEntry são os seguintes:

name

O nome do arquivo base da entrada, relativo ao argumento path de scandir().

O atributo name será bytes se o argumento path de scandir() for do tipo bytes e, caso contrário, str. Usa fsdecode() para decodificar nomes de arquivos de bytes.

path

O nome do caminho completo da entrada: equivalente a os.path.join(scandir_path, entry.name) onde scandir_path é o argumento path de scandir(). O caminho só é absoluto se o argumento path de scandir() for absoluto. Se o argumento path de scandir() era um descritor de arquivo, o atributo path é o mesmo que o atributo name.

O atributo path será bytes se o argumento path de scandir() for do tipo bytes e, caso contrário, str. Usa fsdecode() para decodificar nomes de arquivos de bytes.

inode()

Retorna o número de nó-i da entrada.

O resultado é armazenado em cache no objeto os.DirEntry. Use os.stat(entry.path, follow_symlinks=False).st_ino para obter informações atualizadas.

Na primeira chamada sem cache, uma chamada de sistema é necessária no Windows, mas não no Unix.

is_dir(*follow_symlinks=True)

Retorna True se esta entrada for um diretório ou um link simbólico apontando para um diretório; retorna False se a entrada é ou aponta para qualquer outro tipo de arquivo, ou se ele não existe mais.

Se follow_symlinks for False, retorna True apenas se esta entrada for um diretório (sem seguir os links simbólicos); retorna False se a entrada for qualquer outro tipo de arquivo ou se ele não existe mais.

O resultado é armazenado em cache no objeto os.DirEntry, com um cache separado para follow_symlinks True e False. Chama os.stat() junto com stat.S_ISDIR() para buscar informações atualizadas.

Na primeira chamada sem cache, nenhuma chamada do sistema é necessária na maioria dos casos. Especificamente, para links não simbólicos, nem o Windows nem o Unix requerem uma chamada de sistema, exceto em certos sistemas de arquivos Unix, como sistemas de arquivos de rede, que retornam dirent.d_type == DT_UNKNOWN. Se a entrada for um link simbólico, uma chamada de sistema será necessária para seguir o link simbólico, a menos que follow_symlinks seja False.

Este método pode levantar OSError, tal como PermissionError, mas FileNotFoundError é capturada e não levantada.

is_file(*follow_symlinks=True)

Retorna True se esta entrada for um arquivo ou um link simbólico apontando para um arquivo; retorna False se a entrada é ou aponta para um diretório ou outra entrada que não seja de arquivo, ou se ela não existe mais.

Se follow_symlinks for False, retorna True apenas se esta entrada for um arquivo (sem seguir os links simbólicos); retorna False se a entrada for um diretório ou outra entrada que não seja um arquivo, ou se ela não existir mais.

O resultado é armazenado em cache no objeto os.DirEntry. Chamadas de sistema em cache feitas e exceções levantadas são conforme is_dir().

is_symlink()

Retorna True se esta entrada for um link simbólico (mesmo se quebrado); retorna False se a entrada apontar para um diretório ou qualquer tipo de arquivo, ou se ele não existir mais.

O resultado é armazenado em cache no objeto os.DirEntry. Chama os.path.islink() para buscar informações atualizadas.

Na primeira chamada sem cache, nenhuma chamada do sistema é necessária na maioria dos casos. Especificamente, nem o Windows nem o Unix exigem uma chamada de sistema, exceto em certos sistemas de arquivos Unix, como sistemas de arquivos de rede, que retornam dirent.d_type == DT_UNKNOWN.

Este método pode levantar OSError, tal como PermissionError, mas FileNotFoundError é capturada e não levantada.

stat(*follow_symlinks=True)

Retorna um objeto stat_result para esta entrada. Este método segue links simbólicos por padrão; para estabelecer um link simbólico, adicione o argumento follow_symlinks=False.

No Unix, esse método sempre requer uma chamada de sistema. No Windows, ele só requer uma chamada de sistema se follow_symlinks for True e a entrada for um ponto de nova análise (por exemplo, um link simbólico ou junção de diretório).

No Windows, os atributos st_inost_dev e st_nlink da stat_result são sempre definidos como zero. Chame os.stat() para obter esses atributos.

O resultado é armazenado em cache no objeto os.DirEntry, com um cache separado para follow_symlinks True e False. Chama os.stat() para buscar informações atualizadas.

Note que há uma boa correspondência entre vários atributos e métodos de os.DirEntry e de pathlib.Path. Em particular, o atributo name tem o mesmo significado, assim como os métodos is_dir()is_file()is_symlink() e stat().

Novo na versão 3.5.

Alterado na versão 3.6: Adicionado suporte para a interface PathLike. Adicionado suporte para caminhos bytes no Windows.

os.stat(path*dir_fd=Nonefollow_symlinks=True)

Obtém o status de um arquivo ou um descritor de arquivo. Executa o equivalente a uma chamada de sistema stat() no caminho fornecido. path pode ser especificado como uma string ou bytes – direta ou indiretamente através da interface PathLike – ou como um descritor de arquivo aberto. Retorna um objeto stat_result.

Esta função normalmente segue links simbólicos; para efetuar stat em um link simbólico, adicione o argumento follow_symlinks=False, ou use lstat().

Esta função tem suporte a especificar um descritor de arquivo e não seguir links simbólicos.

No Windows, passar follow_symlinks=False irá desabilitar o seguimento de todos os pontos de nova análise substitutos de nomes, que incluem links simbólicos e junções de diretório. Outros tipos de pontos de nova análise que não se parecem com links ou que o sistema operacional não pode seguir serão abertos diretamente. Ao seguir uma cadeia de vários links, isso pode resultar no retorno do link original em vez do não-link que impediu o percurso completo. Para obter resultados estatísticos para o caminho final neste caso, use a função os.path.realpath() para resolver o nome do caminho tanto quanto possível e chame lstat() no resultado. Isso não se aplica a links simbólicos pendentes ou pontos de junção, que levantam as exceções usuais.

Exemplo:


>>>

>>> import os
>>> statinfo = os.stat('somefile.txt')
>>> statinfo
os.stat_result(st_mode=33188, st_ino=7876932, st_dev=234881026,
st_nlink=1, st_uid=501, st_gid=501, st_size=264, st_atime=1297230295,
st_mtime=1297230027, st_ctime=1297230027)
>>> statinfo.st_size
264

Ver também As funções fstat() e lstat().

Novo na versão 3.3: Adicionados os argumentos dir_fd e follow_symlinks, especificando um descritor de arquivo em vez de um caminho.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

Alterado na versão 3.8: No Windows, todos os pontos de nova análise que podem ser resolvidos pelo sistema operacional agora são seguidos, e passar follow_symlinks=False desativa após todos os pontos de nova análise substitutos de nome. Se o sistema operacional atingir um ponto de nova análise que não é capaz de seguir, stat agora retorna as informações do caminho original como se follow_symlinks=False tivesse sido especificado em vez de levantar um erro.

class os.stat_result

Objeto cujos atributos correspondem aproximadamente aos membros da estrutura stat. É usado para o resultado de os.stat()os.fstat() e os.lstat().

Atributos:

st_mode

Modo de arquivo: tipo de arquivo e bits de modo de arquivo (permissões).

st_ino

Dependente da plataforma, mas se diferente de zero, identifica exclusivamente o arquivo para um determinado valor de st_dev. Tipicamente:

st_dev

Identificador do dispositivo no qual este arquivo reside.

st_nlink

Número de links físicos.

st_uid

Identificador de usuário do proprietário do arquivo.

st_gid

Identificador de grupo do proprietário do arquivo.

st_size

Tamanho do arquivo em bytes, se for um arquivo normal ou um link simbólico. O tamanho de um link simbólico é o comprimento do nome do caminho que ele contém, sem um byte nulo final.

Timestamps:

st_atime

Tempo do acesso mais recente expresso em segundos.

st_mtime

Tempo da modificação de conteúdo mais recente expresso em segundos.

st_ctime

Dependente da plataforma:

  • a hora da mudança de metadados mais recente no Unix,
  • a hora de criação no Windows, expresso em segundos.

st_atime_ns

Hora do acesso mais recente expresso em nanossegundos como um número inteiro.

st_mtime_ns

Hora da modificação de conteúdo mais recente expressa em nanossegundos como um número inteiro.

st_ctime_ns

Dependente da plataforma:

  • a hora da mudança de metadados mais recente no Unix,
  • a hora de criação no Windows, expresso em nanossegundos como um número inteiro.

Nota O significado e resolução exatos dos atributos st_atimest_mtime, and st_ctime dependem do sistema operacional e do sistema de arquivos. Por exemplo, em sistemas Windows que usam os sistemas de arquivos FAT ou FAT32, st_mtime tem resolução de 2 segundos, e st_atime tem resolução de apenas 1 dia. Consulte a documentação do sistema operacional para obter detalhes.

Da mesma forma, embora st_atime_nsst_mtime_ns e st_ctime_ns sejam sempre expressos em nanossegundos, muitos sistemas não fornecem precisão de nanossegundos. Em sistemas que fornecem precisão de nanossegundos, o objeto de ponto flutuante usado para armazenar st_atimest_mtime e st_ctime não pode preservar tudo, e como tal será ligeiramente inexato . Se você precisa dos carimbos de data/hora exatos, sempre deve usar st_atime_nsst_mtime_ns e st_ctime_ns.

Em alguns sistemas Unix (como Linux), os seguintes atributos também podem estar disponíveis:

st_blocks

Número de blocos de 512 bytes alocados para o arquivo. Isso pode ser menor que st_size/512 quando o arquivo possuir lacunas.

st_blksize

Tamanho de bloco “preferido” para E/S eficiente do sistema de arquivos. Gravar em um arquivo em partes menores pode causar uma leitura-modificação-reescrita ineficiente.

st_rdev

Tipo de dispositivo, se for um dispositivo nó-i.

st_flags

Sinalizadores definidos pelo usuário para arquivo.

Em outros sistemas Unix (como o FreeBSD), os seguintes atributos podem estar disponíveis (mas só podem ser preenchidos se o root tentar usá-los):

st_gen

Número de geração do arquivo.

st_birthtime

Horário da criação do arquivo.

No Solaris e derivados, os seguintes atributos também podem estar disponíveis:

st_fstype

String que identifica exclusivamente o tipo de sistema de arquivos que contém o arquivo.

On macOS systems, the following attributes may also be available:

st_rsize

Tamanho real do arquivo.

st_creator

Criador do arquivo.

st_type

Tipo de arquivo.

Em sistemas Windows, os seguintes atributos também estão disponíveis:

st_file_attributes

Atributos de arquivos no Windows: membro dwFileAttributes da estrutura BY_HANDLE_FILE_INFORMATION retornada por GetFileInformationByHandle(). Veja as constantes FILE_ATTRIBUTE_* no módulo stat.

st_reparse_tag

Quando st_file_attributes tem FILE_ATTRIBUTE_REPARSE_POINT definido, este campo contém uma tag identificando o tipo do ponto de reanálise. Veja as constantes IO_REPARSE_TAG_* no módulo stat.

O módulo padrão stat define funções e constantes que são úteis para extrair informações de uma estrutura stat. (No Windows, alguns itens são preenchidos com valores fictícios.)

Para compatibilidade com versões anteriores, uma instância de stat_result também é acessível como uma tupla de pelo menos 10 inteiros, fornecendo os membros mais importantes (e portáveis) da estrutura stat, na ordem st_modest_inost_devst_nlinkst_uidst_gidst_sizest_atimest_mtimest_ctime. Mais itens podem ser adicionados no final por algumas implementações. Para compatibilidade com versões mais antigas do Python, acessar stat_result como uma tupla sempre retorna inteiros.

Novo na versão 3.3: Adicionados os membros st_atime_nsst_mtime_ns e st_ctime_ns.

Novo na versão 3.5: Adicionado o membro st_file_attributes no Windows.

Alterado na versão 3.5: Windows agora retorna o arquivo de índice como st_ino quando disponível.

Novo na versão 3.7: Adicionado o membro st_fstype ao Solaris/derivados.

Novo na versão 3.8: Adicionado o membro st_reparse_tag no Windows.

Alterado na versão 3.8: No Windows, o membro st_mode agora identifica arquivos especiais como S_IFCHRS_IFIFO ou S_IFBLK conforme apropriado.

os.statvfs(path)

Executa uma chamada de sistema statvfs() no caminho fornecido. O valor de retorno é um objeto cujos atributos descrevem o sistema de arquivos no caminho fornecido e correspondem aos membros da estrutura statvfs, a saber: f_bsizef_frsizef_blocksf_bfreef_bavailf_filesf_ffreef_favailf_flagf_namemaxf_fsid.

Duas constantes de nível de módulo são definidas para os sinalizadores de bit do atributo f_flag: se ST_RDONLY for definido, o sistema de arquivos é montado somente leitura, e se ST_NOSUID estiver definido, a semântica dos bits setuid/setgid é desabilitada ou não é suportada.

Constantes de nível de módulo adicionais são definidas para sistemas baseados em GNU/glibc. São elas ST_NODEV (impede o acesso aos arquivos especiais do dispositivo), ST_NOEXEC (não permite a execução do programa), ST_SYNCHRONOUS (as escritas são sincronizadas de uma vez), ST_MANDLOCK (permitir bloqueios obrigatórios em um sistema de arquivos), ST_WRITE (escrever no arquivo/diretório/symlink), ST_APPEND (arquivo somente anexado), ST_IMMUTABLE (arquivo imutável), ST_NOATIME (não atualiza os tempos de acesso), ST_NODIRATIME (não atualiza os tempos de acesso ao diretório), ST_RELATIME (atualiza o atime relativo ao mtime/ctime).

Esta função tem suporte a especificar um descritor de arquivo.

Disponibilidade: Unix.

Alterado na versão 3.2: As constantes ST_RDONLY e ST_NOSUID foram adicionadas.

Novo na versão 3.3: Adicionado suporte para especificar path como um descritor de arquivo aberto.

Alterado na versão 3.4: As constantes ST_NODEVST_NOEXECST_SYNCHRONOUSST_MANDLOCKST_WRITEST_APPENDST_IMMUTABLEST_NOATIMEST_NODIRATIME e ST_RELATIME foram adicionadas.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

Novo na versão 3.7: Adicionado f_fsid.

os.supports_dir_fd

Um objeto set indicando quais funções no módulo os aceitam um descritor de arquivo aberto para seu parâmetro dir_fd. Plataformas diferentes fornecem recursos diferentes, e a funcionalidade subjacente que o Python usa para implementar o parâmetro dir_fd não está disponível em todas as plataformas que o Python suporta. Para fins de consistência, as funções que podem suportar dir_fd sempre permitem especificar o parâmetro, mas lançarão uma exceção se a funcionalidade for usada quando não estiver disponível localmente. (Especificar None para dir_fd é sempre suportado em todas as plataformas.)

Para verificar se uma função particular aceita um descritor de arquivo aberto para seu parâmetro dir_fd, use o operador in em supports_dir_fd. Como exemplo, esta expressão é avaliada como True se os.stat() aceita descritores de arquivo abertos para dir_fd na plataforma local:


os.stat in os.supports_dir_fd

Atualmente os parâmetros dir_fd funcionam apenas em plataformas Unix; nenhum deles funciona no Windows.

Novo na versão 3.3.

os.supports_effective_ids

Um objeto set que indica se os.access() permite especificar True para seu parâmetro effective_ids na plataforma local. (Especificar False para effective_ids é sempre suportado em todas as plataformas.) Se a plataforma local suportar, a coleção conterá os.access(); caso contrário, ficará vazio.

Esta expressão é avaliada como True se os.access() tiver suporte a effective_ids=True na plataforma local:


os.access in os.supports_effective_ids

Atualmente, effective_ids é suportado apenas em plataformas Unix; não funciona no Windows.

Novo na versão 3.3.

os.supports_fd

Um objeto set que indica quais funções no módulo os permitem especificar seu parâmetro path como um descritor de arquivo aberto na plataforma local. Plataformas diferentes fornecem recursos diferentes, e a funcionalidade subjacente que o Python usa para aceitar descritores de arquivos abertos como argumentos path não está disponível em todas as plataformas que o Python suporta.

Para determinar se uma função particular permite especificar um descritor de arquivo aberto para seu parâmetro path, use o operador in em supports_fd. Como exemplo, esta expressão é avaliada como True se os.chdir() aceita descritores de arquivo abertos para path em sua plataforma local:


os.chdir in os.supports_fd

Novo na versão 3.3.

os.supports_follow_symlinks

Um objeto set que indica quais funções no módulo os aceitam False para seu parâmetro follow_symlinks na plataforma local. Plataformas diferentes fornecem recursos diferentes, e a funcionalidade subjacente que o Python usa para implementar follow_symlinks não está disponível em todas as plataformas às quais o Python tem suporte. Para fins de consistência, as funções que podem ter suporte a follow_symlinks sempre permitem especificar o parâmetro, mas irão lançar uma exceção se a funcionalidade for usada quando não estiver disponível localmente. (Especificar True para follow_symlinks é sempre aceito em todas as plataformas.)

Para verificar se uma função em particular aceita False para seu parâmetro follow_symlinks, use o operador in em supports_follow_symlinks. Como exemplo, esta expressão é avaliada como True se você pode especificar follow_symlinks=False ao chamar os.stat() na plataforma local:


os.stat in os.supports_follow_symlinks

Novo na versão 3.3.

os.symlink(srcdsttarget_is_directory=False*dir_fd=None)

Cria um link simbólico apontando para src chamado dst.

No Windows, um link simbólico representa um arquivo ou um diretório e não se transforma no destino dinamicamente. Se o alvo estiver presente, o tipo de link simbólico será criado para corresponder. Caso contrário, o link simbólico será criado como um diretório se target_is_directory for True ou um link simbólico de arquivo (o padrão) caso contrário. Em plataformas não Windows, target_is_directory é ignorado.

Esta função tem suporte a caminhos relativos para descritores de diretório.

Nota Em versões mais recentes do Windows 10, contas sem privilégios podem criar links simbólicos se o Modo de Desenvolvedor estiver habilitado. Quando o modo de desenvolvedor não está disponível/ativado, o privilégio SeCreateSymbolicLinkPrivilege é necessário ou o processo deve ser executado como um administrador.

A exceção OSError é levantada quando a função é chamada por um usuário sem privilégios.

Levanta um evento de auditoria os.symlink com argumentos srcdstdir_fd.

Disponibilidade: Unix, Windows.

Alterado na versão 3.2: Adicionado suporte para links simbólicos do Windows 6.0 (Vista).

Novo na versão 3.3: Adicionado o argumento dir_fd e agora permite target_is_directory em plataformas não Windows.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar para src e dst.

Alterado na versão 3.8: Adicionado suporte para links simbólicos não elevados no Windows com Modo de Desenvolvedor.

os.sync()

Força a escrita de tudo para o disco.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.truncate(pathlength)

Trunca o arquivo correspondente ao path, de modo que tenha no máximo length bytes.

Esta função tem suporte a especificar um descritor de arquivo.

Levanta evento de auditoria os.truncate com os argumentos pathlength.

Disponibilidade: Unix, Windows.

Novo na versão 3.3.

Alterado na versão 3.5: Adicionado suporte para o Windows.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.unlink(path*dir_fd=None)

Remove (exclui) o arquivo path. Esta função é semanticamente idêntica à remove(); o nome unlink é seu nome Unix tradicional. Por favor, veja a documentação de remove() para mais informações.

Levanta um evento de auditoria os.remove com argumentos pathdir_fd.

Novo na versão 3.3: O parâmetro dir_fd.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.utime(pathtimes=None*, [ns, ]dir_fd=Nonefollow_symlinks=True)

Define os tempos de acesso e modificação do arquivo especificado por path.

utime() aceita dois parâmetros opcionais, times e ns. Eles especificam os horários definidos no path e são usados da seguinte forma:

  • Se ns for especificado, deve ser uma tupla de 2 elementos na forma (atime_ns, mtime_ns) onde cada membro é um int expressando nanossegundos.
  • Se times não for None, deve ser uma tupla de 2 elementos na forma (atime, mtime) onde cada membro é um int ou ponto flutuante expressando segundos.
  • Se times for None e ns não for especificado, isso é equivalente a especificar ns=(atime_ns, mtime_ns) onde ambos os tempos são a hora atual.

É um erro especificar tuplas para ambos times e ns.

Observe que os tempos exatos que você definiu aqui podem não ser retornados por uma chamada subsequente de stat(), dependendo da resolução com a qual seu sistema operacional registra os tempos de acesso e modificação; veja stat(). A melhor maneira de preservar os tempos exatos é usar os campos st_atime_ns e st_mtime_ns do objeto de resultado os.stat() com o parâmetro ns para utime.

Esta função pode ter suporte a especificar um descritor de arquivocaminhos relativos aos descritores de diretório e não seguir os links simbólicos.

Levanta um evento de auditoria os.utime com os argumentos pathtimesnsdir_fd.

Novo na versão 3.3: Adicionado suporte para especificar path como um descritor de arquivo aberto e os parâmetros dir_fdfollow_symlinks e ns.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.walk(toptopdown=Trueonerror=Nonefollowlinks=False)

Gera os nomes dos arquivos em uma árvore de diretório percorrendo a árvore de cima para baixo ou de baixo para cima. Para cada diretório na árvore com raiz no diretório top (incluindo o próprio top), ele produz uma tupla de 3 elementos (dirpath, dirnames, filenames).

dirpath é uma string, o caminho para o diretório. dirnames é uma lista dos nomes dos subdiretórios em dirpath (excluindo '.' e '..'). filenames é uma lista dos nomes dos arquivos não pertencentes ao diretório em dirpath. Observe que os nomes nas listas não contêm componentes de caminho. Para obter um caminho completo (que começa com top) para um arquivo ou diretório em dirpath, faça os.path.join(dirpath, name). Se as listas são ou não classificadas depende do sistema de arquivos. Se um arquivo for removido ou adicionado ao diretório dirpath durante a geração das listas, não é especificado se um nome para esse arquivo deve ser incluído.

Se o argumento opcional topdown for True ou não especificado, o triplo para um diretório é gerado antes dos triplos para qualquer um de seus subdiretórios (os diretórios são gerados de cima para baixo). Se topdown for False, o triplo para um diretório é gerado após os triplos para todos os seus subdiretórios (os diretórios são gerados de baixo para cima). Não importa o valor de topdown, a lista de subdiretórios é recuperada antes que as tuplas para o diretório e seus subdiretórios sejam geradas.

Quando topdown é True, o chamador pode modificar a lista de dirnames internamente (talvez usando del ou atribuição de fatia), e walk() só recursará nos subdiretórios cujos nomes permanecem em dirnames; isso pode ser usado para podar a busca, impor uma ordem específica de visita, ou mesmo informar à função walk() sobre os diretórios que o chamador cria ou renomeia antes de retomar walk() novamente. Modificar dirnames quando topdown for False não tem efeito no comportamento da caminhada, porque no modo de baixo para cima os diretórios em dirnames são gerados antes do próprio dirpath ser gerado.

Por padrão, os erros da chamada de scandir() são ignorados. Se o argumento opcional onerror for especificado, deve ser uma função; ela será chamado com um argumento, uma instância da exceção OSError. Ele pode relatar o erro para continuar com a caminhada ou levantar a exceção para abortar a caminhada. Observe que o nome do arquivo está disponível como o atributo filename do objeto de exceção.

Por padrão, a função walk() não vai seguir links simbólicos que resolvem para diretórios. Defina followlinks como True para visitar diretórios apontados por links simbólicos, em sistemas que oferecem suporte a eles.

Nota Esteja ciente de que definir followlinks para True pode levar a recursão infinita se um link apontar para um diretório pai de si mesmo. walk() não mantém registro dos diretórios que já visitou.

Nota Se você passar um nome de caminho relativo, não mude o diretório de trabalho atual entre as continuações de walk()walk() nunca muda o diretório atual, e presume que seu chamador também não.

Este exemplo exibe o número de bytes obtidos por arquivos não pertencentes ao diretório em cada diretório no diretório inicial, exceto que ele não olha em nenhum subdiretório CVS:


import os
from os.path import join, getsize
for root, dirs, files in os.walk('python/Lib/email'):
    print(root, "consumes", end=" ")
    print(sum(getsize(join(root, name)) for name in files), end=" ")
    print("bytes in", len(files), "non-directory files")
    if 'CVS' in dirs:
        dirs.remove('CVS')  # don't visit CVS directories

No próximo exemplo (implementação simples de shutil.rmtree()), andar na árvore de baixo para cima é essencial, rmdir() não permite excluir um diretório antes que o diretório esteja vazio:


# Delete everything reachable from the directory named in "top",
# assuming there are no symbolic links.
# CAUTION:  This is dangerous!  For example, if top == '/', it
# could delete all your disk files.
import os
for root, dirs, files in os.walk(top, topdown=False):
    for name in files:
        os.remove(os.path.join(root, name))
    for name in dirs:
        os.rmdir(os.path.join(root, name))

Levanta um evento de auditoria os.walk com argumentos toptopdownonerrorfollowlinks.

Alterado na versão 3.5: Esta função agora chama os.scandir() em vez de os.listdir(), tornando-a mais rápida reduzindo o número de chamadas a os.stat().

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.fwalk(top='.'topdown=Trueonerror=None*follow_symlinks=Falsedir_fd=None)

Se comporta exatamente como walk(), exceto que produz um tupla de 4 elementos (dirpath, dirnames, filenames, dirfd), e tem suporte a dir_fd.

dirpathdirnames e filenames são idênticos à saída de walk() e dirfd é um descritor de arquivo que faz referência ao diretório dirpath.

Esta função sempre tem suporte a caminhos relativos aos descritores de diretório e não seguir links simbólicos. Observe, entretanto, que, ao contrário de outras funções, o valor padrão fwalk() para follow_symlinks é False.

Nota Uma vez que fwalk() produz descritores de arquivo, eles só são válidos até a próxima etapa de iteração, então você deve duplicá-los (por exemplo, com dup()) se quiser mantê-los por mais tempo.

Este exemplo exibe o número de bytes obtidos por arquivos não pertencentes ao diretório em cada diretório no diretório inicial, exceto que ele não olha em nenhum subdiretório CVS:


import os
for root, dirs, files, rootfd in os.fwalk('python/Lib/email'):
    print(root, "consumes", end="")
    print(sum([os.stat(name, dir_fd=rootfd).st_size for name in files]),
          end="")
    print("bytes in", len(files), "non-directory files")
    if 'CVS' in dirs:
        dirs.remove('CVS')  # don't visit CVS directories

No próximo exemplo, percorrer a árvore de baixo para cima é essencial: rmdir() não permite excluir um diretório antes que o diretório esteja vazio:


# Delete everything reachable from the directory named in "top",
# assuming there are no symbolic links.
# CAUTION:  This is dangerous!  For example, if top == '/', it
# could delete all your disk files.
import os
for root, dirs, files, rootfd in os.fwalk(top, topdown=False):
    for name in files:
        os.unlink(name, dir_fd=rootfd)
    for name in dirs:
        os.rmdir(name, dir_fd=rootfd)

Levanta um evento de auditoria os.fwalk com argumentos toptopdownonerrorfollow_symlinksdir_fd.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

Alterado na versão 3.7: Adicionado suporte para caminhos em bytes.

os.memfd_create(name[, flags=os.MFD_CLOEXEC])

Cria um arquivo anônimo e retorna um descritor de arquivo que faça referência a ele. flags deve ser uma das constantes os.MFD_* disponíveis no sistema (ou uma combinação ORed bit a bit delas). Por padrão, o novo descritor de arquivo é não herdável.

O nome fornecido em name é usado como um nome de arquivo e será exibido como o destino do link simbólico correspondente no diretório /proc/self/fd/. O nome exibido é sempre prefixado com memfd: e serve apenas para fins de depuração. Os nomes não afetam o comportamento do descritor de arquivo e, como tal, vários arquivos podem ter o mesmo nome sem quaisquer efeitos colaterais.

Disponibilidade: Linux 3.17 ou mais novos com glibc 2.27 ou mais novo.

Novo na versão 3.8.

os.MFD_CLOEXEC

os.MFD_ALLOW_SEALING

os.MFD_HUGETLB

os.MFD_HUGE_SHIFT

os.MFD_HUGE_MASK

os.MFD_HUGE_64KB

os.MFD_HUGE_512KB

os.MFD_HUGE_1MB

os.MFD_HUGE_2MB

os.MFD_HUGE_8MB

os.MFD_HUGE_16MB

os.MFD_HUGE_32MB

os.MFD_HUGE_256MB

os.MFD_HUGE_512MB

os.MFD_HUGE_1GB

os.MFD_HUGE_2GB

os.MFD_HUGE_16GB

Essss sinalizadores podem ser passados para memfd_create().

Disponibilidade: Linux 3.17 ou mais novos com glibc 2.27 ou mais novos. Os sinalizadores MFD_HUGE* estão disponíveis desde o Linux 4.14.

Novo na versão 3.8.

os.eventfd(initval[, flags=os.EFD_CLOEXEC])

Create and return an event file descriptor. The file descriptors supports raw read() and write() with a buffer size of 8, select()poll() and similar. See man page eventfd(2) for more information. By default, the new file descriptor is non-inheritable.

initval is the initial value of the event counter. The initial value must be an 32 bit unsigned integer. Please note that the initial value is limited to a 32 bit unsigned int although the event counter is an unsigned 64 bit integer with a maximum value of 264-2.

flags can be constructed from EFD_CLOEXECEFD_NONBLOCK, and EFD_SEMAPHORE.

If EFD_SEMAPHORE is specified and the event counter is non-zero, eventfd_read() returns 1 and decrements the counter by one.

If EFD_SEMAPHORE is not specified and the event counter is non-zero, eventfd_read() returns the current event counter value and resets the counter to zero.

If the event counter is zero and EFD_NONBLOCK is not specified, eventfd_read() blocks.

eventfd_write() increments the event counter. Write blocks if the write operation would increment the counter to a value larger than 264-2.

Exemplo:


import os

# semaphore with start value '1'
fd = os.eventfd(1, os.EFD_SEMAPHORE | os.EFC_CLOEXEC)
try:
    # acquire semaphore
    v = os.eventfd_read(fd)
    try:
        do_work()
    finally:
        # release semaphore
        os.eventfd_write(fd, v)
finally:
    os.close(fd)

Availability: Linux 2.6.27 or newer with glibc 2.8 or newer.

Novo na versão 3.10.

os.eventfd_read(fd)

Read value from an eventfd() file descriptor and return a 64 bit unsigned int. The function does not verify that fd is an eventfd().

Availability: See eventfd()

Novo na versão 3.10.

os.eventfd_write(fdvalue)

Add value to an eventfd() file descriptor. value must be a 64 bit unsigned int. The function does not verify that fd is an eventfd().

Availability: See eventfd()

Novo na versão 3.10.

os.EFD_CLOEXEC

Set close-on-exec flag for new eventfd() file descriptor.

Availability: See eventfd()

Novo na versão 3.10.

os.EFD_NONBLOCK

Set O_NONBLOCK status flag for new eventfd() file descriptor.

Availability: See eventfd()

Novo na versão 3.10.

os.EFD_SEMAPHORE

Provide semaphore-like semantics for reads from a eventfd() file descriptor. On read the internal counter is decremented by one.

Availability: Linux 2.6.30 or newer with glibc 2.8 or newer.

Novo na versão 3.10.

Atributos estendidos do Linux

Novo na versão 3.3.

Estas funções estão todas disponíveis apenas no Linux.

os.getxattr(pathattribute*follow_symlinks=True)

Retorna o valor do atributo estendido do sistema de arquivos attribute para pathattribute pode ser bytes ou str (direta ou indiretamente por meio da interface PathLike). Se for str, ele é codificado com a codificação do sistema de arquivos.

Esta função tem suporte a especificar um descritor de arquivo e não seguir links simbólicos.

Levanta um evento de auditoria os.getxattr com os argumentos pathattribute.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar para path e attribute.

os.listxattr(path=None*follow_symlinks=True)

Retorna uma lista dos atributos estendidos do sistema de arquivos em path. Os atributos na lista são representados como strings decodificadas com a codificação do sistema de arquivos. Se path for Nonelistxattr() irá examinar o diretório atual.

Esta função tem suporte a especificar um descritor de arquivo e não seguir links simbólicos.

Levanta um evento de auditoria os.listxattr com o argumento path.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.removexattr(pathattribute*follow_symlinks=True)

Removes the extended filesystem attribute attribute from pathattribute should be bytes or str (directly or indirectly through the PathLike interface). If it is a string, it is encoded with the filesystem encoding and error handler.

Esta função tem suporte a especificar um descritor de arquivo e não seguir links simbólicos.

Levanta um evento de auditoria os.removexattr com o argumento pathattribute.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar para path e attribute.

os.setxattr(pathattributevalueflags=0*follow_symlinks=True)

Set the extended filesystem attribute attribute on path to valueattribute must be a bytes or str with no embedded NULs (directly or indirectly through the PathLike interface). If it is a str, it is encoded with the filesystem encoding and error handlerflags may be XATTR_REPLACE or XATTR_CREATE. If XATTR_REPLACE is given and the attribute does not exist, ENODATA will be raised. If XATTR_CREATE is given and the attribute already exists, the attribute will not be created and EEXISTS will be raised.

Esta função tem suporte a especificar um descritor de arquivo e não seguir links simbólicos.

Nota Um bug nas versões do kernel Linux inferiores a 2.6.39 fez com que o argumento flags fosse ignorado em alguns sistemas de arquivos.

Levanta um evento de auditoria os.setxattr com os argumentos pathattributevalueflags.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar para path e attribute.

os.XATTR_SIZE_MAX

O tamanho máximo que o valor de um atributo estendido pode ter. Atualmente, são 64 KiB no Linux.

os.XATTR_CREATE

Este é um valor possível para o argumento flags em setxattr(). Indica que a operação deve criar um atributo.

os.XATTR_REPLACE

Este é um valor possível para o argumento flags em setxattr(). Indica que a operação deve substituir um atributo existente.

Gerenciamento de processo

Estas funções podem ser usadas para criar e gerenciar processos.

As várias funções exec* pegam uma lista de argumentos para o novo programa carregado no processo. Em cada caso, o primeiro desses argumentos é passado para o novo programa como seu próprio nome, e não como um argumento que um usuário pode ter digitado em uma linha de comando. Para o programador C, este é o argv[0] passado para um programa main(). Por exemplo, os.execv('/bin/echo', ['foo', 'bar']) exibirá apenas bar na saída padrão; foo parecerá ser ignorado.

os.abort()

Gera um sinal SIGABRT para o processo atual. No Unix, o comportamento padrão é produzir um despejo de memória; no Windows, o processo retorna imediatamente um código de saída 3. Esteja ciente de que chamar esta função não chamará o manipulador de sinal Python registrado para SIGABRT com signal.signal().

os.add_dll_directory(path)

Adiciona um caminho ao caminho de pesquisa de DLL.

Este caminho de pesquisa é usado ao resolver dependências para módulos de extensão importados (o próprio módulo é resolvido por meio de sys.path), e também por ctypes.

Remove o diretório chamando close() no objeto retornado ou usando-o em uma instrução with.

Consulte a documentação da Microsoft para obter mais informações sobre como as DLLs são carregadas.

Levanta um evento de auditoria os.add_dll_directory com argumento path.

Disponibilidade: Windows.

Novo na versão 3.8: As versões anteriores do CPython resolveriam DLLs usando o comportamento padrão para o processo atual. Isso levou a inconsistências, como apenas às vezes pesquisar PATH ou o diretório de trabalho atual, e funções do sistema operacional como AddDllDirectory sem efeito.

No 3.8, as duas maneiras principais de carregar as DLLs agora substituem explicitamente o comportamento de todo o processo para garantir a consistência. Veja as notas de portabilidade para informações sobre atualização de bibliotecas.

os.execl(patharg0arg1...)

os.execle(patharg0arg1...env)

os.execlp(filearg0arg1...)

os.execlpe(filearg0arg1...env)

os.execv(pathargs)

os.execve(pathargsenv)

os.execvp(fileargs)

os.execvpe(fileargsenv)

Todas essas funções executam um novo programa, substituindo o processo atual; eles não voltam. No Unix, o novo executável é carregado no processo atual e terá a mesma identificação de processo do chamador. Os erros serão relatados como exceções de OSError.

O processo atual é substituído imediatamente. Objetos de arquivos abertos e descritores não são descarregados, então se houver dados em buffer nesses arquivos abertos, você deve descarregá-los usando sys.stdout.flush() ou os.fsync() antes de chamar uma função exec*.

As variantes “l” e “v” das funções exec* diferem em como os argumentos da linha de comando são passados. As variantes “l” são talvez as mais fáceis de trabalhar se o número de parâmetros for fixo quando o código for escrito; os parâmetros individuais simplesmente se tornam parâmetros adicionais para as funções execl*(). As variantes “v” são boas quando o número de parâmetros é variável, com os argumentos sendo passados em uma lista ou tupla como o parâmetro args. Em qualquer caso, os argumentos para o processo filho devem começar com o nome do comando que está sendo executado, mas isso não é obrigatório.

As variantes que incluem um “p” próximo ao final (execlp()execlpe()execvp() e execvpe()) usarão a variável de ambiente PATH para localizar o programa file. Quando o ambiente está sendo substituído (usando uma das variantes exec*e, discutidas no próximo parágrafo), o novo ambiente é usado como fonte da variável PATH As outras variantes, execl()execle()execv() e execve(), não usarão a variável PATH para localizar o executável; path deve conter um caminho absoluto ou relativo apropriado.

Para execle()execlpe()execve() e execvpe() (observe que todos eles terminam em “e”), o parâmetro env deve ser um mapeamento que é usado para definir as variáveis de ambiente para o novo processo (elas são usadas no lugar do ambiente do processo atual); as funções execl()execlp()execv() e execvp() fazem com que o novo processo herde o ambiente do processo atual.

Para execve() em algumas plataformas, path também pode ser especificado como um descritor de arquivo aberto. Esta funcionalidade pode não ser compatível com sua plataforma; você pode verificar se está ou não disponível usando os.supports_fd. Se não estiver disponível, usá-lo vai levantar uma NotImplementedError.

Levanta um evento de auditoria os.exec com argumentos pathargsenv.

Disponibilidade: Unix, Windows.

Novo na versão 3.3: Adicionado suporte para especificar path como um descritor de arquivo aberto para execve().

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os._exit(n)

Sai do processo com status n, sem chamar manipuladores de limpeza, liberando buffers de stdio etc.

Nota A forma padrão de sair é sys.exit(n)_exit() normalmente só deve ser usado no processo filho após uma função fork().

Os seguintes códigos de saída são definidos e podem ser usados com _exit(), embora não sejam obrigatórios. Eles são normalmente usados para programas de sistema escritos em Python, como um programa de entrega de comando externo de servidor de e-mail.

Nota Alguns deles podem não estar disponíveis em todas as plataformas Unix, pois há algumas variações. Essas constantes são definidas onde são definidas pela plataforma subjacente.

os.EX_OK

Código de saída que significa que ocorreu nenhum erro.

Disponibilidade: Unix.

os.EX_USAGE

Código de saída que significa que o comando foi usado incorretamente, como quando o número errado de argumentos é fornecido.

Disponibilidade: Unix.

os.EX_DATAERR

Código de saída que significa que os dados inseridos estavam incorretos.

Disponibilidade: Unix.

os.EX_NOINPUT

Código de saída que significa que um arquivo de entrada não existe ou não pôde ser lido.

Disponibilidade: Unix.

os.EX_NOUSER

Código de saída que significa que um usuário especificado não existe.

Disponibilidade: Unix.

os.EX_NOHOST

Código de saída que significa que um host especificado não existe.

Disponibilidade: Unix.

os.EX_UNAVAILABLE

Código de saída que significa que um serviço necessário está indisponível.

Disponibilidade: Unix.

os.EX_SOFTWARE

Código de saída que significa que um erro interno do software foi detectado.

Disponibilidade: Unix.

os.EX_OSERR

Código de saída que significa que um erro do sistema operacional foi detectado, como a incapacidade de fazer fork ou criar um encadeamento.

Disponibilidade: Unix.

os.EX_OSFILE

Código de saída que significa que algum arquivo do sistema não existia, não pôde ser aberto ou teve algum outro tipo de erro.

Disponibilidade: Unix.

os.EX_CANTCREAT

Código de saída que significa que um arquivo de saída especificado pelo usuário não pôde ser criado.

Disponibilidade: Unix.

os.EX_IOERR

Código de saída que significa que ocorreu um erro ao fazer E/S em algum arquivo.

Disponibilidade: Unix.

os.EX_TEMPFAIL

Código de saída que significa que ocorreu uma falha temporária. Isso indica algo que pode não ser realmente um erro, como uma conexão de rede que não pôde ser feita durante uma operação de nova tentativa.

Disponibilidade: Unix.

os.EX_PROTOCOL

Código de saída que significa que uma troca de protocolo foi ilegal, inválida ou não compreendida.

Disponibilidade: Unix.

os.EX_NOPERM

Código de saída que significa que não havia permissões suficientes para executar a operação (mas sem intenção de causar problemas do sistema de arquivos).

Disponibilidade: Unix.

os.EX_CONFIG

Código de saída que significa que ocorreu algum tipo de erro de configuração.

Disponibilidade: Unix.

os.EX_NOTFOUND

Código de saída que significa algo como “uma entrada não foi encontrada”.

Disponibilidade: Unix.

os.fork()

Faz um fork de um processo filho. Retorna 0 no filho e o ID de processo do filho no pai. Se ocorrer um erro, uma OSError é levantada.

Note que algumas plataformas incluindo FreeBSD <= 6.3 e Cygwin têm problemas conhecidos ao usar fork() a partir de um thread.

Levanta um evento de auditoria os.fork com nenhum argumento.

Alterado na versão 3.8: Chamar fork() em um subinterpretador não é mais suportado (RuntimeError é levantada).

Aviso Veja ssl para aplicações que usam o módulo SSL com fork().

Disponibilidade: Unix.

os.forkpty()

Faz um fork de um processo filho, usando um novo pseudoterminal como o terminal de controle do filho. Retorna um par de (pid, fd), onde pid é 0 no filho, o novo ID de processo do filho no pai e fd é o descritor de arquivo do lado mestre do pseudoterminal. Para uma abordagem mais portátil, use o módulo pty. Se ocorrer um erro, OSError é levantada.

Levanta um evento de auditoria os.forkpty com nenhum argumento.

Alterado na versão 3.8: Chamar forkpty() em um subinterpretador não é mais suportado (RuntimeError é levantada).

Availability: alguns tipos de Unix.

os.kill(pidsig)

Envia o sinal sig para o processo pid. Constantes dos sinais específicos disponíveis na plataforma host são definidas no módulo signal.

Windows: Os sinais signal.CTRL_C_EVENT e signal.CTRL_BREAK_EVENT são sinais especiais que só podem ser enviados para processos de console que compartilham uma janela de console comum, por exemplo, alguns subprocessos. Qualquer outro valor para sig fará com que o processo seja encerrado incondicionalmente pela API TerminateProcess e o código de saída será definido como sig. A versão Windows de kill() adicionalmente leva identificadores de processo para ser morto.

Veja também signal.pthread_kill().

Levanta um evento de auditoria os.kill com argumentos pidsig.

Novo na versão 3.2: Suporte ao Windows.

os.killpg(pgidsig)

Envia o sinal sig para o grupo de processos pgid.

Levanta um evento de auditoria os.killpg com argumentos pgidsig.

Disponibilidade: Unix.

os.nice(increment)

Adiciona increment ao nível de “nice” do processo. Retorna um novo nível de “nice”.

Disponibilidade: Unix.

os.pidfd_open(pidflags=0)

Retorna um descritor de arquivo fazendo referência ao processo pid. Este descritor pode ser usado para realizar o gerenciamento de processos sem corridas e sinais. O argumento flags é fornecido para extensões futuras; nenhum valor de sinalizador está definido atualmente.

Veja a página man pidfd_open(2) para mais detalhes.

Disponibilidade: Linux 5.3+

Novo na versão 3.9.

os.plock(op)

Bloqueia os segmentos do programa na memória. O valor de op (definido em <sys/lock.h>) determina quais segmentos estão bloqueados.

Disponibilidade: Unix.

os.popen(cmdmode='r'buffering=- 1)

Abre um encadeamento, também conhecido como “pipe”, de ou para o comando cmd. O valor de retorno é um objeto arquivo aberto conectado ao encadeamento, que pode ser lido ou escrito dependendo se mode é 'r' (padrão) ou 'w'. O argumento buffering tem o mesmo significado que o argumento correspondente para a função embutida open(). O objeto arquivo retornado lê ou escreve strings de texto em vez de bytes.

O método close retorna None se o subprocesso foi encerrado com sucesso, ou o código de retorno do subprocesso se houve um erro. Em sistemas POSIX, se o código de retorno for positivo, ele representa o valor de retorno do processo deslocado para a esquerda em um byte. Se o código de retorno for negativo, o processo foi encerrado pelo sinal dado pelo valor negado do código de retorno. (Por exemplo, o valor de retorno pode ser - signal.SIGKILL se o subprocesso foi eliminado.) Em sistemas Windows, o valor de retorno contém o código de retorno inteiro com sinal do processo filho.

No Unix, waitstatus_to_exitcode() pode ser usado para converter o resultado do método close (status de saída) em um código de saída se não for None. No Windows, o resultado do método close é diretamente o código de saída (ou None).

Isso é implementado usando subprocess.Popen; consulte a documentação desta classe para maneiras mais poderosas de gerenciar e se comunicar com subprocessos.

os.posix_spawn(pathargvenv*file_actions=Nonesetpgroup=Noneresetids=Falsesetsid=Falsesetsigmask=()setsigdef=()scheduler=None)

Envolve a API da biblioteca C posix_spawn() para uso em Python.

A maioria dos usuários deveria usar subprocess.run() em vez de posix_spawn().

Os argumentos somente-posicional pathargs e env são similares a execve().

O parâmetro path é o caminho para o arquivo executável. O path deve conter um diretório. Use posix_spawnp() para passar um arquivo executável sem diretório.

O argumento file_actions pode ser uma sequência de tuplas descrevendo ações a serem tomadas em descritores de arquivo específicos no processo filho entre as etapas fork() e exec() de implementação da biblioteca C. O primeiro item em cada tupla deve ser um dos três indicadores de tipo listados abaixo, descrevendo os elementos restantes da tupla:

os.POSIX_SPAWN_OPEN

(os.POSIX_SPAWN_OPENfdpathflagsmode)

Efetua os.dup2(os.open(path, flags, mode), fd).

os.POSIX_SPAWN_CLOSE

(os.POSIX_SPAWN_CLOSEfd)

Efetua os.close(fd).

os.POSIX_SPAWN_DUP2

(os.POSIX_SPAWN_DUP2fdnew_fd)

Efetua os.dup2(fd, new_fd).

Estas tuplas correspondem a chamadas de API da biblioteca C de posix_spawn_file_actions_addopen()posix_spawn_file_actions_addclose() e posix_spawn_file_actions_adddup2() usadas para preparar para a chamada de posix_spawn() em si.

O argumento setpgroup definirá o grupo de processos do filho para o valor especificado. Se o valor especificado for 0, o ID do grupo de processo da criança será igual ao seu ID de processo. Se o valor de setpgroup não for definido, o filho herdará o ID do grupo de processos do pai. Este argumento corresponde ao sinalizador POSIX_SPAWN_SETPGROUP da biblioteca C.

Se o argumento resetids for True, ele irá reconfigurar o UID e GID efetivos do filho para o UID e GID reais do processo pai. Se o argumento for False, então o filho retém o UID e GID efetivos do pai. Em ambos os casos, se os bits de permissão set-user-ID e set-group-ID estiverem habilitados no arquivo executável, seu efeito vai substituir a configuração do UID e GID efetivos. Este argumento corresponde ao sinalizador POSIX_SPAWN_RESETIDS da biblioteca C.

Se o argumento setsid for True, ele criará um novo ID de sessão para posix_spawn. setsid requer POSIX_SPAWN_SETSID ou POSIX_SPAWN_SETSID_NP. Caso contrário, NotImplementedError é levantada.

O argumento setsigmask definirá a máscara de sinal para o conjunto de sinais especificado. Se o parâmetro não for usado, o filho herda a máscara de sinal do pai. Este argumento corresponde ao sinalizador POSIX_SPAWN_SETSIGMASK da biblioteca C.

O argumento sigdef redefinirá a disposição de todos os sinais no conjunto especificado. Este argumento corresponde ao sinalizador POSIX_SPAWN_SETSIGDEF da biblioteca C.

O argumento scheduler deve ser uma tupla contendo a política do agendador (opcional) e uma instância de sched_param com os parâmetros do agendador. Um valor None no lugar da política do planejador indica que não está sendo fornecido. Este argumento é uma combinação dos sinalizadores POSIX_SPAWN_SETSCHEDPARAM e POSIX_SPAWN_SETSCHEDULER da biblioteca C.

Levanta um evento de auditoria os.posix_spawn com argumentos pathargvenv.

Novo na versão 3.8.

Disponibilidade: Unix.

os.posix_spawnp(pathargvenv*file_actions=Nonesetpgroup=Noneresetids=Falsesetsid=Falsesetsigmask=()setsigdef=()scheduler=None)

Envolve a API da biblioteca C posix_spawnp() para uso em Python.

Semelhante a posix_spawn() exceto que o sistema procura o arquivo executable na lista de diretórios especificados pela variável de ambiente PATH (da mesma forma que para execvp(3)).

Levanta um evento de auditoria os.posix_spawn com argumentos pathargvenv.

Novo na versão 3.8.

Disponibilidade: Veja a documentação do posix_spawn().

os.register_at_fork(*before=Noneafter_in_parent=Noneafter_in_child=None)

Registra chamáveis a serem executados quando um novo processo filho é criado usando os.fork() ou APIs de clonagem de processos semelhantes. Os parâmetros são opcionais e somente-nomeados. Cada um especifica um ponto de chamada diferente.

  • before é uma função chamada antes de fazer um fork para um processo filho.
  • after_in_parent é uma função chamada a partir do processo pai após fazer um fork para um processo filho.
  • after_in_child é uma função chamada a partir do processo filho.

Essas chamadas são feitas apenas se o controle deve retornar ao interpretador Python. Um lançamento típico de subprocess não irá acioná-los, pois o filho não entrará novamente no interpretador.

As funções registradas para execução antes de fazer o fork são chamadas na ordem de registro reversa. As funções registradas para execução após o fork ser feito (no pai ou no filho) são chamadas na ordem de registro.

Note que chamadas a fork() feitas por código C de terceiros pode não chamar estas funções, a menos que ele explicitamente chame PyOS_BeforeFork()PyOS_AfterFork_Parent() e PyOS_AfterFork_Child().

Não há uma forma de desfazer o registro de uma função.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.7.

os.spawnl(modepath...)

os.spawnle(modepath...env)

os.spawnlp(modefile...)

os.spawnlpe(modefile...env)

os.spawnv(modepathargs)

os.spawnve(modepathargsenv)

os.spawnvp(modefileargs)

os.spawnvpe(modefileargsenv)

Executa o programa path em um novo processo.

(Observe que o módulo subprocess fornece recursos mais poderosos para gerar novos processos e recuperar seus resultados; usar esse módulo é preferível a usar essas funções. Verifique especialmente a seção Replacing Older Functions with the subprocess Module.)

Se mode for P_NOWAIT, esta função retorna o id do processo do novo processo; se mode for P_WAIT, retorna o código de saída do processo se ele sair normalmente, ou -signal, onde signal é o sinal que matou o processo. No Windows, o id de processo será na verdade o identificador do processo, portanto, pode ser usado com a função waitpid().

Nota sobre VxWorks: esta função não retorna -signal quando o novo processo é encerrado. Em vez disso, ele levanta a exceção OSError.

As variantes “l” e “v” das funções spawn* diferem em como os argumentos de linha de comando são passados. As variantes “l” são talvez as mais fáceis de trabalhar se o número de parâmetros for fixo quando o código for escrito; os parâmetros individuais simplesmente se tornam parâmetros adicionais para as funções spawnl*(). As variantes “v” são boas quando o número de parâmetros é variável, com os argumentos sendo passados em uma lista ou tupla como o parâmetro args. Em ambos os casos, os argumentos para o processo filho devem começar com o nome do comando que está sendo executado.

As variantes que incluem um segundo “p” próximo ao final (spawnlp()spawnlpe()spawnvp() e spawnvpe()) usarão a variável de ambiente PATH para localizar o programa file. Quando o ambiente está sendo substituído (usando uma das variantes spawn*e, discutidas no próximo parágrafo), o novo ambiente é usado como fonte da variável PATH As outras variantes, spawnl()spawnle()spawnv() e spawnve(), não usarão a variável PATH para localizar o executável; path deve conter um caminho absoluto ou relativo apropriado.

Para spawnle()spawnlpe()spawnve() e spawnvpe() (observe que todos eles terminam em “e”), o parâmetro env deve ser um mapeamento que é usado para definir as variáveis de ambiente para o novo processo (elas são usadas no lugar do ambiente do processo atual); as funções spawnl()spawnlp()spawnv() e spawnvp() fazem com que o novo processo herde o ambiente do processo atual. Note que as chaves e os valores no dicionário env devem ser strings; chaves ou valores inválidos farão com que a função falhe, com um valor de retorno de 127.

Como exemplo, as seguintes chamadas a spawnlp() e spawnvpe() são equivalentes:


import os
os.spawnlp(os.P_WAIT, 'cp', 'cp', 'index.html', '/dev/null')

L = ['cp', 'index.html', '/dev/null']
os.spawnvpe(os.P_WAIT, 'cp', L, os.environ)

Levanta um evento de auditoria os.spawn com argumentos modepathargsenv.

Disponibilidade: Unix, Windows. spawnlp()spawnlpe()spawnvp() e spawnvpe() não estão disponíveis no Windows. spawnle() e spawnve() não são seguros para thread no Windows; recomendamos que você use o módulo subprocess.

Alterado na versão 3.6: Aceita um objeto caminho ou similar.

os.P_NOWAIT

os.P_NOWAITO

Valores possíveis para o parâmetro mode para a família de funções spawn*. Se qualquer um desses valores for fornecido, as funções spawn*() retornarão assim que o novo processo for criado, com o id do processo como o valor de retorno.

Disponibilidade: Unix, Windows.

os.P_WAIT

Valor possível para o parâmetro mode para a família de funções spawn*. Se for fornecido como mode, as funções spawn*() não retornarão até que o novo processo seja executado até a conclusão e retornará o código de saída do processo em que a execução foi bem-sucedida, ou -signal se um sinal interromper o processo.

Disponibilidade: Unix, Windows.

os.P_DETACH

os.P_OVERLAY

Valores possíveis do o parâmetro mode para a família de funções spawn*. Eles são menos portáteis do que os listados acima. P_DETACH é semelhante a P_NOWAIT, mas o novo processo é separado do console do processo de chamada. Se P_OVERLAY for usado, o processo atual será substituído; a função spawn* não retornará.

Disponibilidade: Windows.

os.startfile(path[, operation][, arguments][, cwd][, show_cmd])

Inicia um arquivo com sua aplicação associada.

Quando operation não é especificado ou não está 'open', isso atua como um clique duplo no arquivo no Windows Explorer, ou como fornecer o nome do arquivo como um argumento para o comando start do console interativo de comandos: o arquivo é aberto com qualquer aplicação (se houver) com a extensão associada.

Quando outra operation é fornecida, ela deve ser um “verbo de comando” que especifica o que deve ser feito com o arquivo. Verbos comuns documentados pela Microsoft são 'print' e 'edit' (para serem usados em arquivos), bem como 'explore' e 'find' (para serem usados em diretórios).

When launching an application, specify arguments to be passed as a single string. This argument may have no effect when using this function to launch a document.

The default working directory is inherited, but may be overridden by the cwd argument. This should be an absolute path. A relative path will be resolved against this argument.

Use show_cmd to override the default window style. Whether this has any effect will depend on the application being launched. Values are integers as supported by the Win32 ShellExecute() function.

startfile() returns as soon as the associated application is launched. There is no option to wait for the application to close, and no way to retrieve the application’s exit status. The path parameter is relative to the current directory or cwd. If you want to use an absolute path, make sure the first character is not a slash ('/') Use pathlib or the os.path.normpath() function to ensure that paths are properly encoded for Win32.

Para reduzir a sobrecarga de inicialização do interpretador, a função Win32 ShellExecute() não é resolvida até que esta função seja chamada pela primeira vez. Se a função não puder ser resolvida, NotImplementedError será levantada.

Levanta um evento de auditoria os.startfile coms argumentos pathoperation.

Raises an auditing event os.startfile/2 with arguments pathoperationargumentscwdshow_cmd.

Disponibilidade: Windows.

Alterado na versão 3.10: Added the argumentscwd and show_cmd arguments, and the os.startfile/2 audit event.

os.system(command)

Executa o comando (uma string) em um subshell. Isso é implementado chamando a função C padrão system(), e tem as mesmas limitações. Alterações em sys.stdin etc. não são refletidas no ambiente do comando executado. Se command gerar qualquer saída, ela será enviada ao fluxo de saída padrão do interpretador. O padrão C não especifica o significado do valor de retorno da função C, então o valor de retorno da função Python depende do sistema.

No Unix, o valor de retorno é o status de saída do processo codificado no formato especificado para wait().

No Windows, o valor de retorno é aquele retornado pelo shell do sistema após a execução de command. O shell é fornecido pela variável de ambiente Windows COMSPEC: normalmente é cmd.exe, que retorna o status de saída da execução do comando; em sistemas que usam um shell não nativo, consulte a documentação do shell.

O módulo subprocess fornece recursos mais poderosos para gerar novos processos e recuperar seus resultados; usar esse módulo é preferível a usar esta função. Veja a seção Replacing Older Functions with the subprocess Module na documentação do subprocess para algumas receitas úteis.

No Unix, waitstatus_to_exitcode() pode ser usada para converter o resultado (status de saída) em um código de saída. No Windows, o resultado é diretamente o código de saída.

Levanta um evento de auditoria os.system com o argumento command.

Disponibilidade: Unix, Windows.

os.times()

Retorna os tempos atuais de processo globais. O valor de retorno é um objeto com cinco atributos:

  • user - tempo do usuário
  • system - tempo do sistema
  • children_user - tempo do usuário de todos os processo filhos
  • children_system - tempo do sistema de todos os processo filhos
  • elapsed - tempo real decorrido desde um ponto fixo no passado

Para compatibilidade com versões anteriores, esse objeto também se comporta como uma tupla de 5 elementos contendo usersystemchildren_userchildren_system e elapsed` nessa ordem.

Consulte as páginas de manual times (2) e times (3) no Unix ou o GetProcessTimes MSDN no Windows. No Windows, apenas user e system são conhecidos; os outros atributos são zero.

Disponibilidade: Unix, Windows.

Alterado na versão 3.3: Retorna tupla alterada de uma tupla para um objeto tipo tupla com atributos nomeados.

os.wait()

Aguarda a conclusão de um processo filho e retorna uma tupla contendo seu pid e indicação de status de saída: um número de 16 bits, cujo byte baixo é o número do sinal que matou o processo e cujo byte alto é o status de saída (se o sinal número é zero); o bit alto do byte baixo é definido se um arquivo principal foi produzido.

waitstatus_to_exitcode() pode ser usado para converter o status de saída em um código de saída.

Disponibilidade: Unix.

Ver também waitpid() pode ser usado para aguardar a conclusão de um processo filho específico e tem mais opções.

os.waitid(idtypeidoptions)

Aguarda a conclusão de um ou mais processos filhos. idtype pode ser P_PIDP_PGIDP_ALL ou P_PIDFD no Linux. id especifica o pid a ser aguardado. options é construído a partir da aplicação lógica de OU em um ou mais dos seguintes WEXITEDWSTOPPED ou WCONTINUED e, adicionalmente, pode ser aplicado OU com WNOHANG ou WNOWAIT. O valor de retorno é um objeto que representa os dados contidos na estrutura siginfo_t, a saber: si_pidsi_uidsi_signosi_statussi_code ou None se WNOHANG for especificado e não houver filhos em um estado de espera.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.P_PID

os.P_PGID

os.P_ALL

Estes são os valores possíveis para idtype em waitid(). Eles afetam como id é interpretado.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.P_PIDFD

Este é um idtype específico do Linux que indica que id é um descritor de arquivo que se refere a um processo.

Disponibilidade: Linux 5.4+

Novo na versão 3.9.

os.WEXITED

os.WSTOPPED

os.WNOWAIT

Sinalizadores que podem ser usados em options em waitid() que especificam por qual sinal filho esperar.

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

os.CLD_EXITED

os.CLD_KILLED

os.CLD_DUMPED

os.CLD_TRAPPED

os.CLD_STOPPED

os.CLD_CONTINUED

Estes são os valores possíveis para si_code no resultado retornado por waitid().

Disponibilidade: Unix.

Novo na versão 3.3.

Alterado na versão 3.9: Adicionados os valores CLD_KILLED e CLD_STOPPED.

os.waitpid(pidoptions)

Os detalhes desta função diferem no Unix e no Windows.

No Unix: Aguarda a conclusão de um processo filho dado pelo id de processo pid e retorna uma tupla contendo seu id de processo e indicação de status de saída (codificado como para wait()). A semântica da chamada é afetada pelo valor do inteiro options, que deve ser 0 para operação normal.

Se pid for maior que 0waitpid() solicita informações de status para aquele processo específico. Se pid for 0, a solicitação é para o status de qualquer filho no grupo de processos do processo atual. Se pid for -1, a solicitação pertence a qualquer filho do processo atual. Se pid for menor que -1, o status é solicitado para qualquer processo no grupo de processos -pid (o valor absoluto de pid).

Uma OSError é levantada com o valor de errno quando a chamada de sistema retorna -1.

No Windows: Aguarda a conclusão de um processo fornecido pelo identificador de processo pid e retorna uma tupla contendo pid, e seu status de saída deslocado 8 bits para a esquerda (o deslocamento torna o uso da função em várias plataformas mais fácil). Um pid menor ou igual a 0 não tem nenhum significado especial no Windows e levanta uma exceção. O valor de inteiros options não tem efeito. pid pode se referir a qualquer processo cujo id é conhecido, não necessariamente um processo filho. As funções spawn* chamadas com P_NOWAIT retornam manipuladores de processo adequados.

waitstatus_to_exitcode() pode ser usado para converter o status de saída em um código de saída.

Alterado na versão 3.5: Se a chamada de sistema é interrompida e o tratador de sinal não levanta uma exceção, a função agora tenta novamente a chamada de sistema em vez de levantar uma exceção InterruptedError (consulte PEP 475 para entender a lógica).

os.wait3(options)

Semelhante a waitpid(), exceto que nenhum argumento de id de processo é fornecido e uma tupla de 3 elementos contendo a id do processo da criança, indicação de status de saída e informações de uso de recursos é retornada. Consulte resource.getrusage() para obter detalhes sobre as informações de uso de recursos. O argumento da opção é o mesmo fornecido para waitpid() e wait4().

waitstatus_to_exitcode() pode ser usado para converter o status de saída em um código de saída.

Disponibilidade: Unix.

os.wait4(pidoptions)

Semelhante a waitpid(), exceto uma tupla de 3 elementos, contendo a id do processo da filho, indicação de status de saída e informações de uso de recursos é retornada. Consulte resource.getrusage() para obter detalhes sobre as informações de uso de recursos. Os argumentos para wait4() são os mesmos que aqueles fornecidos a waitpid().

waitstatus_to_exitcode() pode ser usado para converter o status de saída em um código de saída.

Disponibilidade: Unix.

os.waitstatus_to_exitcode(status)

Converte um status de espera em um código de saída.

No Unix:

  • Se o processo saiu normalmente (se WIFEXITED(status) for verdadeiro), retorna o status de saída do processo (retorna WEXITSTATUS(status)): resultado maior ou igual a 0.
  • Se o processo foi encerrado por um sinal (se WIFSIGNALED(status) for verdadeiro), retorna -signum onde signum é o número do sinal que causou o encerramento do processo (retorna -WTERMSIG(status)): resultado menor que 0.
  • Do contrário, levanta uma ValueError.

No Windows, retorna status deslocado para a direita em 8 bits.

No Unix, se o processo está sendo rastreado ou se waitpid() foi chamado com a opção WUNTRACED, o chamador deve primeiro verificar se WIFSTOPPED(status) é verdadeiro. Esta função não deve ser chamada se WIFSTOPPED(status) for verdadeiro.

Ver também As funções WIFEXITED()WEXITSTATUS()WIFSIGNALED()WTERMSIG()WIFSTOPPED()WSTOPSIG().

Novo na versão 3.9.

os.WNOHANG

A opção para waitpid() retornar imediatamente se nenhum status de processo filho estiver disponível imediatamente. A função retorna (0, 0) neste caso.

Disponibilidade: Unix.

os.WCONTINUED

Esta opção faz com que os processos filhos sejam relatados se eles foram continuados a partir de uma parada de controle de tarefa desde que seu status foi relatado pela última vez.

Disponibilidade: alguns sistemas Unix.

os.WUNTRACED

Esta opção faz com que os processos filhos sejam relatados se eles tiverem sido interrompidos, mas seu estado atual não foi relatado desde que foram interrompidos.

Disponibilidade: Unix.

As funções a seguir recebem um código de status do processo conforme retornado por system()wait() ou waitpid() como parâmetro. Eles podem ser usados ​​para determinar a disposição de um processo.

os.WCOREDUMP(status)

Retorna True se um despejo de núcleo (core dump) foi gerado para o processo; caso contrário, retorna False.

Esta função deve ser empregada apenas se WIFSIGNALED() for verdadeira.

Disponibilidade: Unix.

os.WIFCONTINUED(status)

Retorna True se um filho interrompido foi retomado pela entrega de SIGCONT (se o processo foi continuado de uma parada de controle de trabalho); caso contrário, retorna False.

Veja a opção WCONTINUED.

Disponibilidade: Unix.

os.WIFSTOPPED(status)

Retorna True se o processo foi interrompido pela entrega de um sinal; caso contrário, retorna False.

WIFSTOPPED() só retorna True se a chamada de waitpid() foi feita usando a opção WUNTRACED ou quando o processo está sendo rastreado (veja ptrace(2)).

Disponibilidade: Unix.

os.WIFSIGNALED(status)

Retorna True se o processo foi encerrado por um sinal; caso contrário, retorna False.

Disponibilidade: Unix.

os.WIFEXITED(status)

Retorna True se o processo foi encerrado normalmente, isto é, chamando exit() ou _exit(), ou retornando de main(); caso contrário, retorna False.

Disponibilidade: Unix.

os.WEXITSTATUS(status)

Retorna o status de saída do processo.

Esta função deve ser empregada apenas se WIFEXITED() for verdadeira.

Disponibilidade: Unix.

os.WSTOPSIG(status)

Retorna o sinal que causou a interrupção do processo.

Esta função deve ser empregada apenas se WIFSTOPPED() for verdadeira.

Disponibilidade: Unix.

os.WTERMSIG(status)

Retorna o número do sinal que causou o encerramento do processo.

Esta função deve ser empregada apenas se WIFSIGNALED() for verdadeira.

Disponibilidade: Unix.

Interface do agendador

Essas funções controlam como o tempo de CPU de um processo é alocado pelo sistema operacional. Eles estão disponíveis apenas em algumas plataformas Unix. Para informações mais detalhadas, consulte suas páginas man do Unix.

Novo na versão 3.3.

As políticas de agendamento a seguir serão expostas se houver suporte pelo sistema operacional.

os.SCHED_OTHER

A política de agendamento padrão.

os.SCHED_BATCH

Política de agendamento para processos com uso intensivo de CPU que tenta preservar a interatividade no resto do computador.

os.SCHED_IDLE

Política de agendamento para tarefas em segundo plano de prioridade extremamente baixa.

os.SCHED_SPORADIC

Política de agendamento para programas de servidor esporádicos.

os.SCHED_FIFO

Uma política de agendamento Primeiro a Entrar, Primeiro a Sair (FIFO).

os.SCHED_RR

Uma política de agendamento round-robin.

os.SCHED_RESET_ON_FORK

Este sinalizador pode ser operado em OU com qualquer outra política de agendamento. Quando um processo com este sinalizador definido bifurca, a política de agendamento e a prioridade de seu filho são redefinidas para o padrão.

class os.sched_param(sched_priority)

Esta classe representa parâmetros de agendamento ajustáveis ​​usados ​​em sched_setparam()sched_setscheduler() e sched_getparam(). É imutável.

Neste momento, há somente um único parâmetro possível:

sched_priority

A prioridade de agendamento para uma política de agendamento.

os.sched_get_priority_min(policy)

Obtém o valor mínimo de prioridade para policypolicy é uma das constantes de política de agendamento acima.

os.sched_get_priority_max(policy)

Obtém o valor máximo de prioridade para policypolicy é uma das constantes de política de agendamento acima.

os.sched_setscheduler(pidpolicyparam)

Define a política de agendamento para o processo com PID pid. Um pid de 0 significa o processo de chamada. policy é uma das constantes de política de agendamento acima. param é uma instância de sched_param.

os.sched_getscheduler(pid)

Retorna a política de agendamento para o processo com PID pid. Um pid de 0 significa o processo de chamada. O resultado é uma das constantes de política de agendamento acima.

os.sched_setparam(pidparam)

Define os parâmetros de agendamento para o processo com PID pid. Um pid de 0 significa o processo de chamada. param é uma instância de sched_param.

os.sched_getparam(pid)

Retorna os parâmetros de agendamento como uma instância de sched_param para o processo com PID pid. Um pid de 0 significa o processo de chamada.

os.sched_rr_get_interval(pid)

Retorna o quantum round-robin em segundos para o processo com PID pid. Um pid de 0 significa o processo de chamada.

os.sched_yield()

Libera a CPU voluntariamente.

os.sched_setaffinity(pidmask)

Restringe o processo com PID pid (ou o processo atual se zero) para um conjunto de CPUs. mask é um iterável de inteiros que representam o conjunto de CPUs às quais o processo deve ser restrito.

os.sched_getaffinity(pid)

Retorna o conjunto de CPUs ao qual o processo com PID pid (ou o processo atual se zero) está restrito.

Diversas informações de sistema

os.confstr(name)

Retorna valores de configuração do sistema com valor de string. name especifica o valor de configuração a ser recuperado; pode ser uma string que é o nome de um valor de sistema definido; esses nomes são especificados em vários padrões (POSIX, Unix 95, Unix 98 e outros). Algumas plataformas também definem nomes adicionais. Os nomes conhecidos pelo sistema operacional host são fornecidos como as chaves do dicionário confstr_names. Para variáveis ​​de configuração não incluídas nesse mapeamento, passar um número inteiro para name também é aceito.

Se o valor de configuração especificado por name não for definido, retorna None.

Se name for uma string e não for conhecida, ValueError é levantada. Se um valor específico para name não for compatível com o sistema de host, mesmo que seja incluído em confstr_names, uma OSError é levantada com errno.EINVAL como número do erro.

Disponibilidade: Unix.

os.confstr_names

Nomes de mapeamento de dicionário aceitos por confstr() para os valores inteiros definidos para esses nomes pelo sistema operacional do host. Isso pode ser usado para determinar o conjunto de nomes conhecidos pelo sistema.

Disponibilidade: Unix.

os.cpu_count()

Retorna o número de CPUs do sistema. Retorna None se não determinado.

Este número não é equivalente ao número de CPUs que o processo atual pode usar. O número de CPUs utilizáveis ​​pode ser obtido com len(os.sched_getaffinity(0))

Novo na versão 3.4.

os.getloadavg()

Retorna o número de processos na fila de execução do sistema em média nos últimos 1, 5 e 15 minutos ou levanta OSError se a média de carga não foi obtida.

Disponibilidade: Unix.

os.sysconf(name)

Retorna valores de configuração do sistema com valor inteiro. Se o valor de configuração especificado por name não estiver definido, -1 é retornado. Os comentários sobre o parâmetro name para confstr() se aplicam aqui também; o dicionário que fornece informações sobre os nomes conhecidos é fornecido por sysconf_names.

Disponibilidade: Unix.

os.sysconf_names

Nomes de mapeamento de dicionário aceitos por sysconf() para os valores inteiros definidos para esses nomes pelo sistema operacional do host. Isso pode ser usado para determinar o conjunto de nomes conhecidos pelo sistema.

Disponibilidade: Unix.

Os dados a seguir são usados para suportar operações de manipulação de path. Estão definidos e disponíveis para todas as plataformas.

Operações de nível mais alto em nomes de caminho são definidos no módulo os.path.

os.curdir

A string constante usada pelo sistema operacional para se referir ao diretório atual. Isso é '.' para Windows e POSIX. Também disponível via os.path.

os.pardir

A string constante usada pelo sistema operacional para se referir ao diretório pai. Isso é '..' para Windows e POSIX. Também disponível via os.path.

os.sep

O caractere usado pelo sistema operacional para separar os componentes do nome do caminho. Este é '/' para POSIX e '\\' para Windows. Observe que saber disso não é suficiente para ser capaz de analisar ou concatenar nomes de caminho – use os.path.split() e os.path.join() – mas ocasionalmente é útil. Também disponível via os.path.

os.altsep

Um caractere alternativo usado pelo sistema operacional para separar os componentes do nome de caminho, ou None se apenas um caractere separador existir. Isso é definido como '/' em sistemas Windows onde sep é uma contrabarra. Também disponível via os.path.

os.extsep

O caractere que separa o nome do arquivo base da extensão; por exemplo, o '.' em os.py. Também disponível via os.path.

os.pathsep

O caractere convencionalmente usado pelo sistema operacional para separar os componentes do caminho de pesquisa (como em PATH), como ':' para POSIX ou ';' para Windows. Também disponível via os.path.

os.defpath

O caminho de pesquisa padrão usado por exec*p* e spawn*p* se o ambiente não tiver uma chave 'PATH'. Também disponível via os.path.

os.linesep

A string usada para separar (ou melhor, encerrar) linhas na plataforma atual. Pode ser um único caractere, como '\n' para POSIX, ou múltiplos caracteres, por exemplo, '\r\n' para Windows. Não use os.linesep como terminador de linha ao escrever arquivos abertos em modo de texto (o padrão); use um único '\n' ao invés, em todas as plataformas.

os.devnull

O caminho do arquivo do dispositivo nulo. Por exemplo: '/dev/null' para POSIX, 'nul' para Windows. Também disponível via os.path.

os.RTLD_LAZY

os.RTLD_NOW

os.RTLD_GLOBAL

os.RTLD_LOCAL

os.RTLD_NODELETE

os.RTLD_NOLOAD

os.RTLD_DEEPBIND

Sinalizadores para uso com as funções setdlopenflags() e getdlopenflags(). Veja a página man do Unix dlopen(3) para saber o que significam os diferentes sinalizadores.

Novo na versão 3.3.

Números aleatórios

os.getrandom(sizeflags=0)

Obtém até size bytes aleatórios. Esta função pode retornar menos bytes que a quantia requisitada.

Esses bytes podem ser usados ​​para propagar geradores de número aleatório no espaço do usuário ou para fins criptográficos.

getrandom() depende da entropia obtida de drivers de dispositivos e outras fontes de ruído ambiental. A leitura desnecessária de grandes quantidades de dados terá um impacto negativo sobre outros usuários dos dispositivos /dev/random e /dev/urandom.

O argumento sinalizadores é uma máscara de bits que pode conter zero ou mais dos seguintes valores operados com OU juntos: os.GRND_RANDOM e GRND_NONBLOCK.

Veja também A página do manual do Linux sobre getrandom().

Disponibilidade: Linux 3.17 e mais novos.

Novo na versão 3.6.

os.urandom(size)

Retorna uma string de size bytes aleatórios próprios para uso criptográfico.

Esta função retorna bytes aleatórios de uma fonte de aleatoriedade específica do sistema operacional. Os dados retornados devem ser imprevisíveis o suficiente para aplicações criptográficos, embora sua qualidade exata dependa da implementação do sistema operacional.

No Linux, se a chamada de sistema getrandom() estiver disponível, ela é usada no modo bloqueante: bloqueia até que o pool de entropia urandom do sistema seja inicializado (128 bits de entropia são coletados pelo kernel). Veja a PEP 524 para a justificativa. No Linux, a função getrandom() pode ser usada para obter bytes aleatórios no modo não bloqueante (usando a sinalização GRND_NONBLOCK) ou para pesquisar até que o pool de entropia urandom do sistema seja inicializado.

Em um sistema semelhante ao Unix, bytes aleatórios são lidos do dispositivo /dev/urandom. Se o dispositivo /dev/urandom não estiver disponível ou não for legível, a exceção NotImplementedError é levantada.

No Windows, será usado CryptGenRandom().

Ver também O módulo secrets fornece funções de nível mais alto. Para uma interface fácil de usar para o gerador de números aleatórios fornecido por sua plataforma, consulte random.SystemRandom.

Alterado na versão 3.6.0: No Linux, getrandom() é usado agora no modo de bloqueio para aumentar a segurança.

Alterado na versão 3.5.2: No Linux, se a chamada de sistema getrandom() bloqueia (o pool de entropia urandom ainda não foi inicializado), recorre à leitura /dev/urandom.

Alterado na versão 3.5: No Linux 3.17 e mais recente, a chamada de sistema getrandom() agora é usada quando disponível. No OpenBSD 5.6 e mais recentes, a função C getentropy() agora é usada. Essas funções evitam o uso de um descritor de arquivo interno.

os.GRND_NONBLOCK

Por padrão, ao ler de /dev/randomgetrandom() bloqueia se nenhum byte aleatório estiver disponível, e ao ler de /dev/urandom, ele bloqueia se o pool de entropia não ainda foi inicializado.

Se o sinalizador GRND_NONBLOCK estiver definido, então getrandom() não bloqueia nesses casos, mas, em vez disso, levanta BlockingIOError imediatamente.

Novo na versão 3.6.

os.GRND_RANDOM

Se este bit é definido bytes aleatórios são pegos a partir de /dev/random ao invés de /dev/urandom.

Novo na versão 3.6.

0
0

Comentários (1)

0
Ricardo Shikata

Ricardo Shikata

09/10/2021 20:57

Legal o artigo Alfredo, parabéns!

alfredo gelk neto

Brasil