0

Por que o Angular é um framework tão poderoso?

Edson Gallo
Edson Gallo

Você já ouviu falar em Angular? Essa plataforma é voltada para a construção da interface de aplicações, usando HTML, CSS e, principalmente, JavaScript. Seu foco é em aplicações web de código-fonte aberto e front-end, baseadas em TypeScript.

O TypeScript, por sua vez, é uma linguagem que permite escrever seu código JavaScript, fazendo programações orientadas a objetos sem perder suas vantagens. Para conhecer mais sobre os elementos e funcionalidades dessa modalidade de desenvolvimento, continue a leitura do artigo que preparamos para você!


Elementos do Angular

Ao compilar um código TypeScript, é gerado um código JavaScript, e esse código é o que será executado no browser. Dentre os principais elementos básicos que tornam essa construção interessante, podemos destacar:

  • Templates;
  • Componentes;
  • Roteamento;
  • Diretivas;
  • Módulos;
  • Serviços;
  • Injeção de dependências,
  • Ferramentas de infraestrutura.

Outro ponto que merece destaque é o fato de que a plataforma é open source e conta com uma grande comunidade, com diversas organizações se utilizando do sistema e com bastante material de consulta disponível, para aqueles que querem se aperfeiçoar e aprender mais.

framework Angular, portanto, ajuda na criação de Single-Page Applications, com nível de produtividade e qualidade acima da média.


Qual a função do Angular?

O Angular otimiza o desenvolvimento das aplicações front-end de páginas web. O HTML permite a criação de páginas estáticas, porém, para uma aplicação web, é necessário mais do que isso.

O Angular adapta e estende o HTML tradicional para uma experiência otimizada, com conteúdo dinâmico e ligação direta dos dados, conhecida como two-way data-binding, que abre a possibilidade para sincronização automática de modelos e visualizações.

plataforma Angular provê recursos para o desenvolvimento de Single Page Applications (SPA). Ou seja, uma única página web, com o objetivo de fornecer a experiência ao usuário parecida com a de um aplicativo de desktop, onde o código é carregado na página única, de forma dinâmica.

A produtividade também aumenta, permitindo ao desenvolvedor quebrar o código em partes, utilizando componentes, módulos e outras funcionalidades. Essa estrutura torna o ambiente de desenvolvimento mais organizado, e é chamado de diagrama de aplicação Angular. Conheça mais sobre essas funcionalidades a seguir:

Componentes

O conceito de componentes é fundamental quando falamos de framework para front-end. Praticamente tudo se baseia neles, que são responsáveis por permitirem a criação de códigos, que podem ser reutilizados e testados sem o risco de colisões.

Uma aplicação Angular é iniciada por um componente principal, o AppComponent. A partir dele, conecta-se uma hierarquia de outros componentes ao modelo de objeto de documento de página (DOM).

Módulos

Com a utilização do Angular, um aplicativo é definido por uma junção de módulos. Se imaginarmos os módulos como blocos que podem ser utilizados para construir coisas, no Angular, essa ação se traduziria em agrupar, exportar e esconder componentes, diretivas, pipes e serviços relacionados.

Esses módulos servem para formar uma aplicação e são chamados de NgModules. Cada aplicação é composta por pelo menos uma categoria dessa classificação, que é o módulo root da aplicação.

  • Imports: são arranjos com outros módulos, necessários para utilizar componentes declarados dentro da aplicação;
  • Declarations: recebe um arranjo de componentes, diretivas e pipes, que fazem parte do módulo;
  • Exports: Define o conjunto de componentes e pipes, disponíveis para outros módulos,
  • Providers: Faz a declaração dos serviços, onde, se um módulo for root, eles estarão disponíveis para toda a aplicação.

Two-way data binding

Essa é uma das principais características do framework. O termo pode ser definido como uma associação de dados bidirecional, onde a informação entra através da visualização ou template, passando instantaneamente para uma propriedade da classe do componente. O dado em questão já é exibido automaticamente em um elemento do DOM (Document Object Model) no template do componente.

A principal proposta do two-way data binding é automatizar a circulação de dados, facilitando a vida do desenvolvedor ao não exigir a criação de handlers para atualizar a visualização.

Dessa forma, quando um valor de um componente mudar, o próprio framework realizará a atualização na página. A ligação de dados bidirecional combina a entrada e saída em um único processo.


Por que aprender Angular?

Uns dos maiores atrativos do Angular são a praticidade no desenvolvimento e organização dos arquivos dentro do projeto. Os códigos são organizados em uma estrutura de simples entendimento e manutenção, já que as funcionalidades disponíveis permitem modularidade e quebram o código em pedaços.

O tempo economizado também é um diferencial, pois, no Angular, você não precisa utilizar editores de texto e criar códigos de configuração extensos dentro da aplicação.

Outro ponto interessante é a atualização da página em tempo real. Fazer alterações no código e observar as mudanças praticamente de modo instantâneo é um ponto positivo. O Angular permite isso, rodando todas as alterações do código ao mesmo tempo em que são atualizadas na página.

Lembrando que existem módulos Lazy-Load, indicados para grandes aplicações, devido à diminuição no tempo de inicialização.


Angular Ivy

Se você costuma acompanhar as evoluções do mercado de desenvolvimento e inovação, já deve ter ouvido falar em Angular Ivy. O Ivy se trata de uma nova geração de compilador e renderizador de componentes da plataforma de framework.

Ele é ideal para aplicações menores e mais rápidas, fazendo uma compilação mais ágil e inteligente. Aplicações em Angular podem demorar um tempo (vários segundos, às vezes) para ser compilada ser compilada. Com o Ivy, porém, isso é diferente.

Essa atualização trabalha com a ideia de localization. Ou seja, o Ivy vai compilar apenas os componentes que tiverem edições e forem necessários. Seguindo essa lógica, não será necessário realizar uma nova compilação da aplicação a todo momento. Dessa forma, o dia-a-dia de desenvolvimento fica muito mais facilitado.

O Angular Ivy é indicado até em aplicações grandes. Antes do dele, quanto maior a aplicação mais tempo era demandado. Com a nova atualização esse processo leva o tempo correspondente ao tamanho do componente que estiver sendo editado.

Neste conteúdo, explicamos um pouco sobre um framework poderoso. Para aqueles que nunca tiveram contato com a ferramenta, falamos sobre suas características e algumas especificações.

Para os que desejam aprender mais, discutimos a relevância do Angular, por que se aprofundar nele e suas principais funções, como módulos e componentes, onde ficou claro seu potencial e capacidade de desenvolvimento.


Artigo original escrito pela Totvs (https://www.totvs.com/blog/developers/angular/). Ele apresenta um overview muito bom dessa framework poderosa escrita pela Google e Microsoft para facilitar o desenvolvimento front-end. Ela é muito forte no mercado, principalmente, presente em muito bancos.

0
0

Comentários (3)

0
Ivan Cruz

Ivan Cruz

17/09/2021 15:47

Parabéns Edson seu artigo ficou muito bom e justamente no momento que estou estudando Angular me ajudou muito ais uma vez parabéns!

0
🏂⚡️Eros M.Lima

🏂⚡️Eros M.Lima

06/09/2021 09:48

Muito bom, parabéns!

1
CARLOS SILVA

CARLOS SILVA

05/09/2021 19:09

Edson Gallo,


Muito bom seu artigo, e bem estruturado.

Qual sua visão em relação ao uso do React em relação ao Angular? Faz um artigo sobre esses dois FW, seria um bom tema.


Muito obrigado.

Tecnólogo em PD pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, com Especialização em Gestão de Projetos pela USP.

Brasil