5

A Computação é Arte

#Desperte o potencial
Plínio Marini
Plínio Marini

“Sapiens: Uma breve história da humanidade” é um livro que utiliza a ciência e a interpretação pessoal do autor (Yuval Noah Harari) para teorizar sobre o triunfo do Homo Sapiens em quesitos biológicos, geográficos, econômicos e políticos, traçando uma linha histórica desde seu surgimento até os dias atuais. No desenrolar das páginas de Sapiens, o autor sugere que nossa capacidade comunicativa e, consequentemente cognitiva, é o fator principal para que pudéssemos extinguir as demais espécies de Homo presentes em tempos passados e, com isso, desenvolver a sociedade.


Mas você deve estar se perguntando, onde a computação entra nessa mistura de história e biologia? Bom, creio que encaixa perfeitamente. Essa habilidade tecnológica nada mais é que um condensado informacional de comunicação humana que nos permite conversar através das distâncias físicas do tempo e ir do ponto mais escuro da lua até as camadas mais fundas do oceano.

E, por isso, minha teoria é de que a computação no geral, em todas suas formas, é a maior arte em desenvolvimento pelo Homo Sapiens, pois ela se comunica com cada indivíduo de uma maneira única, mesmo entregando a mesma mensagem final. Anteriormente, grandes óperas, teatros, museus e exposições eram tidos como uma expressão formal e culta da sociedade e não é como se ainda não fossem, mas, certamente, perderam significativa influência entre as pessoas. Por outro lado, ao pegarmos para analisar a computação, observa-se uma crescente de consumo tanto por parte dos desenvolvedores como por parte do usuário e, na minha opinião, isso se dá pelo fato dessa ser o que as pessoas precisam e querem que ela seja. Explico:


Para o programador, existem milhares de formas de se escrever o mesmo código, com várias lógicas, linguagens e paradigmas onde, para cada obra, você se torna o mestre desse mundo, um pintor que imprime as suas próprias características e segredos naquele espaço que será compilado. Esse desafio vicia e te faz querer aprender, produzir e melhorar.


Para o usuário, tudo gira em torno de seu passado, presente e futuro, além de como essa experiência será consumida e replicada. Isso por si só já é uma arte que o próprio indivíduo cria para se familiarizar com o que está em sua frente. Um aplicativo ou um jogo pode trazer emoções diferentes em pessoas diferentes justamente pela bagagem que cada um carrega e como essa informação que foi iniciada por um desenvolvedor em uma linha de código conversa com o mais profundo ou o mais externo da alma.


Em suma, acredito que a computação seja essa repetitiva troca de conversas, em que, cada laço, existe uma forma distinta de interpretação. Portanto, quando alguém falar que você está gastando tempo demais no computador, diga a ela que você está produzindo arte! Por fim, não sei se este espaço permite textos não tão informativos, mas, de qualquer forma, deixo aqui as minhas palavras para quem se interessar!

Abraços e bons estudos!  

7
89

Comentários (7)

0
Plínio Marini

Plínio Marini

15/02/2021 21:00

Agradeço a todos que leram e comentaram ! Certamente irei pesquisar sobre os assuntos tratados! Obrigado

0
C

Cristian Girão

15/02/2021 02:46

Excelente texto! Muito bom ver gente com background em humanas por aqui(rsrs).

Me identifiquei com o seu texto, principalmente na parte em que você diz que "..computação vicia". E vicia mesmo! Um bom programador está sempre procurando aprender para se sobressair nos desafios que lhe são propostos. E isso é evoluir. No contexto de comunicação, a preocupação com "o que se diz" e "como se diz" deve estar sempre presente, afinal de contas, é fácil escrever códigos que máquinas entendam, difícil é escrever códigos que humanos entendam.

Parabéns pela texto e obrigado pela reflexão!

1
Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues

14/02/2021 22:43

Gostei do seu texto! Eu venho da área da música e correlacionei bem quando você fez a analogia do programador com o pintor. Na música se você for analisar o campo harmônico das canções você irar perceber o tanto que se repetem, mas que existe diversas formas de executar uma mesma música usando ritmos e emoções diferentes. Um fato interessante sobre a linguagem de programação C# foi que surgiu da nomenclatura sustenido e ai também temos os programas Composer o framework Symfony alguns exemplos de nomes que surgiram da arte musical. 

0
Luiz Silva

Luiz Silva

14/02/2021 22:06

Excelente texto, Plínio! A computação não só é arte, como é a arte mais revolucionária que já produzimos.

0
⚡Eros Lima

⚡Eros Lima

14/02/2021 21:48

Top me lembrou:


The Art of Computer Programming (TAOCP) is a comprehensive monograph written by computer scientist Donald Knuth that covers many kinds of programming algorithms and their analysis.


Muito bom seu post! Parabéns Plínio Marini!

1
Plínio Marini

Plínio Marini

14/02/2021 21:44

Vinícius,


fiquei muito feliz e agradecido pelo seu comentário! possuo também um background em História pela Universidade Federal de Uberlândia e essas questões inerentes ao ser humano sempre me despertaram a atenção. Com certeza darei uma olhada em Bakktin.


Grande abraço!

0
Vinícius Ferreira

Vinícius Ferreira

14/02/2021 21:28

Muito legal o seu texto.

Eu vim de um background em Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais, e alguns pontos que você citou no seu texto, batem em grande parte com teorias do campo da Linguística. Mikkail Bakktin foi um dos principais nomes da área e ele tem uma teoria interessante sobre a linguagem que explica que tudo o que dizemos é parte de um infinito diálogo, que se iniciou desde que o ser humano formulou suas primeiras palavras, até o mais refinado e complexo software escrito hoje.

Até o ato de falar sozinho é visto como um ato dialogal pelo Bakktin, pois ele acredita que toda sentença proferida, deriva de todos os diálogos que você já teve na vida. Meio que ação e reação.


De fato, o seu texto é bem interessante.

None

Brasil